oratoria, como falar em publico

oratoria, como falar em publico

(Parte 1 de 3)

Oratória – autor Eng Lorenzo Busato – Direitos reservados

Autor.

Eng Lorenzo Sampaio Busato.

busato@gruposupera.com.br

Este material foi desenvolvido pelo Grupo Supera. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei nº 5.988 de 14/12/1973. Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida ou transmitida sejam quais forem os meios empregados.

Nossos Diferenciais

O Grupo Supera conta com profissionais graduados e altamente qualificados com passagem por várias empresas de porte nacional e multinacional tais como:

Ambev (Antártica), Banestado, Esso Brasileira de Petróleo, Brasil Telecom, Gestetner do Brasil, HSBC (Bamerindus), Cooperativa Agrária, UFPR, Pirelli, Xerox, entre outras.

Missão

O Grupo Supera tem como missão desenvolver profissionais para um mercado em constantes mudanças, utilizando modernas e eficazes técnicas didáticas para um aprendizado de resultados.

Cursos

Treinamentos

Palestras

Workshops

Consultoria Empresarial

Mapas de Aprendizagem

Leadership Training

Áreas de Atuação

Técnico

Saúde

Meio Ambiente

Comercial

Industrial

Qualidade

www.gruposupera.com.br

“Se você encontrar uma porta à sua frente, poderá abri-la ou não. Se você abrir a porta, pode ou não entrar em uma nova sala.

Para entrar, terá que vencer a dúvida, o titubeio ou o medo. Se você venceu, estará dando um grande passo, pois, nesta sala vive-se.

Mas também tem um preço. São inúmeras as portas que você descobre. O grande segredo

é saber qual

porta deva ser aberta.

A vida não é rigorosa:

ela propicia erros e acertos quando com eles se aprende. Não existe a segurança do acerto eterno. A vida é humilde. Se a vida já comprovou

o que é ruim,

para que repeti-lo?

A humildade dá a sabedoria de aprender a crescer: a vida é generosa:

a cada sala em que se vive,

descobrem-se outras tantas portas”.

UM CONCEITO DE ORATÓRIA

A oratória é a mais típica e a mais gráfica manifestação da arte, porque é a arte da palavra – da palavra que é a vestidura do pensamento, da palavra que é a forma da idéia, da palavra que é nítida voz da natureza e do espírito, da palavra que é tão leve como o ar e tão irisada como a mariposa, da palavra que é transparente como a gaze e tão sonora como o bronze, da palavra que cicia como a aura e troa como o canhão, que murmura como o arroio e ruge como a tormenta, que prende como o ímã e fulmina como o raio, que corta como a espada e contunde como a clava, que fotografa como o sol e acadinha como o fogo; da palavra que ostenta a majestade da arquitetura, o relevo da escultura, o matiz da pintura, a melodia da música, o ritmo da poesia, e que por seus rendilhados e riquezas, por suas graças e opulências, aclama a oratória, rainha das artes, e o orador – rei dos artistas!

Alves Mendes

UM POUCO DE HISTÓRIA...

A arte da oratória teve origem na Sicília, no século V A.C. , através do siracusano Corax e seu discípulo Tísias. Existe uma lenda sobre o aprendizado de Tísias. Quando Corax lhe cobrou as aulas ministradas, Tísias recusou-se a pagar, alegando que, se fora bem instruído pelo mestre, estava apto a convencê-lo de não cobrar, e, se este não ficasse convencido, era porque o discípulo ainda não estava devidamente preparado, fato que o desobrigava de qualquer pagamento.

Eles publicaram um tratado, ou “technê”, que não chegou aos nossos dias, mas sobre o qual vários autores se referiram. O próprio Aristóteles atribuiu-lhes o mérito de iniciar a retórica.

Corax escreveu esta obra para orientar os advogados que se propunham a defender as causas das pessoas que desejavam reaver seus bens e propriedades tomados pelos tiranos. Era um tratado prático, cujos ensinamentos se restringiam à aplicação nos tribunais. Segundo Corax, o discurso deveria ser dividido em cinco partes: o exórdio, a narração, a argumentação, a digressão e o epílogo.

OS GREGOS.

Destacamos aqui, Demóstenes, grego que sofria do mal da gagueira, não possuía o dom da palavra, mas quando ficou órfão, seu tutor se apossou de seus bens de direito que era a herança deixada pelo seu pai, Demóstenes, tentou reaver seus bens nos tribunais, mas devido à sua deficiência, era motivo de risos e chacotas.

Como todas pessoas determinadas, Demóstenes reagiu, todos os dias se encaminhava à beira-mar e tendo como ouvintes as ondas, colocava pedrinhas na boca para discursar, desta forma, venceu a deficiência e voltando aos tribunais falou com eloqüência, e reconquistou sua fortuna tornando-se o maior orador que a Grécia conheceu, sendo reverenciado por Cícero (Roma), duzentos e cinqüenta anos depois.

A ORATÓRIA NOS DIAS ATUAIS.

Nos dias atuais, a oratória está mais objetiva, sem muitos adornos de linguagem e rigidez técnica, o bom orador tem de ser breve, para garantir a satisfação dos ouvintes neste mundo cada vez mais exigente e rápido em mudanças.

Os empresários, executivos, professores, advogados, estudantes, entre tantos outros necessitam cada vez mais da boa comunicação. Todos precisam falar bem para enfrentar as mais diferentes situações: coordenar subordinados, dirigir ou participar de reuniões, negociar com empregados e grevistas, dar boas ou más notícias, dar entrevistas, apresentar trabalhos, etc.

Muito mais do que formar oradores profissionais, este curso destina-se a formar profissionais oradores, isto é, pessoas que possam expressar pela palavra seu conhecimento de maneira correta e segura.

(Parte 1 de 3)

Comentários