(Parte 1 de 3)

Autor: Constantino Seixas Filho

AS-Interface

Capítulo

Autor: Constantino Seixas Filho

Introdução:

A rede AS-Interface - Actuator-Sensor-Interface foi inicialmente desenvolvida por um pool de empresas alemãs e suíças capitaneadas pela Siemens para ser uma alternativa de rede para interligação de sensores e atuadores discretos. Em 1998 a rede foi padronizada e recebeu o nome EN50295.

Suas principais características são:

Topologia Estrutura em árvore

Meio físico Cabo não blindado com dois fios para dados e energia (24VDC/8A)

Comprimento máximo do cabo 100 m

Número de dispositivos escravos 31 máx

Número de pontos Até 4 sensores e 4 atuadores por escravo (máx 31 * 4 = 124 bi direcional, máx 31 * 8 = 248 sinais binários)

Endereçamento Cada escravo possui um endereço determinado. O endereço é definido pelo mestre ou ferramenta de programação.

Mensagens A mensagem parte do mestre para um endereço único com resposta imediata do escravo

Bit rate Transmite 4bits/slave/mensagem. Todos os escravos são chamados seqüencialmente pelo mestre e recebem 4 bits de dados. Cada escravo responde imediatamente com 4 bits de dados.

Tempo de ciclo com 31 escravos 5 ms

Detecção de erros As mensagens incorretas são identificadas e retransmitidas

Serviços do mestre Inicialização da rede

Identificação dos participantes Definição assíncrona dos parâmetros para os escravos Diagnóstico do barramento e dos escravos Mensagens de erro para o computador host Definição de endereços em escravos substituídos

Operação do mestre Realiza polling cíclico de todos os participantes.

Realiza a transmissão cíclica de dados para o computador host ou para os escravos.

Autor: Constantino Seixas Filho

Figura 1: : AS-Interface e faixa de aplicação das redes de campo

A rede AS-Interface foi estendida recentemente e diversas novas funcionalidades foram adicionadas. Os dispositivos compatíveis com a nova norma (2.1) são compatíveis com a norma anterior.

Os chips para a versão 2.1 da rede ASI são produzidos por dois consórcios distintos: Siemens e Festo desenvolveram em conjunto o chip SAP4.1, pino a pino compatível com o chip SAP4, e o consórcio de oito outros membros (Bosch, Hirschmann, ifm electronic, Leuze, Lumberg, Klockner Moeller, Pepperl+Fuchs and Schneider Electric) desenvolveu o chip A2SI. Ambos os chips proporcionam todas as funcionalidade da version 2.1.

As novas funcionalidades acrescentadas na versão 2.1 são:

· Ampliação do número de escravos de 31 para 62. A capacidade máxima do barramento foi ampliada para 248 + 186 I/O, mas o tempo de ciclo passou para 10ms.

• Um bit adicional no registro de status é utilizado para sinalizar erros de periféricos. A indicação de status de funcionamento dos escravos foi padronizada e ampliada.

• O número de profiles de escravos foi ampliado de 15 para 225 com a adição de novos ID codes.

• Melhor tratamento de sinais analógicos, ampliando o espectro de atuação das redes Asi.

Faixa de Aplicação de Redes

NÍVEL DE AUTOMAÇÃO Discreto Processo

Negócio Controle

Sensor Nível de Bit Interbus

Loop

Interbus Profibus DP

ControlNet

CCLink DeviceNet

Ethernet 10/100/1000 Base

ASI Seriplex

Profibus FMS

HART LonWorks

Profibus PA IEC/SP50H1

IEC/SP50 H2

DeviceWFIPWorldFIP

Aplicações

Autor: Constantino Seixas Filho

Conectividade

A rede ASi pode se conectar ao nível de controle principal de duas formas. A primeira forma é a conexão direta (Figura 2 à esquerda). Neste caso, o mestre é parte de um PLC ou PC sendo executado dentro dos tempos de ciclos determinados por esses dispositivos. Um mestre ASi pode ser construído por qualquer fabricante uma vez que trata-se de um padrão aberto.

A segunda maneira de se conectar é através de um acoplador entre uma rede de mais alto nível e a rede ASi. Hoje existem acopladores para as redes de campo mais importantes como: Profibus, Interbus, FIP, DeviceNet, CAN, etc.

Figura 2: Duas maneiras de se conectar à rede ASI.

(Parte 1 de 3)

Comentários