Aula sobre distribuição de energia

Aula sobre distribuição de energia

(Parte 2 de 3)

São responsáveis pela transformação da tensão de subtransmissão para a de distribuição primária.

SE’s de distribuição –Arranjos típicos 1) Barra simples

Goiânia, 2009.

•Confiabilidade e flexibilidade bastante limitadas.

SE’s de distribuição –Arranjos típicos 2) Barra simples seccionada

Goiânia, 2009.

•O número de circuitos perdidos devido a falhas ou manutenção é reduzido;

•Maior redução da área interrompida.

SE’s de distribuição –Arranjos típicos 3) Barra em anel

Goiânia, 2009.

•Cada circuito de saída tem dois caminhos de alimentação, tornando-o mais flexível;

•Requer maior área de pátio do que o arranjo barra simples equivalente.

SE’s de distribuição –Arranjos típicos 4) Barra principal e transferência

Goiânia, 2009.

•Aumenta a flexibilidade para atividades de manutenção do disjuntores da SE;

•Em condição normal o barramento principal émantido energizadoe o de transferência desenergizado.

Sistema de distribuição primária ♣Redes de média tensão;

♣Atendem aos consumidores primários e aos transformadores de distribuição que suprem a rede secundária ou baixa tensão;

♣Podem ser aéreas: primário radial com recurso ou primário seletivo;

♣ou subterrâneas: primário seletivo, primário operando em malha aberta e spot network.

Goiânia, 2009.

Sistema de distribuição primária –Rede Aérea

Características

♦Zonas urbanas –postes de concreto; ♦Zonas rurais –postes de madeira tratada;

♦Condutores de alumínio com alma de aço (CAA) ou sem alma (CA);

♦Redes com tronco principal do qual se derivam ramais.

Goiânia, 2009.

Sistema de distribuição primária –Rede Aérea Primário radial com recurso

Goiânia, 2009.

•A existência de chaves de “socorro externo”permitem flexibilidade operativa

Sistema de distribuição primária –Rede Aérea Primário Seletivo

O uso de chaves de transferência permite que na condição em operação normal se conecte o consumidor a um dos circuitos e, em emergência, transfere-o para o outro.

Goiânia, 2009.

Sistema de distribuição primária –Rede Subterrânea Primário operando em malha aberta

Goiânia, 2009.

•Custo mais elevado que o primário seleti vo;

•Barramentoscom dois dispositivos de comando nas duas extremidades;

•Alimentador seccionado através de disjuntor que opera NA;

•Em contingência os disjuntores se abrem isolando o circuito defeituoso e o restante éalimentado pelo disjuntor NA.

Sistema de distribuição primária –Rede Subterrânea Spot network–Operação normal

Goiânia, 2009.

•Cada trafode distribuição ésuprido por dois ou três circuitos;

•Chave especial NP (Network Protector) que tem por finalidade impedir o fluxo de potência no sentido inverso.

Sistema de distribuição primária –Rede Subterrânea Spot network - Contingência

Goiânia, 2009.

•NP’s do circuito onde se estabeleceu o curto-circuito são percorridos por corrente em sentido inverso e de conseqüência irão abrir;

•As cargas estarão energizadaspelo outro circuito.

Sistema de distribuição secundária

Da estação transformadora deriva-se a rede de baixa tensão 220/127 V ou 380/220 V, que pode operar em malha ou radial e que supre os consumidores de baixa tensão, consumidores residenciais, pequenos comércios e indústrias.

Goiânia, 2009.

(Parte 2 de 3)

Comentários