Considerações sobre resíduos da const. civil

Considerações sobre resíduos da const. civil

(Parte 1 de 7)

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral

1 Considerações iniciais 2 Definição, classificação, geração e composição dos resíduos da construção civil 3 Gestão e gerenciamento dos resíduos da construção civil 3.1 Coleta e transporte dos resíduos da construção civil 3.2 Tratamento e disposição final dos resíduos da construção civil 4 Considerações sobre a reciclagem dos resíduos de construção e demolição 4.1 Classificação dos agregados reciclados de resíduo de construção e demolição 4.2 Considerações sobre a produção dos agregados reciclados de resíduo de construção e demolição 4.3 Considerações sobre os agregados reciclados de concreto 4.4 Características dos agregados reciclados dos resíduos da construção civil 4.4.1 Quanto à porosidade e à absorção de água 4.4.2 Quanto à massa unitária e à massa específica 4.4.3 Quanto a outras características 5 Considerações finais

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 2

1 Considerações iniciais

A indústria da construção civil é um setor produtivo que possui considerável papel na economia do Brasil. Entre os anos de 1980 e 1996, o setor foi responsável por 65% da formação do investimento bruto nacional. Em 1999, o setor já alcançava a marca de 70% do investimento da economia brasileira (CONSTRUBUSINESS, 1999 citado por NETO, 2005). No ano de 2001, o setor foi responsável por 15,6% do PIB, sendo que as edificações residenciais representaram um montante entre 6% e 9% do PIB nacional (NETO, 2005).

Para alavancar tamanha grandiosidade, a indústria da construção civil é atualmente a maior consumidora de recursos naturais da sociedade, absorvendo de 20 a 50% desses recursos explorados no mundo (JOHN, 2001). No caso da madeira, a Indústria da Construção Civil consome aproximadamente 2/3 de toda a madeira natural extraída da natureza (ZORDAN, 1997).

As atividades de construção demandam uma notável quantidade de materiais inertes, tais como areia e cascalho, que usualmente são fornecidos através da extração de sedimentos aluviais. A extração desses sedimentos modifica o perfil dos rios e o seu equilíbrio, além de introduzir problemas ambientais, tais como modificações em sua estrutura hidrológica e hidrogeológica. A extração de material inerte de formações rochosas em áreas acidentadas e montanhosas também é uma perigosa atividade ao meio ambiente, uma vez que altera a paisagem e potencialmente provoca problemas de estabilidade nas mesmas (BIANCHINI et al., 2005). Segundo TU et al. (2006), se nada for feito, a indústria do concreto irá consumir anualmente de 8 a 12 bilhões de toneladas de agregados naturais até o ano 2010.

Como em todo processo industrial, o uso dos insumos da indústria da construção civil gera resíduos, e em grande escala, que necessitam ser gerenciados. Segundo JOHN (2001), o macrocomplexo da indústria da construção civil é responsável por 40% dos resíduos gerados na economia. Em 1992, era estimada a produção de aproximadamente

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 3

50 milhões de toneladas de resíduos das atividades da construção civil na comunidade européia, 60 milhões nos Estados Unidos e 12 milhões somente no Japão (HANSEN, 1992). Em Taiwan, é estimada a geração anual de 640.0 toneladas de resíduos somente de concreto (LIN et al., 2004); no Iran, em 1994, eram produzidos cerca de 350 mil toneladas de resíduos de cerâmica vermelha, como tijolos e telhas (KHALOO, 1994), enquanto que em Hong Kong, em 2004, foram gerados em torno de 20 milhões de toneladas de RCD (POON, 2007). SENTHAMARAI e MANOHARAN (2005) estimam que 30% da produção diária da indústria cerâmica da Índia torna-se resíduo.

Na Austrália, os resíduos da indústria da construção civil correspondem a aproximadamente 37% do total de resíduos sólidos produzidos (TERRY, 2004). Dados da Autoridade de Proteção Ambiental (EPA) da Austrália apontam que são produzidos em torno de 15 milhões de toneladas desses resíduos por ano naquele país (RAVINDRARAJAH et all., 2000), sendo que nas grandes cidades australianas, estes correspondem de 1 a 15% do total de resíduos enviados aos aterros (SHAYAN e XU, 2003).

Em Hong Kong, no Kuwait e no Reino Unido, este tipo resíduo corresponde a 38%, 58% e 60%, respectivamente (TAM e TAM, 2006; RAHAL, 2007; DHIR et al., 2004a) de todo o resíduo sólido produzido, enquanto que no Brasil, este número se aproxima de 50% (PINTO, 1999; FREITAS et al., 2003; SARDÁ e ROCHA, 2003). Nos Estados Unidos, estima-se que os RCD correspondem de 10 a 30% do total de resíduos gerados no país (BROVIAK, 2005).

Para se ter uma idéia da grandeza da geração desses resíduos, no Reino Unido este setor produz em torno de 109 milhões de toneladas por ano, sendo que esta quantidade equivale a 6% dos 165 milhões de toneladas de agregados naturais consumidos anualmente na construção civil (DHIR et al., 2004a). Entretanto, os agregados reciclados correspondem a aproximadamente 25% do total dos agregados utilizados no país, sendo que em torno de 65% destes são utilizados como material de sub-base e de enchimento e 17% na produção de asfaltos (BARRITT, 2006). Segundo LAMOND et al. (2002), somente aproximadamente 123 milhões de toneladas de resíduo de concreto são reutilizados na Comunidade Européia, Estados Unidos e Japão.

Várias são as fontes geradoras dos resíduos na construção civil, podendo-se destacar: • as perdas no processo construtivo, sejam por deficiência da tecnologia utilizada, pela baixa qualidade da mão-de-obra empregada, pelo detalhamento

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 4 insuficiente em projetos, pela utilização de produtos defeituosos, ocasionando a superprodução ou a substituição de materiais e componentes, ou seja, perdas que geram desperdício de material que saem das obras na forma de entulhos. Segundo LAURITZEN (1994), citado por KARTAM et al. (2004), na construção de edifícios, aproximadamente de 20 a 50 kg de resíduos são produzidos por metro quadrado de pavimento construído; • a falta de qualidade dos materiais e serviços executados que levam ao mau funcionamento da edificação, acarretando o aparecimento de manifestações patológicas, que, quando corrigidas, geram entulhos (LEITE, 2001); • o crescimento populacional, que demanda por novas moradias, as quais, quando são construídas, geram resíduos; • a demolição de edificações que sua vida útil já se exauriu. Entenda-se aqui vida útil não só como o tempo em que a edificação satisfaz a critérios técnicos de desempenho (capacidade estrutural, por exemplo), pois a edificação também está sujeita a uma degradação social, que pode ser entendida como mudanças nas necessidades dos usuários com o decorrer do tempo. Segundo LAURITZEN (1994), citado por KARTAM et al. (2004), pode-se considerar a geração de uma a duas toneladas por metro quadrado de pavimento demolido; • as grandes catástrofes mundiais, sejam elas de origens naturais ou antropogênicas (guerras, terremotos, tsunamis, dentre outras). Na Alemanha, durante o período de reconstrução imediatamente após à 2ª guerra mundial, era necessário satisfazer à enorme demanda por materiais de construção, além de remover todo o entulho das cidades destruídas, que era estimado em 400 a 600 milhões de m³ (KHALAF e DeVENNY, 2004). Segundo HANSEN (1992), até o final de 1955 foram utilizados em torno de 1,5 milhões de m³ de reciclados de resíduos da construção civil na edificação de, aproximadamente, 175 mil unidades habitacionais. Na Turquia, estima-se que foram gerados aproximadamente 13 milhões de toneladas após o grande terremoto de 1999, que destruiu várias casas e edifícios. (ESIN e COSGUN, 2007). Mais recentemente, após a devastadora tsunami de 26 de dezembro de 2004, 9.500 casas foram totalmente destruídas e 46.300 sofreram danos, somente no Sri Lanka. Estima-se que a quantidade de entulho gerada chegou a 300 mil toneladas (PILAPITIYA et all, 2006) e que serão necessários US$1,5 bilhões para reconstruir e recuperar totalmente o país (WOLF, 2005).

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 5

Devido ao importante papel da indústria da construção civil no desenvolvimento das nações, é conveniente que se busquem e adotem medidas urgentes para inserir as atividades desenvolvidas por este setor no novo modelo de desenvolvimento que se procura, o desenvolvimento sustentável. Para TERRY (2004), a legislação é o maior fator que afeta o gerenciamento de resíduos na indústria da construção civil. Sem uma legislação efetiva em vigor e uma forte fiscalização e cobrança, não é possível montar nenhum esquema de gerenciamento de resíduos.

“Nenhuma sociedade poderá atingir o desenvolvimento sustentável sem que a construção civil, que lhe dá suporte, passe por profundas transformações” (JOHN, 2001).

2 Definição, classificação, geração e composição dos resíduos da construção civil

No capítulo anterior tem-se a definição de resíduos sólidos (RS) através da norma NBR 10.004 – Resíduos Sólidos – Classificação. Observa-se que o resíduo da indústria da construção civil não está explicitamente incluído dentro da definição de RS desta norma, contudo não há dúvidas que este o é. Pela definição da norma, pode-se incluí-lo como um resíduo industrial, uma vez que provém da indústria da construção civil, entretanto talvez seja mais prudente incluí-lo como um resíduo que resulta de atividades de serviços.

A Resolução 307 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), a qual dispõe sobre a gestão dos resíduos da construção civil, define que estes resíduos “são os provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos, tais como: tijolos, blocos cerâmicos, concreto em geral, solos, rochas, metais, resinas, colas, tintas, madeiras e compensados, forros, argamassa, gesso, telhas, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, dentre outros, comumente chamados de entulhos de obras, caliça ou metralha” (MMA, 2007).

Estima-se que a maioria dos resíduos da construção civil seja proveniente de serviços de demolição e dos canteiros de obra, ou seja, dos serviços de construção (PINTO, 1999), daí também chamar os resíduos da construção civil de resíduos de construção e demolição (RCD). Essa denominação é igualmente utilizada em outros países do mundo. Por exemplo, em concordância com a estimativa acima citada,

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 6

BAKOSS e RAVINDRARAH (1999) apontam que 5% dos resíduos produzidos por este setor na Austrália provêm de serviços de demolição enquanto que 40% provêm dos de construção.

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), através da NBR 10.004/04 – Resíduos Sólidos – Classificação, classifica os resíduos sólidos em Resíduos Classe I B (não perigosos e inertes) quando estes, ao serem “submetidos a um contato dinâmico e estático com água destilada ou deionizada, à temperatura ambiente [...], não tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade da água, excetuando-se aspecto, cor, turbidez, dureza e sabor”.

Existe uma grande tendência em se classificar os resíduos de construção e demolição como resíduos inertes, em função da grande quantidade de componentes minerais não poluentes e inertes quimicamente, entretanto essa tendência já é vista com certo receio, pois tais resíduos podem estar contaminados com materiais de pintura, substâncias de tratamento de superfícies, ou até mesmo metais pesados, que podem lixiviar e contaminar a água e o solo.

OLIVEIRA (2002) concluiu em sua pesquisa que os resíduos de construção civil constituídos exclusivamente de resíduos de concreto mineralizam a água e alteram o solo, ou seja, são não-inertes, sugerindo que estes sejam classificados como resíduos Classe I A (não perigosos e não inertes). HANSEN (1992) também menciona que os RCD podem conter componentes, os quais são considerados tóxicos do ponto de vista ambiental. Então, parece que esses resíduos podem ser classificados como inertes ou não-inertes, dependendo apenas da origem e constituição do mesmo.

A Resolução 307 do CONAMA classifica os resíduos da construção civil em 4 classes (MMA, 2007):

- Classe A: são os resíduos considerados reutilizáveis ou recicláveis como agregados, tais como: a) de construção, demolição, reformas e reparos de pavimentação e de outras obras de infra-estrutura, inclusive solos provenientes de terraplanagem; b) de construção, demolição, reformas e reparos de edificações: componentes cerâmicos (tijolos, blocos, telhas, placas de revestimento, dentre outros), argamassa e concreto; c) de processo de fabricação e/ou demolição de peças pré-moldadas em concreto (blocos, tubos, meios-fios, dentre outras) produzidas nos canteiros de obras.

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 7

- Classe B: são os resíduos recicláveis para outras destinações, tais como: plásticos, papel, papelão, metais, vidros, madeiras e outros.

- Classe C: são os resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem/recuperação, tais como os produtos oriundos do gesso.

- Classe D: são os resíduos perigosos oriundos do processo de construção, tais como: tintas, solventes, óleos e outros, ou aqueles contaminados oriundos de demolições, reformas e reparos de clínicas radiológicas, instalações industriais e outros.

Um ponto que demonstra a relevância dos resíduos de construção e demolição é a sua crescente participação no total dos resíduos sólidos urbanos. Exemplificando, dados da cidade de Salvador apontam que de 1990 para o ano 2000, o entulho aumentou a sua participação na composição dos resíduos sólidos urbanos (RSU) de 4,4% para 49,8% (QUADROS e OLIVEIRA, 2001).

Essa tendência parece ocorrer em outras partes do mundo, uma vez que em

Hong Kong, a indústria da construção produz aproximadamente 37.100 toneladas de resíduos todos os dias, o que corresponde a quatro vezes mais que os resíduos domésticos lá produzidos (POON et al., 2004), enquanto que na Malásia, esses resíduos correspondem juntamente com os resíduos industriais a 28% do total dos RSU, enquanto que o resíduo doméstico totaliza 37% do total (BEGUN et al., 2006).

Diversas pesquisas apontam que os resíduos de construção civil representam atualmente em torno de 50% do total dos RSU produzidos em cidades brasileiras, com uma taxa média de geração em torno de 0,52 tonelada/habitante.ano (PINTO, 1999; FREITAS et al., 2003; SARDÁ e ROCHA, 2003; SILVEIRA, 1993 e XAVIER, 2000, citados por NETO, 2005).

Na Europa, há controvérsias sobre a geração de RCD, uma vez que

HENRICHSEN (2000) estima que a taxa média varia entre 0,6 e 2,0 tonelada/habitante.ano, estimando que 1,0 tonelada é a potencial quantidade lá produzida, enquanto que o relatório final da European Thematic Network (ETNRC, 1999) aponta uma geração de 0,48 tonelada/habitante.ano.

Já nos Estados Unidos, a provável taxa de geração de RCD nos anos 90 era de 0,43 tonelada/habitante.ano (HANSEN, 1992) enquanto que no Kuwait essa taxa varia de 1,1 a 1,8 toneladas/habitante.ano nos dias de hoje (KARTAM et al., 2004). Essa elevada taxa apresentada pelo Kuwait, quando comparada com as demais taxas internacionais, provavelmente é devido ao alto nível de atividades construtivas

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 8 realizadas após a Guerra do Golfo e ao baixo gerenciamento dos materiais da construção civil nas obras do país.

A Tabela 1 sumariza a quantidade de RCD coletados e reciclados/reutilizados na

União Européia, nos Estados Unidos e no Kuwait, enquanto que na Tabela 2 encontramse dados de algumas cidades brasileiras.

Tabela 1 Quantidade de RCD coletado e reciclado na União Européia, Estados Unidos e Kuwait (ETNRC, 1999; HANSEN, 1992; KARTAM et al., 2004).

País RCD (Mt/ano) % reutilizada ou reciclada

Alemanha(a) 59 17

Reino Unido(a) 30 45

França(a) 24 15 Itália(a) 20 9

Espanha(a) 13 <5 Holanda(a) 1 90 Bélgica(a) 7 87 Áustria(a) 5 41 Portugal(a) 3 <5 Dinamarca(a) 3 81

Grécia(a) 2 <5 Suécia(a) 2 21

(Parte 1 de 7)

Comentários