guia de segurança em laboratorio para o ensino da quimica

guia de segurança em laboratorio para o ensino da quimica

(Parte 1 de 12)

Instalação, montagem e operaçãoInstalação, montagem e operação

Esta publicação integra o Projeto Selo de Qualidade

Conselho Regional de Química IV Região (SP-MS)

Comissão de Ensino Técnico

Conselho Regional de Química - IV Região

Comissão de Ensino Técnico

Guia de Laboratório para o

Ensino de Química: instalação, montagem e operação

Agosto, 2007

Guia de Laboratório para o

Ensino de Química: instalação, montagem e operação

Este Trabalho foi elaborado com a participação dos seguintes integrantes da Comissão de Ensino Técnico do CRQ-IV:

Celia Maria Alem de Oliveira

José Carlos Mancilha

Lígia Maria Sendas Rocha

Luís Henrique Sassa

Márcio Alves de Mello

Mário de Campos Sanvido

Marta Eliza Bergamo

Milton Del Rey

Paulo César A de Oliveira Wagner A. Contrera Lopes

São Paulo, 1 de agosto de 2007

Apresentação

Nos últimos anos, o Conselho Regional de Química – IV Região – CRQ-

IV vem recebendo freqüentes consultas de Instituições de Ensino que formam profissionais da Química, sobre projetos de instalação e funcionamento de laboratórios de ensino de química.

Constatando a carência de literaturas específicas sobre o assunto e a necessidade de adequação e aprimoramento dos laboratórios das Instituições de Ensino que oferecem cursos da área química), a Comissão de Ensino Técnico do CRQ-IV elaborou este Guia, que poderá servir como material de apoio na instalação, montagem, adequação e operação de laboratórios para o Ensino de Química.

Comissão de Ensino Técnico CRQ-IV Agosto, 2007

Sumário

1 INTRODUÇÃO 1 2 PROJETO 2

2.2 INSTALAÇÕES4

2.1 CONSTRUÇÃO 2 2.1.1 PISOS 2 2.1.2 PAREDES 2 2.1.3 TETO 2 2.1.4 PORTAS E JANELAS 3 2.1.5 SALA DE ARMAZENAGEM DE REAGENTES 3 2.2.1 ELÉTRICA 4 2.2.2 ILUMINAÇÃO 5 2.2.3 HIDRÁULICA 5 2.2.4 INSTALAÇÃO DE GASES 6 2.2.5 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO 6 2.2.6 VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO 7 2.2.7 SALA OU ÁREA “QUENTE” 9 2.2.8 BANCADAS DE TRABALHO 10 2.2.9 MOBILIÁRIO 1 2.2.10 INSTRUMENTOS E MATERIAIS AUXILIARES 1

3 SEGURANÇA 12

3.1 SINALIZAÇÃO 12 3.1.1 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 12 3.1.2 FORMAS DE SINALIZAÇÃO 13 3.2 EQUIPAMENTOS DE EMERGÊNCIA E DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIS) 17 3.2.1 EQUIPAMENTOS DE EMERGÊNCIA: 17 3.2.2 EPIS – EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL 18 3.3 SAÍDA DE EMERGÊNCIA 20

4 ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 20

4.1 RECOMENDAÇÕES GERAIS 21 4.2 RÓTULOS PADRONIZADOS 21

5 MEIO AMBIENTE 26

5.1 DESCARTE DE RESÍDUOS PERFUROCORTANTES 26 5.2 DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS 26 5.2.1 RECOMENDAÇÕES GERAIS 27

6 BOAS PRÁTICAS LABORATORIAIS 27

6.1 ORIENTAÇÕES GERAIS 27 6.1.1 DE ORDEM PESSOAL 27 6.1.2 REFERENTES AO LABORATÓRIO 28

6.1.3 LIMPEZA DE VIDRARIA 30 6.1.4 EMERGÊNCIA 30 6.1.5 PROCEDIMENTOS EM CASOS DE INCÊNDIOS 31 6.1.6 RISCOS COM EQUIPAMENTOS 31

ANEXOS 3

ANEXO A - ESTRUTURA MÍNIMA PARA FUNCIONAMENTO DE UM LABORATÓRIO DE ENSINO TÉCNICO EM QUÍMICA 3 ANEXO B - PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS DE ALGUNS SOLVENTES 35 ANEXO C - MISCIBILIDADE DE SOLVENTES ORGÂNICOS 36 ANEXO D - AGENTES DE SECAGEM PARA COMPOSTOS ORGÂNICOS 37 ANEXO E - MISTURAS PERIGOSAS 38 ANEXO F - SUBSTÂNCIAS QUE REAGEM VIOLENTAMENTE COM ÁGUA 39 ANEXO G - GRUPOS PRINCIPAIS DE SUBSTÂNCIAS INCOMPATÍVEIS 40 ANEXO H - LISTA DE INCOMPATIBILIDADE DE PRODUTOS E AS REAÇÕES PROVOCADAS 41 ANEXO I - RESISTÊNCIA QUÍMICA DE LUVAS UTILIZADAS EM LABORATÓRIO 42 ANEXO J - MAPA DE RISCOS 43

FIGURA 1SINAIS DE AVISO EM LOCAIS DE TRABALHO – DIRETIVA Nº 92/58 – CEE 14
FIGURA 2DIAMANTE DE HOMMEL 23
TABELA 1ESPECIFICAÇÕES PARA O USO DAS CORES NA SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 14
TABELA 2DIAGRAMA DE HOMMEL 24
TABELA 3SIMBOLOGIA DE PERIGOS – PRODUTOS QUÍMICOS 25

TABELAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 46

1 INTRODUÇÃO

O objetivo deste guia é orientar as instituições de ensino na montagem, instalação e operação de laboratórios destinados às aulas práticas de disciplinas como química e bioquímica, entre outras. Seu conteúdo é resultado de pesquisas na legislação vigente e em literaturas técnicas, além da grande vivência de alguns profissionais do ensino de Química.

A montagem do laboratório de ensino é uma das fases críticas do processo de implantação de cursos da área da Química, já que em grande parte dos casos, as instituições de ensino se estabelecem em instalações prediais que não foram originariamente construídas para esse fim. Não são poucas as escolas que se instalaram em locais onde no passado funcionavam fábricas ou escritórios.

Os obstáculos enfrentados na montagem do laboratório são sentidos também quando da ampliação e ou reforma deste. Um laboratório antigo, mesmo que tenha sido construído em acordo com as normas vigentes da época, poderá ter dificuldade para atender às normas de segurança atuais.

A montagem do laboratório deve incluir todos os requisitos de segurança. Para tanto, é fundamental a elaboração de um projeto detalhado para que haja funcionalidade, eficiência, segurança e se minimizem futuras alterações. Assim, não podem ser desprezados itens como a topografia do terreno, orientação solar, ventos, segurança do edifício e do pessoal, bancadas, capelas, estufas, muflas, tipo de piso, materiais de revestimento das paredes, iluminação e ventilação do ambiente. Deve-se levar em consideração, ainda, a legislação referente aos portadores de necessidades especiais, conforme a LDB – Lei no 9.394, de 20-12-1996, capítulo V, artigos 58 a 60.

Algumas orientações constantes deste Guia tomam como base as Normas

Regulamentadoras (NR’s) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), aprovadas pela Portaria nº 3.214, de 08-06-1978, e Normas (NBRs), da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

2 PROJETO

(Parte 1 de 12)

Comentários