Zooplâncton

Zooplâncton

(Parte 2 de 2)

Curso Superior de Tecnologia em Aqüicultura - Disciplina de Biologia de Animais Aquáticos – 2º Período Profº César Ademar Hermes condições alimentares tornam-se desfavoráveis, a produção partenogenética cessa e são produzidos machos em vez de fêmeas. Ao mesmo tempo, as fêmeas adultas formam diferentes tipos de ovos, os ovos de resistência. Estes são de coloração opaca, escuros, e são liberados juntamente com parte da carapaça, formando uma estrutura chamada efípio (Figura 5.3).

Os cladóceros são encontrados em todos os tipos de água doce, mas geralmente os lagos, reservatórios e viveiros contêm uma densidade muito maior do que os rios.

A Figura 5.4 mostra algumas espécies de cladóceros utilizadas em cultivo. A sistemática dos cladóceros encontra-se em plena revisão e nos últimos anos têm sido introduzidas várias modificações, principalmente, devido a estudos mais cuidadosos de morfologia em nível populacional.

Taxonomia de Cladocera segundo Paggi (1995): Domínio: Eukariota

Reino: Animal

Subreino: Metazoa

Phylum: Arthropoda

Classe: Cladocera

Ordem: Ctenopoda

Família: Sididae Família: Holopedidae

Ordem: Anomopoda

Família: Ilyocrytidae Família: Daphnidae Família: Bosminidae Família: Macrothricidae Família: Chydoridae Família: Moinidae

Figura 5.3. Tipos de ovos em cladóceros (A – ovos normais; B – ovos de resistência no efípio).Figura 5.4 Espécies de Cladocera adequadas para cultivo.

Escola Agrotécnica Federal de Alegre - EAFA

Curso Superior de Tecnologia em Aqüicultura - Disciplina de Biologia de Animais Aquáticos – 2º Período Profº César Ademar Hermes

1.3 COPEPODA

E.Haeckel: Kunstformen der Natur, 18??.

Classificação científica

Domínio: Eukariota

Reino: Animalia

Filo: Arthropoda

Classe: Maxillopoda

Subclasse: Copepoda

Ordem: Calanoida Ordem: Cyclopoida Ordem: Gelyelloida Ordem: Harpacticoida Ordem: Misophrioida Ordem: Monstrilloida Ordem: Mormonilloida Ordem: Platycopioida Ordem: Poecilostomatoida Ordem: Siphonostomatoida

Os copépodos (sub-classe Copepoda) são um grupo de crustáceos muito importantes na composição da fauna de invertebrados aquáticos. Há cerca de 12000 espécies conhecidas, destas, 7500 são de vida livre sendo 1200 próprias de águas continentais.

Certos copépodos de águas continentais podem formar agregações com densidades superiores há 10 indivíduos por litro. Os copépodos podem parasitar peixes e invertebrados aquáticos. A classe Copepoda é a maior e mais diversificada dos crustáceos. Além disso, é considerado o grupo de organismos pluricelulares mais abundante no planeta, superando em número de indivíduos até os insetos. Esses microcrustáceos habitam os diversos ambientes aquáticos, incluindo terras úmidas. Os crustáceos de vida livre podem ser planctônicos, bentônicos, viver em águas subterrâneas, entre outros ambientes. Os copépodos de águas continentais não são tão diversos como os de água salgada, sendo que o plâncton é composto principalmente por Calanoida e Cyclopoida.

Escola Agrotécnica Federal de Alegre - EAFA

Curso Superior de Tecnologia em Aqüicultura - Disciplina de Biologia de Animais Aquáticos – 2º Período Profº César Ademar Hermes

A maioria dos copépodos possuem de 1 a 5 m de comprimento. Seu corpo é composto de cabeça, tórax e abdômen, sendo sua extremidade anterior arredondada ou pontiaguda. A cabeça está fundida com o primeiro e às vezes o segundo segmento torácico. Não possuem olhos compostos, porém há um olho naupliano mediano típico na maioria. As primeiras antenas são unirremes e longas. O tórax possui seis segmentos. O primeiro par de apêndices é modificado formando maxilípedes para alimentação. Os outros cinco apêndices são semelhantes e simetricamente birremes. O abdômen possui cinco segmentos que são mais estreitos que o do tórax e não possui apêndices, exceto um par de ramos caudais no télson.

Fig: Exemplos de Copepoda marinho e de água doce. 9

(Parte 2 de 2)

Comentários