(Parte 2 de 8)

• Restrições de espaço usado em disco por usuários/grupos usando o sistema de quotas (‘Limitando o uso de espaço em disco (quotas)’ on page 390).

• Uso de grupos dos sistema para restrições de acesso (‘Restrições de acesso a programas/diretórios/arquivos usando grupos’ on page 382).

• Restrições de acesso via hardware: BIOS, disquete, placa com boot via rede, LILO, disco rígido (‘Restrições no hardware do sistema’ on page 399).

• Manipulações de variáveis no bash (TMOUT, PS1, PS2, PS3, PS4, HISTORY, etc).

• Montagem de shell básico restrito (‘Restrições básicas do shell bash com bash -r/– restricted, rbash’ on page 374).

Capítulo 1. Introdução 3

• Uso do sudo para dar privilégio de execução de programas como root a determinados usuários (‘Dando poderes de root para executar determinados programas’ on page 384).

Para melhor organização, dividi o guia em 3 versões: Iniciante, Intermediário e Avançado. Sendo que a versão Iniciante é voltada para o usuário que não tem nenhuma experiência no GNU/Linux. A última versão deste guia pode ser encontrada em: Página Oficial do guia Foca GNU/Linux (http://w.guiafoca.org).

Caso tiver alguma sugestão, correção, crítica para a melhoria deste guia, envie um e-mail para <gleydson@guiafoca.org>.

O Foca GNU/Linux é atualizado freqüentemente, por este motivo recomendo que preencha a ficha do aviso de atualizações na página web em Página Oficial do guia Foca GNU/Linux (http://w.guiafoca.org) no fim da página principal. Após preencher a ficha do aviso de atualizações, você receberá um e-mail sobre o lançamento de novas versões do guia e o que foi modificado, desta forma você poderá decidir em copia-la caso a nova versão contenha modificações que considera importantes.

Venho recebendo muitos elegios de pessoas do Brasil (e de paises de fora também) elogiando o trabalho e a qualidade da documentação. Agradeço a todos pelo apoio, tenham certeza que este trabalho é desenvolvido pensando em repassar um pouco do conhecimento que adquiri ao começar o uso do Linux.

Também venho recebendo muitos e-mails de pessoas que passaram na prova LPI nível 1 e 2 após estudar usando o guia Foca GNU/Linux. Fico bastante feliz por saber disso, pois nunca tive a intenção de tornar o guia uma referência livre para estudo da LPI e hoje é usado para estudo desta difícil certificação que aborda comandos, serviços, configurações, segurança, empacotamento, criptografia, etc.

1.1 Considerações sobre o nível Avançado

Este guia foi compilado incluindo o nível Avançado do guia FOCA GNU/Linux, ele não tem a intenção de focar na configuração de serviços, servidores, aplicativos, nem garantia que ele atenderá a determinada finalidade específica do usuário (principalmente de uma rede, que depende de uma perfeita compreensão para adaptação de acordo com os requisitos de uma instalação local). Seu foco principal é a instalação do serviço, abordando considerações voltadas a segurança, e exemplos de configuração e seu funcionamento.

Com relação a capítulos sobre servidores, é importante observar qual versão é documentada no guia e se confere com a instalada em seu sistema, a fim de que tudo funcione corretamente. Entretanto, na maioria dos casos, as explicações relacionadas a uma versão de um programa são inteiramente válidas em uma nova versão.

Capítulo 1. Introdução 4

1.2 Pré-requisitos para a utilização deste guia

É assumido que você ja tenha experiência na configuração de sistemas Linux, conheça boa parte dos comandos e sua utilização, tenha noções de rede e saiba como procurar documentação para complementar o que vem aprendendo. Enfim, requer que se tiver interesse em se aprofundar em determinada área, que utilize os métodos de busca de documentação sugeridos no guia para complementação do aprendizado. O guia não contém todos os materiais para que a pessoa se torne um expert no assunto, mas contém as referências para documentações mais específicas sobre determinadas áreas do sistema.

Este guia não cobre a instalação do sistema. Para detalhes sobre instalação, consulte a documentação que acompanha sua distribuição GNU/Linux.

O Linux é um sistema operacional criado em 1991 por Linus Torvalds na universidade de Helsinki na Finlândia. É um sistema Operacional de código aberto distribuído gratuitamente pela Internet. Seu código fonte é liberado como Free Software (software livre), sob licença GPL, o aviso de copyright do kernel feito por Linus descreve detalhadamente isto e mesmo ele não pode fechar o sistema para que seja usado apenas comercialmente.

Isto quer dizer que você não precisa pagar nada para usar o Linux, e não é crime fazer cópias para instalar em outros computadores, nós inclusive incentivamos você a fazer isto. Ser um sistema de código aberto pode explicar a performance, estabilidade e velocidade em que novos recursos são adicionados ao sistema.

PararodaroLinuxvocêprecisa,nomínimo,deumcomputador386SXcom2MBdememória (para um kernel até a série 2.2.x) ou 4MB (para kernels 2.4 e 2.6) e 100MB disponíveis em seu disco rígido para uma instalação básica e funcional.

O sistema segue o padrão POSIX que é o mesmo usado por sistemas UNIX e suas variantes. Assim, aprendendo o Linux você não encontrará muita dificuldade em operar um sistema do tipo UNIX, FreeBSD, HPUX, SunOS, etc., bastando apenas aprender alguns detalhes encontrados em cada sistema.

O código fonte aberto permite que qualquer pessoa veja como o sistema funciona (útil para aprendizado), corrija alguma problema ou faça alguma sugestão sobre sua melhoria, esse é um dos motivos de seu rápido crescimento, do aumento da compatibilidade de periféricos (como novas placas sendo suportadas logo após seu lançamento) e de sua estabilidade.

Outro ponto em que ele se destaca é o suporte que oferece a placas, CD-Roms e outros tipos de dispositivos de última geração e mais antigos (a maioria deles já ultrapassados e sendo completamente suportados pelo sistema operacional). Este é um ponto forte para empresas que desejam manter seus micros em funcionamento e pretendem investir em avanços tecnológicos com as máquinas que possui.

Hoje o Linux é desenvolvido por milhares de pessoas espalhadas pelo mundo, cada uma fazendo sua contribuição ou mantendo alguma parte do kernel gratuitamente. Linus Torvalds

Capítulo 1. Introdução 5 ainda trabalha em seu desenvolvimento e na coordenação dos grupos de trabalho do kernel.

O suporte ao sistema também se destaca como sendo o mais eficiente e rápido do que qualquer programa comercial disponível no mercado. Existem centenas de consultores especializados espalhados ao redor do mundo. Você pode se inscrever em uma lista de discussão e relatar sua dúvida ou alguma falha, e sua mensagem será vista por centenas de usuários na Internet e algum irá te ajudar ou avisará as pessoas responsáveis sobre a falha encontrada para devida correção.

1.3.1 Algumas Características do Linux

• É livre e desenvolvido voluntariamente por programadores experientes, hackers, e contribuidores espalhados ao redor do mundo que tem como objetivo a contribuição para a melhoria e crescimento deste sistema operacional. Muitos deles estavam cansados do excesso de propaganda (Marketing) e baixa qualidade de sistemas comerciais existentes

• Também recebe apoio de grandes empresas como IBM, Sun, HP, etc. para seu desenvolvimento

• Convivem sem nenhum tipo de conflito com outros sistemas operacionais (com o DOS,

Windows, OS/2) no mesmo computador. • Multitarefa real

• Multiusuário

• Suporte a nomes extensos de arquivos e diretórios (255 caracteres)

• Conectividade com outros tipos de plataformas como Apple, Sun, Macintosh, Sparc, Alpha,

PowerPc, ARM, Unix, Windows, DOS, etc.

• Utiliza permissões de acesso a arquivos, diretórios e programas em execução na memória RAM. • Proteção entre processos executados na memória RAM

• Suporte a mais de 63 terminais virtuais (consoles)

• Modularização - O Linux somente carrega para a memória o que é usado durante o processamento, liberando totalmente a memória assim que o programa/dispositivo é finalizado

• Devido a modularização, os drivers dos periféricos e recursos do sistema podem ser carregados e removidos completamente da memória RAM a qualquer momento. Os drivers (módulos) ocupam pouco espaço quando carregados na memória RAM (cerca de 6Kb para a Placa de rede NE 2000, por exemplo)

• Não há a necessidade de se reiniciar o sistema após a modificar a configuração de qualquer periférico ou parâmetros de rede. Somente é necessário reiniciar o sistema no caso de uma instalação interna de um novo periférico, falha em algum hardware (queima do processador, placa mãe, etc.).

• Não precisa de um processador potente para funcionar. O sistema roda bem em computadores 386Sx 25 com 4MB de memória RAM (sem rodar o sistema gráfico X, que é recomendado 32MB de RAM). Já pensou no seu desempenho em um Pentium, Xeon, ou Athlon? ;-)

• Suporte nativo a múltiplas CPUs, assim processadores como Dual Core Athlon Duo,

Quad Core tem seu poder de processamento integralmente aproveitado. • Suporte nativo a dispositivos SATA, PATA, Fiber Channel

Capítulo 1. Introdução 6

• Suporte nativo a virtualização, onde o Linux se destaca como plataforma preferida para execução de outros sistemas operacionais.

• O crescimento e novas versões do sistema não provocam lentidão, pelo contrário, a cada nova versão os desenvolvedores procuram buscar maior compatibilidade, acrescentar recursos úteis e melhor desempenho do sistema (como o que aconteceu na passagem do kernel 2.0.x para 2.2.x, da 2.2.x para a 2.4.x).

• Não é requerido pagamento de licença para usa-lo. O GNU/Linux é licenciado de acordo com os termos da GPL.

• Acessa corretamente discos formatados pelo DOS, Windows, Novell, OS/2,

(Parte 2 de 8)

Comentários