Coletores Solares Garrafas Pet

Coletores Solares Garrafas Pet

(Parte 1 de 5)

Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná -SEMA

R. Desembargador Motta, 3384 - CEP 80430-200 - Curitiba - PR http://www.sema.pr.gov.br - e-mail: desperdiciozero@sema.pr.gov.br

ManualManual

José Alcino Alano e familia

José Alcino Alano e familia

COMECE NÃO DESPERDIÇANDO ESTA IDÉIA w.pr.gov.br/sema

Roberto Requião Governador

Lindsley da Silva RASCA RODRIGUES Secretário de Estado

Laerty Dudas Coordenador

Coordenadoria de Resíduos Sólidos - CRES

Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos - SEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ.

Cinthia Raquel Ayres Chico - Assessora Técnica CRES

Renata Augusta L. Seleme Kehrig - Eng. Ambiental, Assessora Técnica CRES Alejandro Lins Cochamanidis - Estagiário Design Visual - PUCPR

Ficha Técnica: Produzido em papel potencialmente reciclável.

Projeto e Patente - INPI

José Alcino Alano e família - Tubarão - SC http://josealcinoalano.vilabol.uol.com.br/manual.htm

A maior mudança que você pode esperar da natureza é a sua.

Este Manual contêm os principais passos para a confecção do aquecedor solar utilizando alguns materiais recicláveis. O aquecedor solar foi desenvolvido pelo aposentado José Alcino Alano, morador da cidade catarinense de Tubarão. Esta invenção lhe valeu a conquista do Prêmio Super Ecologia 2004, oferecido pela Revista Super-Interessante, de circulação nacional.

Além de economizar energia elétrica e beneficiar diretamente o meio ambiente, o projeto tem como objetivo despertar nas pessoas a consciência de que, todas essas embalagens pós-consumo disponibilizadas no meio ambiente, (garrafas PET e embalagens cartonadas longa vida) podem transformar-se em algo útil.

O registro do aquecedor solar junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial INPI, pelo Sr. José Alano, (foto) se fez necessário para garantir a finalidade social, evitando que alguém tentasse usar esta invenção com interesses comerciais. Dessa maneira, proporcionando uma melhor qualidade de vida a muitas pessoas, já que o propósito não é extrair dividendos na comercialização, mas sim, gerar renda e emprego para cooperativas de catadores, instituições, associações de moradores, entre outras.

O Governo do Paraná, através da SEMA e suas vinculadas, IAP, SUDERHSA e ITCG em parceria com o Sr. José Alano, têm como um dos seus principais objetivos a formação de agentes multiplicadores, através de Oficinas Práticas, formando uma verdadeira rede de divulgação para os 399 municípios do Estado, para que um maior número de pessoas possam usufruir dos benefícios desta tecnologia.

http://www.sema.pr.gov.br

Lindsley da Silva RASCA RODRIGUES

Secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos.

É permitida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio, desde que citadas a fonte e o nome do detentor da patente. Este material também pode ser encontrado no site: w.pr.gov.br/sema

A SEMA através da Coordenadoria de Resíduos Sólidos - CRES, conta com uma centena de instituições parceiras, que constituem os Fóruns Setoriais por tipo de resíduos. Estes fóruns, estabelecem propostas e ações para os diferentes resíduos gerados nos municípios.

Equipe da Coordenadoria de Resíduos Sólidos - SEMA

ambiente com uma reciclagem direta sem qualquer processo industrial nos descartáveis, o projeto do aquecedor solar com recicláveis tem como objetivo, conscientizar a todos de que todas as embalagens pós-consumo podem ter aplicação útil no lado social. O registro junto ao INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) se fez necessário para garantir a finalidade social e, para proporcionar uma melhor qualidade de vida ao maior número possível de pessoas. Pela simplicidade do projeto, o mesmo vem sendo implantado por ongs, universidades, empresas, clubes de serviços, em várias instituições e habitações de famílias com baixa renda.

Desfrutem dessa energia gratuita e integrem-se também aos que vêem o Planeta como um todo,

Economizar energia elétrica, beneficiar o meio adotando como filosofia a preservação do meio ambiente. Esse ecossistema frágil que não deve ser agredido. Não é possível que sejamos tão imediatistas e irresponsáveis ao extremo de comprometermos os destinos não só dessa, mas principalmente das futuras gerações.

Circulação por termo sifão

O princípio de funcionamento por termo sifão é o que melhor se adapta à sistemas simples, como este projeto. Desde que, tenhamos a possibilidade de instalarmos o coletor solar sempre abaixo do nível inferior da caixa ou reservatório, como indica a figura ao lado, essa diferença de altura não pode ultrapassar três metros de distância e no mínimo trinta centímetros.

Esse desnível é necessário para garantir a circulação da água no coletor, pela diferença de densidade entre a água quente e a fria.

cionais do mercado com sistema termo
sifão, diferenciando-se apenas nos mate-
riais aplicados na sua fabricação.
Cada vez que a água deixa o reservatório
e percorre o aquecedor, ela é aquecida em
média 10ºC, o que permite que em uma

A medida em que a água esquenta ela sobe pelas colunas do aquecedor/coletor, seguindo a tubulação e regressando a parte superior da caixa ou reservatório. A água fria por ser mais pesada flui para a parte inferior do coletor mantendo o aquecedor sempre cheio de água e fechando o ciclo de aquecimento. Efeito idêntico aos aquecedores convenexposição de 6 horas a água atinja no verão a temperatura de 52ºC e no inverno, 38ºC. Esse tempo de exposição começa a ser computado a partir das 10:0 da manhã até as 16:0 da tarde.

No manuseio dos diferentes resíduos como as garrafas PET pós consumo e as embalagens longa vida pós consumo, devemos ter a precaução de lavar bem as embalagens para evitar mal cheiro e o contágio de doenças como leptospirose e a proliferação de microrganismos.

Ferramentas e peças necessárias para a confecção que independem do número de pessoas a utilizar o aquecedor:

Para aquecer a água de um banho para uma pessoa, necessita-se de um aquecedor solar de 1 m, ou seja, em uma casa com 4 pessoas será necessário um aquecedor solar com um painel de 4 m. Como já vimos anteriormente, para uma pessoa são necessárias 60 garrafas PET pós-consumo e 50 embalagens longa vida pós-consumo, se multiplicarmos isso por 4 teremos a quantidade necessária para quatro pessoas, ou seja, 240 garrafas PET e 200 embalagens longa vida pós-consumo.

Fita de auto fusão ou borracha de câmara de ar;

Rolo ou pincel para pintura;

Luvas para proteger as mãos na hora da pintura para não se sujar;

Estilete;

Litro de tinta fosca preta;

Cano de PVC de 100 m com 70cm de comprimento para molde de corte da Garrafa PET;

Martelo de Borracha; Lixa dágua 100; Cola para tubos de PVC com pincel em pote;

Conexão L (Luva) em PVC de 20 m ½” Tampão em PVC de 20 m ½”

Arco de Serra

Tábua de madeira com no mínimo 120mm de comprimento

Pregos

Ripa pequena (+-) 15 cm de comprimento Fita crepe com largura de 19mm

Nosso coletor solar diferencia-se dos demais, no que tange aos materiais utilizados na sua construção e rendimento térmico. Com intuito de baixar custos, utilizamos nas colunas de absorção térmica, tubos e conexões de PVC, menos eficiente do que os tubos de cobre ou alumínio aplicados nos coletores convencionais. As garrafas PET pós-consumo e as embalagens longa vida pós-consumo, substituem a caixa metálica, o painel de absorção térmica e o vidro utilizado nos coletores convencionais. O calor absorvido pelas embalagens longa vida pós-consumo, pintadas em preto fosco, é retido no interior das garrafas e transferido para a água através das colunas de PVC, também pintadas em preto. A caixa metálica com vidro ou as garrafas PET pós-consumo, tem como função proteger o interior do coletor das interferências externas, principalmente dos ventos e oscilações da temperatura, dando origem a um ambiente próprio.

(Parte 1 de 5)

Comentários