Carac. do conc. com agreg. reciclados

Carac. do conc. com agreg. reciclados

(Parte 1 de 5)

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral

1 Propriedades do concreto 1.1 Massa específica 1.2 Trabalhabilidade 1.3 Porosidade, absorção de água, permeabilidade e volume de vazios 1.4 Resistência à compressão 1.5 Módulo de deformação 1.6 Resistência à tração 1.7 Resistência à abrasão 1.8 Retração por secagem 1.9 Resistência ao fogo 1.10 Profundidade de carbonatação e de penetração de cloretos 1.1 Outras propriedades 2 Modelagem de propriedades do concreto com agregados reciclados 3 Considerações finais

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral

Uma vez que o desempenho do concreto quando é feito a substituição dos agregados naturais pelos agregados reciclados é modificado, faz-se necessário entender o comportamento desses concretos com relação a algumas propriedades, tanto de natureza mecânica quanto com relação à sua durabilidade.

1 Propriedades do concreto

1.1 Massa específica

Como visto no capítulo anterior, os agregados reciclados geralmente possuem uma massa específica menor que a dos agregados naturais. Como consequência, os concretos produzidos por estes agregados também geralmente apresentam uma massa específica menor que a dos concretos produzidos com os agregados naturais, tanto no estado fresco quanto no estado endurecido. Em contribuição, alguns estudos apontam que o teor de ar incorporado nos concretos com agregados reciclados é maior que nos concretos convencionais (HANSEN, 1986; SCHULZ e HENDRICKS, 1992; KATZ, 2003).

Parece que há uma relação linear entre a massa específica da partícula do agregado reciclado e a massa específica do concreto com ele produzido, sendo isso particularmente importante para o controle de qualidade do mesmo (SCHULZ e HENDRICKS, 1992). Tal comportamento é comprovado em estudos realizados por POON et al. (2002) e BAIRAGI et al. (1993), uma vez que estes apontam que há um crescente decréscimo na massa específica dos concretos confeccionados com agregados reciclados de concreto, quando se aumenta o teor de substituição dos agregados naturais pelos reciclados, chegando a uma redução de 7% e 5,7%, respectivamente, para 100% de substituição.

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 3

Estudando concretos com agregados reciclados de concreto, GÓMEZ-

SOBERÓN (2002) e TOPÇU e SENGEL (2004) igualmente obtiveram uma relação linear de decréscimo na massa específica dos mesmos, chegando a uma redução aproximada de 2% e 6%, respectivamente, para 100% de substituição. Coerente com os resultados dos demais, RAVINDRARAJAH e TAM (1985) e RAHAL (2007) encontraram uma redução na massa específica dos concretos feitos com 100% de agregados reciclados de concreto em torno de 4%. KATZ (2003) também encontrou valores inferiores para a massa específica dos concretos confeccionados com agregados reciclados de concreto, sendo que a redução da mesma foi superior às demais reduções apresentadas (12,4%).

Para concretos com agregados reciclados de cerâmica vermelha, KHALAF e

DeVEENY (2004b) e KHALAF (2006) encontraram massas específicas de 8 a 15% menores que a dos concretos produzidos com os agregados naturais. AKHTARUZZAMAN e HASNAT (1983) encontraram para concretos com agregados graúdos reciclados de cerâmica vermelha uma massa específica 17% menor que a dos concretos de referência. Já KAHLOO (1994) encontrou uma massa específica para os concretos produzidos com agregados graúdos reciclados de cerâmica vermelha 4,8% e 9,5% inferiores que a dos concretos convencionais, para 50% e 100% de substituição, respectivamente.

De acordo com os dados acima expostos, parece então que o agregado reciclado de cerâmica vermelha reduz mais a massa específica dos concretos produzidos com eles que o agregado reciclado de concreto. Coerente isso, os resultados de KHATIB (2005), que estudou a produção de concretos com a substituição crescente dos agregados miúdos naturais pelos miúdos reciclados de cerâmica vermelha e de concreto, indicam que o agregado reciclado de cerâmica vermelha reduz mais incisivamente a massa específica dos concretos que os agregados reciclados de concreto, chegando a uma redução de 6,6% para os primeiros e de 4,4% para os últimos, para um teor de substituição de 100%.

HANSEN (1992) conclui, em sua ampla discussão sobre o assunto que o teor de ar aprisionado no concreto com agregados reciclados é, em sua grande maioria, ligeiramente superior ao dos concretos convencionais com agregados naturais e que a massa específica desses concretos sempre será inferior à dos concretos convencionais, usualmente variando entre 5% e 15%.

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 4

O fato dos concretos produzidos com agregados reciclados apresentarem uma menor massa específica que os concretos convencionais sugere que os mesmos podem ser utilizados em situações onde o peso próprio da estrutura é um problema, além do que pode-se ainda reduzir as seções das peças estruturais, representando uma considerável economia financeira.

1.2 Trabalhabilidade

De uma maneira geral, os concretos com agregados reciclados apresentam uma menor trabalhabilidade que a dos concretos com agregados reciclados, para uma mesma relação teor de materiais secos/pasta. Isso possivelmente ocorre devido à maior absorção dos agregados reciclados, tornando a mistura mais seca e, consequentemente, menos trabalhável. Um outro motivo seria que, devido aos processos de britagem e moagem, os agregados reciclados tornam-se mais angulares, com uma razão superfície/volume maior que a dos conhecidos agregados naturais, que são mais esféricos e de superfície mais lisa. Como resultado disso, a fricção interna dos concretos com agregados reciclados é alta, exigindo maior quantidade de pasta para se ter uma mesma trabalhabilidade que a dos concretos com agregados naturais (HANSEN e NARUD, 1983; RASHWAN e ABOURIZK, 1997; RAKSHVIR e BARAI, 2006).

Para os concretos feitos com agregados reciclados que possuam argamassa, tais como os agregados reciclados de concreto e de argamassa, há também a possibilidade da geração de finos durante o processo de mistura, devido ao desgaste da argamassa antiga contida no agregado reciclado, em função do atrito dos agregados, aumentando assim a coesão dos mesmos, e diminuindo a trabalhabilidade (HANSEN e NARUD, 1983; HANSEN, 1986).

TOPÇU (1997) e TOPÇU e SENGEL (2004) constataram uma redução na trabalhabilidade em concretos produzidos com agregados reciclados de concreto, chegando a uma redução de 15 a 25% na mesma, medida pelo abatimento do tronco de cone, para 100% de substituição. Já BAIRAGI et al. (1993) acharam reduções bem maiores na trabalhabilidade (de 3 a 50%), sendo que essa perda foi mais evidenciada nos primeiros 15 minutos após a mistura dos materiais.

Parece que há também uma redução da trabalhabilidade dos concretos produzidos com agregados reciclados de cerâmica vermelha uma vez que ZAKARIA e CABRERA (1996) encontraram em seus experimentos uma redução de 25% no

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 5 abatimento do tronco de cone dos concretos produzidos com agregados graúdos reciclados de cerâmica vermelha.

Em pesquisas relatadas por HANSEN (1986), a substituição dos agregados miúdos naturais pelos miúdos reciclados interfere de maneira mais incisiva na trabalhabilidade que a substituição dos agregados graúdos.

Quando ocorre a substituição conjunta dos agregados graúdos e miúdos naturais pelos reciclados de concreto, parece que há uma perda maior ainda na trabalhabilidade que a evidenciada na substituição do agregado graúdo natural pelo seu correspondente reciclado (RAVINDRARAJAH e TAM, 1987a).

Entretanto, esse decréscimo na trabalhabilidade geralmente é bem contornado com a adição de uma quantidade adicional de água de amassamento, que segundo RAVINDRARAJAH e TAM (1985), gira entre 5 e 8%, ou de aditivo.

MUKAI et al. (1978), citados por HANSEN (1992), são mais detalhistas. Segundo tais autores, concretos produzidos com substituição do agregado graúdo pelo reciclado exigirá aproximadamente 10 l/m3 ou 5% a mais de água que os concretos de controle, de maneira a alcançar a mesma trabalhabilidade. Quando se faz a substituição conjunta dos agregados graúdos e miúdos pelos respectivos reciclados, aproximadamente 25 l/m3 ou 15% a mais de água serão exigidos. Para que não se tenha modificações na relação água/cimento, também se deve adicionar à mistura a quantidade correspondente de cimento para mantê-la. Convém, entretanto ressaltar que os valores acima citados pelos referidos autores depende da composição dos reciclados e do tipo de processo de britagem e não podem ser tomados como absolutos.

1.3 Porosidade, absorção de água, permeabilidade e volume de vazios

Geralmente os concretos confeccionados com agregados reciclados são caracterizados por uma alta percentagem de meso e macro poros, sugerindo assim uma porosidade com maior tendência à absorção de água e à lixiviação, do que os preparados com agregados naturais (SANI et al., 2005). Segundo estudos de GÓMEZ-SOBÉRON (2002), a distribuição dos poros em concretos com substituição do agregado natural pelo reciclado é modificada, embora sendo mais sentida para altos teores de substituição.

Para os concretos produzidos com agregados reciclados de argamassa e de concreto, essa porosidade parece aumentar à medida que se aumenta o teor de

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 6 substituição do agregado natural pelo agregado reciclado, uma vez que gradativamente se aumenta o teor de pasta no concreto, e assim, consequentemente, aumenta-se o volume de poros, uma vez que claramente a argamassa é mais porosa que o agregado natural (GÓMEZ-SOBERÓN, 2003; ETXEBERRIA et al., 2006). Segundo LIMBACHIYA et al. (2000), o teor de pasta de cimento no concreto com 100% de agregado graúdo reciclado de concreto é cerca 3 vezes maior que o teor da mesma no concreto com 30% do mesmo tipo de agregado.

Para os concretos com agregados reciclados de cerâmica vermelha, ZAKARIA e

CABRERA (1996) comentam que tais concretos apresentaram uma porosidade 53% superior que a do concreto de referência. Ainda segundo tais autores, o agregado reciclado de cerâmica vermelha possui uma maior porosidade que a dos agregados naturais, então concretos confeccionados com esses agregados possivelmente também terão uma alta porosidade. A porosidade total desses concretos também é afetada pela elevada angularidade dos agregados reciclados de cerâmica, sendo que esta geralmente aumenta o volume de poros da mistura.

Essa maior porosidade dos concretos produzidos com os agregados reciclados é então revertida em uma maior absorção de água por parte dos mesmos. Pesquisando a absorção de água em concretos com agregados graúdos reciclados de concreto, RAVINDRARAJAH e TAM (1985) encontraram uma absorção de água 2% maior, em média.

GÓMEZ-SOBERÓN (2002) apresentou que a gradual substituição dos agregados graúdos naturais pelos reciclados de concreto aumenta a porosidade do concreto em até 1,7% e a absorção de água em até 14,3%, para os teores máximos de substituição. Coerente com isso, SAGOE-CRENTSIL et al. (2001) e KATZ (2003) encontraram resultados semelhantes, mas para concretos feitos com agregados reciclados de concreto, uma vez que estes apresentaram uma absorção de água 25% e 89% maiores, respectivamente.

Os resultados de alguns trabalhos citados por HANSEN (1992) apresentam que a absorção de água de concretos com agregados reciclados de concreto é maior que a dos concretos com agregados convencionais. Segundo tal autor, isso não é nenhuma surpresa uma vez que os concretos com agregados reciclados contêm uma grande fração volumétrica com os porosos agregados reciclados distribuídos na matriz, enquanto que os concretos convencionais possuem agregados naturais (menos porosos) distribuídos na mesma matriz.

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 7

Entretanto, convém salientar que os resultados apresentados pelo último autor referem-se a concretos de pequenas a médias resistências, onde a matriz não possui uma baixa porosidade. Isso porque para os concretos confeccionados com agregados reciclados de concreto, a resistência mecânica do concreto original não influi de maneira significante na absorção de água dos mesmos, quando estes concretos com agregados reciclados possuem baixa resistência mecânica (PADMINI et al., 2002). Isto ocorre, segundo tais autores, porque é a nova camada de argamassa que se forma sobre os agregados reciclados que agora controla a absorção de água.

Ainda segundo tais autores, para resistências mais altas de concretos com agregados reciclados de concreto, a absorção do agregado reciclado tem uma participação mais importante na absorção do concreto e nesse caso, os concretos feitos com agregados reciclados provenientes de concretos mais resistentes produziriam concretos com maior absorção de água, uma vez que o teor de pasta nos mesmos é maior.

Já a permeabilidade dos concretos com agregados reciclados é dependente principalmente da qualidade da matriz, uma vez que se a matriz for pouco permeável, esta não permitirá que a água penetre. Entretanto, como esta matriz, para a grande maioria dos concretos corriqueiramente confeccionados, não é de boa qualidade, a qualidade do agregado reciclado passa a ter grande importância.

Coerente com isso, RYU (2002a) afirma que a permeabilidade dos concretos confeccionados com agregados reciclados também é dependente da qualidade do agregado reciclado. Segundo o autor, a permeabilidade aumenta quando a resistência de aderência da pasta ao agregado reciclado decresce. Os resultados dos experimentos de UJIKE (2000) estão de acordo com a afirmação anterior, uma vez que a qualidade dos agregados graúdos reciclados de concreto utilizados teve influência sobre a permeabilidade à água e ao ar dos concretos com eles confeccionados.

Coerente com os resultados anteriores, mas pesquisando concretos com agregados reciclados de cerâmica, SHULZ e HENDRICKS (1992) encontraram que a profundidade que a água alcançava era 50% maior para esses concretos que para os concretos de referência.

ZAHARIEVA et al. (2003) encontraram, para concretos confeccionados com agregados reciclados de RCD, uma porosidade 133% maior, em média, que a dos concretos produzidos com agregados naturais. Esses mesmos pesquisadores

Prof. Dr. Antonio Eduardo B. Cabral 8 encontraram que a permeabilidade à água e ao ar dos concretos com agregados reciclados de RCD era o dobro da dos confeccionados com agregados naturais.

Em sua pesquisa envolvendo agregados reciclados graúdos e miúdos, tanto de concreto quanto de cerâmica vermelha, LEVY (2001) encontrou uma maior absorção de água e um maior índice de vazios para os concretos com agregados graúdos de cerâmica vermelha quando comparado com os concretos com agregados graúdos de concreto. Quando a substituição foi realizada nos agregados miúdos, o concreto com o reciclado de cerâmica vermelha apresentou os menores índices.

Estudos realizados por PADMINI et al. (2002) apontam que concretos confeccionados com agregados reciclados de cerâmica apresentam um volume de vazios maior que concretos fabricados com agregados reciclados de concreto, para uma mesma distribuição granulométrica.

Segundo RASHEEDUZZAFAR e KHAN (1984), citados por HANSEN (1992), parece que a baixa resistência e a correspondente alta absorção de água dos concretos com agregados reciclados podem ser compensadas com a produção de concretos com uma relação água/cimento 0,05 a 0,10 menor que a dos concretos convencionais.

Então, pelo exposto, parece que o desempenho dos concretos produzidos com agregados reciclados, quanto à porosidade, à absorção de água, à permeabilidade e ao volume de vazios, é dependente da qualidade do agregado reciclado e da matriz de cimento do novo concreto. Geralmente, tais concretos parecem ter um desempenho inferior aos dos concretos convencionais, para tais propriedades.

1.4 Resistência à compressão

Vários trabalhos (RAVINDRARAJAH e TAM, 1985, 1987a; HANSEN, 1992;

(Parte 1 de 5)

Comentários