Int. Eng. de transportes

Int. Eng. de transportes

(Parte 2 de 2)

• Estabelecimento de novos objetivos ou modificações nos objetivos já definidos;

UNIOESTE – Curso de Engenharia Civil

Área de Estradas e Transportes

· Repetição do processo até que uma solução que satisfaça simultaneamente os critérios padrões e conjunto de valores da comunidade.

A avaliação das alternativas pode usar métodos matemáticos e modelos, tais como: análise estatística; otimização; redes; modelos de filas; programação matemática; pesquisa operacional; modelos físicos etc. Por exemplo, pode-se tanto simular o desempenho de um novo perfil de asa de uma aeronave em um computador como também se pode medir sua performance num túnel de vento. Muitas vezes modelos matemáticos são utilizados nos casos em que os testes com o sistema real são impossíveis ou muito dispendiosa. Em outros casos, pode ser mais atrativo usar um modelo reduzido do sistema real, ou mesmo o próprio sistema.

A engenharia usa uma variedade de modelos matemáticos para a solução de problemas. Por exemplo, podese modelar o comportamento de uma viga considerando-se as relações entre o tipo e posição dos seus apoios, a carga aplicada sobre ela, o material de que ela é feita e suas características geométricas. O projetista pode, então, decidir qual é a forma mais econômica de se construir a viga, dados a carga e os vários tipos de material disponíveis.

Em Engenharia de Transportes, a abordagem é similar. No projeto de sistemas de transporte, busca-se definir relações matemáticas que ajudem a esclarecer o funcionamento das várias partes do sistema. Os modelos exprimem relações entre o número de viagens e a localização de centros de atividade entre os quais as pessoas desejam se movimentar e as características dos serviços de transporte oferecidos, tais como: preço da passagem; tempo de viagem e freqüência de uma linha de transporte coletivo.

A modelagem de sistemas de transporte difere dos modelos matemáticos comumente usados em engenharia porque estes últimos lidam com objetos inanimados que podem ser facilmente manipulados num laboratório, enquanto que os modelos de sistemas de transporte tratam tanto de sistemas sócio-econômicos como tecnológicos. Assim sendo, o processo normal de experimentação em laboratório não pode ser aplicado. Além disso, a variabilidade natural do comportamento humano afeta muitos aspectos do sistema de transporte, desde o controle de veículos individuais até as escolhas com respeito ao destino de viagens e onde as pessoas moram e trabalham. Fatores de difícil mensuração, tais como: grau de ruptura social introduzido numa região pela construção de uma via elevada, aumento dos níveis de ruído, poluição do ar e impacto visual, aumentam ainda mais estas dificuldades que não existem quando se lida com sistemas inanimados. Apesar disto, os modelos matemáticos são, muitas vezes, a única alternativa disponível para a avaliação de alternativas e por isso são largamente usados.

3. Engenheiro de Transportes: Mercado de Trabalho.

• Iniciativa privada: o Consultoria e assessoria;

UNIOESTE – Curso de Engenharia Civil

Área de Estradas e Transportes o Construtoras de componentes de sistemas de transportes; o Laboratórios de empresas particulares ou prestação de serviços; o Empresas fornecedoras ou exploradoras de materiais; o Empresas transportadoras; o Empresas de Logística em geral o Etc.

· Serviço público federal, estadual e municipal: o Órgãos gestores ou do setor de planejamento em geral; o Departamentos ou agências de transportes; o Companhias de transportes e tráfego; o Etc.

• Ensino e pesquisa: o Universidades federais, estaduais, municipais e particulares; o Centros técnicos federais – CEFET’s; o Institutos de pesquisa da área de transportes; o Etc.

(Parte 2 de 2)

Comentários