Caderno de Educação Ambiental - As Águas Subterraneas do Estado de São Paulo - SMA- 2008

Caderno de Educação Ambiental - As Águas Subterraneas do Estado de São Paulo -...

(Parte 1 de 5)

Autoras

Mara Akie Iritani Sibele Ezaki

Cadernos de Educação Ambiental

Iritani, Mara Akie; Ezaki, Sibele

Ezaki. – São Paulo : Secretaria de Estado do Meio Ambiente - SMA, 2008.

I4a As águas subterrâneas do Estado de São Paulo/Mara Akie Iritani, Sibele 104p.: il. Color.; 23cm. )

ISBN 978.85.86624.56.8

1. Águas subterrâneas. 2. Hidrogeologia. 3. Aqüíferos do Estado de São Paulo. I. Iritani, Mara Akie I. Ezaki, Sibele II. Título

CDD 551.49

Ficha Catalográfi ca elaborada pela Biblioteca do Instituto Geológico

GOVERNODO ESTADODE SÃO PAULO Governador

SECRETARIADO MEIO AMBIENTE Secretário

INSTITUTO GEOLÓGICO Diretor

José Serra

Francisco Graziano Neto

Ricardo Vedovello INSTITUTO GEOLÓ

Diretor o Rica

ASecretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SMA), buscando efetivar ações na melhoria da gestão ambiental, com resultados e transparência, traçou um programa de trabalho considerando os pontos fundamentais da dinâmica e fragilidades do meio ambiente em consonância com o desenvolvimento sustentável, de acordo com as prioridades da sociedade paulista.

O programa de trabalho da SMA é embasado no desenvolvimento de 21

Projetos Ambientais Estratégicos, que enfocam diversos temas prioritários no cenário atual de desenvolvimento. Sob a coordenação das entidades da SMA, os projetos estratégicos envolvem outras secretarias de Estado, municípios, entidades ambientalistas e representativas da sociedade e empreendedores da iniciativa privada, pois a integração entre os diversos setores é um ponto fundamental para execução das ações e obtenção de resultados.

Dentre os 21 projetos, o Projeto Aqüíferos, visa promover a proteção da água subterrânea no Estado de São Paulo, criando mecanismos de controle e restrição, e propiciar condições de uso sustentável deste recurso. Coordenado pelo Instituto Geológico, e com o envolvimento dos diversos órgãos preocupados com a água subterrânea, as diretrizes deste projeto enfocam a divulgação de informações, mecanismos técnicos e legais de gestão, pesquisa e capacitação.

Este Caderno é um produto da Coleção de Cadernos de Educação Ambiental que traz informações sobre os aqüíferos do Estado de São Paulo e a importância de proteger a água subterrânea. Esta publicação é voltada para o público em geral, mas também a professores de ensino médio e fundamental, disseminadores de conhecimento, esperando que os frutos desta iniciativa sejam colhidos ainda por esta geração.

FRANCISCO GRAZIANO NETO Secretário de Estado do Meio Ambiente

OInstituto Geológico possui um longo histórico na produção de pesquisa na área da hidrogeologia, sempre buscando subsidiar a gestão e pro- mover a proteção das águas subterrâneas do Estado de São Paulo.

Os estudos desenvolvidos até o momento, permitiram adquirir um conhecimento sobre os aqüíferos do Estado de São Paulo e conquistar o reconhecimento de seu trabalho junto às diversas instituições que atuam no setor, com os quais o Instituto Geológico sempre teve experiências positivas de trabalho conjunto.

Um dos exemplos de sucesso de projeto, foi o que resultou no Mapa de

Vulnerabilidade e Risco de Poluição das Águas Subterrâneas no Estado de São Paulo, finalizado em 1997 e desenvolvido em parceria com a CETESB e o DAEE. Os resultados deste projeto subsidiaram, e ainda subsidiam, a priorização de estudos e pesquisas em áreas identificadas como críticas quanto ao risco potencial de poluição das águas subterrâneas.

O exemplo mais recente de sucesso foi a parceria com o DAEE, IPT e CPRM, que resultou na publicação do Mapa de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo. A finalização deste produto, juntamente com a implantação do Projeto Ambiental Estratégico Aqüíferos, o qual o Instituto Geológico tem a satisfação de coordenar, motivou a elaboração deste Caderno.

O objetivo é divulgar para o público em geral, informações sobre os aqüíferos paulistas, em uma linguagem simples e acessível, buscando trazer o leitor como um parceiro na proteção da água subterrânea e reforçando as ações governamentais.

O Instituto Geológico sempre se esforçará na produção de conhecimento para subsidiar a proteção das águas subterrâneas, um recurso cada vez mais importante no abastecimento da população e no desenvolvimento econômico do Estado de São Paulo.

RICARDO VEDOVELLO Diretor do Instituto Geológico

AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DE SÃO PAULO10 AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DE SÃO PAULO10

1 1. Ciclo da Água

AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DE SÃO PAULO12

Aágua no planeta encontra-se nos estados sólido, líquido e gasoso, distribuída em diferentes reservatórios. A água no estado sólido ocorre nas geleiras; na forma gasosa, como vapor, está na atmosfera, em nuvens. Acima da superfície do solo, a água no estado líquido corre em rios, lagos e oceanos. Abaixo da superfície, a água é armazenada nos poros e outras aberturas existentes nas rochas. Além disso, os seres vivos – animais e plantas – também reservam água. No corpo humano, por exemplo, 60% é água, armazenada principalmente dentro das células, no espaço entre elas e na corrente sangüínea.

Estes reservatórios de água estão em permanente intercâmbio e a energia solar é o principal motor desta circulação. Assim, uma molécula de água que formava uma nuvem pode cair na forma de chuva, infiltrar no solo, ser captada por um poço e estar dentro de você um tempo depois. Este movimento da água entre diferentes reservatórios é o que chamamos deciclo da água.

1. Ciclo da Água

Ciclo da água

131. CICLODA ÁGUA

Existem diversos processos que controlam esta circulação, como a precipitação da água contida nas nuvens na forma de chuva, granizo e orvalho, ou mesmo como neve nas regiões frias ou com elevada altitude.

Outro processo é o escoamento superficial, no qual a água que precipita como chuva ou provém do degelo da neve e de geleiras, escoa no terreno em direção às porções mais baixas, como rios e lagos, em fluxo contínuo até encontrar o oceano.

As nuvens se formam pela evaporação da água presente nos continentes e nos oceanos e também pela transpiração dos seres vivos. A chuva, quando cai sobre as plantas, é interceptada pelas folhas e pode voltar a evaporar. A evaporação associada à transpiração das plantas é denominada de evapotranspiração.

O processo de infiltração permite que a água, precipitada nos continentes, ou resultante do degelo da neve, seja transferida para a subsuperfície, atingindo os estratos mais profundos. É nos poros do solo e dos sedimentos e nas fraturas da rocha que se concentra a água dos aqüíferos. Mas ela não fica parada; circula, mesmo que lentamente, até atingir áreas de descarga, que podem ser rios, lagos, nascentes, áreas encharcadas e oceanos. Quando está a pouca profundidade, a água subterrânea pode, ainda, ser absorvida pelas raízes das plantas.

A descarga da água subterrânea nos corpos de água superficial é denominada de escoamento básico e é responsável por manter o nível da água dos rios e lagos em épocas sem chuva.

AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DE SÃO PAULO14 AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DE SÃO PAULO14

2. Água Subterrânea

16AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

2. Água Subterrânea

O que é e onde fica a água subterrânea?

A água que existe abaixo da superfície do terreno circula nos espaços vazios, denominados poros, existentes entre os grãos que formam os solos e as rochas sedimentares. Em alguns tipos de rocha, a água circula através de fraturas, que são porções onde as rochas se romperam devido à movimentação da crosta terrestre.

Ao se infiltrar no solo, a água da chuva passa por uma porção do terreno chamada de zona não saturada (ZNS) ou zona de aeração, onde os poros são preenchidos parcialmente por água e por ar. Parte da água infiltrada no solo é absorvida pelas raízes das plantas e por outros seres vivos ou evapora e volta para a atmosfera. O restante da água, por ação da gravidade, continua em movimento descendente.

(Parte 1 de 5)

Comentários