(Parte 6 de 11)

- intermitência do som: evoca estado de alerta: mudança de ruído chama atenção, ex.: gota d’água

- Diferença de atividade ( trabalho, manual, mental, social (boite), casa, sono...

- hora do dia

- duração da exposição (tempo pequeno x grande)

- atitude individual

Basicamente a acústica arquitetônica se preocupa com duas vertentes realacionadas a acústica:

  • Redução de entrada de ruído nos ambientes ( com layout adequado e/ou isolamento acústico)

  • adequação acústica interna do edifício à sua função.

6.1.1- Desempenho acústico: nova norma em elaboração:

Atualmente utilizamos a norma da ABNT, NBR 10152, que estabelece critérios para conorto acústico em ambientes fechados. A necessidade de parâmetros mais claros para uso nos projetos de edifícios residenciais levou a elaboração da nova norma de desempenho.(www.cobracon.org.br - CE-02:136.01 - Comissão de Estudos - Desempenho de Edificações)

Tipos de ruído:

Na fachada – aéreo

No piso - impacto

IPT desenvolveu

Ensaios de laboratório e campo

Normas

ABNT adota nomenclatura

ISO e IEC

Figura 6.1- Diferentes atividades num edifício.

Tipos de ensaios hoje utilizados:

Tabela 6.1- Normas: ensaio de isolação sonora:

TIPO

NORMA

Tecnologicamente

GRAU 1

ISO 140-3

completo- condições controladas

GRAU 2

ISO 140-4; ISO 140-5

engenharia – completo – condições não controladas

GRAU 3

ISO/DIS 10052

Simplificado – estimativas de dados

Baseado nas normas internacionais foram estabelecido, provisoriamente, os critérios abaixo.

Tabela 6.2- Padrões propostos pela nova norma de desempenho (edifícios até 5 pavimentos)

Desempenho: I – intermediário

M - médio

S – superior

Foi optado por uma simplificação de 36 critérios (normas internacionais) para 5 a 6 critérios (acústicos)

PADRÕES PROPOSTOS (MÉDIO) – (DORMITÓRIO / SALA DE ESTAR)

DESCRIÇÃO

RW (dB)

Portas e Janelas

>= 20

Paredes entre dependências

>= 40

Paredes externas

>= 45

Paredes entre unidades

>=50

Piso entre unidades

<= 55

Abaixo uma descrição sucinta da montagem dos diversos ensaios:

Figura 6.2 – Método ISO 140-3

Ruído de Impacto: Método Engenharia ISO 140-7

Levantamento ISSO/DIS 10052

ABSORÇÃO ISO 354

Figura 6.3- Outros Métodos

Tabela 6.3- Definições de parâmetros

Símbolo

Descrição da Grandeza

Aplicação

Normas

Rw

Índice de Redução Sonora Ponderado

Componentes da Edificação

ISO 140-3

ISO 717-1

Dn,T,w

Diferença Padronizada de Nível Ponderada

Parede / Piso

ISO 140-4

ISO 717-1

D2m,n,T,w

Diferença Padronizada de Nível Ponderada, a 2 metros

Fachada e cobertura

ISO 140-5

ISO 717-1

L’n,T,w

Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado

Impacto em piso

ISO 140-7

ISO 717-2

αw

Coeficiente de Absorção Sonora Ponderado

Absorção Sonora

ISO 354

ISO 11654

Rw ~= STC

STC ( americana) ASTM E90

Rw (Européia – internacional) ISO 140-3

Rw = 90% STC

Rw considera + as freqüências mais graves.

Recomendado Rw (ABNT)

αw Rw RECOMENDADO SEU USO – ABNT – INOVAÇÃO

6.2- Projeto condicionado a função do edifício: layout

A forma mais racional e econômica de lidar com a acústica arquitetônica é incorporar a acústica deste a fase inicial de qualquer projeto.

A disposição do edifício no terreno pode melhorar muita qualidade de uso dos edifícios. Qualquer construção só cumprirá bem sua função se todos os aspectos de conforto e segurança forem levados em conta na fase de projeto.

É necessário primeiramente posicionar o edifício (residência) no terreno de forma a minimizar o ruído externo recebido. As fontes externas podem ser:

- vias de circulação de veículos

- Aeroporto

- centros comerciais

- locais de espetáculo

Resolvida esta questão é importante cuidar do condicionamento acústico:

- defesa contra ruído (controle)

- controle do som ambiente (tratamento acústico)

- vibrações

Conforme a localização o nível de ruído pode impedir a construção de determinados projetos. Na tabela 6.4 algumas recomendações.

Tabela 6.4- Níveis de ruído: atitude aconselhável:

TIPO

NÍVEL

aconselhável

OBS

Intenso

> 75 dBA

Não construir

Residência- isola 45 dBA

Muito forte

65 a 75 dBA

Evitar construir

Residência- isola 35 dBA

Moderado

< 65 dBA

Construir

Residência- isola 30 dBA

LOCALIZAÇÃO: ao dobrar a distancia reduz 6 dB.

É interessante levantar curvas isofônicas: para prever tratamentos (MAPA)

6.2.1- Layout de edifícios comerciais e residenciais:

A recomendação abaixo é uma boa dica para posicionamento de edifício:

- Posição em relação às vias: Ortogonal com a via é melhor (figura 6.4)

Figura 6.4 - Layouts diferentes

Um outro exemplo é o layout de um condomínio residencial (Figura 6.5): distribuir equipamentos barulhentos e edificações secundários mais próximos do ruído (sem barreiras):

Figura 6.5- Condomínio Residencial

Em caso da utilização de barreiras sonoras deve-se observar a diferença da eficiência destas nas diversas freqüências.

http://www.grammbarriers.com/home.htm l

Figura 6.6 – Barreiras Acústicas

Exemplo: Rod Bandeirantes – conjunto habitacional http://www.brasilengenharia.com.br/artbarreira539.htme “Skyline”

A barreira acústica poder ser utilizada com diversas concepções:

Tabela 6.5- Concepções de Barreira acústicas

Concepção

Eficiência

Vegetação – é visual não acústica

POBRE

Parede fina

MÉDIA

Rebaixamento de via

MELHOR

6.2.3- Arquitetura – UFSC

O projeto da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC é um excelente exemplo de racionalidade acústica.

A área destinada a esta construção estava próxima a uma via muito movimentada e isto orientou inicialmente a concepção do projeto, conforme figura 6.4.

Figura 6.7- Terreno a ser instalada a Arquitetura

A qualidade auditiva depende da geometria. Deve se contar com atenuação natural e a massa edificada forma proteção para outro edifício (figura 6.8)

Figura 6.8 – Layout da Arquitetura UFSC

Para o controle de ruído interno foi ajustado:

- O fluxo de alunos: corredor de saída das salas de aula ESTREITO

(Parte 6 de 11)

Comentários