ITA - Portugues 2005

ITA - Portugues 2005

(Parte 1 de 4)

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA VESTIBULAR 2005

1. Esta prova de Português e a de Inglês têm duração de quatro horas. 2. Não é permitido deixar o local de exame antes de decorridas duas horas do início da prova.

3. Você poderá usar apenas lápis (ou lapiseira), caneta e borracha. É proibido portar qualquer outro material escolar.

4. A prova de Português é composta de 20 questões de múltipla escolha (numeradas de 21 a 40), 5 questões dissertativas (numeradas de 41 a 45) e uma redação, cujo tema e instruções encontram-se no final deste caderno.

5. As questões de múltipla escolha correspondem a 40% do valor da prova, as questões dissertativas, a 20% e a redação, aos 40% restantes.

6. Você recebeu este caderno de questões, um caderno de soluções que contém, no meio, a folha para a redação (não a destaque). Verifique se o caderno de questões está completo.

7. Numere seqüencialmente de 41 a 45, a partir do verso da capa, cada página do caderno de soluções. O número atribuído a cada página corresponde ao da questão a ser resolvida.

8. Cada questão de múltipla escolha admite uma única resposta.

9. As questões dissertativas, numeradas de 41 a 45, devem ser respondidas no caderno de soluções de forma clara, concisa e completa. Respeite a ordem e o espaço disponível no caderno de soluções. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

10. Antes do final da prova, você receberá uma folha de leitura óptica, destinada à transcrição das respostas de Português (21 a 40) e de Inglês (1 a 20). Usando caneta preta, assinale a opção correspondente à resposta de cada uma das questões de múltipla escolha. Você deve preencher todo o campo disponível para a resposta, sem extrapolar-lhe os limites.

1. Cuidado para não errar no preenchimento da folha de leitura óptica. Se isso ocorrer, avise o fiscal, que lhe fornecerá uma folha extra com o cabeçalho devidamente preenchido.

12. Não haverá tempo suplementar para o preenchimento da folha de leitura óptica.

13. Na última página do caderno de soluções, existe uma reprodução da folha de leitura óptica, que deverá ser preenchida com um simples traço a lápis, durante a realização da prova.

14. A não devolução do caderno de soluções e/ou da folha de leitura óptica implicará a desclassificação do candidato.

15. Aguarde o aviso para iniciar a prova. Ao terminá-la, avise o fiscal e aguarde-o no seu lugar.

TEXTO 1Ilusão Universitária

As questões de 21 a 27 referem-se aos dois textos seguintes.

Houve um tempo em que, ao ser admitido numa faculdade de direito, um jovem via seu futuro praticamente assegurado, como advogado, juiz ou promotor público. A situação, como se sabe, é hoje bastante diversa. Mudaram a universidade, o mercado de trabalho e os estudantes, muitos dos quais inadvertidamente compram a ilusão de que o diploma é condição necessária e suficiente para o sucesso profissional.

A proliferação dos cursos universitários nos anos 90 e 2000 é a um só tempo sintoma e causa dessas mudanças. Um mercado de trabalho cada vez mais exigente passou a cobrar maior titulação dos jovens profissionais. Com isso, aumentou a oferta de cursos e caiu a qualidade.

O fenômeno da multiplicação das faculdades e do declínio da qualidade acadêmica foi especialmente intenso no campo do direito. Trata-se, afinal, de uma carreira de prestígio, cujo ensino é barato. Não exige muito mais do que o professor, livros, uma lousa e o cilindro de giz.

Existem hoje 762 cursos jurídicos no país. Em 1993, eles eram 183. A OAB (Ordem dos Advogados do

Brasil) acaba de divulgar a lista das faculdades recomendadas. Das 215 avaliadas, apenas 60 (28%) receberam o “nihil obstat”. A Ordem levou em conta conceitos do provão e os resultados do seu próprio exame de credenciamento de bacharéis.

A verdade é que nenhum país do mundo é constituído apenas por advogados, médicos e engenheiros.

Apenas uma elite chega a formar-se nesses cursos. No Brasil, contudo, criou-se a ilusão de que a faculdade abre todas as portas. Assim, alunos sem qualificação acadêmica para seguir essas carreiras pagam para obter diplomas que não lhes serão de grande valia. É mais sensato limitar os cursos e zelar por sua excelência, evitando paliativos como o exame da Ordem, que é hoje absolutamente necessário para proteger o cidadão de advogados incompetentes – o que só confirma as graves deficiências do sistema educacional. (Folha de S. Paulo, 29/01/2004)

TEXTO 2 A Universidade é só o começo

Na última década, a universidade viveu uma espécie de milagre da multiplicação dos diplomas. O número de graduados cresceu de 225 mil no final dos anos 80 para 325 mil no levantamento mais recente do Ministério da Educação em 2000.

A entrada no mercado de trabalho desse contingente, porém, não vem sendo propriamente triunfal como uma festa de formatura. Engenheiros e educadores, professores e administradores, escritores e sobretudo empresários têm sussurrado uma frase nos ouvidos dessas centenas de milhares de novos graduados: “O diploma está nu”.

Passaporte tranqüilo para o emprego na década de 80, o certificado superior vem sendo exigido com cada vez mais vistos.

Considerado um dos principais pensadores da educação no país, o economista Cláudio de Moura Castro sintetiza a relação atual do diploma com o mercado de trabalho em uma frase: “Ele é necessário, mas não suficiente”. O raciocínio é simples. Com o aumento do número de graduados no mercado, quem não tem um certificado já começa em desvantagem.

Conselheiro-chefe de educação do Banco Interamericano de Desenvolvimento durante anos, ele compara o sem-diploma a alguém “em um mato sem cachorro no qual os outros usam armas automáticas e você um tacape”. Por outro lado, o economista-educador diz que ter um fuzil, seja lá qual for, não garante tanta vantagem assim nessa floresta.

Para Robert Wong, o diagnóstico é semelhante. Só muda a metáfora. Principal executivo na América do

Sul da Korn/Ferry International, maior empresa de recrutamento de altos executivos do mundo, ele equipara a formação acadêmica com a potência do motor de um carro.

Equilibrados demais acessórios, igualado o preço, o motor pode desempatar a escolha do consumidor.

“Tudo sendo igual, a escolaridade faz a diferença.”

Mas assim como Moura Castro, o head hunter defende a idéia de que um motor turbinado não abre automaticamente as portas do mercado. Wong conta que no mesmo dia da entrevista à Folha [Jornal Folha de S. Paulo] trabalhava na seleção de um executivo para uma multinacional na qual um dos principais candidatos não tinha experiência acadêmica. “É um self-made man.”

Brasileiro nascido na China, Wong observa que é em países como esses, chamados “em desenvolvimento”, que existem mais condições hoje para o sucesso de profissionais como esses, de perfil empreendedor. (...)

(Cassiano Elek Machado. A universidade é só o começo. Folha de S. Paulo, 27/07/2002. Disponível na Internet: http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse. Data de acesso: 24/08/2004)

Questão 21. Assinale a opção que não pode ser inferida do Texto 1.

A ( ) Um mercado de trabalho mais exigente é causa direta da multiplicação de cursos universitários e causa indireta da queda da qualidade desses cursos.

B ( ) O baixo custo de um curso de direito aliado à valorização social do profissional que nele se forma é fator determinante na proliferação desse tipo de curso.

C ( ) A elite que deveria chegar a se formar em cursos de direito, medicina e engenharia deve ser recrutada nas camadas sociais mais privilegiadas economicamente.

D ( ) É necessário que os cursos universitários sejam seletivos para garantir a qualidade na formação profissional. E ( ) O exame da OAB só se justifica pela baixa qualidade do ensino proporcionado pela grande maioria dos cursos de direito.

Questão 2. Assinale a opção que não traduz uma interpretação condizente com os valores dos advérbios terminados em mente.

A ( ) A admissão no curso de direito quase garantia uma carreira futura, como advogado, juiz ou promotor público. (Texto 1, linha 2) B ( ) Muitos estudantes não estão advertidos quanto à ilusão de que o diploma é a chave do sucesso profissional. (Texto 1, linha 3) C ( ) De todos os cursos superiores, os cursos de direito foram os que mais se multiplicaram nos últimos anos. (Texto 1, linha 8) D ( ) Não há dúvida de que o exame da OAB deve ser mantido nos dias atuais. (Texto 1, linha 19) E ( ) A entrada dos graduados no mercado de trabalho não pode ser considerada, nos últimos anos, uma grande vitória. (Texto 2, linha 4)

Questão 23. Segundo o autor do Texto 1, alguns estudantes pensam que o diploma é condição necessária e suficiente para o sucesso profissional. Já Cláudio de Moura Castro, no Texto 2, afirma que ele é necessário mas não suficiente. Assinale a opção que confirma a idéia de que o diploma é necessário mas não suficiente.

A ( ) um motor turbinado não abre automaticamente as portas do mercado. B ( ) quem não tem um certificado já começa em desvantagem. C ( ) a universidade viveu uma espécie de milagre da multiplicação dos diplomas. D ( ) o motor pode desempatar a escolha do consumidor. E ( ) os outros usam armas automáticas e você um tacape.

Questão 24. Em relação ao Texto 2, aponte a opção correta.

A ( ) Dizer “o diploma está nu” pode significar que é uma ilusão ver o diploma universitário como uma efetiva garantia de emprego. B ( ) Anteriormente à década de 80, a relação do diploma com o mercado de trabalho não era nem necessária nem suficiente. C ( ) Um self-made man é a prova de que definitivamente o diploma universitário deixou de ser importante em países em desenvolvimento.

D ( ) Nos países desenvolvidos, para se conseguir um emprego, ter um diploma é mais importante que ter um perfil empreendedor. E ( ) O “milagre da multiplicação dos diplomas” acabou por desvalorizar completamente a formação universitária.

Questão 25. No texto 2, os especialistas que expressam suas opiniões usam de algumas metáforas. Assinale a opção em que o termo metafórico não corresponde ao elemento que ele substitui.

A ( ) tacape / diploma universitárioB ( ) fuzil / diploma universitário C ( ) floresta / mercado de trabalho
D ( )potência do motor / diploma universitário E ( ) carro / candidato a um emprego

Questão 26. Assinale a opção em que a expressão com o pronome demonstrativo exige que sejam consideradas informações anteriores e posteriores para ser interpretada.

(Parte 1 de 4)

Comentários