Como estudar química

Como estudar química

(Parte 1 de 10)

Não se deve esquecer, ainda, que além das práticas de laboratório é muito importante prestar atenção nas transformações que ocorrem ao nosso redor, tentando explicá-las. Por exemplo: formação de ferrugem; dissolução de açúcar na água, no café, no leite; a combustão (fogo); o processo de queima do combustível no motor do carro (coloca-se combustível líquido e saem gases e calor, além de movimento mecânico); o uso de anti-ácidos para diminuir o excesso de acidez estomacal; uso de água de lavadeira (água sanitária, hipoclorito) para deixar a roupa mais branca; uso de soda cáustica (NaOH) para limpar caixas de gordura das residências, etc.

Muitos estudantes alegarão que sentem dificuldades em fazer isto. Não dissemos que seria totalmente fácil. Em todo aprendizado há sempre um grau de dificuldade que depende do assunto e de cada indivíduo. Aí entra a ação do professor e a interação entre os alunos, além do próprio esforço. É importante tentar a associação e a racionalização dos fatos, trocar idéias com os colegas, procurar observar os fenômenos com atenção e pedir sempre a orientação do professor. Em pouco tempo você se surpreenderá. Verá que, além de ter entendido muita coisa, a memorização foi um acontecimento natural e não um processo penoso, dramático. Perceberá, também, que a sua capacidade de absorver novos conhecimentos terá sido ampliada pelo exercício e pela satisfação em sentir o próprio crescimento.

É possível, ainda, que alguns pensem que o que é exigido no Vestibular é muito mais difícil do que queremos fazer crer. Não é bem assim. Se você deseja fazer um curso superior, estude do modo como estamos sugerindo e verificará que vai ficar muito mais fácil e interessante.

Esta é, talvez, urna das perguntas que você, leitor, mais gostaria de ver respondida. Tente raciocinar conosco nas linhas seguintes. É possível que você obtenha a resposta já nos primeiros momentos.

Vejamos:

Para aprender a andar de bicicleta recebemos, inicialmente, por própria observação e/ou por instrução de alguém, a informação de que é necessário subir na mesma procurando manter o equilíbrio, de que se deve pedalar, etc. Ao recebermos as informações iniciais, estabelecemos automaticamente algumas hipóteses, na nossa cabeça, que procuram simular o andar de bicicleta. Ao tentarmos na prática, confrontaremos a "teoria" com a "realidade" e nesta interação faremos os devidos ajustes "teóricos" e "práticos" de modo a obter o desejado: andar de bicicleta.

A Química, também, consiste de resultados obtidos de práticas experimentais e de teorias de algum modo semelhantes ao aprendizado de andar de bicicleta e de quase todos os aprendizados...

É evidente, então, que para aprender Química devemos "por a mão na massa" ao mesmo tempo que recebemos as informações teóricas do professor e dos livros. E indispensável a prática associada à teoria.

As respostas que recebemos para esta nossa colocação referem-se à ausência ou inadequação de laboratórios nas escolas. Sabemos disto e podemos dizer que, para um grande número de práticas químicas, não é necessário ter grandes laboratórios (até o laboratório pode ser dispensado em muitos casos) nem manipular instrumentos e substâncias caros. Há muita coisa em nossas casas que pode ser usada. Nas farmácias, nos supermercados, nas quitandas, etc., podemos encontrar muitos materiais a preços baixos. Há livros que trazem descrições de experiências de pequeno custo, que podem ser feitas com produtos facilmente encontrados no mercado. Pergunte ao seu professor!

Propriedades correspondem a certos atributos próprios de uma substância ou de um grupo de substâncias. Estas propriedades podem ser específicas ou gerais. As propriedades específicas caracterizam uma substância ou um grupo limitado delas, enquanto as propriedades gerais são comuns a todo tipo de matéria.

Extensão é a propriedade que toda matéria tem de ocupar lugar no espaço. A matéria tem volume.

Inércia é a propriedade da matéria de conservar o estado de repouso ou manter o movimento retilíneo e uniforme.

Existe uma relação direta entre a inércia do corpo e sua massa. Quanto maior a massa, maior é a inércia; assim, é difícil alterar o estado de movimento de um corpo de massa grande, enquanto é fácil no caso de um corpo de massa pequena. Exemplo: é mais difícil parar um ônibus em movimento do que parar uma bicicleta em movimento.

Observação: massa é a medida da inércia.

Impenetrabilidade é a propriedade de dois corpos não poderem ocupar o mesmo lugar no espaço, ao mesmo tempo.

Exemplos:

1)Uma banheira cheia transborda, quando se entra nela.

2)Colocando um prego na madeira, as fibras da madeira afastam-se, deixando espaço para o prego.

Divisibilidade é a propriedade de a matéria poder ser dividida em partículas menores, sem perder sua característica.

Exemplos:

Uma certa quantidade de água pode ser dividida em gotículas extremamente pequenas. Em uma neblina, temos gotículas de água suspensas no ar.

Dissolvendo açúcar na água, e bebendo qualquer porção, você sentirá o sabor do açúcar, que foi dividido em partículas que se espalharam na água.

Partindo um giz em pedaços menores, cada pedaço mantém as propriedades do inteiro.

Compressibilidade é a propriedade de um corpo reduzir o volume, quando submetido a uma força.

Os materiais gasosos são os mais compressíveis.

É mais difícil comprimir os líquidos e ainda mais difícil comprimir os sólidos.

É a temperatura na qual um material sólido passa a líquido, sendo específico para cada substância pura.

Exemplos (1 atm):

NitrogênioPF = – 210°C Álcool comumPF = – 143°C ÁguaPF = 0°C Cloreto de sódioPF = 801°C

(a% " '  +0,"

É a temperatura na qual um material líquido passa a gasoso, sendo específico para cada substância pura.

Exemplos (1 atm):

NitrogênioPE =– 196°C Álcool comumPE = 78°C ÁguaPE = 100°C Cloreto de sódioPE = 1490°C

Densidade absoluta ou massa específica é a relação entre a massa (m) e o volume (V) do material.

md = V

Densidade é a massa por unidade de volume.

Medindo a massa em gramas e o volume em centímetros cúbicos, a densidade é dada em g/cm³.

Exemplos:

Significado: 1cm³ de água tem massa igual a 1g.

A densidade do álcool será:

3) Comparar os resultados dos exemplos 1 e 2.

A água é mais densa que o álcool. 500 cm³ de água e 500 cm³ de álcool apresentam massas diferentes.

4) Por que, atirando uma pedra na água, ela vai ao fundo?

Dureza é a propriedade do material que mede sua resistência ao risco.

Quando se atrita um material A em outro material

B, se A riscar B, deixará neste um sulco, e diremos que A é mais duro que B.

Exemplo: Um estilete de aço risca a madeira.

O estilete de aço não risca o quartzo. O quartzo é mais duro que o aço.

Observação: a substância natural mais dura que existe é o diamante.

Maleabilidade é a propriedade do material de poder ser reduzido a lâminas.

Os metais ouro, chumbo, prata, zinco, ferro, etc., são bastante maleáveis.

(Parte 1 de 10)

Comentários