Química para a vida

Química para a vida

(Parte 1 de 10)

Junho de 2008 Junho de 2008

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Profissional e Tecnológica Andrea de Faria Barros Andrade Coordenação Geral de Supervisão da Educação Profissional e Tecnológica Aléssio Trindade de Barros

Produção Executiva Aléssio Trindade de Barros Andrea de Faria Barros Andrade Cylene dos Santos Leite Patrícia Barcelos Patrícia Silva Paulo Roberto Wollinger Felipe de Angelis

Apresentação
Introdução
Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança
Eixo Tecnológico: Apoio Educacional
Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais
Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios
Eixo Tecnológico: Hospitalidade e Lazer
Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação
Eixo Tecnológico: Infra-estrutura
Eixo Tecnológico: Militar
Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia
Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design
Eixo Tecnológico: Produção Industrial
Eixo Tecnológico: Recursos Naturais
Perguntas Freqüentes
Tabela de Convergência
Parecer CNE/CEB Nº 1/2008

Como parte da política de desenvolvimento e valorização da educação profissional e tecnológica de nível médio apresentamos o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos.

Este Catálogo configura-se como importante mecanismo de organização e orientação da oferta nacional dos cursos técnicos de nível médio.

Cumpre também, subsidiariamente, uma função indutora ao destacar novas ofertas em nichos tecnológicos, culturais, ambientais e produtivos, propiciando uma formação técnica contextualizada com os arranjos sócio-produtivos locais gerando novo significado para formação, em nível médio, do jovem brasileiro.

Convencidos da importância estratégica da educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento socioeconômico sustentável do País, temos trabalhado arduamente em sua reconfiguração e expansão qualificada.

A expansão da rede federal, o fomento à articulação entre educação científica e educação profissional, por meio do ensino médio integrado ou do PROEJA, encontram no Catálogo uma poderosa ferramenta de orientação e indução que lista 185 possibilidades de formação para o trabalho.

Dentre as 185 denominações de cursos técnicos apresentadas pelo Catálogo, 21 são de oferta exclusiva por parte das Forças Armadas brasileiras, por meio de suas escolas de formação. Todas as denominações, entretanto, designam formações de cursos técnicos de nível médio nacionalmente válidas e amparadas por Diretrizes Curriculares Nacionais instituídas pelo Conselho Nacional de Educação.

A equação que buscamos solucionar envolve o fortalecimento da identidade dos cursos técnicos, sua sintonia com as vocações e peculiaridades regionais e a necessidade de ampliação de sua visibilidade. A combinação desses fatores objetiva ampliar sua oferta e propiciar, aos estudantes, um guia de escolha profissional e, ao setor produtivo, maior clareza entre oferta educativa e sua relação com os postos de trabalho.

Disponibilizamos à sociedade brasileira um instrumento que relaciona, para cada curso técnico, importantes informações, tais como: atividades principais desempenhadas pelo técnico, destaques em sua formação, possibilidades de locais de atuação, infra-estrutura recomendada e carga horária mínima, subsídios fundamentais para o exercício da cidadania no acompanhamento dos cursos.

Produto de construção coletiva, o Catálogo demandou articulação de diferentes e importantes atores sociais. Àqueles que, com generosidade, somaram esforços ao MEC nessa importante iniciativa, nosso agradecimento.

Fernando Haddad Ministro da Educação

Esta publicação resulta de importante trabalho coletivo. Ao longo de 2007 e no primeiro semestre de 2008, especialistas de todo o país, além de representantes dos sistemas de supervisão de ensino dos estados, juntamente com representantes de outros órgãos do governo somaram esforços ao Ministério da Educação para elaborar este documento que servirá na orientação de estudantes e instituições de ensino na oferta de cursos técnicos.

No início dos trabalhos, por meio do cadastro nacional, verificamos grande diversidade de denominações de cursos, em muitos casos, para designar perfis similares. No total encontramos cerca de 2.800 denominações distintas. Entendemos que tal situação dificultava, sobremaneira, a oferta, a orientação aos usuários e à sociedade, bem como a formulação de políticas, planejamento e avaliação dessa modalidade de educação profissional.

Para transformar esta realidade e contribuir na reorganização da oferta de cursos técnicos, o Ministério trabalhou na formulação desse mecanismo já adotado para os cursos superiores com êxito.

O Catálogo agrupa os cursos conforme suas características científicas e tecnológicas em 12 eixos tecnológicos que somam ao todo 185 possibilidades de oferta de cursos técnicos.

Cumprindo a função de apresentar denominações que deverão ser adotadas nacionalmente para cada perfil de formação, o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos não impede, entretanto, o atendimento às peculiaridades regionais, possibilitando currículos com diferentes linhas formativas.

Constam, nos anexos do catálogo, tabela de convergência entre denominações, relacionando as denominações atualmente empregadas àquelas empregadas pelo Catálogo, além de perguntas freqüentes e outras informações complementares.

Gostaríamos de ressaltar que ética, atenção a normas técnicas e de segurança, redação de documentos técnicos, raciocínio lógico, além da capacidade de trabalhar em equipes com iniciativa, criatividade e sociabilidade concretizam a política de formação integral da formação técnica brasileira. Assim, tão-somente para obter clareza e concisão do texto, optamos por elencar, para cada denominação de curso, de maneira não exaustiva, apenas as peculiaridades técnicas de cada formação.

Boa consulta!

Eliezer Pacheco Secretário de Educação Profissional e Tecnológica

Compreende tecnologias associadas à melhoria da qualidade de vida, à preservação e utilização da natureza, desenvolvimento e inovação do aparato tecnológico de suporte e atenção à saúde.

Abrange ações de proteção e preservação dos seres vivos e dos recursos ambientais, da segurança de pessoas e comunidades, do controle e avaliação de risco, programas de educação ambiental.

Tais ações vinculam-se ao suporte de sistemas, processos e métodos utilizados na análise, diagnóstico e gestão, provendo apoio aos profissionais da saúde nas intervenções e no processo saúde-doença de indivíduos, bem como propondo e gerenciando soluções tecnológicas mitigadoras e de avaliação e controle da segurança e dos recursos naturais. Pesquisa e inovação tecnológica, constante atualização e capacitação, fundamentadas nas ciências da vida, nas tecnologias físicas e nos processos gerenciais são características comuns deste eixo.

Ética, biossegurança, processos de trabalho em saúde, primeiros socorros, políticas públicas ambientais e de saúde, além da capacidade de compor equipes, com iniciativa, criatividade e sociabilidade, caracterizam a organização curricular destes cursos.

1.Técnico em Agente Comunitário de Saúde 2.Técnico em Análises Clínicas 3.Técnico em Biotecnologia 4.Técnico em Citopatologia 5.Técnico em Controle Ambiental 6.Técnico em Enfermagem 7.Técnico em Equipamentos Biomédicos 8.Técnico em Estética 9.Técnico em Farmácia 10.Técnico em Gerência de Saúde 1.Técnico em Hemoterapia 12.Técnico em Higiene Dental 13.Técnico em Imagem Pessoal 14.Técnico em Imobilizações Ortopédicas 15.Técnico em Massoterapia 16.Técnico em Meio Ambiente 17.Técnico em Meteorologia 18.Técnico em Nutrição e Dietética 19.Técnico em Óptica 20.Técnico em Órteses e Próteses

Ambiente, Saúde e Segurança

21.Técnico em Podologia 2.Técnico em Prótese Dentária 23.Técnico em Radiologia 24.Técnico em Reabilitação de Dependentes Químicos 25.Técnico em Reciclagem 26.Técnico em Registros e Informações em Saúde 27.Técnico em Segurança do Trabalho 28.Técnico em Vigilância em Saúde

Ambiente, Saúde e Segurança

Técnico em Agente Comunitário de Saúde

Atuando na perspectiva de promoção, prevenção e proteção, orienta e acompanha famílias e grupos em seus domicílios e os encaminha aos serviços de saúde.

Realiza mapeamento e cadastramento de dados sociais, demográficos e de saúde, consolidando e analisando as informações obtidas; participa, com as equipes de saúde e a comunidade, da elaboração, implementação, avaliação e reprogramação do plano de ação local de saúde. Participa e mobiliza a população para as reuniões do conselho de saúde. Identifica indivíduos ou grupos que demandam cuidados especiais sensibilizando a comunidade para a convivência.

Trabalha em equipe nas unidades básicas do Sistema Único de Saúde promovendo a integração entre população atendida e os serviços de atenção básica a saúde.

Possibilidades de temas a serem abordados na formação

Políticas de saúde no Brasil. Estratégia Saúde da Família. Educação e saúde.

Fases do Ciclo Vital. Processos saúde/doença e seus condicionantes.

Territorialização e organização da atenção à saúde. Processo de trabalho e ética.

Informações e registros. Sistema Único de Saúde. Promoção da saúde considerando as situações e grupos mais vulneráveis. Família: ampliação do conceito, especificidades e diferenças.

Possibilidades de atuação Sistema Único de Saúde.

Infra-estrutura recomendada

Biblioteca com acervo específico e atualizado.

Laboratório de informática com programas específicos. Unidades de saúde da família.

Ambiente, Saúde e Segurança Técnico em Análises Clínicas

Auxilia e executa atividades padronizadas de laboratório – automatizadas ou técnicas clássicas – necessárias ao diagnóstico, nas áreas de parasitologia, microbiologia médica, imunologia, hematologia, bioquímica, biologia molecular e urinálise. Colabora, compondo equipes multidisciplinares, na investigação e implantação de novas tecnologias biomédicas relacionadas às análises clínicas. Opera e zela pelo bom funcionamento do aparato tecnológico de laboratório de saúde. Em sua atuação é requerida a supervisão profissional pertinente, bem como a observância à impossibilidade de divulgação direta de resultados.

Possibilidades de temas a serem abordados na formação

Parasitologia, microbiologia, imunologia, hematologia, bioquímica, biologia molecular, urinálise e fisiologia. Química e preparo de soluções. Biossegurança.

Possibilidades de atuação

Hospitais, clínicas e postos de saúde. Laboratórios de diagnósticos médicos.

(Parte 1 de 10)

Comentários