Anap - 2007

Anap - 2007

(Parte 1 de 2)

LEVANTAMENTO DOS RECURSOS NATURAIS DO MUNICÍPIO DE SOBRAL A PARTIR DO RELEVO: UMA ANÁLISE INTEGRADA DA PAISAGEM

Darlan Silva Mariano

Bolsista de iniciação científica da FUNCAP (CE). darlanblue@gmail.com

Prof. Dr. José Falcão Sobrinho

Universidade Estadual Vale do Acaraú/UVA (CE) orientador. falcão@sobral.org

Profa. Ms. Cleire Lima da Costa Falcão

Universidade Estadual Vale do Acaraú/UVA (CE) orientadora. cfalcao@sobral.org

RESUMO

Na atualidade entre os geógrafos há um consenso de que a paisagem, embora tenha sido estudada sob ênfases diferenciadas, resulta da relação dinâmica de elementos físicos, biológicos e antrópicos. E que ela não resulta apenas de um fato natural, mas inclui a existência humana. Tanto a escola alemã, como a francesa, que influenciaram a geografia brasileira, dá ênfase a aspectos diferentes da paisagem. Dentro desta análise, se encontra o relevo como palco desta discussão, na qual é de extrema importância na configuração da paisagem como um todo. O presente trabalho tem como objetivo evidenciar as características naturais no contexto da paisagem, tendo como objeto de estudo o no município de Sobral, localidade esta localizada no estado do Ceará. No contexto das paisagens naturais, o enfoque predominante será no relevo, por ter no mesmo à característica peculiar do semi-árido cearense. Apesar de Sobral estar inserido na superfície sertaneja, podemos citar a presença do maciço residual da Serra da Meruoca, destaca-se ainda, uma extensa planície fluvial proveniente do rio Acaraú, como também, de menor extensão tem-se uma planície fluvial do rio Aracatiaçu. Tanto os elementos estruturais como o potencial de exploração ligado com a ação humana, contribuem para a dinâmica lenta ou expressiva da derivação da paisagem no município de Sobral. Considerando que a atividade do homem se manifesta de forma a integrar e modificar esse espaço, tanto urbano como rural essa relação propicia uma reflexão de todo esse processo, este que será refletido, de forma preliminar, através da proposta de Falcão Sobrinho (2006).

Palavras-chave:

Relevo, Paisagem, Sobral.

1 – EM BUSCA DO ENTENDIMENTO DA PAISAGEM

A noção de paisagem está presente na memória do ser humano antes mesmo da elaboração do conceito. A idéia embrionária já existia baseada na observação do meio. As expressões desta memória e da observação podem ser encontradas nas artes e nas ciências das diversas culturas, que retratavam inicialmente elementos particulares como animais selvagens, um conjunto de montanhas ou um rio. Entretanto, o estudo da paisagem vem sendo abordado desde a origem da sistematização do pensamento geográfico, este enquanto o conhecimento cientifica deu-se entre os naturalistas dos séculos XVIII e XIX. Há uma imensa diferença entre aquele saber geográfico de dois séculos atrás e o atual, mas ele não deve ser qualificado de menos geográfico pelo fato unicamente de tratar a paisagem e não considerar as relações da sociedade com o meio natural.

Para Falcão Sobrinho (2006), a habilidade do geógrafo é ver além da aparência, do visível. Seu conteúdo não é pontual. Mesmo partindo de um ponto, logo estabelecerá relações, casualidades e se tornará cúmplice do que se observa, já que o descreve analisando conforme o seu entendimento.

Entre os geógrafos há um consenso de que a paisagem, embora tenha sido estudada sob ênfases diferenciadas, resulta da relação dinâmica de elementos físicos, biológicos e antrópicos. E que ela não é apenas um fato natural, mas inclui a existência humana. Tanto a escola alemã, como a francesa, que influenciaram a geografia brasileira, dá ênfase a aspectos diferentes da paisagem. A geografia alemã tem herança naturalista, desde Humboldt; a francesa desenvolveu observações quanto à região, formada pelas culturas e sociedades em cada espaço natural. Sauer (1925) analisou a paisagem a partir da região e da área, em certo sentido, termos equivalentes à paisagem. Para o autor, tal reflexão procuraria um conceito de unidade da Geografia, ou, uma associação de formas diversas, tanto físicas como culturais. O conteúdo cultural da paisagem, para este autor, é a marca da existência humana em uma área. Em outras palavras, a cultura seria o elemento que, agindo sobre o meio natural, resulta na paisagem cultural.

Porém definir relevo e paisagem não é nada fácil, pois não se trata de algo isolado, seus diversos aspectos se entrelaçam e dependem uns dos outros, principalmente quando se discute estes dois assuntos, nos quais ambos estão relacionados. Contudo Maximiano (2002), não relaciona essa paisagem com espaço geográfico:

Paisagem não é o mesmo que espaço geográfico, mas pode ser compreendida como uma manifestação deste. O espaço é o objeto de estudo da geografia, enquanto a paisagem poderia ser entendida como uma medida multidimensional de compreensão de um lugar (MAXIMIANO, 2002).

2 – SOBRAL E SUA ESPACIALIDADE

O Município de Sobral tem uma área de aproximadamente 2.122,98 Km², ou seja, 1,43% do total ocupado no estado do Ceará. Sua população é estimada em 175.000 (cento e setenta e cinco mil) habitantes, de acordo com a estimativa do IBGE em julho de 2006. ““O município está localizado entre as coordenadas geográficas: latitude (S) 3° 41’ 10” e longitude (Wgr) 40° 20’ 59”. Limita-se com os seguintes municípios: ao norte com Miraíma, Santana do Acaraú, Massapé, Meruoca, Alcântaras. Ao sul com Cariré, Groaíras, Forquilha, Santa Quitéria, Canindé. Ao leste com Irauçuba, Canindé e Miraíma e ao oeste com Coreaú e Mucambo.(Mapa 01). De acordo com a FUNCEME/IPECE o clima do município está classificado como Tropical quente Semi-árido e Tropical quente Semi-árido Brando. Sua temperatura média está por volta de 26° a 28° C.

Mapa 01: Localização do município de Sobral no Estado do Ceará.

(Fonte:http:// www.sobral.ce.gov.br)

Mapa 02: Município de Sobral e seus respectivos distritos

(fonte:http:// www.sobral.ce.gov.br)

Na sua divisão Político-Administrativa o município está dividido da seguinte maneira (Mapa 02):

3 - PROPOSTA METODOLÓGICA

Nossa proposta metodológica está pautada em evidenciar o relevo como âncora da paisagem constituída dentro dos limites territoriais do município de Sobral. Para tanto adotamos a proposta de Falcão Sobrinho (2006), o qual sugere:

Para Falcão Sobrinho (2006), estabelecer um roteiro metodológico tendo a paisagem com início e fim, é correr um risco de enfrentar dificuldades na obtenção dos dados, pois isso se deve ao fato de que na efetivação da paisagem enquanto elemento norteador de uma pesquisa é ter que buscar a paisagem no passado e entender ainda como resultante dos processos atuais.

Outro ponto a ser analisado é a constituição do relevo como elemento integrador da paisagem, seja ela de pouca ou forte influência antrópica. É a visão de colocá-lo como único elemento tido natural, que é abstrato, pelo menos, enquanto matéria. Partindo com essa concepção Falcão Sobrinho (2006), acrescenta que:

Relevo é uma categoria de abstração, porém se se materializa como suporte de atividades das ações humanas. Suas formas e influenciam as tomadas das decisões de muitas atividades, seja na engenharia, nos plantios no espaço rural ou ordenamento do espaço urbano. Materializa-se como algo perceptível, através das montanhas, das feições dunares ou ambientes desérticos. (p. 98)

Em todo esse contexto, o relevo se insere na paisagem de forma a propiciar uma interação com o meio, contudo não se caracterizando como um elemento natural, sua importância é fundamental para o entendimento da paisagem, pois o relevo é materializado como algo visível, através das variações ou ondulações existentes na superfície terrestre.

Por isso que o relevo agrega uma importância significativa na constituição da paisagem, e é com esse intuito que queremos mostrar a importância deste elemento natural, na dinâmica da paisagem, sendo que este nos trará uma conclusão no estudo do espaço geográfico analisado.

4 – O RELEVO COMO SUPORTE DA PAISAGEM

Procurando melhor entender o relevo e a paisagem no município de Sobral, podemos destacar algumas características mesmo sabendo que existe uma interação entre tais ambientes. Entretanto, se torna mais interessante evidenciar as características peculiares dos elementos que compõem o relevo e a paisagem do município, neste caso, as informações citadas, são caracterizadas por forte teor empírico, considerando-se essencial para o estudo da Geografia.

Foto 01: Maciço Residual no distrito de Jordão Foto 02: Depressão Sertaneja em Taperuaba

(Fotos: Darlan Mariano – julho de 2006)

O Relevo do município é composto por Planície Fluvial, Depressão Sertaneja e Maciço Residual e os solos encontrados em seu espaço territorial são os seguintes: solos Aluviais, Bruno Não Cálcico, solos Litólicos, Planossolo Solódico, Podzólico vermelho-amarelo e Regossolo. A vegetação é composta por Caatinga Arbustiva Aberta, Floresta Mista Dicotillo-Palmacea, Floresta Caducufolia Espinhosa, e floresta Subcaducufolia Tropical Pluvial.

Ao longo de sua paisagem, vamos destacar o relevo do município de Sobral que agrega características peculiares. Entre elas podemos citar a presença do maciço residual da Serra da Meruoca (foto 01), que ocupa a parte norte e noroeste do município. Também podemos notar que a maior parte do município está inserida na depressão sertaneja (foto 02), onde esta é cortada pela planície fluvial do rio Acaraú.

No decorrer deste estudo, vamos compreender a integração desses ambientes nos diversos pontos do município de Sobral.

5 – ELEMENTOS ESTRUTURIAS

Os Elementos estruturais (rochas, clima e água) que compõem o município de Sobral são variados e possuem características concernentes a outros municípios do semi-árido nordestino. Entretanto vamos analisar cada estrutura de acordo com sua localização dentro dos limites do município.

5.1 – ASPECTOS GEOLÓGICOS NA CONSTITUIÇÃO DAS PAISAGENS

As rochas do Pré-cambriano foram formadas há mais de 600 milhões de anos e se caracterizam por terem sofrido grande metamorfismo. O Pré-cambriano é dividido em dois grupos: O Arqueozóico (mais velho) e Proterozóico (mais novo). O Pré-cambriano Indiviso é, sob o ponto de vista de extensão, o mais importante do estado do Ceará, visto que ocupa percentual muito alto em relação à área total do estado. Por toda a área pertencente a este período há uma predominância absoluta de gnaisse sobre as demais rochas encontradas.

5.2 – O CLIMA NA CONSTITUIÇÃO DAS PAISAGENS

O fator clima é fundamental quando se quer analisar a organização das paisagens de uma determinada região. Através de seus elementos, tem-se a possibilidade de refletir sobre a esculturação do relevo, e é imprescindível, para a formação do solo, e importante para o desenvolvimento das atividades relacionadas com o uso do solo.

No município de Sobral existe uma variação climática, dentro as quais podemos citar uma variação diferenciada de pluviosidade em alguns distritos localizados em diferentes pontos e altitudes.

De forma generalizada no estado do Ceará a questão do clima causa um reflexo da homogeneização em se tratando da preocupação nos mais variados relatórios técnicos, nas discussões acadêmicas e até mesmo na fala do agricultor, pois se trata de um fenômeno que oscilante, principalmente relacionado à precipitação, em que se manifesta no meio físico, sem definir parâmetros confiáveis, para previsões evolutivas. A ação climática, no elemento precipitação é silenciosa, imprevisível e causa suspense, para muitos a solução esta na fé.

Em relação ao Município de Sobral, evidenciam-se as existências de uma estação chuvosa e de uma estação seca prolongada. É esta uma das características mais importantes que serve para singularizar o regime pluviométrico, ao lado da acentuada irregularidade do ritmo das chuvas no tempo e no espaço. Como exemplo, verifica-se na superfície sertaneja, oscilações no total da precipitação em vários distritos. Como também, na demais área no caso mais especifica do maciço residual úmido da Meruoca.

Contando com uma distribuição da precipitação no decorrer dos 6 primeiros meses do ano, prolongando-se de janeiro a junho, a maior parte da área tem uma estação chuvosa acentuada entre 2 e 3 meses.

As diferenciações da precipitação em todo o Município estão relacionadas, com muito provavelmente, a altitude dos compartimentos elevados de relevo, a exposição das encostas e os setores mais abrigados das depressões sertanejas, isto é, em algumas localidades do município pode se perceber principalmente no distrito de Jordão a pluviosidade é maior (gráfico 01) do que todas as outras localidades pertencentes ao município, em contrapartida a localidade de Taperuaba apresenta o menor índice pluviométrico do município. (Quadro 01)

Quadro 1: Total de precipitação nos distritos localizados nos diferentes recantos do município de Sobral. Período de 1997 a 2006.

Local

Ano

Média

1997

1998

1999

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

Sobral*

413

423

1095

913

863

892

1135

1196

672

890

849,2

Bonfim**

709

372

897

889

577

852

993

755

515

851

890,6

Taperuaba*

429

581

239

636

709

536

679

517

700

491

622,1

R. Arruda*

1126

928

325

927

790

424

959

887

1290

541

875

Patos*

1256

578

288

782

743

632

763

1102

1120

678

723,3

Aprazível*

430

549

388

925

920

583

768

942

889

712

932,4

Caioca*

979

442

351

1084

941

771

919

826

1077

582

698,7

Aracatiaçu*

1221

740

485

829

1049

734

1094

1070

1186

638

660,3

Caracará*

876

613

471

1015

686

814

911

998

972

609

785,0

Jordão**

1282

2690

1847

1018

1570

1780

506

885

836

429

1250,8

Jaibaras***

684,4

618,2

512

954,2

977,2

759

917

1026

1129

634

1141,3

S. J. Torto*

1069

591

318

726

850

530

868

754

837

547

1091,5

Patriarca***

956

616

382

621

796

626

856

1180

1315

637

932,2

Fonte: Dados coletados na FUNCEME

As informações podem ser visualizadas no gráfico abaixo. Contudo, ficam evidenciadas as irregularidades das precipitações na superfície sertaneja. Alguns distritos apresentam precipitações superiores ao índice que caracteriza as áreas do semi-árido, ou seja, 600mm. Porém, percebe-se que no distrito de Jordão, que fica localizado no Maciço Residual da Serra da Meruoca, é notória uma média de chuvas superior em relação às outras localidades, pois o mesmo encontra-se numa altitude de mais ou menos 750 metros acima do nível do mar o que favorece uma maior pluviosidade.

Gráfico 01

Fonte: Dados coletados na FUNCEME

6 – POTENCIAIS DE EXPLORAÇÃO

O Potencial de Exploração (solo, vegetação e água), está basicamente relacionado com os elementos para a sustentação do ser humano, ou seja, o que ele necessita para sua sobrevivência. Complementando o assunto, FALCÃO SOBRINHO (2006) afirma que:

A ação antropogênica vem sendo a força que exerce uma forte influência no modulado da paisagem, suas ações são contínuas e expressam-se de forma lenta ou intensa. A ação do homem relaciona-se diretamente com a dimensão que ele tem para o lugar, com o modo de lidar com a terra, tendo ali sua fonte de sustentação. (p. 102)

A variação do relevo dentro do contexto da paisagem é fundamental para o entendimento da dinâmica antrópica diretamente voltada para sua sobrevivência. É com esse efeito, que vamos analisar como tem sido o potencial de exploração nos diversos recantos do município de Sobral.

Na área onde parte da serra da Meruoca pertence ao município, percebemos algumas explorações de granito, onde estes são retirados em formas de bloco, ocasionando um impacto visual no relevo e na natureza. Outro potencial de exploração encontrado em Sobral é a mina de exploração da CCCP (Companhia Cearense de Cimento Portland), ou seja, uma mina de exploração de calcário, localizado no distrito de Aprazível, distante uns 23 Km da sede do município. Outra ação encontrada no município é a agricultura de subsistência, onde ocorre o manejo inadequado dos solos do município. Com isso as práticas agrícolas, operam-se inadequadamente, sem técnicas de plantio em que atendam às curvas de nível, propiciando a erosão nas vertentes onde se verifica uma mudança gradativa da paisagem local. Ratificando tal informação, podemos perceber que a agricultura familiar é herdeira do sistema tradicional de broca e queima com isso se verifica um intenso desmatamento no município durante o período do plantio.

6.1 – O SOLO NA ORGANIZAÇÃO DO CENÁRIO DA PAISAGEM

O Município de Sobral tem em suas limitações os seguintes solos: Aluviais, Bruno Não Cálcico, Litólicos, Planossolo Solódico, Podzólico vermelho-amarelo eregossolo. Para uma melhor compreensão vamos analisar a constituição de cada solo.

  • AMBIENTES FLUVIAIS

SOLOS ALUVIAIS - Os solos aluviais são moderadamente profundos a profundos, com reação moderadamente ácida e moderadamente alcalina, às vezes fortemente alcalino com textura muito variável, predominantemente mineral. A drenagem é comumente imperfeita, mas pode ocorrer o tipo mal e moderado. Possui alta fertilidade natural. Apresenta ausência de pedregosidade e textura argilosa. Oriunda de sedimentos recentes, carregados pela planície do rio Acaraú.

  • AMBIENTE DA SUPERFÍCIE SERTANEJA

(Parte 1 de 2)

Comentários