apostila de irrigação completa

apostila de irrigação completa

(Parte 7 de 8)

Leve < 2

Moderado 2 - 5

Forte 5 - 8

Muito forte > 8

OBS: Para áreas extensas de solo nu, reduzir os valores de Kt em 20% em condições de alta temperatura e vento forte, e de 5 a 10% em condições de temperatura, vento e umidade moderados. R (m) representa a menor distância do centro do tanque ao limite da bordadura (grama ou solo nu).

Exemplo de aplicação I.2

Determine a evapotranspiração para a cultura de milho utilizando os dados de um tanque evaporimétrico “Classe A”, de acordo com os dados: - período de medição: 7 dias;

- evaporação registrada pelo tanque no período (Ev): 51,5 m;

- velocidade média do vento no período: (2,5 m s-1) ;

- umidade relativa média do ar: 65%; e

- tanque circundado por grama com R = 100 m;

- coeficiente de cultura (Kc) para o milho = 0,85.

IRRIGAÇÃO CAP.I - 16

De acordo com a Tabela I.3, o valor de Kt é 0,75. Aplicando a Equação I.3, tem-se: ETo = 51,5 x 0,75 = 38,62 m em 7 dias

O valor médio de ETo é igual a 5,52 m d-1 .

Utilizando a Equação I.1, tem-se:ETpc = 5,52 x 0,85 = 4,7 m d-1

2.5.2.2 – Método de Thornthwaite

Este método foi proposto por Thornthwaite (1948) para estimativa da evapotranspiração potencial (ETP), ou de referência (ETo), mensal de um gramado, em posto meteorológico, visando sua utilização em uma classificação climática mais racional. De acordo com Pereira et al. (1997), a ETP é tida como a chuva ideal, para que uma dada região não apresente nem excesso nem deficiência hídrica durante o ano.

O método de Thornthwaite é baseado num conjunto de equações elaboradas a partir de balanços hídricos em bacias hidrográficas e em medidas realizadas em lisímetros. O método utiliza somente a temperatura do ar como variável condicionante do processo de evapotranspiração, sendo por isso muito criticada (Pereira & Camargo, 1989). No entanto, segundo os mesmos autores ela funciona muito bem desde que sejam asseguradas as condições de contorno para a ETP, ou seja, extensa área gramada e sem restrição hídrica, funcionando, assim, muito bem em regiões de clima úmido e em meses chuvosos, onde tais condições são satisfeitas.

O emprego deste método para fins de projeto e manejo de irrigação acaba limitado, haja vista que a irrigação é utilizada em locais e períodos que fogem da condições de contorno de ETP, ou seja, em períodos secos, além da sua confiabilidade a nível diário ser restrita, funcionando melhor na escala mensal, e de haver necessidade de se conhecer os dados normais de temperatura do local para a determinação dos índices de calor (I e a). Abaixo segue a formulação do método de Thornthwaite, para um mês padrão (ETPp), de 30 dias, sendo todos os dias com fotoperíodo igual a 12 horas:

IRRIGAÇÃO CAP.I - 17

TITi > 0
oC(I.1)

em que Ti é a temperatura média de cada mês (oC).

Para a conversão da ETPp em ETP, procede-se a correção para dias do mês e fotoperíodo, conforme Equação I.12.

NETPpETP××=(I.12)

em que

N = fotoperíodo, em horas; e ND = número de dias do mês.

Esse método vem sendo largamente empregado em várias partes do mundo e do Brasil, sendo que sua utilização é mais indicada na caracterização climática e no planejamento agrícola, inclusive a irrigação, devido à sua simplicidade no tocante ao número de variáveis necessárias. No entanto, seu emprego na escala diária para manejo da irrigação também é possível, devendo o usuário estar ciente de suas limitações. Abaixo segue a aplicação do método para determinação da ETP.

Exemplo de aplicação I.3

Determine a evapotranspiração potencial pelo método de Thorntwaite para o mês de janeiro, para um local com as seguintes características:

a) fotoperíodo médio mensal = 1,6 h;

Tmed jan = 24,0 oCTmed fev = 2,7 oC Tmed mar = 23.9 oC Tmed abr = 21,1 oC
Tmed mai = 17,6 oCTmed jun = 16,8 oC Tmed jul = 17,2 oC Tmed ago = 18,9 oC

b) dados normais de temperatura do ar (Tmed anual = 21,1oC) Tmed set = 20,3 oC Tmed out = 2,2 oC Tmed nov = 2,9 oC Tmed dez = 23,8 oC

IRRIGAÇÃO CAP.I - 18

- Cálculo de I:

- Cálculo de a:

- Cálculo da ETPp:

ETPp = 107 m

- Cálculo as ETP:

2.5.2.3 – Método de Blaney-Criddle modificado

A equação original de Blaney-Criddle é relativamente antiga (1950) e uma das mais empregadas para a estimativa da evapotranspiração para regiões de clima semi-árido. Com o objetivo de melhor definir os efeitos do clima sobre a evapotranspiração, o boletim no 24 da FAO, em 1977, apresentou modificações substanciais no método original visando aprimorar a estimativa da evapotranspiração com determinações a partir de um grande número de medições em climas distintos, como também considerar o efeito da umidade do ar, insolação e velocidade do vento. Dessa forma, Frevert et al. (1983), apresentaram a última modificação da equação modificada pela FAO e a sua forma geral é apresentada como segue:

IRRIGAÇÃO CAP.I - 19

−×=(I.14)

2min min2min em que: p = percentagem mensal de horas de luz solar em relação ao total anual

T = temperatura média do período, em oC;

URmin = umidade relativa mínima do período, em %; n = insolação do período (número real de horas de brilho solar); N = fotoperíodo (número máximo de horas de brilho solar) –Tab. I.5; e,

U2 = velocidade do vento a 2 m, em m s-1 .

Apesar de aparentemente simples, esse método envolve uma série de variáveis que acaba limitando seu emprego.

Condições ideais para utilização do método:

a) só deve ser utilizado quando se tem os valores das temperaturas medidas; b) deve se restringir a períodos não inferiores a um (1) mês; c) se não houver possibilidades de se comprovar as condições de umidade relativa do ar média das mínimas, insolação e ventos, as determinações de ETo são de pouca confiança; d) não deve ser aplicado em regiões equatoriais em que as temperaturas se mantêm relativamente constantes e com grande variação dos outros parâmetros climáticos envolvidos; e) também não deve ser utilizado em regiões de grande altitude devido à temperatura mínima diária ser muito baixa, além de ser bastante altos os níveis de radiação diurna.

IRRIGAÇÃO CAP.I - 20

Tabela I.4 - Percentagem mensal de horas de luz solar em relação ao total anual (p), para diferentes latitudes

Lat. Norte Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Lat. Sul Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun

IRRIGAÇÃO CAP.I - 21

Tabela I.5 - Duração máxima de insolação diária média (N), em diferentes meses e latitudes

(Parte 7 de 8)

Comentários