Teste de Biocompatibilidade

Teste de Biocompatibilidade

(Parte 1 de 3)

TÍTULO: “Biocompatibilidade de Materiais endodônticos em Odontopediatria: Avaliação histológica da resposta inflamatória, por meio de implantes intra-ósseo em cobaias guinea- pig”.

2ORIENTADOR:cjasousa@ufu.br

1ORIENTADO: dealmeidarj@bol.com.br MAT. 2991237-1 PROJETO Nº.: D-012/2002

RESUMO03
ABSTRACT04
INTRODUÇÃO05
MATERIAL E MÉTODO06
RESULTADOS1
DISCUSSÃO18
CONCLUSÕES2

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 2

“Biocompatibilidade de Materiais endodônticos em Odontopediatria: Avaliação histológica da resposta inflamatória, por meio de implantes intra-ósseo em cobaias guinea-pig”.

Em odontopediatria existem diversos materiais utilizados para terapia pulpar. Assim, diante da diversidade de medicamentos presentes, referendados por uns e contra-indicados por outros é que a presente investigação teve como objeto realizar os testes de biocompatibilidae de alguns materiais dentários seguindo as normas da Federação Dentária Internacional. Para isto, foram realizados implantes intra-ósseo em cobaias guinea-pig em tempos experimentais de 30 e 90 dias com materiais obturados: Hidróxido de Cálcio P.A. e Pasta de Guedes Pinto. Depois de sacrificadas as cobaias para a obtenção dos cortes histológicos e preparação e avaliação de lâminas, verificou-se que o hidróxido de cálcio P.

A. apresentou reação inflamatória severa no tempo experimental inicial, já a pasta de Guedes Pinto, apres4entou um quadro de resposta considerada ausente/suave. Decorridos

90 dias,as reações com hidróxido de cálcio tornaram-se ausentes/suaves, de modo similar as reações da pasta de Guedes Pinto, que apresentaram um padrão geral de substituição por t4ecido ósseo neoformado, denotando o aspecto de ausente/suave.

“Biocompatilility of endodontcs material for Pedeatric dentistry Histological evaluation of inflammatory reaction, by means of inner-bone implantation in guinea-pigs”.

In Pediatric Dentistry there are several materials used for pulp therapy. So, front of so many different medicines, accepted by some people and refused by others, this research decided to perform tests of biocompatibility among some teeth materials following the rules of International Dental Federation. For that purpose there has been operated inner-bones implants in guinea-pigs with an experimental time of 30 an 90 days with the following plug materials: calcium hydroxide P. A. and Guedes-Pinto Paste. After sacrificing the guineapigs to take histological cuts an for preparation an evaluation of plates, we verified that the calcium hydroxide P. A. presented severe inflammatory reaction in the inicial experimental time, while Guedes-Pinto Paste, presented a reaction considered absent/mild.

After 90 days, the reactions to calcium hidroxide became also absent/mild just the same as the reactions of the Guedes-Pinto Paste which presented a general pattern of substitution by bone tissue recently formed, showing the aspect of absent/mild.

Título“Biocompatibilidade de Materiais endodônticos em Odontopediatria: Avaliação histológica da resposta inflamatória, por meio de implantes intraósseo em cobaias guinea-pig”.

A manutenção dos dentes decíduos nos arcos dentários até sua época de esfoliação é um dos requisitos para o estabelecimento de uma correta oclusão na dentição permanente.

Este fato assume especial relevância em países subdesenvolvidos, ou em desenvolvimento, onde as perdas dentárias estão fortemente associadas a cáries extensas, evoluindo progressivamente para exposição pulpar, contaminação dos condutos radiculares, necrose pulpar, levando a formação de um conteúdo séptico potencialmente patogênico que se finaliza com a esfoliação precoce da dentição decídua e comprometimento da dentição permanente.

Desta forma, os procedimentos terapêuticos, tais como: proteção pulpar direta, pulpotomia ou tratamento endodôntico radical, visam contribuir com a manutenção fisiológica da dentição decídua. Assim, o aprofundamento do conhecimento em biologia dos tecidos proporciona o desenvolvimento de terapias conservadoras, bem como o aprimoramento dos materiais odontológicos utilizados nestes procedimentos, para que sejam biologicamente aceitáveis. Os diversos medicamentos presentes no mercado e indicados quando da realização de pulpectomia em dentes decíduos, referendados por uns e contra indicados por outros, é que nos motivou a realizarmos testes de biocompatibilidade em materiais comumente utilizados, a exemplo do hidróxido de cálcio e da pasta de Guedes Pinto.

2- Material e Método: Pasta de Guedes Pinto ( Iodofórmio em pó, paramono-clorofenol canforado e Rifocort em pasta; nas proporções de

1/1/1). Hidróxido de cálcio P.A

2.1 Implante Intra-ósseo:

Esta modalidade de teste é realizada para se avaliar a toxicidade “in vivo” dos materiais utilizados em Odontopediatria e que estão em contato direto com o tecido ósseo.

Para este experimento foram utilizadas 20 cobaias (guinea-pig) com aproximadamente 800 gramas de peso e, cada animal recebeu 02 implantes em suas mandíbulas, na região localizada entre as raízes dos dentes incisivos e a sínfise mentoniana, sendo 10 animais para cada material, 5 para cada tempo experimental.

Figura 01: Ilustração da metodologia de implante intra-ósseo, onde se observa: A- tricotomia, B- incisão, C- lojas ósseas, D- copos de teflon implantados, E – sutura,

F- broca e copo de teflon. Os animais foram submetidos à anestesia geral através de injeção intramuscular de

0,6 ml de ketamine (100 mg/ml ) misturada com acepromazine (0,5 mg/ml). Após a anestesia foram realizados os procedimentos necessáios à manutenção da cadeia asséptica, tricotomia da região mentoniana e, injeção local intra-oral, na área de implante , de aproximadamente 0,5 ml de xilocaina a 2% com epinefrina a

1/100.0, buscando evitar desconforto e movimentação do animal. Após incisão, deflexão do retalho cirúrgico e exposição do osso, foram feitos preparos cavitários em ambos os lados da sínfise mandibular, de 2 m em diâmetro e em profundidade, para receber copos de teflon, com o material manipulado conforme técnica preconizada. (fig. 1) Para este procedimento foi utilizado micro-motor cirúrgico e uma rotação de 2000 a 3000 rpm com brocas especiais padronizadas, sob irrigação constante com soro fisiológico. Este dispositivo cilíndrico de teflon, é aberto em uma de suas extremidades, sendo que a sua superfície externa contém sulcos para a sua melhor fixação no tecido ósseo. Este cilindro possui 2mm de comprimento com 1,3mm de diâmetro interno e 2 m de diâmetro externo. (fig 1 F). sua limpeza e descontaminação foram realizadas através de imersão em clorofórmio, para a remoção de graxa impregnada quando da sua usinagem, seguido por banhos em álcool absoluto, dois banhos em água destilada e, finalmente, autoclavados antes de serem implantados. 7

Realizados os implantes e, decorridos 30 e 90 dias de observa’vão, os animais foram sacrificados , através de inalação com clorofórmio e as mandíbulas seccionadas para a obtenção da região mentoniana, contendo os implantes. Estes espécimes foram fixados em solução de formol a 10 %, tamponado, mantidos a 4 graus centígrados para a pré-fixação e levados ao laboratório a fim de serem preparadas para o devido processamento histológico. 2.2- Procedimentos Laboratoriais:

2.2.1- Preparo Histológico: após a permanência no fixador por 48 horas, os blocos foram lavados por 12 horas em água corrente, descalcificados com solução aquosa de ácido nítrico a 5 %. A desidratação foi realizada mergulhando os espécimes em solução de álcool etílico, em concentrações crescentes de 50%, 70%, 90% e absoluto. Posteriormente, procedeu-se a inclusão dos espécimes em parafina (paraplast) para a confecção de 24 lâminas com aproximadamente 144 cortes histológicos semi-seriados, estando o micrômetro regulado a 5 micrômetros. Os cortes foram realizados em planos paralelos à direção de entrada do copo, visando a exposição da interface de contato do

material com o tecido ósseo. A técnica de coloração foi realizada utilizando-se a hematoxilina e eosina. Após o processamento de rotina, as lâminas forma avaliadas em microscopia óptica.

histológica, sendo o primeiro selecionado ao acaso, entre os vinte primeiros cortes através do copo de teflon e, então, cada vigésimo corte foi tomado. A interface na abertura do copo, entre o material que está sendo testado e o osso foi a área avaliada.

Como controle, foram observadas as interfaces laterais entre o copo de teflon e o osso contíguo, pois esta área reflete o trauma causado pelo procedimento cirúrgico durante a inserção deste copo, sendo este material considerado inerte. Foram anotadas as seguintes observações:

células inflamatórias agudas e crônicas (neutrófilos, linfócitos , macrófagos, mastócitos, plasmócitos e células gigantes de corpo estranho). 3- A possível reabsorção e reposição do material por osso dentro do copo; 4- Atividade osteolítica, osteoclástica ou osteoblástica. 5- Degeneração e desintegração de células inflamatórias;

classificadas em suave, moderada e severa.

Reação inflamatória suave: A designação de inflamação suave é dada aos espécimes que mostraram poucas células inflamatórias, na maioria linfócitos e plasmócitos, e quando as características histológicas do tecido ósseo estiverem identificáveis. Reação inflamatória moderada:

A designação de inflamação moderada é dada aos espécimes que mostraram acúmulo focal de células inflamatórias, mas sem tecido necrótico. Entretanto houve desarranjo das características histológicas do tecido ósseo. Reação inflamatória severa: Esta designação foi dada aos espécimes que mostraram uma total substituição do tecido ósseo por tecido inflamatório.

Foram também avaliados , a extensão e o tipo necrótico, por exemplo, liquefação ou coagulação. 2.4- Requisitos Histológicos:

O plano de corte histológico passou pela abertura do copo, incluindo toda a interface entre o material e o osso. Os cortes histológicos estavam isentos de artefatos histológicos.

Experimentos, testes ou controles que resultem em cortes que não preencheram estes requisitos forma repostos. 2.4.1- Avaliação: A severidade da resposta celular decidiu a aceitabilidade de um material ou método. Esta foi alcançada através do registro dos achados, de acordo com o critério FDI e ANSI/ADA a seguir: 7, 1 Reação inflamatória ausente/suave:

Aos 30 dias após a realização do implante há ausência ou mínima inflamação presente. O tecido ósseo está organizado, com inflamação na área de abertura do copo, compatível com aquela ao longo das paredes externas do copo. Ausência de reabsorção óssea. Aos 90 dias a reação tecidual, na abertura do copo, é comparável àquela ao longo da periferia. O tecido está bem organizado com total regeneração óssea, ausência completa de inflamação e, possivelmente algumas células de corpo estranho. Reação inflamatória moderada:

Aos 30 dias de implante, há inflamação na entrada do copo e nenhuma ou mínima, na sua periferia. O tecido adjacente ao material testado terá mantido sua estrutura, contendo linfócitos, plasmócitos, macrófagos e ocasionalmente células gigantes de corpo estranho, mas sem acúmulo de neutrófilo. Reabsorção óssea suave poderá estar presente.

Aos 90 dias há presença de algumas células inflamatórias, linfócitos, macrófagos e ocasionalmente células de corpo estranho na entrada do copo. O tecido está bem organizado, com total regeneração óssea e linfócitos, plasmócitos e células de corpo estranho espalhadas, mas sem reabsorção óssea. Reação inflamatória severa:

Aos 30 dias há uma reação inflamatória distinta na abertura do copo, quando comparada com sua periferia. O tecido está pobremente organizado e contém acúmulo de neutrófilos. A reabsorção óssea poderá estar presente. Aos 90 dias há uma reação inflamatória distinta na abertura do copo, com osso regenerado e tecido fibroso ao longo de sua periferia. O tecido, na abertura do copo, está organizado, mas contém acúmulo de linfócitos, plasmócitos e macrófagos (inflamação crônica). A reabsorção óssea poderá estar presente. 2.4.2- Interpretação:

A interpretação dos resultados, para demonstrar a aceitação ou rejeição do material, foi baseado no seguinte:

Nenhuma ou suave reaçãoinflamatória

1 nos dois períodos de observação é considerado aceitável. Nenhuma ou suave reação inflamatória ao

30 dias, mas que aumente no período subseqüente para moderada ou severa é considerado não aceitável. Reação inflamatória moderada aos 30 e 90 dias é considerado não aceitável.

Reação inflamatória moderada aos 30 dias, mas que diminui aos 90 dias é considerado aceitável. 3- Resultados: Como definidos pelo item 4.12.10, pág.

175 do FDI Technical Report Nº 9 (1980) foram utilizados as áreas de contato do implante de Teflon com o osso circundante para a verificação do grau de agressão imposta ao tecido ósseo, quando do ato cirúrgico e o procedimento de inserção do copo de teflon.7 São achadas rotineiras a justaposição do tecido ósseo em torno do copo e sua total inclusão, com neoformação óssea restabelecendo a cortical vestibular já aos 30 dias.(Fig. 2A , 4A, ). Pode ser verificado, ainda que ocorre o crescimento ósseo em progressão para dentro das ranhuras laterais do implante como ilustra as figuras 4A,4E e, quando não em íntimo contato, o osso apresenta separado deste por uma fina camada de tecido conjuntivo, sem mostras de reação inflamatória. (Fig. 4F).

Tais achados histológicos permitem afirmar que o teflon

(polytetrafluoretileno) apresenta um baixo potencial imunogênico, sendo muito pouco reativo, e por isso, indicado como carreador dos materiais a serem testados.

3.1 Materiais testados: A tabela 01 representa os tempos de observação e a distribuição dos números de implantes estudados. Foram realizados 40 implantes no total, para todos os materiais e tempos de observação, e mostra, os aspectos gerais das respostas inflamatórias de cada material e a intensidade da inflamação verificada em cada material implantado. As ocorrências histopatológicas que mais freqüentes se fizeram são descritas nas tabelas abaixo ( Tabelas 02 e 03), segundo o material e o tempo de observação, onde pode ser evidenciado o caráter do processo inflamatório que se instalou nas diversas fases deste experimento. As tabulações dos diversos grupos celulares e eventos são resultados do agrupamento de todas as observações dos cortes histológicos avaliados, nos diversos tempos experimentais. Estas avaliações foram realizadas através de uma análise qualitativa, observando-se o aspecto geral do quadro inflamatório instalado.

30 Dias As respostas inflamatórias aos materiais testados variam de ausente/suave e severas.

As reações frente ao Hidróxido de Cálcio foram , de maneira geral, consideradas severas, apresentando zonas de necrose, hemorragias, coágulo, infiltrado inflamatório agudo com

TABELA 03.

(Parte 1 de 3)

Comentários