Epidemio

Epidemio

Uma Breve Introdução à Epidemiologia

  • WALDMAN, E. A. Uma breve introdução à epidemiologia. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância em saúde pública. São Paulo: Fundação Petrópolis, 1998. 253 p. p. 1-10.

Aspectos Conceituais

  • Diferença entre Epidemiologia e Clínica.

Aspectos Conceituais (cont.)

  • Epidemiologia como ciência.

  • Epidemiologia como disciplina da saúde pública.

Aspectos Conceituais (cont.)

  • Definição:

    • Epidemiologia é o estudo da freqüência, da distribuição e dos determinantes dos estados ou eventos relacionados à saúde em específicas populações e aplicação desses estudos no controle dos problemas de saúde (J. Last, 1995).

A Pesquisa Epidemiológica

  • Estudo da freqüência e distribuição das doenças na população com a identificação de seus fatores determinantes.

  • Avaliação do impacto da atenção a saúde sobre as doenças.

A Pesquisa Epidemiológica (cont.)

A Pesquisa Epidemiológica (cont.)

A Pesquisa Epidemiológica (cont.)

Evolução da Epidemiologia

  • Hipócrates (400 a.C.).

    • Dos Ares, Águas e lugares.

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • John Graunt (século XVII).

    • Quantificação dos padrões da natalidade, mortalidade e ocorrência de doenças identificando:
      • Existência de diferenças entre os sexos e na distribuição urbano-rural.
      • Elevada mortalidade infantil.
      • Variações sazonais.
    • Fundador da bioestatística.

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • Willian Farr (século XVIII).

    • Coleta e análise sistemática das estatísticas de mortalidade na Inglaterra e País de Gales.
    • Pai da estatística vital e da vigilância.

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • John Snow (século XVIII).

    • Sobre a Maneira de Transmissão da Cólera (1855).
    • Estudo da freqüência e distribuição dos óbitos segundo a cronologia dos fatos e os locais de ocorrência, além de procurar outros fatores relacionados aos casos – tudo isso com o objetivo de elaborar hipóteses causais.

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • John Snow (século XVIII).

    • Consegue mostrar elementos da teoria do contágio décadas antes de se iniciar os estudos de microbiologia. Via de encontro à teoria dos miasmas então vigente.
    • Apresenta evidências de disseminação da cólera de pessoa a pessoa ou por fonte comum e a possibilidade da transmissão indireta por fômites.

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • John Snow (século XVIII).

    • Deduz a via de penetração e de eliminação do “veneno mórbido” (como ele chamava então o vírus da cólera) como sendo o aparelho digestivo.
    • Introdução do conceito de fator de risco, dando como exemplo a falta de higiene pessoal para a transmissão direta e a contaminação dos rios e poços de água pelo esgoto na transmissão indireta.

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • John Snow (século XVIII).

    • Para isso ele examinou os dados de óbito por cólera em residências servidas por duas companhias de água.
    • Na primeira epidemia, as duas companhias tirava água do rio Tâmisa após ele passar pela cidade.
    • Porém, na segunda epidemia, a Companhia Lambert mudou de endereço.

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • John Snow (século XVIII).

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • John Snow (século XVIII).

    • Daí veja os resultados:

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • John Snow (século XVIII).

    • Veja mais dados:

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • John Snow (século XVIII).

    • Para comprovar ele foi analisar as residências nos distritos servidos pelas duas companhias:

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • John Snow (século XVIII).

    • Raciocínio Epidemiológico de John Snow:
      • Descrição do comportamento da cólera segundo atributos do tempo, espaço e da pessoa.
      • Busca de associações causais entre a doença e determinados fatores por meio de:
        • Exames dos fatos.
        • Avaliação das hipóteses existentes.
        • Formulação de novas hipóteses mais específicas.
        • Obtenção de dados adicionais para testar novas hipóteses.

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • No final do século passado, vários países da Europa e os EUA iniciaram a aplicação do método epidemiológico na investigação de doenças.

  • Em seguida, a investigação epidemiológica foi utilizada em moléstias não-infecciosas.

Evolução da Epidemiologia (cont.)

  • Goldberger em 1915 estabelece a etiologia carencial da pelagra.

  • Doll & Hill estabelecem a associação entre o tabagismo e o câncer de pulmão.

  • Hoje a epidemiologia constitui importante instrumento para a pesquisa na área da saúde, seja no campo da clínica, seja na saúde pública.

Usos e Objetivos da Epidemiologia

  • Aplicações:

    • Descrever o aspecto clínico das doenças e sua história natural.
    • Identificar fatores de risco e grupos de risco.
    • Prever tendências.
    • Avaliar os serviços de saúde.
    • Testar a eficácia e o impacto de estratégias de intervenção.

Usos e Objetivos da Epidemiologia (cont.)

  • Objetivos:

    • Identificar e entender o agente causal e fatores relacionados aos agravos à saúde.
    • Identificar e explicar os padrões de distribuição geográfica das doenças.
    • Estabelecer metas e estratégias de controle.
    • Estabelecer medidas preventivas.
    • Auxiliar o planejamento e desenvolvimento de serviços de saúde.
    • Prover dados para a administração e avaliação dos serviços de saúde.

Comentários Finais

  • Entender a epidemiologia é fundamental para desenvolver modelos epidemiológicos, que é o nosso caso.

  • Vários aspectos desta apresentação, nós já vínhamos fazendo, sem saber que estávamos praticando conceitos de epidemiologia.

  • Fico imaginando o que John Snow iria fazer se tivesse um computador...

Comentários