SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

  • SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

  • - Sistema nervoso somático (voluntário)

  • - Sistema nervoso autônomo (involuntário) Simpático

  • Parassimpático

Vias motoras somáticas e autônomas

  • Comparação dos sistemas nervosos somático e autônomo

  • - efetores - músculo esquelético - músculos cardíaco, liso e glândulas.

  • - tipo de controle – voluntário - involuntário.

  • - via nervosa – um neurônio faz sinapse diretamente no músculo esquelético

  • um neurônio faz sinapse com outro no gânglio, e um segundo faz sinapse com o órgão efetor.

  • Comparação dos sistemas nervosos somático e autônomo

  • - Neurotransmisssor – acetilcolina – acetilcolina ou noradrenalina

  • - Ação do neurotransmissor sobre o efetor – sempre excitatória (causando contração do

  • Músculo esquelético).

  • - pode ser excitatória (causando contração do músculo liso, aumento da freqüência e contração cardíaca ou aumento das secreções glandulares) ou inibitória (causando relaxamento do músculo liso, diminuição da freqüência cardíaca ou redução das secreções glandulares).

  • Organização da divisão simpática – também denominada divisão toracolombar, pois o fluxo dos impulsos provém dos segmentos torácicos e lombares da medula espinhal.

  • Os neurônios pré-ganglionares simpáticos têm seus corpos celulares nos 12 segmentos torácicos e nos dois primeiros lombares da medula espinhal. Após saírem da medula, os axônios pré-ganglionares estendem-se ate um gânglio simpático.

  • Um único axônio pré-ganglionar simpático tem muitos ramos e pode fazer sinapse com 20 ou mais neurônios pós-ganglionares. Esse padrão explica o motivo pelo quais as respostas simpáticas podem afetar os órgãos de todo o corpo quase simultaneamente.

  • Organização da divisão parassimpática – também denominada divisão craniossacral, pois o fluxo dos impulsos parassimpáticos originam-se dos nervos cranianos e segmentos sacrais da medula espinhal.

  • Os corpos celulares dos neurônios pré-ganglionares parasssimpáticos estão localizados nos núcleos de quatro nervos cranianos (III, VII, IX e X) no tronco encefálico e em três segmentos sacrais (S2, S3 e S4) da medula espinhal.

  • Os axônios do nervo vago, X par craniano, conduzem quase que 80% do fluxo parassimpático. No tórax, chegam aos gânglios do coração e pulmão. No abdome, chegam aos gânglios do fígado, vesícula biliar, ductos biliares, estomago, pâncreas, baço, intestino delgado e colo transverso e descendente.

  • Os axônios pré-ganglionares parassimpáticos saem da parte sacral e depois se estendem aos gânglios das paredes do colo ascendente e sigmóide, ureteres, bexiga urinária e órgãos genitais.

  • Atividades do SNA – a maioria dos órgãos do corpo recebe instruções de ambas as divisões do SNA, que funcionam em oposição recíproca. O equilíbrio entre a atividade simpática e parassimpática, é regulada pelo hipotálamo.

  • Atividade simpática – durante o estresse físico ou emocional, o alto tom simpático favorece as funções corporais que podem sustentar a atividade física vigorosa e a rápida produção de ATP. Ao mesmo tempo, a divisão simpática reduz as funções corporais que favorecem a armazenamento de energia.

  • Umas variedades de emoções como: medo, o embaraço ou a raiva – estimula a divisão simpática. A liberação de hormônios pela medula da glândula supra-renal resulta em uma serie de respostas fisiológicas chamadas de resposta de fuga ou luta.

  • Na resposta de fuga ou luta ocorre as seguintes respostas: dilatação pupilar, aumento da pressão sanguínea, aumento da freqüência e força de contração cardíaca, dilatação das vias respiratórias permitindo movimento mais rápido de entrada e saída de ar dos pulmões, constrição dos vasos sanguíneos não essenciais, dilatação dos vasos sanguíneos essenciais, conversão de glicogênio em glicose, liberação de glicose no sangue e processos não essenciais são inibidos.

  • Atividade parassimpática – a divisão parassimpática reforça as atividades de repouso e digestão. Sustentam as funções corporais que conserva e restauram a energia corporal durante os períodos de repouso e recuperação, com predomínio dos impulsos parassimpáticos para as glândulas do aparelho digestivo e para o músculo liso do trato gastrintestinal.

  • A sigla SLUDD lembra as cinco respostas parassimpáticas:

  • -salivação

  • -lacrimação

  • -urinação

  • -digestão

  • -defecação

  • Ocorre também:

  • -diminuição da freqüência cardíaca

  • -diminuição do diâmetro das via respiratórias

  • -constrição das pupilas.

  • PARA O DISCURSO, E POR CONSEGUINTE PARA O HOMEM, NADA É MAIS TERRÍVEL QUE A AUSÊNCIA DE RESPOSTAS (MIJAL BAJTINE).

Comentários