guia 4

guia 4

(Parte 2 de 5)

Uma vantagem do PDF, em trabalhos destinados à impressão, é a diminuição no tempo de processamento de arquivo fechado, que muitas vezes, devido ao seu tamanho e maneira como foi gerado, ficava literalmente “engasgado” no RIP durante horas de processamento. Convertendo este arquivo em PDF, é possível obter ótimos resultados.

Porém o maior problema destas empresas hoje, é que os trabalhos não são enviados em formato PDF. Muitos clientes ainda enviam seus trabalhos em arquivos de formato aberto, muitas vezes incompletos, mal estruturados e geralmente construídos de forma errônea. São comuns problemas com fontes, ou porque não foram enviadas, ou porque seus arquivos estão com problemas. isto resulta na troca das fontes e conseqüentemente em textos corridos e desestruturação total do documento.

Outro problema comum, são trabalhos construídos a partir de softwares não preparados para a editoração profissional, como os do pacote Microsoft Office, que não foram desenvolvidos para atender as necessidades da pré-impressão digital. Um bom exemplo são as separações de cores, que se tornam imprecisas e indesejadas se feitas com estes softwares, quase sempre incompatíveis com o padrão PostScript.

Página 1

Página 12

Abaixo uma lista com erros mais comuns encontrados em arquivos recebidos para impressão:

•Nome de cores incorreto •Cores CMYK configuradas como SPOT

•Imagens em RGB

•Sangria insuficiente ou completamente ausente

•Formato diferente do descrito no Job

•Ausência de marcas de registro

•Fontes não enviadas ou não adicionadas

•Fontes iguais, com nomes ou sistemas (Type1/True type) diferentes

A conversão dos arquivos em PDF é muito eficaz, pois o sistema usado pelo

Adobe Acrobat ®, é totalmente construído e baseado na linguagem PostScript. Ele consegue digerir toda a complexidade do código PostScript e gera um arquivo totalmente livre de incompatibilidades e seguro para impressão.

A utilização do PDF traz enormes benefícios para o cliente, que, além de ter o seu trabalho facilitado, obterá um resultado muito mais rápido no seu fornecedor de serviços de impressão.

É importante ressaltar, entretanto, que um PDF só oferece qualidade de impressão se ele for bem elaborado, desde a escolha do software mais adequado, até o fechamento do arquivo, sempre levando em consideração padrões de fontes, cor e drivers corretos de impressão.

Nas próximas páginas, iremos abordar alguns fatores que são fundamentais para a obtenção de um bom resultado em trabalhos impressos.

Fontes

Fonte é um conjunto de caracteres que significam, individualmente, uma letra, número ou símbolo. Um arquivo de fontes contém a descrição das características físicas das letras, ou seja, como elas serão visualizadas e impressas. Além da divisão das fontes por nomes, elas também estão ramificadas em “Famílias” (bold, itálico etc.).

Ex:

ARIAL 20Fonte: Arial.

Família: Arial. Tamanho: 20 pontos.

ARIAL 20Fonte: Arial Black.

Família: Arial. Tamanho: 20 pontos.

Hoje, exitem no mercado dois tipos de fontes mais usadas:

1) Type 1 2) True Type

Página 13

Página 14

1) Type 1

Também conhecida como Adobe, foram desenvolvidas pela Adobe Systems ®, para serem totalmente compatíveis com o código PostScript. São divididas em duas categorias:

•Screen Fonts •Printer Fonts

Screen Fonts

Estas fontes são exibidas no monitor durante a execução do trabalho, ou seja, são fontes Bitmap. Elas devem ser instaladas e não copiadas no Sistema Operacional, caso contrário não poderão ser utilizadas por nenhum aplicativo em andamento. Fontes deste tipo têm a resolução fixa e, caso seja necessário aumentar o seu tamanho, a resolução aumentará, resultando em uma aparência deformada. Por exemplo:

Estas fontes utilizam a extensão .pfb Printer Fonts

Etas são fontes impressas, que aparecem exatamente iguais em todos os dipositivos de saída. São fontes vetoriais e podem ser impressas em qualquer tamanho, sem a perda da resolução, que é variável entre 300 e 3.600 dpi. A resolução é calculada de acordo com as configurações do equipamento de saída, sendo que cada letra tem seu próprio código de cálculo de resolução.

Estas fontes utilizam a extensão .pfm

2) True Type

Este padrão de fontes foi desenvolvido pela Microsoft em conjunto com a Apple, na tentativa de concorrer com as fontes da Adobe. Elas não são compatíveis com o código PostScript e por isso é necessário a conversão destas fontes em fontes Type1. Isto torna a impressão demasiadamente lenta e quase sempre com erros durante a impressão. Devido à sua incompatibilidade com impressoras PostScript, este tipo de fonte não é muito utilizado em impressão.

Fontes True Type são identificadas pela extensão .ttf Nota: Sempre que possível evite a utilização de fontes True Type. Fontes Personalizadas

Existem muitos programas no mercado que possibilitam que você crie a sua própria fonte ou conjunto de símbolos. Caso elas sejam utilizadas, é fundamental que sejam fornecidas junto com o trabalho destinado à impressão. Ainda assim, devem ser feitos testes com relação à impressão e plataforma onde será executado o trabalho. Somente assim será possível verificar a viabilidade de uso destas fontes.

Página 15

Imagens

Basicamente, assim como as fontes, existem dois tipos de imagem:

•Vetorial: São imagens que podem ser redimensionadas sem limitações de resolução, pois o redimensionamento é feito através de cálculos geométricos. São produzidas por programas como Illustrator, FreeHand e Corel Draw. Em geral, a qualidade de impressão depende da capacidade do equipamento de saída (impressora).

•Bitmap: São imagens formadas por pixels ou pontos e são bem mais pesadas que as imagens em vetor. Além de não terem flexibilidade no redimensionamento, perdem resolução facilmente. Neste caso, a qualidade de impressão depende da qualidade de imagem.

No caso de haver os dois tipos de imagens em um mesmo trabalho, deve se levar em consideração as limitações da imagem em Bitmap, caso seja necessário o redimensionamento das imagens.

Página 17

Cores

Existem basicamente três modelos de sistemas de cores adotados nos programas de editoração:

(Parte 2 de 5)

Comentários