Manual Residuos Solidos

Manual Residuos Solidos

(Parte 5 de 9)

Grandes volumes: transporte manual (em fardos) com auxílio de giricas ou carrinhos associados a elevador de carga ou grua. Pequenos volumes: deslocamento horizontal manual (dentro dos sacos de ráfia) e vertical com auxílio de elevador de carga ou grua, quando necessário.

Transporte dos resíduos contidos em sacos, bags ou em fardos com o auxílio de elevador de carga ou grua, quando necessário.

Carrinhos ou giricas para deslocamento horizontal e elevador de carga ou grua para transporte vertical.

Equipamentos disponíveis para escavação e transporte (pá-carregadeira, “bobcat” etc.). Para pequenos volumes, carrinhos e giricas.

Blocos de concreto, blocos cerâmicos, argamassas, outros componentes cerâmicos, concreto, tijolos e assemelhados.

Madeira

Plástico, papelão, papéis, metal, serragem e EPS (poliestireno expandido, por exemplo, isopor)

Gesso de revestimento, placas acartonadas e artefatos

Solos

4.3.4.3 Acondicionamento final Na definição do tamanho, quantidade, localização e do tipo de dispositivo a ser utilizado para o acondicionamento final dos resíduos deve ser considerado este conjunto de fatores: volume e características físicas dos resíduos, facilitação para a coleta, controle da utilização dos dispositivos (especialmente quando dispostos fora do canteiro), segurança para os usuários e preservação da qualidade dos resíduos nas condições necessárias para a destinação. No decorrer da execução da obra as soluções para o acondicionamento final poderão variar. Mas para o êxito da gestão dos resíduos basta respeitar o conjunto de fatores mencionado.

24 Resíduos não oriundos da atividade construtiva:

ACONDICIONAMENTO FINAL Preferencialmente em caçambas estacionárias.

Preferencialmente em baias sinalizadas, podendo ser utilizadas caçambas estacionárias.

Em bags sinalizados.

Em bags sinalizados ou em fardos, mantidos ambos em local coberto.

Em baias sinalizadas. Baia para acúmulo dos sacos contendo o resíduo.

Em caçambas estacionárias, respeitando condição de segregação em relação aos resíduos de alvenaria e concreto.

Em caçambas estacionárias, preferencialmente separados dos resíduos de alvenaria e concreto.

Dispor em local de fácil acesso e solicitar imediatamente a retirada ao destinatário.

Baia para acúmulo dos sacos contendo o resíduo ou fardos.

Em baias devidamente sinalizadas e para uso restrito das pessoas que, durante suas tarefas, manuseiam estes resíduos.

Em bags para outros resíduos.

Blocos de concreto, blocos cerâmicos, argamassas, outros componentes cerâmicos, concreto, tijolos e assemelhados.

Madeira

Plásticos (sacaria de embalagens, aparas de tubulações etc.)

Papelão (sacos e caixas de embalagens dos insumos utilizados durante a obra) e papéis (escritório)

Metal (ferro, aço, fiação revestida, arames etc.) Serragem Gesso de revestimento, placas acartonadas e artefatos

Solos Telas de fachada e de proteção

EPS (poliestireno expandido) – exemplo: isopor

Resíduos perigosos presentes em embalagens plásticas e de metal, instrumentos de aplicação como broxas, pincéis, trinchas e outros materiais auxiliares como panos, trapos, estopas etc.

Restos de uniformes, botas, panos e trapos sem contaminação por produtos químicos.

Cestos para resíduos com sacos plásticos para coleta convencional.

Acondicionar em dispositivos, conforme normas específicas.

Restos de alimentos e suas embalagens, copos plásticos usados e papéis sujos (refeitório, sanitários e áreas de vivência).

Resíduos de ambulatório.

4.3.5 Reutilização e reciclagem dos resíduos Deve haver atenção especial sobre a possibilidade da reutilização de materiais ou mesmo a viabilidade econômica da reciclagem dos resíduos no canteiro, evitando sua remoção e destinação.

O correto manejo dos resíduos no interior do canteiro permite a identificação de materiais reutilizáveis, que geram economia tanto por dispensarem a compra de novos materiais como por evitar sua identificação como resíduo e gerar custo de remoção.

O quadro abaixo menciona alguns materiais ou resíduos com possibilidade de reutilização e cuidados exigidos.

Em relação à reciclagem em canteiro dos resíduos de alvenaria, concreto e cerâmicos, devem ser examinados os seguintes aspectos: i) volume e fluxo estimado de geração; i) investimento e custos para a reciclagem (equipamento, mão-de-obra, consumo de energia etc.); i) tipos de equipamentos disponíveis no mercado e especificações; iv) alocação de espaços para a reciclagem e formação de estoque de agregados; v) possíveis aplicações para os agregados reciclados na obra; vi) controle tecnológico sobre os agregados produzidos; vii) custo dos agregados naturais; viii) custo da remoção dos resíduos. A decisão por reciclar resíduos em canteiro somente poderá ser tomada após o exame cuidadoso dos aspectos acima relacionados e uma análise da viabilidade econômica e financeira.

Retirada das peças, mantendo-as separadas dos resíduos inaproveitáveis.

Segregação imediatamente após a sua geração, para evitar descarte.

Identificar eventual necessidade do aproveitamento na própria obra para reaterros.

Painéis de madeira provenientes da desforma de lajes, pontaletes, sarrafos etc.

Blocos de concreto e cerâmicos parcialmente danificados

Solo

Manter as peças empilhadas, organizadas e disponíveis o mais próximo possível dos locais de reaproveitamento. Se o aproveitamento das peças não for próximo do local de geração, essas devem formar estoque sinalizado nos pavimentos inferiores (térreo ou subsolos),

Formar pilhas que podem ser deslocadas para utilização em outras frentes de trabalho.

Planejar execução da obra compatibilizando fluxo de geração e possibilidades de estocagem e reutilização.

4.3.6 Formalização dos procedimentos A implantação da Gestão de Resíduos interfere no dia-a-dia de todos os agentes que atuam na obra. Os resultados são obtidos conforme o nível de comprometimento dos operários, empreiteiros e direção da empresa com a metodologia proposta. Desse modo, a adesão dos agentes dependerá de treinamento, capacitação e respeito às novas condições necessárias para a limpeza da obra, triagem e destinação dos resíduos. Cumpre destacar que os construtores, no exercício de suas responsabilidades, precisam contar com os agentes integrantes da cadeia produtiva, inclusive do apoio dos fornecedores de insumos.

Esse compromisso precisa ser formalizado e deve estar expresso nos respectivos contratos, merecendo destaque para os seguintes aspectos:

(Parte 5 de 9)

Comentários