apostila de refino de petroleo

apostila de refino de petroleo

(Parte 2 de 3)

Devido à baixa complexidade desses processos e à baixa severidade operacional, normalmente são baixíssimosos investimentos necessários para a implantação dos mesmos.

4.3 PROCESSOS DE TRATAMENTO:

Quando temos entretanto, que adequarmos a qualidade de frações médias(querosene, diesel) ou pesadas (gasóleos, lubrificantes, resíduos), os processos de tratamento mostram-se ineficazes e somos obrigados a lançar mão de outros de maior eficiência, porém como operam em condições bem mais severas, são também de maiores custos operacionais e de maiores investimentos.

O agente responsável pela remoção de impurezas é o hidrogênio, atuando na presença de um catalisador. Este subgrupo é conhecido como processos de hidrotratamentoou de hidroacabamento, causando uma acentuada melhoria na qualidade dos produtos tratados.

4.4 PROCESSOS AUXILIARES:

São aqueles que se destinam a fornecer insumosà operação dos outros anteriormente citados ou tratar rejeitosdesses mesmos processos.

Incluem-se neste grupo a Geração de Hidrogênio (fornecimento deste gás às unidades de hidroprocessamento); a Recuperação de Enxofre (produção desse elemento à partir da queima do gás ácido rico em H2S) e as utilidades (vapor, água, energia elétrica, ar comprimido, distribuição de gás e óleo combustível, tratamento de efluentes e tocha), que embora não sejam de fato unidades de processo, são imprescindíveis à eles.

5.DESTILAÇÃO:

A destilação é um processo físicode separação, baseado na diferença de pontos de ebuliçãoentre compostos coexistentes numa mistura líquida;

Um outro fator importante no processo de destilação, além da temperaturade aquecimento do óleo, é a pressãoa que ele está sendo submetido. Sabe-se que o ponto de ebulição de um determinado líquido é função da pressão que sobre ele está exercendo o ambiente. Quanto maior for a pressão exercida, maior será a temperatura de ebulição do líquido. Logicamente, baixando-se a pressão, baixamos também a temperatura de ebulição do líquido em questão.

5.DESTILAÇÃO:

A conjugação desses dois parâmetros —temperatura e pressão —permite que o petróleo seja separado em suas diversas frações.

De um modo geral, todas as unidades de destilação de petróleo possuem os seguintes equipamentos: torres de fracionamento, retificadores ("strippers"), fornos, permutadores de calor, tambores de acúmulo e refluxo, bombas, tubulações e instrumentos de medição e controle.

Torre de Destilação Atmosférica

Gasolina-40oC a 205oC

Diesel, ÓleoCombustível-180oC a 370oC GasóleoPesado-370oC a 400oC

ÓleoResidual Atmosférico-370oC +

Coluna, 1.5m diâmetrox 30m altura Pratos perfurados permitem que o óleo quente suba ao longo da coluna frio quente

5.1 DestilaçãoAtmosférica

Condensador Fonte de Vácuo

GasóleoResidual de Vácuo (480/565oC)

Resíduode Vácuopara Viscorredução (>565oC )

ÓleoResidual

Atmosférico370oC Para

Craqueamento Catalítico

Torre de

Destilaçãoà Vácuo

ÓleoCruSimilar a DestilaçãoAtmosféricaDestilaçãoacimade 360oC sob vácuoFornececargasparao craqueamentocatalíticoe coqueamento +

5.2 Destilação à Vácuo

R e g e n e r a d o r

R e a t o r

Ar Quente (595OC) para queimado carbono

Gasóleo Pesado

GLP/Gasolina Top Pumparound

Óleo Combustível

“Óleo Sujo” misturadocom óleo combustível residual contendo

Al/SiCatalisadorde Alumínio-Silício≈≈≈≈50 micronsCalorgerado(510oC) pelaqueimado carbonoAs partículasquentesde catalisadoraquecemo óleono reator.As partículasde catalisadorcaemcom o aumentodo seupeso.

Catalisador gasto

Catalisador regenerado (quente)

T o r r e de

D e s t i l a ç ã o Mid Pumparound

Craqueamento Catalítico em Leito Fluidizado17.2

Viscorredução

Óleo Combustível

Nafta GLP

ÓleoResidual (Combustível Marítimo ou Asfalto”

Resíduo de Vácuo

ResíduoAquecidoà540oC de 1 -2 minutes Quebras moleculares no Reactor Produtos Leves separados no Flash Produtos Leves enviados para destilação Converte10 -25% do resíduode vácuoemprodutosaproveitavéis

R e a t o r Flash

Óleo frio

(Parte 2 de 3)

Comentários