(Parte 6 de 8)

Conhecendo Materiais Poliméricos

T u rbi dez (ut)

Dosagem AE mg/L Figura 12: Dosagem ótima do Polímero natural

Quiabo(2mg/L) Sulfato(32mg/L)

T u rbi d ez

(u . t.)

Tempo de coagulação

Figura 13: Dosagem ótima do Polímero natural. Devido as suas propriedades estruturais a aplicação do AE proporciona uma maior adsorção das partículas instáveis a partir do ponto de dosagem ótima

Conhecendo Materiais Poliméricos

A caracterização inicial a estrutura química do quiabo mostrou que este é constituído de substâncias diferentes como: mono, di e polissacarídeos e éster ou amida de cadeia longa. Com adição do quiabo a água houve redução significante no teor de turbidez nos primeiros instantes, mas não próximo a dosagem ótima na velocidade de sedimentação, isso devido a baixa turbidez inicial da água, 25 u.t. que indica este atuar-se melhor se a turbidez for aproximadamente 80 u.t.. O tratamento de água com auxiliar de floculação quiabo foi muito importante podendo diminuir as perdas com o Sulfato de Alumínio, evitando a contaminação dos recursos hídricos, por ser um material biodegradável e a forte cloração preconizada na norma brasileira 592.

3.3 APLICAÇÃO POLÍMEROS SINTÉTICO

Apresentam capacidade de estiramento bastante inferior à dois elastômeros, possuindo alguma elasticidade reversível e sofrendo pequeno deformação permanente; têm moderada tendência à cristalização.

O plástico polietileno é um polímero do etileno, sua aplicação industrial está na fabricação de chaveiros, sacos, fitas para lacre de embalagens, frascos e filmes para embalagens.

CH2 CH2 etileno

O plástico polipropileno é um polímero do propileno, sua aplicação industrial está na fabricação de carcaças de eletrodomésticos, tubos para cargas de canetas esferográficas, seringas descartáveis, sacarias, brinquedos e para-choques.

CH3H propileno

O plástico polipropileno é um polímero do propileno, sua aplicação industrial está na fabricação de carcaças de eletrodomésticos, tubos para cargas de canetas esferográficas, seringas descartáveis, sacarias, brinquedos e para-choques. Polímeros de transformação (borracha clorada, borracha ciclizada, celulose regenerada, ésteres e éteres de celulose);

Conhecendo Materiais Poliméricos

Polímeros de síntese ( maioria dos elastômeros, plastômeros, resinas diversas e fibras têxteis atualmente utilizados,obtidos a partir de produtos carboquímicos, petroquímicos ou xiloquímicos.

3.3.1 Solubilidade de polímeros:

Vários fatores influem na solubilidade de um polímero, entre os quais o grau de cristalinidade de um polímero e o peso molecular do polímero. Em vista disso, vamos ter variações de amostra para amostra.

Apesar disso, o conhecimento da solubilidade tem um papel importante na caracterização dos polímeros. Por exemplo, na determinação do peso molecular de um polímero, pelo método viscosimétrico, o solvente deverá ser conhecido. Também certos polímeros só podem ser fabricados a partir de suas soluções.

Os polímeros de ligações cruzadas em geral não apresentam um comportamento normal no que tange à solubilidade, podendo inchar na presença de certos solventes. Abaixo temos uma tabela que dá de um modo geral a solubilidade de alguns polímeros.

Polímeros Solventes

Polisulfonamidas (tendo –NH-) Poliamidas

Solventes ácidos, ácido fórmico, m. cresol, solventes básicos; solução 10% de hidróxido de sódio, dimetil formamida

Poliuretanas Solventes clorados; cloreto de metileno, clorofórmio, misturas de cloreto de metileno ou clorofórmio com metanol a 10-20% em peso.

Poliésteres Solventes clorados; tricloroetano, diclorobenzeno; poliuretanas Polímeros vinílicos Cetonas, hidrocarbonetos aromáticos, éteres cíclicos, solventes clorados.

Poli(vinil álcool) Água Poli(cloreto de vínila) Tetrahidrofurano, dioxano. Poli(acetato de vinila) Acetona, metil etil cetona Poliestireno Xileno, acetato de butila, tetracloreto de carbono

Ésteres poliacrílicos e metacrílicos Metil etil cetona, tetrahidrofurano

Poliacrilonitrila Dimetilformamida Epoxi Benzeno, dioxano, dicloroetileno Condensados uréia formaldeido Água, butanol, tolueno. Condensados fenol-formaldeidoÁlcool, acetona.

Alquídicas (tipo ácido ftálico, glicerol) Acetona, metil etilcetona, ácido acético, tolueno.

Conhecendo Materiais Poliméricos

• BATHISTA, A. L. B. S. Produção de plástico biodegradável a partir de fontes renováveis. (2001) In: Anais do IX Encontro de Iniciação Científica. Cuiabá: EdUFMT, 327 p.

• SCOTT, G. (2001) Green Polymers. Carbohydrate Polym, 68, 1-7

• LLOYD, L. L. et. al. (1998) Carbohydrate polymers as wound management aids. Carbohydrate Polym, 37,315-322.

• SOUZA, R. C R., ANDRADE, C. T. (2000) Investigação dos processos de gelatinização e extrusão de amido de milho. Polímeros Ciência e Tecnologia, 10, 24-30

• MANO, E. B., MENDES, L. C. Introdução a Polímeros, Rio de Janeiro: Edgard Blücher, 2º Ed. 191 p.

• HARALAMPU, S. G. (2000) Resistant starch – a review of the physical properties and biological impact of RS3. Carbohydrate Polym, 41,285-292.

• CHAMBERLAIN, E. K., RAO, M. A. (1999) Rheological properties of acid converted waxy maize starches in water and 90% DMSO/10% water. Carbohydrate Polym, 40, 251-260.

• KAPOOR, B., BHATTACHARYA, M. (2000) Dynamic and extensional properties of starch in aqueous dimethylsulfoxide. Carbohydrate Polym, 42, 323- 335

• ALFREY, T., GURNEE, E.F. Polímeros Orgânicos. Tr.: Júlio Buschinelli. São Paulo: Edgard Blucher, 1971.

• Bathista, A. L. B. S., Tavares, M. I. B., Nogueira, J. S., Silva, E. O. Livro de Resumos dos Trabalhos do I Encontro Regional de Polímeros da Regional Leste Abpol p. 79, Rio de Janeiro (RJ), 2000

• Minc, C. Ecologia e Cidadania,., Ed. Moderna, São Paulo-SP, 1998.

• Agenda 21. Conferência das Nações unidas sobre o desenvolvimento, Distrito Federal: Centro Gráfico do Senado Federal, 1996. 592p.

• Segantini, J. R., José Robeto Segantini, Apresenta: O AQUALEX 360 e sua vantagens, In.: NATIONAL CHEMSEARCH QUÍMICA.

• AMERICAN WATER WORKS ASSOCIATION & ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY . (1972) Polyelectrolytes Aids to Better Water Quality AWWA, 130p., Jun.,Chicago, Usa.

• Di Bernardo, L. (1991) Uso de Polímeros naturales en el Tratamiento de Aguas para Abastecimiento CINARA, 85p., Cali, Colombia.

• JAR-TEST EVALUATION OF POLYMERS AWWA RESEARCH FOUDAION REPORT, J. Am. Water Works Ass. 1976.

• Bathista, A. L. B. S., Silva, E. O., Tavares, M. I. B., Nogueira, J. S. Resumos do VIII Encontro de

(Parte 6 de 8)

Comentários