7 ferramentas da qualidade

7 ferramentas da qualidade

FERRAMENTAS DA QUALIDADE:

  • FERRAMENTAS DA QUALIDADE:

    • INTRODUÇÃO
    • FLUXOGRAMA
    • ESTRATIFICAÇÃO
    • FOLHA DE VERIFICAÇÃO
    • GRÁFICO DE PARETO
    • DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO
    • HISTOGRAMA
    • DIAGRAMA DE DISPERSÃO
    • CARTA DE CONTROLE
  • CONCLUSÃO

  • REFERÊNCIAS

Estatística: ciência que trata da coleta, processamento e disposição de dados.

  • Estatística: ciência que trata da coleta, processamento e disposição de dados.

  • Processo: combinação de equipamentos, insumos, métodos ou procedimentos, condições ambientais, pessoas e informações do processo ou medidas, tendo como objetivo a fabricação de um bem ou o fornecimento de um serviço. (WERKEMA, 1995)

As SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE podem ser utilizadas para coleta, processamento e / ou disposição das informações sobre a variabilidade dos processos.

  • As SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE podem ser utilizadas para coleta, processamento e / ou disposição das informações sobre a variabilidade dos processos.

O que é?

  • O que é?

  • Representação gráfica mostrando todos os passos de um processo.

  • Para que?

  • Descrever ou estudar um processo atual ou planejar etapas de um novo.

  • Verificar como as diversas etapas do processo estão relacionadas entre si.

  • Treinar pessoal.

  • Identificar gargalos, folgas e redundâncias.

Como?

  • Como?

  • Desenhar o fluxograma do processo, na ordem de ocorrência das etapas.

  • Consenso.

  • Usar operadores:

  • O que é?

  • Agrupamento de informações (dados) sob vários pontos vista, de modo a focalizar a ação. (WERKEMA, 1995)

  • Fatores como equipamentos, insumos, pessoas, métodos, medidas e condições ambientais são categorias naturais para estratificação dos dados. (WERKEMA, 1995)

Para que?

  • Para que?

  • Observar, analisar e melhorar resultados.

Indústria autopeças produz molas de aço, que tem a dureza como uma das principais características de qualidade. LES= 435 HB, LEI= 370 HB. (HB=dureza Brinell). Problema: aumento de molas devolvidas por apresentarem dureza fora das especificações.

  • Indústria autopeças produz molas de aço, que tem a dureza como uma das principais características de qualidade. LES= 435 HB, LEI= 370 HB. (HB=dureza Brinell). Problema: aumento de molas devolvidas por apresentarem dureza fora das especificações.

O que é?

  • O que é?

  • Formulário usado para facilitar coleta e registro dos dados, no qual os itens a serem examinados já estão impressos.

  • Para que?

  • Facilitar a coleta dos dados e organizar os mesmos durante a coleta.

  • Como?

  • Definir objetivo da coleta de dados e tipo folha.

  • Estabelecer título, campos de registros, instruções.

  • Instruir pessoal e realizar pré-teste.

Distribuição de frequência de um item de controle em processo produtivo.

  • Distribuição de frequência de um item de controle em processo produtivo.

Classificação.

  • Classificação.

Localização de defeitos.

  • Localização de defeitos.

O que é?

  • O que é?

  • Gráfico de barras verticais que evidencia a priorização de temas.

  • Princípio de Pareto (sociólogo e economista italiano - 80/20) Juran.

  • Um problema pode ser atribuído a um pequeno nº de causas. POUCOS VITAIS, MUITOS TRIVIAIS

  • Para que?

  • Concentrar esforços em áreas onde podem ser obtidos maiores ganhos.

Como?

  • Como?

  • Definir problema.

  • Listar fatores estratificação e categoria outros.

  • Estabelecer método e período de coleta.

  • Coletar dados registrando total de vezes que cada categoria foi observada e nº total de observações.

  • Elaborar planilha de dados com as colunas: categorias, quantidades, totais acumulados, percentagens do total e percentagem acumulada, em ordem decrescente de freqüência.

  • Plotar um gráfico de barras verticais com valores decrescentes da esquerda para a direita, traçar curva de percentagens acumuladas (curvas de Lorenz).

  • Gráfico de Pareto para causas

  • - A comparação dos gráficos de Pareto “antes” e “depois” permitem avaliar o impacto de mudanças efetuadas no processo.

Exemplo:

  • Exemplo:

  • Máquina

  • parada

  • 72 h/mês

  • Gráfico de Pareto para efeitos / defeitos

  • - Ponderar frequência pela criticidade e custo

  • Fator ponderador=freqüência x criticidade x custo

  • - Método REI (Resultado, Exequibilidade, Investimento)

- Método GUT (Gravidade, Urgência, Tendência)

  • - Método GUT (Gravidade, Urgência, Tendência)

Exemplo:

  • Exemplo:

  • Defeitos

  • em Lentes

Cuidados:

  • Cuidados:

  • Custos e aspectos de segurança são indicadores importantes para a identificação dos problemas vitais.

  • Se não aparecerem diferenças claras, reagrupar os dados.

  • Se a categoria “outros” apresentar freqüência elevada, as categorias não foram adequadas.

ISHIKAWA OU ESPINHA DE PEIXE

  • ISHIKAWA OU ESPINHA DE PEIXE

  • O que é?

  • Diagrama que relaciona os fatores (causas) envolvidos na produção de uma característica (efeito).

  • Para que?

  • Ferramenta usada para apresentar relação existente entre um resultado de um processo (efeito) e os fatores (causas) do processo que possam afetar o resultado.

Como?

  • Como?

  • Realizar Brainstorming ou usar folha de verificação e definir o efeito: o que é, onde, como e quando ocorre.

  • Construir diagrama com o efeito em retângulo no lado direito. Traçar a espinha dorsal.

  • Relacionar causas primárias que afetam a característica ou problema definido (espinhas grandes), causas secundárias que afetam as primárias e assim por diante.

6M/4M (Medida, Máquina, Mão-de-obra, Matéria-prima, Meio ambiente, Método), 4P (Política, Procedimento, Pessoal e Planta).

  • 6M/4M (Medida, Máquina, Mão-de-obra, Matéria-prima, Meio ambiente, Método), 4P (Política, Procedimento, Pessoal e Planta).

  • Identificar as causas mais prováveis para maior análise.

  • O diagrama de causa e efeito não tem a função de identificar a causa fundamental do problema considerado.

O que é?

  • O que é?

  • Gráfico de barras no qual o eixo horizontal,em pequenos intervalos, apresenta valores assumidos por uma variável de interesse.

  • Para que?

  • Visualizar a forma da distribuição de conjunto de dados, a localização do valor central e a dispersão.

  • Como?

  • Coletar dados, definir intervalos, mínimo/máximo.

  • Calcular amplitude total e do intervalo.

  • Construir tabela de frequências.

  • Desenhar histograma.

O que é?

  • O que é?

  • Gráfico utilizado para visualização do tipo de relacionamento existente entre duas variáveis.

  • Para que?

  • Aumento da eficiência de métodos de controle de processo, detecção de problemas e planejamento de ações de melhoria.

  • Como?

  • Coletar pares de observações (x, y), plotar gráfico X Y e analisar.

  • Verificar existência de outliers.

GRÁFICO (CARTA) DE CONTROLE

  • GRÁFICO (CARTA) DE CONTROLE

  • O que é?

  • Representação gráfica de uma característica da qualidade medida ou calculada para uma quantidade de itens em função do número de amostra ou variável de tempo.

  • Para que?

  • Monitorar variabilidade e avaliar estabilidade de um processo. Detectar causas especiais e causas comuns.

Cartas por Variáveis (unidades quantitativas de medidas)

  • Cartas por Variáveis (unidades quantitativas de medidas)

Cartas por Atributos (características qualitativas)

  • Cartas por Atributos (características qualitativas)

  • As Sete Ferramentas da Qualidade são métodos simples e de ampla utilização empregados para coletar, processar e dispor conjuntos de informações, facilitando sua análise, com o objetivo de manter e melhorar resultados.

WERKEMA, M. C. C. Ferramentas estatísticas básicas para o gerenciamento de processos. Belo Horizonte: Fundação Cristiano Ottoni, Universidade Federal de Minas Gerais, 1995.

  • WERKEMA, M. C. C. Ferramentas estatísticas básicas para o gerenciamento de processos. Belo Horizonte: Fundação Cristiano Ottoni, Universidade Federal de Minas Gerais, 1995.

  • BRASSARD, M. Qualidade. Ferramentas para uma melhoria contínua. The Memory Jogger.Rio de Janeiro: Qualitymark Editora, 1985.

  • RIBEIRO, J.L.D.; TEN CATEN, C. S. Controle Estatístico do Processo – Escola de Engenharia, FEENG/UFRGS,2001.

  • http://www.prd.usp.br/disciplinas/docs/pro2712-2006-Alberto_Gregorio/FERRAMENTAS OPERACIONAIS PARA A QUALIDADE.pdf consultado em 31/05/2009.

  • http://www.hospifilrs.org.br/novo_portal/modules/rmdp/uploads/Jan08dTr5imHf_Manual_de_Ferramentas_da_Qualidade.pdf consultado em 07/06/09.

  • http://bessegato.sites.uol.com.br/UFMG/modulo_qual_10.pdf consultado em 07/06/09.

Comentários