(Parte 5 de 11)

5.4.5– Medição de Sons de Impacto

Os critérios de risco auditivo devido a sons de impacto ainda não estão totalmente definidos. As Normas Internacionais ISO sugerem com aproximação para medição de sons gerados por martelos e rebitadeiras, o nível medido em dB na curva "A", com resposta lenta, acrescido de 10 dB. Esse critério não é preciso, principalmente para impactos maiores como martelos pneumáticos, britadeiras, prensas hidráulicas, etc., fazendo com que outros métodos sejam aplicados em muitos países. Muitas Normas Nacionais (como a ABNT) adotam a resposta rápida "fast" com a curva "A" ou "C". Algumas Normas Nacionais já estão adotando os limites de ruído de impacto em termos da constante de tempo para "impulso" (0,035 s). Os medidores de nível de ruído mais sofisticados do mercado já possuem a escala impulso.

Outra maneira de medirmos o som de impacto é usar a escala "valor de pico" (peak) : trata-se não mais da medição da pressão média quadrática RMS em um determinado tempo, mas sim o valor máximo atingido pela pressão sonora durante a medição. Ensaios mostram que o ouvido humano não pode suportar níveis de impacto superiores a 140 dB(pico).

A Tabela 5.3 mostra os ruídos medidos com diversas constantes de tempo.

Tabela 5.3 – Diferentes formas de medição do ruído de impacto

Constante de Tempo

Fonte de Ruído

Martelo manual

Matelete pneumático

Prensa excêntrica

Rápida [0,125 s]

105 dB(A)

112 dB(A)

93 dB(A)

Impulso [0,035 s]

112 dB(A)

113 dB(A)

97 dB(A)

Pico

131 SPL

128 SPL

121 SPL

5.5- Análise de Freqüência

Quando pretendemos fazer um completo programa de controle de ruído ambiental, a análise das freqüências desse ruído se torna de grande importância. O conhecimento das freqüências de maior nível sonoro do ruído vai nos facilitar o projeto de atenuação dos níveis sonoros, como por exemplo, a escolha de superfícies tratadas acusticamente, o enclausuramento de fontes de ruído, a escolha de protetores auriculares, etc.

A análise em freqüência do ruído, porém, necessita de aparelhagem bastante sofisticada, como um medidor de grande precisão e analisador de freqüência. Existem medidores de nível de som que possuem o analisador incorporado.

A figura 5.6 mostra uma análise de freqüência do ruído de crianças numa pré-escola, medido no quintal do vizinho( a 2m do muro e paredes) .

É importante lembrar que a análise das freqüências do ruído se faz apenas em ruídos contínuos e flutuantes; não se faz a análise de freqüência de ruídos de impacto.

Figura 5.6 – Análise de freqüência (espectro) do ruído ctianças numa pré-escola.

5.6. – Os Métodos Usados no Brasil

No Brasil, os critérios para avaliação dos níveis de ruído são estabelecidos para duas aplicações distintas: ruido comunitário de vizinhança e de habitações e ruído ocupacional.

O critérios relacionados ao ruído relacionado à vizinhança foram estabelecidos pela Resolução n. 1 do Conama (Conselho Nacional de Meio Ambiente) de 08 de março de 1990 tomando por referência as normas da ABNT:

- NBR 10151 – Avaliação do Ruído em Áreas Habitadas, visando o conforto da comunidade

- NBR 10152 – Níveis de Ruído para Conforto Acústico, visando o conforto em habitações.

5.6.1- Os métodos das Normas Brasileiras

A Norma NBR 10151 estabelece métodos detalhados de medição para ruídos de vinhaça.

Estes métodos são utilizados para levantamentos acústicos que são avaliados de adordo critérios desta norma, baseados em normas internacionais e no tipo de zona que se avalia. Veja a Tabela 01 desta norma:

Tabela 01 - Nível de critério de avaliação NCA para ambientes externos, em dB(A)

Tipos de áreas

Diurno

Noturno

Áreas de sítios e fazendas

40

35

Área estritamente residencial urbana ou de hospitais ou de escolas

50

45

Área mista, predominantemente residencial

55

50

Área mista, com vocação comercial e administrativa

60

55

Área mista, dom vocação recreacional

65

55

Área predominantemente industrial

70

60

Para ambientes cosntruidos adota-se a NBR 10152, que passa atualmente por uma revisão que irá melhorar os critérios de isolamento entre cômodos de uma residência e vizinhança.

Tabela 5.4. - Níveis de som para conforto, segundo a NBR 10152

LOCAIS

dB(A)

Curvas NC

Hospitais

Apartamentos, Enfermarias, Berçários, Centros Cirúrgicos

Laboratórios, Áreas para uso público

Serviços

35 -45

40 - 50

45 -55

30 -40

35 -45

40 –50

Escolas

Bibliotecas, Salas de música, Salas de desenho

Salas de aula, Laboratórios

Circulação

35 -45

40 -50

45 - 55

30 - 40

35 - 45

40 - 50

Hotéis

Apartamentos

Restaurantes, Salas de estar

Portaria, Recepção, Circulação

35 – 45

40 – 50

45 – 55

30 - 40

35 - 45

40 - 50

Residências

Dormitórios

Salas de estar

35 – 45

40 – 50

30 - 40

35 - 45

Auditórios

Salas de concerto, Teatros

Salas de Conferências, Cinemas, Salas de uso múltiplo

30 - 40

35 - 45

25 - 30

30 – 35

Restaurantes

40 - 50

35 - 45

Escritórios

Salas de reunião

Salas de gerência, Salas de projetos e de administração

Salas de computadores

Salas de mecanografia

30 - 40

35 - 45

45 - 65

50 - 60

25 - 35

30 - 40

40 – 60

45 - 55

Igrejas e Templos

40 - 50

35 - 45

Locais para esportes

Pavilhões fechados para espetáculos e ativ. esportivas

45 - 60

40 - 55

Tabela 5.5- Padrões Propostos (Médio)

DESCRIÇÃO

RW (dB)

Portas e Janelas

>= 20

Paredes entre dependencias

>= 40

Paredes externas

>= 45

Paredes entre unidades

>=50

Piso entre unidades

<= 55

Rw é um índice de isolamento (Européia – internacional) ISO 140-3 que considera melhor as baixas freqüências em seus método de medição. O Recomendado Rw (ABNT)

Hoje usa-se o STC = Sound Transmission Class ( ASTM – Americana)- ASTM E90

Rw = 90% STC

Podem-se utilizar métodos de medição com diferentes graus de precisão:

Tabela 5.6- Normas: Ensaio de Isolação Sonora

TIPO

NORMA

Tecnologicamente

GRAU 1

ISO 140-3

completo- condições controladas

GRAU 2

ISO 140-4; ISO 140-5

engenharia – completo – condições não controladas

GRAU 3

ISSO/DIS 10052

Simplificado – estimativas de dados

5.6.2- Os Métodos da C.L.T.

Os métodos de medição do ruído e a avaliação dos seus danos auditivos fixados pela C.L.T. são os únicos no Brasil com força de lei. Portanto, se uma empresa for multada por atividades insalubres causadas por excesso de ruído, a fiscalização estará fundamentada nos métodos da C.L.T. Esses métodos estão na Norma Regulamentadora Nº 15 (NR15) da Portaria 3.214 e são um pouco mais objetivas que a NBR 7731, mas ainda deixam alguns pontos vagos.

Os métodos da NR 15 são :

ì Os níveis de ruído contínuo ou flutuante devem ser medidos com medidor de nível de pressão sonora na curva de equalização "A" e com resposta lenta (slow). As leituras devem ser feitas próximas ao ouvido do trabalhador.

ì Os ruídos de impacto (são definidos como aqueles que apresentam picos de energia acústica com duração menor que 1 segundo), a medição deve ser feita em circuito "linear" ou "impacto" próximo do ouvido do trabalhador. Caso o medidor não disponha de um medidor com resposta "impacto", será válida a leitura feita na resposta rápida (fast) e ponderação na curva "C".

Sempre devem ser realizadas várias medições (trabalhando-se com a média), com o medidor posicionado próximo ao ouvido do trabalhador.

Embora a Portaria 3.214 não detalhe os métodos de medição (principalmente no que se refere a ruídos flutuantes), as suas colocações são diretas e objetivas.

6- Acústica Arquitetônica:

6.1- Implicações práticas da acústica x conforto, rotina...

O ruído afeta diretamente o nível do conforto do usuário. Para avaliara o nível de conforto é necessário descrever o som medindo o Nível de Pressão Sonora e seu espectro.

Tem-se estudado que a percepção do som se processa nos seguintes limites:

1 dB - imperceptível

3 dB - quase perceptível

5 dB - claramente perceptível

10 dB – diferença substancial

O ser humano percebe o som considerando inconscientemente os seguintes fatores:

- NPS / freqüência

- ouve-se mais os agudos e menos os graves(estes são mais atenuados)

A comunicação humana depende do ambiente:

- ruído mascara a fala

- as consoantes tem som mais fraco => facilidade de mascaramento ( pouca

energia + altas freqüências).

- atrasos temporais maiores que 50 milisegundos começa diminuir a inteligilibilidade

- 10 dB pode ser a diferença de nível entre o som e o ruído de fundo.

A localização da fonte é mais difícil no sentido vertical que horizontal:

- Na horizontal (azimutal) é mais importante;

- Na altura (elevação) é mais difícil perceber.

Ruído causa desconforto. Alguns do seu efeitos:

- distúrbio do sono

- distúrbio do repouso / lazer

- perda de concentração e eficiência no trabalho

- perda de audição

Algumas características geradoras de incômodo:

- condicionantes- comparação entre nível medido e som puro (100 Kz)

- Espectro sonoro: timbre x incomodo (tons puros,...)

(Parte 5 de 11)

Comentários