glossáriode termos de engenharia de petróleo

glossáriode termos de engenharia de petróleo

A

ÁGUA DE INJEÇÃO: água injetada em reservatório, com o objetivo de forçar a saída do petróleo da rocha-reservatório, deslocando-o para um poço produtor. Este método é conhecido como "recuperação secundária", e é empregado quando a pressão do poço torna-se insuficiente para expulsar naturalmente o petróleo.

B

BENTONITA: é uma argila coloidal composta principalmente por montmorilonita que incha em contato com umidade. A bentonita é a base essencial da maioria das lamas de perfuração e transfere para a lama propriedades tais como o tioxotrópico formador de gel que não é corrosivo, não abrasivo e lubrificante.

BLOCO DE COROAMENTO – conjunto de 4 a 7 polias montadas em um eixo suportado por dois mancais de deslizamento,fica apoiado na parte superior do mastro ou torre por onde passam os cabos de aço (cabo de perfuração).

BROCAS: são equipamentos que têm a função de promover a ruptura e desagregação das rochas ou formações.

BROCAS SEM PARTES MÓVEIS: não possuem partes móveis e rolamentos o que diminui a possibilidade de falhas destas brocas. Os tipos principal são: integral de lâminas de aço, diamantes naturais e diamantes artificiais (PDC/TSP).

BROCAS COM PARTES MÓVEIS - são brocas que possuem 1 a 4 cones. Elas possuem uma estrutura cortante e rolamentos.

C

CABEÇA DE INJEÇÃO: é através da cabeça de injeção que o fluido de perfuração é injetado no interior da coluna de perfuração . Este equipamento faz também a interface entre os equipamentos rotativos e os equipamentos estacionários da sonda de perfuração.

CABEÇA DE POÇO: é constituída de diversos equipamentos que permitem a ancoragem e vedação das colunas de revestimento na superfície. Os equipamentos são: a cabeça de revestimento,

o suspensor,o carretel de revestimento, a cabeça de produção e o carretel de perfuração.

CABEÇA DE PRODUÇÃO: é um carretel que possui a capacidade de impedir a passagem de pressões altas.

CABO DE PERFURAÇÃO: é um cabo de aço trançado em torno de um núcleo ou alma. O cabo proveniente do carretel é passado e fixado em uma âncora,onde se encontra um sensor que mede a tensão no cabo. Ele segue para o sistema bloco-catarina e posteriormente é enrolado e fixado no tambor do guincho.

CABEÇA DE REVESTIMENTO: tem a finalidade de sustentar os revestimentos intermediários e de produção, de propiciar vedação e acesso a estes, e de servir de base para a instalação dos demais elementos da cabeça de poço e preventores.

CARRETEL DE PERFURAÇÃO: é um equipamento com duas saídas laterais que recebem as linhas de controle do poço: kill line e choke line.

CARRETEL DE REVESTIMENTO: é semelhante à cabeça de revestimento, possuindo ainda duas saídas laterais para acesso ao espaço anular e um alojamento para assentamento do suspensor de revestimento.

COLUNAS DE PERFURAÇÃO: a coluna de perfuração é responsável por transferir energia à broca,em forma de rotação e peso aplicados, à broca no fundo do poço. Os principais componentes da coluna são os comandos, os tubos pesados e os tubos de perfuração.

COMANDOS: são elementos tubulares fabricados emaço forjado que têm como função principal fornecer peso à broca e prover rigidez à coluna , permitindo melhor controle da trajetória do poço.

CATARINA : conjunto de 3 a 6 polias móveis que fica suspensa pelo cabo de perfuração e possui em sua extremidade inferior um alça onde é preso gancho. O cabo de perfuração passa alternadamente pela polias do bloco de coroamento e polias da catarina formando um sistema com 8 a 12 linhas passadas.

E

ELEVADOR: é o equipamento utilizado para movimentar elementos tubulares. Tem a forma de um anel bipartido em que as duas partes são ligadas por uma dobradiça resistente,contendo um trinco especial para seu fechamento.

ESTALEIRO: é o local onde são dispostas todas as tubulações (comandos, tubos de perfuração, revestimentos, etc.) de maneira a facilitar o seu manuseio e transporte.

F

FLUÍDOS DE PERFURAÇÃO: são fluidos utilizados durante a perfuração de poços de petróleo. São misturas complexas de sólidos, líquidos, produtos químicos e gases. Podem ser a base de água, óleo e ainda à base de ar. Dentre os fluidos mais utilizados destaca-se: a bentonita e o polímero adicionado de cloreto de potássio em solução aquosa entre outros. Os fluidos de perfuração possuem as funções de transportar os cascalhos do fundo do poço para a superfície; exercer pressão hidrostática sobre as formações, de modo a evitar influxos ou perda de fluido; resfriar e lubrificar a coluna de perfuração e a broca.

G

GANCHO: o gancho consiste de um corpo cilíndrico com um sistema interno para amortecer os golpes causados pela movimentação das cargas. É o elemento deligação da carga aosistema de polias (catarina).

GUINCHO: é o elemento que movimenta o cabo,sendo por isso responsável pela movimentação vertical das tubulações no poço.

K

KELLY: é um comando que transmite a rotação da mesa rotativa à coluna de perfuração através

da seção poligonal de seu corpo.

KICK: é a invasão dos fluidos da formação para dentro do poço. Ocorre quando a hidrostática do fluido de perfuração fica menor que a pressão do reservatório. A condição acima pode ser provocada por: perfuração não prevista de zonas com pressão anormalmente alta; lama cortada por gás; não abastecimento do poço durante as manobras (TRIP TANK) e pisoteio.

L

LAMA:fluido de perfuração,formado por argila,geralmente bentonitas.

M

MASTRO: é uma estrutura treliçada ou tubular que ,após ser baixada pelo guincho da sonda, é subdividida em três ou quatro seções, os quais são transportadas para a locação do novo poço.

MESA ROTATIVA: equipamento que transmite rotação à coluna de perfuração e permite o livre deslizamento do Kelly em seu interior. Em certas operações a mesa rotativa deve suportar o peso da coluna de perfuração.

P

PLATAFORMAS FIXAS: têm sido as preferidas nos campos localizados em lâminas d`água de até 200m. Geralmente as plataformas fixas são constituídas de estruturas modulares de aço, instaladas no local de operação sob estruturas chamadas jaquetas, presas com estacas cravadas no fundo do mar. As plataformas fixas são projetadas para receber todos os equipamentos de perfuração, estocagem de materiais, alojamento de pessoal, bem como todas as instalações necessárias para a produção dos poços.

PLATAFORMAS AUTO-ELEVÁVEIS: são constituídas basicamente de uma balsa equipada com estrutura de apoio, ou pernas, que, acionadas mecânica ou hidraulicamente, movimentam-se para baixo até atingirem o fundo do mar. Em seguida, inicia-se a elevação da plataforma acima do nível da água, a uma altura segura e fora da ação das ondas. Essas plataformas são móveis, sendo transportadas por rebocadores ou por propulsão própria. Destinam-se à perfuração de poços exploratórios na plataforma continental, em lâminas d`água que variam de 5 a 130m.

PLATAFORMAS DE PERNAS ATIRANTADAS(Tension-Leg Plataform - TLP) - São unidades flutuantes utilizadas para a produção de petróleo. Sua estrutura é bastante semelhante à da plataforma semi-submersível. Porém, sua ancoragem ao fundo mar é diferente: as TLPs são ancoradas por estruturas tubulares, com os tendões fixos ao fundo do mar por estacas e mantidos esticados pelo excesso de flutuação da plataforma, o que reduz severamente os movimentos da mesma. Desta forma, as operações de perfuração, completação e produção das TLPs são semelhantes às executadas em plataformas fixas.

PLATAFORMAS SEMI- SUBMERSÍVEIS (Semi-Sub Plataform)- As plataformas semi-submersíveis são compostas de uma estrutura de um ou mais conveses, apoiada em flutuadores submersos. Uma unidade flutuante sofre movimentações devido à ação das ondas, correntes e ventos, com possibilidade de danificar os equipamentos a serem descidos no poço. Por isso, torna-se necessário que ela fique posicionada na superfície do mar, dentro de um círculo com raio de tolerância ditado pelos equipamentos de subsuperfície. Dois tipos de sistema são responsáveis pelo posicionamento da unidade flutuante: o sistema de ancoragem e o sistema de posicionamento dinâmico.

POÇO PRODUTOR: poço que produz petróleo ou gás natural. Os poços podem ser horizontal ,vertical e direcional.

POÇO SURGENTE: poço no qual o petróleo sobe à superfície espontaneamente, em função da grande pressão de gases no interior das jazidas.

S

SISTEMAS DE CIRCULAÇÃODE FLUÍDOS: o fluido de perfuração é bombeado através da coluna de perfuração até a broca , retornando pelo espaço anular até a superfície , trazendo consigo cascalhos cortados pela broca. Os cascalhos são retirados do fluido pelo mud sahker ,como pode ser visto na figura abaixo, e levados para análise pelos geólogos. O fluido é então armazenado em tanques onde recebe tratamento químico para que fique dentro da especificação exigida pelo projetodo poço. Após o tratamento o fluido fica disponível para ser injetado novamente na coluna de perfuração. O sistema de circulação é composto por todos os equipamentos que permitema circulação e o tratamento do fluido.

SISTEMAS FLUTUANTES DE PRODUÇÃO (FPS): os Sistemas Flutuantes de Produção, também conhecidos como FPS - Floating Production Systems, são navios, em geral de grande porte, com capacidade para produzir, processar e/ou armazenar petróleo e gás natural, estando ancorados em um local definido. Os principais tipos de FPS são: FPO - As FSOs (Floating Production and Offloading) são Unidades Flutuantes de Produção e Descarga. FPSO - As FPSOs (Floating Production, Storage and Offloading) são Unidades Flutuantes de Produção, Armazenamento e Descarga. FSU - As FSUs (Floating Storage Unity) são Unidades Flutuantes de Armazenamento.

SONDA DE PERFURAÇÃO: é composta por equipamentos responsáveis por uma determinada função na perfuração de um poço e são agrupados em “sistemas”. Os principais sistemas são: de sustentação de cargas, de geração e transmissão de energia, de movimentação de carga, de circulação, de segurança do poço, de monitoramento e o sitema de superfície (coluna de perfuração).

SWIVEL: elemento que liga as partes girantes às fixas,permitindo livre rotação da coluna;por um tubo na sua lateral (gooseneck) permite a injeção de fluido no interior da coluna de perfuração.

T

TORRE DE PERFURAÇÃO: é uma estrutura de aço especial, de forma piramidal, de modo a prover um espaçamento vertical livre acima da plataforma de trabalho para permitir a execução das

manobras. A torre é constituída de um grande número de peças, que são montadas uma a uma.

TUBOS PESADOS: são elementos tubulares de aço forjado que têm como finalidade principal, promover uma transição de rigidez entre comandos e os tubos de perfuração , diminuindo a possibilidade de falha por fadiga.

TUBOS DE PERFURAÇÃO: são tubos de aço sem costura,tratados internamente com aplicação de resinas para diminuição do desgaste interno e corrosão.

Comentários