Conforto e psicologia ambiental: a questão do espaço

Conforto e psicologia ambiental: a questão do espaço

(Parte 1 de 2)

BARROS, Raquel R.M.Paula (1); PINA, Silvia Mikami; KOWALTOWSKI, Doris, C.C.K. (2);

FUNARI, Teresa B.; ALVES, Silvana; TEIXEIRA, Carla; COSTA, Angelina (3). (1) Doutoranda, raquelpb@fec.unicamp.br (2) Profas. Dras. smikami@fec.unicamp.br (3) Mestrandas e Doutorandas Depto. de Arquitetura e Construção - FEC- UNICAMP, CP 6021, Campinas/SP, 019 3788 2306.

Este trabalho apresenta a percepção de uma equipe de arquitetos sobre a consideração da componente Espaço Pessoal em projetos apresentados em publicações de arquitetura. O conceito da psicologia ambiental considera as sensações fisiológicas e psicológicas de conforto dos usuários no ambiente construído, visando contribuir para o conforto num sentido mais abrangente. A partir de revisão conceitual, identificou-se nos projetos os elementos que delimitam e personalizam os espaços habitados, evidenciando sua apropriação pelo usuário. Investigou-se ambientes de permanência temporária a prolongada, dos mais públicos aos mais privativos e em tipologias diversas. A pesquisa defrontou-se com a carência de figuras humanas nas publicações. Para este trabalho, selecionou-se os projetos que melhor ilustram os diferentes elementos identificados, independente de sua localização geográfica. Verificou-se a sobreposição dos conceitos da psicologia ambiental de territorialidade e privacidade ao do Espaço Pessoal. Embora a arquitetura deva enfatizar as relações interpessoais que podem e são criadas a todo instante de interação entre as pessoas, a componente Espaço Pessoal, apesar de sua reconhecida importância, é talvez a que esteja menos evidente no projeto.

This paper presents the perception by a team of architects of the Personal Space component in design work represented in architectural publications. The concept from environmental psychology considers the physiological and psychological feelings for the built environment and intends to contribute to comfort in a more comprehensive sense. From a conceptual standpoint, it proceeded to the identification of design elements that mark out and personalize the inhabited spaces making evident its appropriation by users. There were investigated spaces from temporary to prolonged permanence, from public to private character, and in diverse typologies. The research was faced with the lack of human figures in the publications. The selected design work here presented best illustrates the identified elements, independently of its geographic location. It was verified the layering of the other environmental psychology concepts of territoriality and privacy over Personal Space. Although architecture should emphasize the interpersonal relations that are set every time interaction occurs, Personal Space is probably the least evident component in design work.

As sensações de conforto dos usuários no ambiente construído são mais do que reações fisiológicas, visto que desempenham também papel cultural, simbólico e sensorial. Heschong (2002) enfatiza como as sensações térmicas afetam a experiência do ambiente pelas pessoas, reforçando o significado deste, como abrigo ou proteção, na vida de seus usuários. As sensações de conforto luminoso e acústico

- 135 - também ficam retidas na memória como qualidade avaliada a partir de um repertório de experiências espaciais acumuladas, associando-se à experiência completa do ambiente e contribuindo para sua identificação. Assim, as sensações de conforto traduzidas pelas reações fisiológicas do corpo humano associam-se às sensações de conforto psicológico, que se traduzem em reações de apego ou de desprezo ao lugar. Acredita-se que as pesquisas em conforto no ambiente construído devam procurar respostas que contribuam para a obtenção do conforto neste sentido mais abrangente.

Esta pesquisa procura detalhar a percepção de uma equipe de arquitetos sobre a consideração da componente Espaço Pessoal em projetos apresentados em publicações de arquitetura, através de sua representação gráfica: desenhos, fotos e infográficos. Procurou-se encontrar nos projetos analisados situações tanto de permanência temporária quanto prolongada que evidenciassem a apropriação do espaço físico como Espaço Pessoal por parte dos usuários. Foram levantados alguns elementos arquitetônicos que contribuem para a delimitação do Espaço Pessoal, qualificando-o como ambiente confortável.

Neste trabalho estudou-se o Espaço Pessoal em duas instâncias: primeiramente foi realizada revisão bibliográfica a partir dos conceitos de Sommer (1969) e Hall (1981, 1ª ed. em 1966), dando-se continuidade ao trabalho de Gifford (1997) e outros autores recentes, estudando-se o Espaço Pessoal em situações sob a influência de fatores diversos - pessoais, sociais, físicos, religiosos, étnicos e culturais, a interferência do Espaço Pessoal no comportamento humano, e as teorias que decifram seu funcionamento.

Num segundo momento, buscou-se a identificação dos elementos arquitetônicos que conduzem a ambientes confortáveis com relação ao Espaço Pessoal, selecionados por meio da análise de projetos apresentados em publicações de arquitetura nacionais e estrangeiras, cujas concepções arquitetônicas enfatizam as relações interpessoais. Para este trabalho, selecionou-se os projetos que melhor ilustram os diferentes elementos identificados, independente de sua localização geográfica. Analisou-se a contribuição de cada elemento identificado de modo a alimentar uma catalogação inicial desses elementos visando sua aplicação em futuros projetos.

Os conceitos de Espaço Pessoal, territorialidade, apinhamento (crowding) e privacidade estruturam grande parte dos estudos sobre o comportamento humano no ambiente construído pela psicologia ambiental. O Espaço Pessoal é um desses fundamentos comportamentais no arranjo dos espaços (GIFFORD, 1997).

Retomando o conceito proposto por Sommer (1969), o Espaço Pessoal refere-se a uma área com limites invisíveis que cercam o corpo das pessoas, sendo um território portátil. Reflete dois usos: o primeiro refere-se à zona carregada emocionalmente ao redor de cada pessoa, a “bolha” que regula o espaçamento entre elas. O segundo uso refere-se aos processos pelos quais as pessoas delimitam e personalizam os espaços que habitam.

De acordo com Hall (1981), o meio ambiente arquitetônico e urbano são expressões de um processo de filtragem-peneiramento dos dados sensoriais humanos. Esses filtros sensoriais são culturalmente padronizados. O autor criou o termo proxemia para se referir às observações e teorias interrelacionadas, relativas ao uso que o homem faz do espaço como elaboração especializada da cultura. Reconheceu quatro zonas de distância/ envolvimento entre os indivíduos e as atividades, relações e emoções associadas com cada uma delas: distância íntima, distância pessoal (ou espaço pessoal), distância social e distância pública.

Segundo Gifford (1997), o conceito inicial da “bolha” de Sommer fora desafiado nos anos que se seguiram: o Espaço Pessoal é instável em dimensões, variando de acordo com as circunstâncias; é interpessoal, existindo apenas quando interagimos com outras pessoas; seu conceito deve enfatizar

- 136 - outros aspectos de interação social como ângulo de orientação e contato olho-a-olho; e sua invasão ocorre de forma gradativa, não como quebra de limites. Assim, propõe seu conceito sobre Espaço Pessoal: a componente espacial - distância e orientação - das relações interpessoais. O autor coloca que o Espaço Pessoal é influenciado por questões pessoais (incluindo o gênero, a idade, a personalidade), sociais (que envolvem a atração, o medo/ segurança e as relações de poder e status), físicas, religiosas, étnicas e culturais, sendo esta última a mais facilmente perceptível na conformação do espaço. Afirma, ainda, que o Espaço Pessoal pode ser predito, em parte, quando se conhecem as características pessoais dos indivíduos que influenciam na determinação deste espaço, entretanto depende do arranjo feito entre essas influências para cada situação em particular. As configurações de arranjo físico sociopetal (o que possibilita o contato social) e sociofugal (o que não propicia o contato social) influenciam o Espaço Pessoal, e sua qualificação depende da cultura dos usuários e da situação ou função a que se destina o ambiente.

O Espaço Pessoal, para Bins Ely et al (2000), está relacionado a duas questões fundamentais: proteção e comunicação. A função de proteção serve para regular a quantidade de estímulos trocados. Quanto à função de comunicação, a distância que se mantém dos outros determina que canais sensoriais de comunicação (cheiro, toque, “input” visual, “input” verbal) serão mais salientes na relação. Na medida em que as distâncias escolhidas transmitem o grau de intimidade das ações sensoriais e a preocupação com a própria proteção, elas também informam sobre a qualidade dos relacionamentos estabelecidos.

4. ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS IDENTIFICADOS

Selecionou-se nas publicações de arquitetura projetos de diversas tipologias, dos espaços mais públicos aos mais privativos, de usos comercial, institucional, de serviços e residencial. Identificou-se nos projetos alguns elementos que podem enfatizar as relações interpessoais - amplidão, nichos, mobiliário e equipamentos, barreiras visuais e acústicas, distâncias interpessoais, iluminação, desníveis de piso e forro - os quais, por sua vez, são caracterizados por sub-elementos como pé-direito, materiais de acabamento, vista exterior. Relacionou-se os elementos identificados aos conceitos revistos nesta pesquisa, e também a considerações recorrentes em projetos de reconhecida qualidade.

O elemento amplidão possibilita a adaptabilidade do ambiente, permitindo o ajuste das distâncias interpessoais. A teoria Affiliative-Conflict (GIFFORD, 1997) coloca que um mesmo ambiente pode acomodar ambos os comportamentos formal e informal: um ambiente confortável é aquele possibilita o equilíbrio das nossas tendências de afastamento e aproximação, podendo-se assim inferir um ambiente amplo, que permite o ajuste das distâncias dependendo das circunstâncias e, assim, sua apropriação pelo usuário. Iluminação abundante, cor clara dos materiais de acabamento, pé direito alto ou até inexistência de cobertura e/ou fechamentos laterais conduzem à sensação de amplidão. Ao mesmo tempo, o ambiente amplo pode propiciar intimidade pela possibilidade de formação de nichos, através de mobiliário e/ ou barreiras que não comprometam a sensação de amplidão. Para Hall (1981), o que se pode fazer num determinado espaço determina a maneira de experimentá-lo: a sensação de amplidão depende de se poder caminhar de um lado para outro. Assim, comparando-se dois ambientes de dimensões semelhantes, a experiência de amplidão virá do ambiente em que for necessário o menor número de passos para atravessá-lo. Alexander et al (1977) especifica pés-direitos a ambientes de diferentes usos, capacidades e graus de intimidade entre usuários, sendo o pé-direito alto adequado para um maior número de pessoas desconhecidas.

Restaurante 6 N.Y. City (figura 01): a amplidão é aqui caracterizada por pé direito de 4m, divisões dos ambientes por painéis em vidro jateado, paredes e teto na cor branca e iluminação natural abundante. Ao mesmo tempo, o projeto propicia intimidade através de nichos em “L”, em tela inox, que permitem passagem de luz suave, e arranjos de mobiliário para diferentes tamanhos de grupos, de modo não hierarquizado.

- 137 -

Ampliação de escola em Brunswick (figura 04): neste projeto foi explorada a tendência dos alunos subirem na cobertura do edifício existente, encorajados pela implantação topográfica da edificação, rebaixada em relação ao entorno. A cobertura inclinada sobre as novas salas de aula permite sua apropriação pelos usuários, como espaço de brincar e também de ensino ao ar livre.

Escritório Oxygen Media (figura 05): pé-direito alto (trata-se de galpão reformado), vários arranjos possíveis de mobiliário, barreiras e nichos, proporcionando maior adaptabilidade ao uso.

Recorrentes em projetos de reconhecida qualidade e em alguns dos padrões constantes em A pattern language (ALEXANDER et al, 1977), os nichos são configurados por mobiliário e/ou estruturas físicas (como paredes e materiais de acabamento) e destacam o Espaço Pessoal, proporcionando maior proteção, intimidade e interação social (quando conformações coletivas em arranjo sociopetal). Podem ser também conformações temporárias ou fixas, neste último caso subtraídas ou agregadas ao volume da edificação.

Restaurante 6 N.Y. City (figura 01): nichos em “L”, em tela inox, propiciam intimidade, apesar de permitirem passagem de luz suave.

Restaurante Lever House (figura 02): nichos em “U”, bem delimitados em conformação sociopetal. Sala privativa funciona como nicho coletivo maior, para 2 pessoas.

Restaurante Georges (figura 03): nichos coletivos abrigam os diversos ambientes, em forma de “cascas” em diferentes cores.

Casas em Oakville e em Berkeley: nichos individuais em residências isoladas, para estudos e alcova para dormir (figuras 07 e 08).

Casa Tugendhat (figura 09): sala de jantar é delimitada por parede em configuração sociopetal.

Mobiliário flexível, adaptável por meio de rodízios, e equipamentos de tecnologia sem fio (wireless), permitem diversos arranjos de acordo com as atividades a serem desenvolvidas, contribuindo para a adaptabilidade do ambiente. Apesar de recorrente em projetos de escritórios recentes, o projetista deve estar atento à necessidade de garantia do Espaço Pessoal, em meio a tantas opções de arranjos.

Escritório Oxygen Media (figura 05): design do mobiliário permite vários arranjos e possibilidades de interação, de acordo com as exigências do Espaço Pessoal a cada momento ou da motivação proposta pelo trabalho a executar.

A questão social da segurança ou proteção do(s) usuário(s), colocada por Gifford (1997), influencia o Espaço Pessoal, podendo materializarse em barreiras visuais e/ ou acústicas. Em ambientes públicos, a sensação de segurança é necessária para a caracterização do Espaço Pessoal. Por exemplo, para que um indivíduo sozinho se sinta confortável neste tipo de ambiente, necessita ter a maior visibilidade possível, que pode ser alcançada por uma localização estratégica e protegida. As barreiras isolam os ambientes e seus usuários visual e/ou

- 138 - acusticamente. Podem ser dos mais diversos materiais, alturas e configurações, incluindo sociopetal a sociofugal. Quando móveis, permitem a integração dos ambientes e contribuem para sua adaptabilidade. Barreiras podem também representar status, ao separar um usuário ou grupo dos demais.

Restaurante 6 N.Y. City (figura 01): nota-se na foto da mesa-banquete que ambos os usuários sozinhos sentam-se na posição em que as costas ficam protegidas por parede divisória, e em que se tem a maior visibilidade de entrada de pessoas no restaurante.

(Parte 1 de 2)

Comentários