Manual de Biossegurança

Manual de Biossegurança

(Parte 4 de 11)

ABNT / CB-01: Mineração e Metalurgia ABNT / CB-02: Construção Civil ABNT / CB-03: Eletricidade ABNT / CB-04: Máquinas e Equipamentos Mecânicos ABNT / CB-05: Automotivo ABNT / CB-06: Metrô-Ferroviário ABNT / CB-07: Navios, Embarcações e Tecnologia Marítima ABNT / CB-08: Aeronáutica e Espaço ABNT / CB-09: Gases Combustíveis ABNT / CB-10: Química ABNT / CB-1: Couro e Calçados ABNT / CB-12: Agricultura e Pecuária ABNT / CB-13: Bebidas ABNT / CB-14: Finanças, Bancos, Seguros, Comércio e Documentação ABNT / CB-15: Mobiliário ABNT / CB-16: Transportes e Tráfego ABNT / CB-17: Têxteis e do Vestuário ABNT / CB-18: Cimento, Concreto e Agregados ABNT / CB-19: Refratários ABNT / CB-20: Energia Nuclear ABNT / CB-21: Computadores e Processamento de Dados

Manual de Biossegurança, Parte I - Aspectos Gerais Capítulo 1 - Abreviaturas e Glossário Utilizados em Biossegurança

ABNT / CB-2: Isolação Térmica e Impermeabilização ABNT / CB-23: Embalagem e Acondicionamento ABNT / CB-24: Segurança contra incêndio ABNT / CB-25: Qualidade ABNT / CB-26: Odonto – Médico - Hospitalar ABNT / CB-28:- Siderurgia ABNT / CB-29: Celulose e Papel ABNT / CB-30: Tecnologia Alimentar ABNT / CB-31: Madeiras ABNT / CB-32: Equipamentos de Proteção Individual ABNT / CB-3: Joalheria, Gemas, Metais Preciosos e Bijuteria ABNT / CB-35: Alumínio ABNT / CB-36: Análises Clínicas e Diagnóstico In Vitro ABNT / CB-37: Vidros Planos ABNT / CB-38: Gestão Ambiental ABNT / CB-39: Implementos Rodoviários ABNT / CB-40: Acessibilidade ABNT / CB-41: Minérios de Ferro ABNT / CB-42: Soldagem ABNT / CB-43: Corrosão ABNT / CB-4: Cobre ABNT / CB-45: Pneus e Aros ABNT / CB-46: Áreas Limpas e Controladas ABNT / CB-47: Amianto Crisotila ABNT / CB-48: Máquinas Rodoviárias ABNT / CB-49: Óptica e Instrumentos Ópticos

No site não estão registrados os comitês 27 e 34 (novembro de 2000)

ABNT/CB-36 – refere-se ao Comitê Brasileiro de Análises Clínicas e Diagnósticos In Vitro. Disposto e divulgado atualmente encontram-se: Superintendente: Eng. Humberto Marques Tibúrcio. Secretaria Técnica: SBAC - Sociedade Brasileira de Análises Clínicas. Rua Vicente Licínio, 95 - Praça da Bandeira / Cep: 20270-340 - Rio de Janeiro – RJ. Fone: (21) 264-4449 / Fax: (21) 204-0245 / E-mail: cb36@abnt.org.br.

ABNT/CB-32 - refere-se ao Comitê Brasileiro de Equipamentos de Proteção Individual.Coordenador: Sr. Sideneo Walter Torres Rios. Fone: (1) 4071-1499 / 9994- 0953 (cel.) / E-mail: sideneo.rios@pmsanet.com.br.

Manual de Biossegurança, Parte I - Aspectos Gerais Capítulo 1 - Abreviaturas e Glossário Utilizados em Biossegurança

Secretaria Técnica: ANIMASEG - Associação Nacional da Indústria de Materiais de Segurança. Rua Francisco Tapajós, 627 - sala 2 / CEP: 04153-001 - São Paulo – SP. Fone: (1) 577-8588. Fax: (1) 5581-5556 / E-mail: cb32@abnt.org.br.

ABNT / CB-25: Comitê Brasileiro de Qualidade e os Comitês ISO/TC relacionados. Categoria: O - membro observador | P - membro participante. Membro - P: ISO/TC 176. Superintendente: Eng. Julio César Carmo Bueno. Chefe de Secretaria: Eng. Heitor Estevão. Av. Treze de Maio, 13 - 12º andar - salas 1.213 a 1.215 – Centro. CEP: 20003- 900 - Rio de Janeiro – RJ. Fone: (21) 220-6631 ou 532.5272 / Fax: (21) 220-6376. E- mail: cb25@abnt.org.br.

ABNT / CB-26: Comitê Brasileiro Odonto-Médico-Hospitalar. Coordenador: Eng. Djalma Luiz Rodrigues. Correspondência: Engº Fernando Dobermann. Secretaria Técnica: ABIMO - Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios. Av. Paulista, 1.313 - 8º andar - Sala 806. CEP: 01311- 923 - São Paulo – SP. Fone: (1) 285-0155 ramal 32. Fax: (1) 285-0018. E-mail: cb26@abnt.org.br.

Comitês ISO / TC relacionados: Categoria: O - membro observador | P - membro participante. Membro - P: ISO/TC 84, ISO/TC 121, ISO/TC 150, ISO/TC 157, ISO/TC 198. Membro - O: ISO/TC 106, ISO/TC 168, ISO/TC 170, ISO/TC 173, ISO/TC 212.

ABSA: “American Biological Safety Association” = Associação de Biossegurança Americana (nos Estados Unidos: http://www.absa.org/ e no Canadá http://www.absa-canada.org/).

Adutos: substâncias que abrangem todos os tipos de ligação entre pirimidinas adjacentes, mas que não formam um anel ciclo-butano. Raramente dobram C-C e TT, embora forme em maior proporção de 6-4 T-C.

Agência governamental de administração de drogas e alimentos (EUA): http://www.fda.gov.

Agência governamental de proteção do meio ambiente: (EUA): http://www.epa.gov.

AIDS: “Acquired Immunodeficiency Syndrome” = Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA). Síndrome, conjunto de sintomas que incluem febre, suor noturno, infartamento dos linfonodos, perda de peso, que ocorre em conseqüência da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). A característica fundamental para o quadro é uma generalização de infecção oportunista ou maligna causada pela deficiência imunológica (imunodeficiência). O contágio é geralmente por contato direto de fluidos e mucosa lesada, contato sexual ou lesão de tecidos com material contaminado através de objetos pérfuro-cortantes.

Alérgeno: Produto com característica antigênica que desencadeia reações alérgicas, particularmente reações de hipersensibilidade de tipo I, que são mediadas por IgE. (Exemplo: pólen, poeira, pelos de animais, componentes de alimentos, produtos químicos).

Alergia Atópica: Sintomatologia que surge como conseqüência de uma susceptibilidade aumentada referente à hipersensibilidade mediada por IgE.

Alergia: Reação sintomática que ocorre em conseqüência de uma interação do anticorpo ou de célula sensibilizada e um alérgeno (seja de origem natural ou sintética).

AnGM: Animais Geneticamente Modificados

Manual de Biossegurança, Parte I - Aspectos Gerais Capítulo 1 - Abreviaturas e Glossário Utilizados em Biossegurança

Antibioticoterapia: Terapia ou tratamento no qual se utiliza a administração de antibióticos.

Anticorpo: Molécula glicoprotéica, tetrapeptídica, composta por duas cadeias polipeptídicas pesadas e duas cadeias leves idênticas entre si, compondo uma estrutura, na extermidade aminoterminal denominada Fab, com aminoácidos organizados de forma variável que reconhece um epítopo particular de um antígeno. Uma região mais conservada nas espécies, denominada pela característica fisicoquímica Fragmento cristalizável (Fc), confere às diferentes classes da molécula suas características e capacidades biológicas. O anticorpo pode ser sintetizado e estar presente na membrana de linfócitos B maduros em repouso. Os anticorpos são produzidos por linfócitos do tipo B, mas são secretados por plasmócitos. Os anticorpos são encontrados no sangue circulante, nos fluidos biológicos dos vertebrados. A maior parte dos anticorpos é encontrada no plasma circulante e faz parte da fração gamaglobulínica que pode ser identificada por eletroforese ou outras técnicas imunológicas. É também denominado imunoglobulina com atividade antiantígeno; reage portanto, especificamente, com antígenos para neutralizá-los ou prepará-los para sua depuração no organismo. Após um estímulo com um imunógeno, um animal responde produzindo uma variedade de anticorpos dirigidos contra diferentes componentes do antígeno inoculado (polipeptídeos, polissacarídeos) e contra os distintos determinantes antigênicos (epitopos) de cada um destes componentes. Cada um desses determinantes antigênicos, por sua vez, poderá ser reconhecido por mais de um anticorpo, com diferentes afinidades. O conjunto dos anticorpos produzidos e secretados para o soro do animal imunizado, constitui o antissoro. O antissoro é então uma mistura heterogênea de anticorpos capazes de reagir com o antígeno.

Antídotos: Compostos que neutralizam ou inativam substâncias tóxicas e venenos. O IPCS “International Programme on Chemical Safety” (IPCS) and the Commission of the European Union (EC) juntos detêm o projeto de avaliar antídotos usados no tratamento clínico de envenenamentos. A publicação da série “Antidotes Series” foi feita pela Cambridge University Press e as cópias podem ser obtidas pela Cambridge University Press, Cambridge CB2 2RU, England.

Antígeno: Qualquer substância estranha reconhecida pelo organismo, sendo reconhecida por células do sistema imune, reagem especificamente com anticorpos e com receptores de células T e B. A depender do papel e da atividade desenvolvida no sistema pode ser denominado também de alérgeno, tolerógeno, imunógeno.

Antissoro: Soro rico em anticorpos contra um dado antígeno. Conjunto de anticorpos, produzidos e secretados, presentes no soro do indivíduo ou animal imunizado. É uma mistura heterogênea de anticorpos capazes de reagir com os diferentes epítopos (sítios) de um determinado antígeno. Geralmente é utilizada em imunoterapia ou vacinação passiva, ou em testes imunodiagnósticos.

Antitoxina: Anticorpo desenvolvido ou produzido contra uma determinada toxina utilizada no tratamento de doenças causadas por microorganismos toxigênicos (ex.: difteria, tétano, botulismo). Geralmente é utilizada em imunoterapia ou vacinação passiva.

Asma alérgica: Sintomatologia caracterizada pela constrição da árvore brônquica como conseqüência da reação alérgica desencadeada por um dado alérgeno inalado.

Atividade: Unidade radiológica que trata a fonte radioativa quantificando a sua taxa de radiação. Sendo que o número de desintegrações nucleares que ocorrem na amostra por unidade de tempo é assumida como a unidade do nuclídio que apresente um dado número de desintegrações na unidade de tempo.

Manual de Biossegurança, Parte I - Aspectos Gerais Capítulo 1 - Abreviaturas e Glossário Utilizados em Biossegurança

Atopia: Alergia generalizada a vários alérgenos. Manifestação clínica de reação de hipersensibilidade tipo I incluindo eczema, asma e rinite.

ATSDR: “Agency for Toxic Substances and Disease Registry” = Agência americana para registro de doenças e substâncias tóxicas. Contato: 1600 Clifton Rd. NE, Atlanta, GA30333. (404) 369-6000.

BALT: “Bronchial-Associated Lymphoid Tissue” = Tecido linfóide denso e nodular associado à árvore respiratória, considerada como parte dos órgãos linfóides secundários difusos não encapsulados. Em português se denomina TLAB (Tecido Linfoide Associado aos Brônquios).

BCG: “Bacillus Calmette-Guerin”, cepa atenuada do bacilo da tuberculose bovina Mycobacterium bovis usado como vacina para proteção contra tuberculose e lepra e como componente adjuvante. Sua nomenclatura se deve aos dois pesquisadores franceses que primeiro cultivaram o microorganismo.

BLS: “Bureau of Labor Statistics”: http://www.stats.bls.gov.

CALT: “Cutaneous-Associated Lymphoid Tissue” = tecido linfóide associado ao tecido cutâneo, considerado parte dos órgãos linfóides secundários difusos não encapsulados (Kuby, 1997). Em português denomina-se TLAC (Tecido Linfóide Associado ao tecido cutâneo).

Carcinogênica: Droga, produto ou substância capaz de induzir direta ou indiretamente o câncer. Pode ocorrer exemplo de drogas que induzem o câncer de forma transplacentária (Penildon, 1998).

Carcinogenicidade: Capacidade carcinogênica de uma determinada droga, produto ou substância.

CCRIS: “Chemical Carcinogenesis Research Information System” – sistema que informa dados sobre carcinogenicidade, mutagenicidade, inibição e promoção de tumor – dados fornecidos pelo National Cancer Institute (NCI).

CDC: “Control Desase Center” - Centro governamental americano que controla as doenças http://www.cdc.gov.

Choque Anafilático: É uma reação alérgica também denominada Hipersensibilidade tipo I sistêmica, mediada pela reação de degranulação dos Mastócitos induzida por IgE.

CIS: “Occupational Safety and Health Information Centre” - Centro de Informação de Saúde e Segurança Ocupacional. Fornece informações químicas sobre valores dos limites de exposição para químicos em diferentes países e contém informações de segurança química. Os dados podem ser obtidos no ILO Occupational Safety and Health Information Centre (CIS) - CIS-ILO 1211 Geneva 2, Switzerland.

Cromóforo: Psoralenos ou furocumarinas - compostos aromáticos tricíclicos que quando irradiados entre 320-380 nm (UVA) interagem com ácidos nucléicos (DNA principalmente) produzindo a melanogênese, eritema.

DAC: Dermatite Alérgica de Contato, reação de hipersensibilidade, que o paciente ou trabalhador suscetível e ao estar exposto pode apresentar, após contato ou exposição a componentes / compostos químicos, em períodos que variam geralmente de poucos dias a anos. Qualquer agente irritante pode promover a reação e caracterizar o risco do trabalhador em área de risco, uma vez que a epiderme pode perder sua barreira mais externa adiposa de proteção inicial. Se o contato com o agente irritante for contínuo, (ou seja, ocorrer uma rotina de trabalho com o agente irritante), a camada córnea da epiderme ao ser removida no processo patológico permitirá que a derme

Manual de Biossegurança, Parte I - Aspectos Gerais Capítulo 1 - Abreviaturas e Glossário Utilizados em Biossegurança fique exposta, e o trabalhador fique exposto a maior risco de infecções e acidentes em ambientes contaminados.

Diário Oficial da União (DOU): Diário do Brasil onde são divulgados notícias e editais de caráter oficial.

Dispositivo de Proteção Coletiva (DPC): Dispositivo ou equipamento utilizado para prevenção de acidentes e proteção de profissionais e cidadãos em áreas de trabalhos e arredores dos setores e unidades executoras de atividades de risco.

Dispositivo de Proteção Individual (DPI): Dispositivo ou equipamento utilizado para proteção pessoal ou individual do profissional e prevenção de acidente nas atividades de trabalhos executados, bem como em setores e unidades que oferecem riscos de acidentes.

DIVISA: Diretoria de Vigilância e Controle Sanitário - coordena o Sistema de Vigilância Sanitária e faz parte da Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde (SUVISA) da Secretaria Estadual da Saúde. A estrutura da Vigilância Sanitária é formada pela unidade de nível central (DIVISA), pelos Núcleos de Vigilância da Saúde ou dos Núcleos Específicos de Vigilância Sanitária das trinta Diretorias Regionais hoje existentes e dos Núcleos de Vigilância já constituídos nos municípios. E-mail: divisa@saude.ba.gov.br.

EHC: “Environmental Health Criteria”. Série de monografias publicadas pela OMS e é responsável por divulgar fontes científicas, estabelecimento de padrões e regulamentações sobre segurança. As monografias são baseadas em publicações originais, literatura científica, exames e revisões das propriedades físicas e químicas, métodos analíticos, fontes de exposição industrial, cinética química incluindo absorção, distribuição, transformação e eliminação, efeitos iniciais e tardios em animais (carcinogenicidade, mutagenicidade e teratogenicidade). São publicados pela OMS - Suíça, e as cópias podem ser obtidas no Office of Distribution and Sales, World Health Organization, 1211 Geneva 27, Switzerland.

(Parte 4 de 11)

Comentários