(Parte 5 de 8)

2 Para a elaboração dos procedimentos básicos de emergência deve-se consultar o fluxograma do anexo B.

4.4 Controle do programa de brigada de incêndio 4.4.1 Reuniões ordinárias

Devem ser realizadas reuniões mensais com os membros da brigada, com registro em ata, onde são discutidos os seguintes assuntos:

- funções de cada membro da brigada dentro do plano;

- condições de uso dos equipamentos de combate a incêndio;

- apresentação de problemas relacionados à prevenção de incêndios encontrados nas inspeções para que sejam feitas propostas corretivas;

- atualização das técnicas e táticas de combate a incêndio;

- alterações ou mudanças do efetivo da brigada;

- outros assuntos de interesse. 4.4.2 Reuniões extraordinárias

Após a ocorrência de um sinistro ou quando identificada uma situação de risco iminente, fazer uma reunião extraordinária para discussão e providências a serem tomadas. As decisões tomadas são registradas em ata e enviadas às áreas competentes para as providências pertinentes.

4.4.3 Exercícios simulados

Devem ser realizados exercícios simulados parciais e completos no estabelecimento ou local de trabalho com a participação de toda a população, no período máximo de três meses para simulados parciais e seis meses para simulados completos. Imediatamente após o simulado, deve ser realizada uma reunião extraordinária para avaliação e correção das falhas ocorridas. Deve ser elaborada ata na qual constem:

- horário do evento;

- tempo gasto no abandono;

- tempo gasto no retorno;

- tempo gasto no atendimento de primeiros socorros;

10NBR 14276:1999

- atuação da brigada; - comportamento da população;

- participação do Corpo de Bombeiros e tempo gasto para sua chegada;

- ajuda externa (PAM - Plano de Auxílio Mútuo);

- falhas de equipamentos;

- falhas operacionais;

- demais problemas levantados na reunião. 5 Procedimentos complementares

Para dar continuidade aos procedimentos de emergência, devem ser previstos os itens descritos em 5.1 a 5.5.

5.1 Identificação da brigada

5.1.1 Devem ser distribuídos em locais visíveis e de grande circulação, quadros de aviso ou similar, sinalizando a existência da brigada de incêndio e indicando seus integrantes com suas respectivas localizações.

5.1.2 O brigadista deve utilizar constantemente em lugar visível um botton ou crachá que o identifique como membro da brigada.

5.1.3 No caso de uma situação real ou simulado de emergência, o brigadista deverá usar, além do botton ou crachá, um colete ou capacete para facilitar sua identificação e auxiliar na sua atuação.

5.2 Comunicação interna e externa

5.2.1 Nas plantas em que houver mais de um pavimento, setor, bloco ou edificação, deve ser estabelecido previamente um sistema de comunicação entre os brigadistas, a fim de facilitar as operações durante a ocorrência de uma situação real ou simulado de emergência.

5.2.2 Essa comunicação pode ser feita através de: telefones, quadros sinópticos, interfones, sistemas de alarme, rádios, alto-falantes, sistemas de som interno, etc.

5.2.3 Caso seja necessária a comunicação com meios externos (Corpo de Bombeiros ou Plano de Auxílio Mútuo) a telefonista ou o operador de rádio é a(o) responsável por ela. Para tanto faz-se necessário que essa pessoa seja devidamente treinada e que esteja instalada em local seguro e estratégico para o abandono.

5.3 Ordem de abandono

O responsável máximo da brigada de incêndio (Coordenador geral, Chefe da brigada ou Líder, conforme o caso) determina o início do abandono, devendo priorizar o(s) local(is) sinistrado(s), o(s) pavimento(s) superior(es) a este(s), o(s) setor(es) próximo(s) e o(s) local(is) de maior risco.

5.4 Ponto de encontro

Devem ser previstos um ou mais pontos de encontro dos brigadistas, para distribuição das tarefas conforme 4.3.

5.5 Grupo de apoio

O grupo de apoio é formado com a participação da segurança patrimonial (ver nota 6 de 4.2.1), de eletricistas, encanadores, telefonistas e técnicos especializados na natureza da ocupação.

6 Recomendações gerais

Em caso de simulado ou incêndio adotar os seguintes procedimentos:

- manter a calma;

- caminhar em ordem sem atropelos;

- não correr e não empurrar;

- não gritar e não fazer algazarras;

- não ficar na frente de pessoas em pânico; se não puder acalmá-las, evite-as. Se possível, avisar um brigadista;

- todos os empregados, independente do cargo que ocupam na empresa, devem seguir rigorosamente as instruções do brigadista;

- nunca voltar para apanhar objetos;

- ao sair de um lugar, fechar as portas e janelas sem trancá-las;

- não se afastar dos outros e não parar nos andares;

- levar consigo os visitantes que estiverem em seu local de trabalho;

(Parte 5 de 8)

Comentários