(Parte 1 de 2)

Rodrigo Eduardo Catai, André Padilha Penteado, Paula Ferraretto Dalbello

Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Departamento Acadêmico de Construção Civil, Curitiba, PR, Brasil. E-mail: catai@cefetpr.br

Este trabalho tem o objetivo de realizar uma ampla e atual revisão bibliográfica sobre os principais tipos de materiais, técnicas e processos envolvidos no conforto acústico do ser humano. Destaca-se que esta pesquisa tem grande importância tanto para a sociedade como para profissionais e empresas no geral, pois através da mesma, estes tomarão conhecimento não só dos materiais, técnicas e processos convencionais, mas também terão um enfoque de como esta problemática do ruído é solucionada ao redor do mundo, perante a utilização das mais novas tecnologias existentes. Neste trabalho, serão comentados ainda exemplos práticos sobre isolamentos acústicos em diferentes ambientes, com a apresentação dos principais resultados obtidos, a fim de que se crie uma preocupação ambiental para minimizar a exposição aos ruídos.

Palavras-chaves: Tratamento acústico, Ruídos, Materiais Acústicos e Dry-wall.

1. INTRODUÇÃO

As máquinas e equipamentos utilizados pelas empresas produzem ruídos que podem atingir níveis excessivos, podendo a curto, médio e longo prazo provocar sérios prejuízos à saúde. Da mesma forma, os ruídos provenientes dos meios urbanos podem ocasionar sérios transtornos dentro das edificações, degradando a qualidade de vida da população.

Os principais materiais empregados na construção civil como os blocos cerâmicos, de concreto e o próprio concreto armado já possuem certa característica isolante, nem sempre suficiente para determinadas aplicações em que se necessite de elevado grau de atenuação.

17º CBECIMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 15 a 19 de Novembro de 2006, Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

Para esta atenuação suplementar pode-se empregar, por exemplo, lã de vidro, lã de rocha, espuma acústica, fibra mineral etc. Ressalta-se que estes materiais podem ser aliados a utilização do processo "dry-wall", técnica atual e bastante difundida no Brasil. Neste trabalho, será apresentada uma revisão bibliográfica sobre os principais tipos de materiais, técnicas e processos envolvidos no conforto acústico do ser humano bem como alguns exemplos práticos sobre isolamentos acústicos em diferentes ambientes, com a apresentação dos principais resultados obtidos, a fim de que se crie uma preocupação ambiental para minimizar a exposição aos ruídos.

2. RUÍDO

As máquinas e equipamentos utilizados pelas empresas produzem ruídos que podem atingir níveis excessivos, podendo a curto, médio e longo prazo provocar sérios prejuízos à saúde.

O termo “ruído” possui diversas definições. Segundo Bistafa [1], o ruído pode ser definido como um som sem harmonia e que no geral tem uma conotação negativa. Já de acordo com Lida [2], em sua definição mais subjetiva, o ruído nada mais é do que um som indesejável. Porém, é importante ressaltar que um som pode ser indesejável para um indivíduo, mas não para outro.

O ruído, de forma mais formal, pode ser caracterizado como um fenômeno físico vibratório com características indefinidas de variações de pressão (no caso ar) em função da freqüência, isto é, para uma dada freqüência podem existir, em forma aleatória através do tempo, variações de diferentes pressões. Pode ainda ser definido como um estímulo auditivo que não contém informações úteis para a tarefa em execução [2]; [3]; [4].

2.1. Classificação do ruído

Os ruídos podem ser classificados em contínuo, intermitente ou de impacto. O ruído contínuo do ponto de vista técnico é aquele cujo nível de pressão sonora varia 3 dB (decibéis) durante um período longo (mais de 15 minutos) de observação. O ruído intermitente é aquele cujo nível de pressão sonora varia de até 3 dB em períodos curtos (menor que 15 minutos e superior a 0,2s).

17º CBECIMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 15 a 19 de Novembro de 2006, Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

Entretanto, as normas não diferenciam o ruído contínuo ou intermitente para fins de avaliação quantitativa desse agente. Já o ruído de impacto pode ser definido como picos de energia acústica de duração inferior a 1s, em intervalos superiores a 1s [2]; [3]; [4]; [5].

Segundo a Norma Regulamentadora (NR) 15 [5], os níveis de ruído contínuo ou intermitente devem ser medidos sempre em decibéis (dB) utilizando o aparelho para medição do nível de pressão sonora operando no circuito de compensação "A" e circuito de resposta lenta (Slow).

3. CONFORTO ACÚSTICO

Segundo Vianna e Ramos [6], só existe conforto quando há um mínimo de esforço fisiológico em relação ao som (e a luz, ao calor e à ventilação) para a realização de uma determinada tarefa. Um ambiente confortável proporciona bem estar e harmonia quando as necessidades são atendidas. As principais variáveis do conforto acústico são: entorno (tráfego); a arquitetura; o clima (ventilação, pluviosidade); orientação/implantação (materiais, mobiliário).

É importante ressaltar que tudo na natureza tem propriedades acústicas, mas a capacidade de absorção varia em função do material [7]. Segundo Nakamura [7], a capacidade de absorção é quando, por meio da transformação vibratória em energia térmica, o material pode dissipar a energia sonora que incide sobre este.

A escolha e a maneira da disposição do material depende se a pretensão é corrigir, reduzir ou eliminar o ruído. Forros e paredes recheadas com lãs minerais, como lã de rocha e de vidro, podem corrigir o tempo de reverberação do som. Devese tomar cuidado com os índices de absorção acústica, porque quando em excesso pode impedir que um aluno, por exemplo, em uma sala de aula escute o professor. A escolha do forro ou revestimento precisa levar em conta a taxa de ocupação do ambiente de manutenção, durabilidade, estabilidade e resistência ao fogo [7].

4. PRINCIPAIS TIPOS DE MATERIAIS

Os materiais utilizados para isolamento acústico podem ser classificados em convencionais e não convencionais.

17º CBECIMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 15 a 19 de Novembro de 2006, Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

4.1. Materiais convencionais

São os materiais de vedação de uso comum dentro da construção civil. Os mesmos possuem uma série de vantagens. Uma das principais vantagens é o isolamento acústico razoavelmente bom para uso comum. Como exemplos destes tipos de materiais, citar-se: blocos cerâmicos; bloco de concreto/concreto celular; bloco de silico calcário; madeira; vidro etc.

4.2. Materiais não convencionais (Inovações)

São materiais desenvolvidos especialmente para isolar acusticamente diferentes ambientes. Geralmente, estes materiais também possuem algumas vantagens térmicas. Como: lã de vidro; lã de rocha; vermiculita; espumas elastoméricas; fibra de coco (inovação ecológica) etc.

4.2.1. Lã de vidro

A lã de vidro é mundialmente reconhecida como um dos melhores isolantes térmicos. É um componente formado a partir de sílica e sódio aglomerados por resinas sintéticas em alto forno. Devido ao ótimo coeficiente de absorção sonora em função à porosidade da lã, a onda entra em contato com a lã e é rapidamente absorvida. Suas principais vantagens [8]: - é leve e de fácil manipulação;

- é incombustível, ou seja, não propaga chamas;

- não deterioram;

- não favorece a proliferação de fungos ou bactérias;

O mercado oferece em forma de manta, do tipo manta ensacada com polietileno, manta aluminizada, manta revestida com feltro para construções metálicas e manta de fibro-cerâmica para tubulações e equipamentos com temperaturas elevadas [8].

17º CBECIMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 15 a 19 de Novembro de 2006, Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

4.2.2. Lã de rocha

Conforme Salvador [9], a lã de rocha é composta de fibras originadas de basalto aglomerado com resina sintética. As principais características deste material são: - isolante acústico;

- isolamento térmico;

- incomburente;

- pH neutro, anti-parasita, não corrosivo e imputrescível;

- não nocivo à saúde, mas seu manuseio e aplicação deverá ser feito com vestuário e luvas adequadas; - não poluente;

- favorável custo/benefício.

A lã de rocha pode ser aplicada em forros, divisórias, em dutos de ar condicionados, em tubulações com baixas, médias e altas temperaturas de 50°C a 750°C [9].

O mercado brasileiro oferece a lã de rocha em forma de painéis e mantas revestidas ou não, com plástico auto-extinguível, de manta com “Kraft aluminizado”, de calhas e mantas com tela metálica para proporcionar maior resistência mecânica ao material [8].

4.2.3. Vermiculita

É um mineral da família das micas (aluminosilicato hidratado de ferro e de magnésio), constituído pela superposição de finas lamínulas que ao se submeter a altas temperaturas (cerca de 1000°C) se expande até vinte vezes do seu volume original, deixando um grande vazio em seu interior [10].

As principais características deste tipo de material são: baixa densidade que varia de 80 até 120kg/m³, baixa condutibilidade, incomburente, insolúvel em água, não é tóxico, não abrasivo, inodoro, não se decompõe, deteriora ou apodrece, etc.

Segundo Oliveira et al. [10], a vermiculita dentro da construção civil pode ser aplicada para: enchimento de pisos, isolamento termo-acústico em divisórias, forros, lajes e paredes, corta fogo, câmaras a prova de som, câmaras a prova de fogo, rebocos isolantes, etc.

17º CBECIMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 15 a 19 de Novembro de 2006, Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

Deve-se destacar ainda que o mercado oferece a vermiculita em forma de placas e blocos ou em forma de concreto leve de vermiculita expandida; recomendado, para contra-piso, rebocos acústicos e como enchimento de excelente qualidade [8].

4.2.4. Espuma elastomérica

Este material é uma espuma do poliuretano poliéster, auto-extinguível, que possui as seguintes propriedades: - tratadas com retardante a chama para melhorar sua propriedade quanto a segurança ao fogo; - estão protegidas contra mofos, fungos e bactérias.

A espuma elastomérica é indicada para acústicas em escritórios, auditórios, salas de treinamento, salas de som. Este tipo de material é oferecido no mercado em forma de placas de diversas espessuras e dimensões [1].

4.2.5. Fibra de coco

A Fibra de coco (Corkoco) misturada ao aglomerado de cortiça expandido apresenta excelentes resultados na absorção de ondas de baixa freqüência, dificilmente alcançados por outros materiais. A fibra de coco apresenta resistência e durabilidade cumprindo com a necessidades técnicas exigidas pelo mercado. Alem de ser um material versátil e indicado para isolamento térmico e acústico, utiliza uma matéria prima natural e renovável [12].

5. TÉCNICA E PROCESSOS ENVOLVIDOS NO CONFORTO ACÚSTICO

Uma das técnicas mais utilizadas em todo mundo e que vem sendo aplicada em grande escala no Brasil é denominada de dry-wall ou o gesso acartonado.

As placas são fixadas a uma leve estrutura metálica, podendo ser utilizadas para acabamento sobre a alvenaria ou para estruturar paredes e forros com espessuras menores. O ganho de espaço pode chegar a até 4%. As principais vantagens do uso das placas de gesso acartonado com relação à alvenaria são [13]: elevada produtividade, revestimento de pequena espessura, retirada da relação vertical do caminho crítico da obra, não depende da habilidade do trabalhador,

17º CBECIMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 15 a 19 de Novembro de 2006, Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

menor peso, desmontabilidade, precisão dimensional, permite que as instalações elétricas sejam embutidas, etc.

existência de muitos pontos elétricos pode prejudicar o desempenho da parede [13]

Já as principais desvantagens do dry-wall são [14]: baixa resistência mecânica a cargas potenciais superiores a 35kg, baixa resistência à umidade, etc. O dry-wall é utilizado para separar ambientes, sendo mais indicado trabalhar com uma parede dupla, com montantes de 48 ou 70mm e material acústico entre as placas. O tratamento acústico é fundamental, pois trata apenas de duas placas de gesso. A lã de vidro é muito empregada, podendo ter espessura entre 45 e 50mm com uma densidade media de 16kg/m³. O número exagerado de juntas ou a

6. EXEMPLOS DE AMBIENTES TRATADOS ACUSTICAMENTE

Alguns exemplos de ambientes a seguir apresentados que foram melhorados acusticamente, através da utilização de técnicas de revestimentos acústicos.

6.1. Tratamento acústico para diminuir o ruído gerado por peneiras elétricas

Este primeiro exemplo de tratamento acústico foi desenvolvido por Barbosa e

Zeballos [15], o Laboratório de Materiais de Construção do CTU da Universidade Estadual de Londrina. A sala de peneiras, localizada dentro do laboratório de materiais, apresenta grande necessidade de utilização de revestimento e isolamento acústico, por abrigar peneiras elétricas. Os autores do estudo mencionaram as especificações dos materiais necessários para absorção e isolamento acústico, através de cálculos realizados em planilha eletrônica e gráficos de tempos de reverberação. Após tal procedimento, apresentaram a seguinte proposta de materiais para absorção e isolamento de ruído:

• PISO: Fixação no contra piso de concreto de chapa isolante de fibra de madeira natural.

• FORRO: Colocação de garrafas plásticas (garrafas PET) de 2 litros no teto já existente, através de ripas de madeira (3 x 5cm).

• PAREDES LESTE E OESTE: Colocação de blocos de concreto para absorção de baixa freqüência. No restante da altura da parede (1,10m) serão fixadas chapas de lã de madeira.

17º CBECIMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 15 a 19 de Novembro de 2006, Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

• PAREDES NORTE E SUL: Colocação de blocos de concreto para absorção de baixa freqüência. No restante da altura da parede (1,10m) serão fixadas chapas de lã de madeira.

• PORTA: A porta deverá ser do tipo “sandwich” com duas chapas de madeira de 13mm de espessura e enchimento interno de 5cm de lã mineral e vedante de borracha no batente. O revestimento interno proposto somado à duplicação parcial das paredes, com um piso contando com um material isolante para ruídos de impacto, e a substituição da porta atual por uma porta acústica colaborará para a redução do ruído nas regiões próximas da sala de peneiras.

6.2. Tratamento acústico no banco Citibank em São Paulo

projeto, mantendo assim privacidade entre os escritórios

O prédio do Citibank localizado em São Paulo, na Avenida Paulista, foi construído em 1986 e é um exemplo excelência em conforto acústico. Este prédio comercial, projetado pelo arquiteto italiano Gianfranco Gasperini, comporta silenciosos escritórios panorâmicos. Em prédios comuns isolados acusticamente, o ruído do tráfico de fora não ser ouvido, mas pode-se, por exemplo, escutar uma conversa de telefone a 5 metros de distância. Isto foi levado em considerarão no

Muitos cuidados foram tomados no projeto acústico. Para suavizar o barulho do ar-condicionado foi instalado um sistema eletrônico de alto-falantes sobre o forro que emite o som da chuva. O som funde-se ao ruído do ar-condicionado, mascarando-o. Nas divisórias, foram instalados biombos de aglomerado de madeira com espuma dos dois lados. No forro, chapas metálicas perfuradas com lã de vidro foram empregadas também com o mesmo intuito, assim como vidros especiais das janelas que impedem a entrada de ruídos do exterior. Os materiais obedeceram a rigorosos cálculos, a fim de otimizar o isolamento acústico dos ambientes. Entre as chapas metálicas e o concreto da laje há um espaço de ar com dimensões corretas. O material absorvente sobre as chapas perfuradas tem 37mm [16].

(Parte 1 de 2)

Comentários