Telecurso 2000 - Manutenção e o MASP - CPM

Telecurso 2000 - Manutenção e o MASP - CPM

3AULA3 A U L A

O serviço de manutençªo de mÆquinas

Ø indispensÆvel e deve ser constante. Por outro lado, Ø necessÆrio manter a produçªo, conforme o cronograma estabelecido.

Esses dois aspectos levantam a questªo de como conciliar o tempo com a paradas das mÆquinas para manutençªo sem comprometer a produçªo.

Nesta aula veremos como as empresas conciliam o tempo com a paradas das mÆquinas, considerando a produçªo.

Rotina de planejamento

O setor de planejamento recebe as requisiçıes de serviço, analisa o que e como deve ser feito, quais as especialidades e grupos envolvidos, e os materiais e ferramentas a serem utilizados. Isso resulta no plano de operaçıes, na lista de materiais para empenho ou compra de estoque e outros documentos complementares como relaçªo de serviços por grupo, ordens de serviço etc.

Quando hÆ necessidade de estudos especiais, execuçªo de projetos e desenhos ou quando o orçamento de um trabalho excede determinado valor, o setor de planejamento requisita os serviços da Engenharia de Manutençªo. Ela providencia os estudos necessÆrios e verifica a viabilidade econômica.

Se o estudo ou projeto for viÆvel, todas as informaçıes coletadas pelo planejamento sªo enviadas ao setor de programaçªo, que prepara o cronograma e os programas diÆrios de trabalho coordenando a movimentaçªo de materiais.

SeqüŒncia para planejamento

É o rol de atividades para o planejador atingir o plano de operaçªo e emitir os documentos necessÆrios.

CPM (Critical Path

Method) MØtodo do caminho crítico

AULAEsse rol de atividades consiste em: •Listar os serviços a serem executados;

•Determinar o tempo, especialidades e nœmero de profissionais;

•Determinar a seqüŒncia lógica das operaçıes de trabalho por meio do diagrama espinha de peixediagrama espinha de peixediagrama espinha de peixediagrama espinha de peixediagrama espinha de peixe; • Construir PERT-CPM;

•Construir diagrama de barras (Gantt)diagrama de barras (Gantt)diagrama de barras (Gantt)diagrama de barras (Gantt)diagrama de barras (Gantt), indicando as equipes de trabalho;

•Emitir as ordens de serviço, a lista de materiais, a relaçªo de serviços por grupo e outros documentos que variam conforme a empresa.

Diagrama espinha de peixeDiagrama espinha de peixeDiagrama espinha de peixeDiagrama espinha de peixeDiagrama espinha de peixe É uma construçªo grÆfica simples que permite construir e visualizar rapidamente a seqüŒncia lógica das operaçıes.

Exemplo:

passar da espinha de peixe ao diagrama de barras diagrama de barras diagrama de barras diagrama de barras diagrama de barras ouo diagrama de Gantt. diagrama de Gantt. diagrama de Gantt. diagrama de Gantt. diagrama de Gantt.

Em planejamentos simples e para um œnico grupo de trabalho, pode-se

Diagrama de GanttDiagrama de GanttDiagrama de GanttDiagrama de GanttDiagrama de Gantt É um cronograma que permite fazer a programaçªo das tarefas mostrando a dependŒncia entre elas. Usado desde o início do sØculo, consiste em um diagrama onde cada barra tem um comprimento diretamente proporcional ao tempo de execuçªo real da tarefa. O começo grÆfico de cada tarefa ocorre somente após o tØrmino das atividades das quais depende.

As atividades para elaboraçªo do diagrama sªo a determinaçªo das tarefas, das dependŒncias, dos tempos e a construçªo grÆfica.

Vamos exemplificar considerando a fabricaçªo de uma polia e um eixo. A primeira providŒncia Ø listar as tarefas, dependŒncias e tempo envolvidos.

TAREFASTAREFASTAREFASTAREFASTAREFAS DESCRIODESCRIODESCRIODESCRIODESCRIO DEPENDEDEPENDEDEPENDEDEPENDEDEPENDEDEDEDEDEDE TEMPOTEMPOTEMPOTEMPOTEMPO/////DIASDIASDIASDIASDIAS

Bobter materiaisA2 para o eixo

Ctornear o eixoB2 Dfresar o eixoC2 Eobter materiaisA3 para a polia

3 AULADe posse da lista, constrói-se o diagrama de Gantt.

O diagrama de Gantt Ø um auxiliar importante do planejador e do programador, pois apresenta facilidade em controlar o tempo e em reprogramÆ-lo. Apesar desta facilidade, o diagrama de Gantt nªo resolve todas as questıes, tais como: –Quais tarefas atrasaríam se a terceira tarefa (C) se atrasar um dia?

–Como colocar de forma clara os custos no diagrama?

–Quais tarefas sªo críticas para a realizaçªo de todo o trabalho?

Para resolver as questıes que o diagrama de Gantt nªo consegue solucionar, foram criados os mØtodos PERT - CPM.

Programa de Avaliaçªo e TØcnica de Revisªo)e CPMCPMCPMCPMCPM (Critical Parth Method

Os mØtodos PERT PERT PERT PERT PERT (Program Evoluation and Review Technique – – MØtodo do Caminho Crítico) foram criados em 1958.

O PERT foi desenvolvido pela NASA com o fim de controlar o tempo e a execuçªo de tarefas realizadas pela primeira vez.

O CPM foi criado na empresa norte-americana Dupont com o objetivo de realizar as paradas de manutençªo no menor prazo possível e com o nível constante de utilizaçªo dos recursos.

Os dois mØtodos sªo quase idŒnticos; porØm, as empresas, em termos de manutençªo, adotam basicamente o CPM .

MØtodo CPM

O CPM se utiliza de construçıes grÆficas simples como flechas, círculos numerados e linhas tracejadas, que constituem, respectivamente: •o diagrama de flechas;

•a atividade fantasma;

•o nó ou evento.

AULADiagrama de flechas – Diagrama de flechas – Diagrama de flechas – Diagrama de flechas – Diagrama de flechas – É um grÆfico das operaçıes, em que cada operaçªo Ø representada por uma flecha. Cada flecha tem uma ponta e uma cauda. A cauda representa o início da operaçªo e a ponta marca o seu final.

As flechas sªo usadas para expressar as relaçıes entre as operaçıes e definir uma ou mais das seguintes situaçıes: –a operaçªo deve preceder algumas operaçıes;

Exemplo:

Atividade fantasmaAtividade fantasmaAtividade fantasmaAtividade fantasmaAtividade fantasma – É uma flecha tracejada usada como artifício para identificar a dependŒncia entre operaçıes. É tambØm chamada de operaçªo imaginÆria e nªo requer tempo. Observe a figura:

A figura exemplifica as seguintes condiçıes: •W deve preceder Y;

•K deve preceder Z;

•Y deve seguir-se a W e K.

Assim, as atividades W, Y, K e Z sªo operaçıes físicas como tornear, montar, testar etc. Cada uma dessas operaçıes requer um tempo de execuçªo, enquanto a atividade fantasma Ø um ajuste do cronograma, isto Ø, depende apenas da programaçªo correta.

AULANó ou evento – Nó ou evento – Nó ou evento – Nó ou evento – Nó ou evento – Sªo círculos desenhados no início e no final de cada flecha. TŒm o objetivo de facilitar a visualizaçªo e os cÆlculos de tempo. Devem ser numerados e sua numeraçªo Ø aleatória.

Exemplo:

O nó nªo deve ser confundido com uma atividade que demande tempo. Ele Ø um instante, isto Ø, um limite entre o início de uma atividade e o final de outra.

Construçªo do diagrama CPM

Para construir o diagrama Ø preciso ter em mªos a lista das atividades, os tempos e a seqüŒncia lógica. Em seguida, vai-se posicionando as flechas e os nós obedecendo a seqüŒncia lógica e as relaçıes de dependŒncia. Abaixo de cada flecha, coloca-se o tempo da operaçªo e acima, a identificaçªo da operaçªo.

Exemplo: Um torno apresenta defeitos na Ærvore e na bomba de lubrificaçªo e Ø preciso corrigir tais defeitos.

O que fazer ? Primeiramente, listam -se as tarefas, dependŒncias e tempos, numa seqüŒncia lógica:

A seguir, constrói-se o diagrama:

DESCRI˙ˆO retirar placa, proteçıes e esgotar óleo retirar Ærvore e transportÆ-la lavar cabeçote trocar rolamentos trocar reparo da bomba de lubrificaçªo montar, abastecer e testar o conjunto

A B B e C

D e E

TEMPO 1 h

2 h 3 h 2 h

AULAO caminho crítico

É um caminho percorrido atravØs dos eventos (nós) cujo somatório dos tempos condiciona a duraçªo do trabalho. Por meio do caminho crítico obtØmse a duraçªo total do trabalho e a folga das tarefas que nªo controlam o tØrmino do trabalho.

No diagrama anterior hÆ trŒs caminhos de atividades levando o trabalho do evento 0 (zero) ao evento 5: •A – B – D – F , com duraçªo de 1 horas;

•A – C – E – F , com duraçªo de 9 horas;

•A – B – imaginÆria – E – F, com duraçªo de 10 horas.

HÆ, pois, um caminho com duraçªo superior aos demais, que condiciona a duraçªo do projeto.

É este o caminho crítico. A importância de se identificar o caminho crítico fundamenta-se nos seguintes parâmetros: •permitir saber, de imediato, se serÆ possível ou nªo cumprir o prazo anteriormente estabelecido para a conclusªo do plano; •identificar as atividades críticas que nªo podem sofrer atrasos, permitindo um controle mais eficaz das tarefas prioritÆrias; •permitir priorizar as atividades cuja reduçªo terÆ menor impacto na antecipaçªo da data final de tØrmino dos trabalhos, no caso de ser necessÆria uma reduçªo desta data final; •permitir o estabelecimento da primeira data do tØrmino da atividade;

•permitir o estabelecimento da œltima data do tØrmino da atividade.

Freqüentemente, o caminho crítico Ø tªo maior que os demais que basta acelerÆ-lo para acelerar todo o trabalho.

Tendo em vista o conceito do caminho crítico, pode-se afirmar que as tarefas

C e E do diagrama anterior podem atrasar atØ duas horas sem comprometer a duraçªo total.

Resultado final da aplicaçªo do CPM

O mØtodo do caminho crítico permite um balanceamento dos recursos, principalmente mªo-de-obra. O departamento de manutençªo possui um contingente fixo e nªo Ø desejÆvel ter um perfil de utilizaçªo desse contingente com carŒncia em uns momentos e ociosidade em outros.

Para evitar este problema, o planejador joga com o atraso das tarefas com folga e o remanejamento do pessoal envolvido nas tarefas iniciais.

Nas paradas para reformas parciais ou totais, após o balanceamento dos recursos físicos e humanos com programaçªo de trabalho em horÆrios noturnos e em fins de semana, pode ocorrer ainda a carŒncia de mªo-de-obra. Neste caso, a soluçªo Ø a contrataçªo de serviços externos ou a ampliaçªo do quadro de pessoal. Essas decisıes só podem ser tomadas após a anÆlise e comprovaçªo prÆtica das carŒncias.

AULAExercício 1Exercício 1Exercício 1Exercício 1Exercício 1 Na elaboraçªo de um planejamento de manutençªo existe uma seqüŒncia

ou um rol de atividades para o planejador atingir o plano de operaçªo e emitir os documentos necessÆrios. Coloque a sequŒncia abaixo em ordem, numerando-a de 1 a 6: a)a)a)a)a) ( ) Construir PERT-CPM b)b)b)b)b)()Determinar o tempo c)c)c)c)c)()Construir o diagrama de barras d)d)d)d)d)()Listar os serviços a serem executados e)e)e)e)e)()Determinar a seqüŒncia lógica das operaçıes atravØs do diagrama espinha de peixe f)f)f)f)f)()Emitir as ordens de serviço

Assinale com X a alternativa correta.

Exercício 2Exercício 2Exercício 2Exercício 2Exercício 2

O diagrama de construçªo grÆfica simples que permite visualizar rapidamente a seqüŒncia lógica de operaçıes Ø o diagrama : a)a)a)a)a) ( ) de Gantt b)b)b)b)b) ( ) de barras c)c)c)c)c)()espinha de peixe d)d)d)d)d) ( ) PERT e)e)e)e)e) ( ) CPM

Exercício 3Exercício 3Exercício 3Exercício 3Exercício 3

Para resolver as questıes que o diagrama de Gantt nªo consegue solucionar, foram criados os diagramas: a)a)a)a)a)()espinhas de peixe; b)b)b)b)b) ( ) PERT-CPM; c)c)c)c)c) ( ) de barras; d)d)d)d)d) ( ) de flechas; e)e)e)e)e) ( ) de custos.

Exercício 4Exercício 4Exercício 4Exercício 4Exercício 4 Complete as frases.

a)a)a)a)a)Ofoi desenvolvido com a finalidade de controlar o

tempo e a execuçªo de tarefas a serem realizadas pela primeira vez.

b)b)b)b)b)Ofoi criado com o objetivo de realizar as para-
das deno menor prazo possível e com o nível
c)c)c)c)c)O CPM se utiliza de construçıes grÆficas simples como,
numerados e linhas.
d)d)d)d)d) AtividadeØ tambØm chamada operaçªo imaginÆria

constante de utilizaçªo dos recursos. e nªo requer tempo.

e)e)e)e)e)O objetivo de um nó ou evento Ø facilitar ae

os cÆlculos de tempo.

Exercício 5Exercício 5Exercício 5Exercício 5Exercício 5

Construa um diagrama CPM para uma fresadora que apresenta defeitos no acionamento da mesa. Utilize os dados da tabela para construir o diagrama.

Exercícios

DESCRI˙ˆO desmontar o conjunto de acionamento da mesa lavar o conjunto da mesa recuperar as guias troca de engrenagens danificadas montar guias montar engrenagens teste dos conjuntos

C D E e F

TEMPO 4 h

2 h 1 h

2 h 2 h 0,5 h

Comentários