Desenho de Tubulações Industriais

Desenho de Tubulações Industriais

(Parte 2 de 4)

O contorno de edificações, equipamentos, canaletas de drenagem, vias e acessos, rota de fuga, devem ser traçados com linha estreita.

Os limites obrigatórios de desenho devem ser traçados em linha larga, interrompida por 2 traços curtos.

Devem ser indicados os sentidos de sobe/desce, de escadas e rampas através de pequenas setas.

Devem ser indicadas e identificadas as plantas de continuação.

A identificação das tubulações deve ser conforme a norma PETROBRAS N-1522, exceto quando definido em contrário pela PETROBRAS.

1.4. Simbologia

Os símbolos adotados para execução da planta de tubulação estão de acordo com a Norma

PETROBRAS N-59. Devem ser traçados gerando, sempre que possível, a proporcionalidade de suas dimensões. Nas Figuras 1.5, 1.6, 1.7, 1.8, 1.9, 1.10, 1.1 e 1.12 é apresentada a simbologia adotada.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 12 Figura 1.5 - Traçado de tubulações e acessórios.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 13 Figura 1.5 - Traçado de tubulações e acessórios (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 14 Figura 1.5 - Traçado de tubulações e acessórios (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 15 Figura 1.5 - Traçado de tubulações e acessórios (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 16 Figura 1.5 - Traçado de tubulações e acessórios (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 17 Figura 1.5 - Traçado de tubulações e acessórios (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 18 Figura 1.5 - Traçado de tubulações e acessórios (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 19 Figura 1.5 - Traçado de tubulações e acessórios (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 20 Figura 1.6 - Flanges.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 21 Figura 1.7 – Bloqueios especiais.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 2 Figura 1.8 – Válvulas.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 23 Figura 1.8 – Válvulas (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 24 Figura 1.8 – Válvulas (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 25 Figura 1.8 – Válvulas (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 26 Figura 1.8 – Válvulas (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 27 Figura 1.8 – Válvulas (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 28 Figura 1.8 – Válvulas (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 29 Figura 1.8 – Válvulas (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 30 Figura 1.9 – Estação de controle.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 31 Figura 1.10 – Suportes de tubulação.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 32 Figura 1.1 – Ligações com equipamentos.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 3 Figura 1.1 – Ligações com equipamentos (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 34 Figura 1.12 – Equipamentos de linha.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 35 Figura 1.12 – Equipamentos de linha (continuação).

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 36

1.5. Rotina para o Desenho das Plantas de Tubulação

De acordo com TELLES, 1997, para a correta execução do desenho das plantas de tubulação faz-se necessário observar as seguintes etapas:

• verificar a possibilidade ou não de desenhar, em uma única folha, todas as tubulações correspondentes a cada planta de arranjo geral;

• desenhar as ruas, acessos, diques, valas e outras construções que existam na área, inclusive os espaços reservados futuras ampliações;

• desenhar os contornos dos vasos, equipamentos, prédios, bases de concreto, estruturas, colunas de suporte dede tubulações elevadas, etc., que devam figurar em cada planta, inclusive os espaços reservados para a montagem e desmontagem de vasos, equipamentos e suas peças internas;

• verificar se são suficientes as larguras das faixas reservadas para a passagem de tubulações que constam na planta de arranjo geral;

• fixar as cotas de elevação dos equipamentos e tubulações;

• escolher as elevações em que devam ser desenhadas cada planta; se necessário, quando houver grupos numerosos de tubulações passando em elevações diferentes, desdobrar o desenho em mais de uma elevação;

• desenhar inicialmente as tubulações de maior diâmetro e aquelas que tenham exigências especiais de serviço para o traçado;

• terminado o desenho, verificar se está de acordo com o respectivo fluxograma;

• verificar se os traçados têm flexibilidade suficiente;

• verificar se os vãos entre os suportes estão dentro dos limites admissíveis;

• verificar se não há interferências das tubulações entre si ou com vasos, equipamentos, estruturas, suportes, etc.;

• verificar as posições das válvulas e de outros acessórios e equipamentos quanto a facilidade de acesso, operação e manutenção;

• colocar os dispositivos de restrição de movimentos;

• completar as plantas com os seguintes dados: 9 identificação das linhas; 9 coordenadas dos limites e das linhas principais; 9 cotas e elevações; 9 identificação dos vasos, equipamentos e instrumentos; 9 identificação dos suportes; 9 numeração das colunas; 9 lista de suportes; lista de desenhos de referencia e notas gerais.

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS I UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 37

(Parte 2 de 4)

Comentários