Passo a passo da rotomoldagem

Passo a passo da rotomoldagem

Fundamentos da Rotomoldagem - PARTE 02

O Processo

A moldagem rotacional é um processo simples, configurando-se de um molde oco, abastecido com resina em pó ou líquida, colocado este molde em uma câmara aquecida, girando em dois movimentos com rotações baixas e distintas. É tido como um processo econômico onde a ausência de aplicação de esforço proporciona peças ocas sem tensões residuais. A matéria-prima, quando em pó, deve ser micronizada (passar por moagem ultrafina por meio de moinhos) para facilitar o escoamento no molde, reduzindo assim o aprisionamento de ar (bolhas) e acelerando a plástificação do material.O material micronizado facilita a redução do ciclo e previne a degradação. A micronização da matéria-prima é feita em moinhos especiais de disco e o pó separado por peneiras até atingir a granulometria ideal. A figura 3 ilustra o processo de rotomoldagem.

A produção da rotomoldagem se divide em quatro etapas distintas. Aqui apresentaremos as 2 primeiras etapas. Acompanhe as demais no nosso próximo Styles News Rotomoldagem:

1 – Dosagem do pó: Uma quantidade conhecida de material micronizado é adicionada no molde de rotomoldagem. Geralmente a pesagem do pó e a alimentação ocorrem manualmente. Após a alimentação, o molde é fechado com auxílio de grampos ou parafusos, seguindo-se para próxima etapa. Na Figura 4 a representação de um molde sendo abastecido.

2 – Aquecimento e rotação: Após o carregamento e o fechamento do molde, o mesmo é conduzido para um forno iniciando o movimento de rotação biaxial. O efeito sinérgico entre calor recebido do forno e a movimentação biaxial resulta em um aquecimento uniforme do material no interior do molde. No início do processo o material, em forma de pó, não está aderido à superfície do molde (figura 5). Quando no interior do molde é atingida a temperatura de amolecimento do polímero, o mesmo começa a aderir à superfície do molde (figura 5B). Com a continuidade do aquecimento, inicia a fusão da material e a temperatura entra em colapso (figura 5C), ocorrendo o aprisionamento do ar misturado as partículas de pó, resultando na formação de bolhas e a fusão incompleta do material. Quando estas bolhas permanecem na peça, ocasionam perdas nas propriedades mecânicas, principalmente na resistência ao impacto. Para eliminá-las e necessária a continuidade do aquecimento após a fusão. Esse sobre-aquecimento resulta em diminuição da viscosidade do polímero, tornando mais fácil o processo de dissolução do ar pela matriz polimérica e permitindo que a maioria das bolhas seja eliminada (figura 5D), completando assim a fusão. Se este aquecimento adicional for excessivo, a peça resultante não apresentará bolhas, porém poderá incorrer em degradação termo-oxidativa (degradação sob efeito de calor que ocorre em materiais poliméricos no seu processamento) na supercie interna, com acentuada perda de resistência mecânica.

Fonte: Revista Ferramental - Ano III Nº 13 - Jul/Ago 07

Fundamentos do Processo de Rotomoldagem

Marcelo Massayoshi Ueki / Luciano Pisanu

Comentários