Apostila Refrigeração

Apostila Refrigeração

(Parte 6 de 11)

Figura 1 – Esquema Simplificado do Ciclo de Refrigeração

Da Figura 13 à Figura 17 são mostrados exemplos dos principais componentes (Compressor, Condensador, Válvula de Expansão/Tubo Capilar e Evaporador)

Estes componentes, juntamente com uma série de controles (térmicos, de corrente, de pressão alta, de pressão baixa, etc.), constituem o sistema de refrigeração e possibilitam a construção de equipamentos de grande capacidade térmica e também sistemas residenciais, como na Figura 18.

Refrigerantes

É o fluido que absorve calor de uma substância do ambiente a ser resfriado

O que é um Refrigerante ?

Não há um fluido refrigerante que reuna todas as propriedades desejáveis, de modo que, um refrigerante considerado bom para ser aplicado em determinado tipo de instalação frigorífica nem sempre é recomendado para ser utilizado em outra. O bom refrigerante é aquele que reúne o maior número possível de boas qualidades, relativamente a um determinado fim.

As principais propriedades de um bom refrigerante são:

Ä Condensar-se a pressões moderadas; Evaporar-se a pressões acima da atmosférica; Ter pequeno volume específico; Ter elevado calor latente de vaporização;

Ser quimicamente estável (não se altera apesar de suas repetidas mudanças de estado no circuito de refrigeração);

Não ser corrosivo; Não ser inflamável; Não ser tóxico; Deve permitir fácil localização de vazamentos;

Não deve atacar o óleo lubrificante ou ter qualquer efeito indesejável sobre os outros materiais da unidade e

Não deve atacar ou deteriorar os alimentos, no caso de vazamentos. Não deve atacar a camada de ozônio, em caso de vazamentos.

A Reunião de Copenhague

Na reunião de Copenhague, os países signatários decidiram estabelecer o controle sobre novas substâncias e antecipar o “phase out” das que já eram controladas. Os principais pontos do novo acordo são:

1. CFCs a.) 75% de redução em 01/01/1994. b.) 100% de redução em 01/01/1996.

2. Halons 100% de redução em 01/01/1994.

3. Tetracloreto de carbono a.) 85% de redução em 01/01/1995.

b.) 100% de redução em 01/01/1996.

4. Metil clorofórmio (1,1,1 - tricloroetano) a.) 50% de redução em 01/01/1994, em relação à produção de 1986. b.) 100% de redução em 01/01/1996.

Emendas

5. HCFCs a.) Congelamento da produção em 01/01/1996. baseado em:

c.) 35% de redução em 01/01/2004. d.) 65% de redução em 01/01/2010. e.) 90% de redução em 01/01/2015. f.) 9,5% de redução em 01/01/2020. g.) 100% de redução em 01/01/2030.

6. HBFCs 100% de redução em 01/01/1996.

7. Brometo de metila a.) Listado como substância controlada b.) O ano base é 1991. c.) Congelamento da produção em 1995 aos níveis de 1991.

d.) Resolução: avaliar usos e produção do brometo de metila por meio do Painel de Avaliação Científica do Protocolo; estabelecer, na próxima reunião, os prazos para redução da produção e a data final para o “phase out”.

Nota: Para os países em desenvolvimento foram mantidos os dez anos de carência em relação ao “phase out” estabelecido para os países desenvolvidos.

Refrigerantes FreonÒ2

I. Tabela dos Compostos

Os produtos FREONÒ são compostos orgânicos que contêm um ou mais átomos de carbono e flúor. Átomos de cloro, bromo e hidrogênio também podem estar presentes. Entre suas principais características estão a não-inflamabilidade, baixa toxicidade, excelente estabilidade térmica e química, alta densidade associada ao baixo ponto de ebulição, baixa viscosidade e baixa tensão superficial. As páginas seguintes apresentam uma breve discussão de suas propriedades e aplicações. Maiores informações a respeito de pontos específicos estão à disposição no Departamento

FREONÒ da DUPONT do BRASIL S.A.

Produto Fórmula Peso Ponto de ebulição

Molecular ºF ºC

I. Segurança

Embora os compostos fluorcarbonados apresentem toxicidades relativamente baixas quando comparados com outros produtos químicos, os usuários devem conhecer suas características:

A. Inflamabilidade

Nenhum dos compostos FREONÒ é inflamável ou explosivo. No entanto, a mistura com líquidos ou gases inflamáveis pode ser inflamável e deve ser tratada com cuidado.

B. Toxicidade

O potencial de risco dos fluorcarbonos está apresentando na Tabela I. Os riscos específicos são discutidos abaixo.

i) Toxicidade Relativa e o Valor Limite do Limiar (TLV)

A ACGIH - American Conference of Governmental Industrial Hygienists - estabeleceu um Valor Limite do Limiar (TLV) para diversos compostos comumente utilizados. Esses valores são “concentrações de substâncias no ar”, representando condições sob as quais se acredita que quase todos os trabalhadores fiquem expostos diariamente, sem qualquer efeito adverso. O TLV refere-se a concentração medidas no tempo, para um período de trabalho de 7-8 horas e uma semana de 40 horas. Com base em experimentos e experiência, o TLV proporciona uma avaliação quantitativa da toxicidade relativa dos compostos. Normalmente expressa - se o TLV em partes por milhão do volume e abrevia-se como “ppm”.

A exposição a produtos químicos deve ser mínima e não deve exceder o TLV.

Como este valor é uma concentração medida no tempo, prevêem-se períodos ocasionais de exposição acima do TLV. A Tabela VIII mostra com maiores detalhes o TLV, os períodos ocasionais de exposição e o TLV das misturas dos compostos.

i) Efeitos Dérmicos (Contato com a Pele) e Contato com os olhos

Os fluorcarbonos líquidos, cujos pontos de ebulição estão abaixo de 0ºC (32ºF) podem congelar a pele, ao contato, e provocar queimaduras por congelamento. Luvas e roupas adequadas proporcionam isolamento protetor. Deve-se proteger os olhos. No caso de queimaduras por congelamento, é preciso aquecer a área afetada até atingir a temperatura do corpo. Os olhos devem ser abundantemente lavados com água. As mãos podem ser colocadas nas axilas ou imersas em água morna. É preciso providenciar cuidados médicos imediatamente.

Os fluorcarbonos que têm pontos de ebulição na temperatura ambiente ou acima dessa temperatura, apresentam uma tendência a dissolver a gordura protetora da pele, provocando secura e irritação, principalmente após contato ou repetido. Deve-se evitar esse contato por meio de luva de borracha ou de plástico. Quando existe a possibilidade de respingos, é preciso recorrer ao uso de máscaras para a proteção do rosto e dos olhos. Se houver irritação após um contato acidental, procure um médico.

i) Toxicidade Oral

A julgar pela administração de uma única dose ou de várias doses em períodos prolongados, os fluorcarbonos têm baixa toxicidade oral. Quando se administrou

FREONÒ 1 e 14 em ratos e cachorros, durante 90 dias, não houve efeitos adversos com relação aos índices nutricionais, bioquímicos, hematológicos, urinoanalíticos ou histopatológicos, mesmo nos níveis mais altos de dosagem testados. Um estudo de administração de FREONÒ 12, durante dois anos, chegou a conclusões semelhantes.

Além disso, o FREONÒ 12 não apresentou efeitos adversos nos índices mutagênicos, teratogênicos e de reprodução por três gerações.

Entretanto, o contato direto dos fluorcarbonos líquidos como o tecido pulmonar

(Parte 6 de 11)

Comentários