Produção de Estruturas de Concreto Armado

Produção de Estruturas de Concreto Armado

(Parte 1 de 7)

Responsáveis:

Mercia Maria S. Bottura de Barros Silvio Burrattino Melhado

São Paulo 1998

1 INTRODUÇÃO1
2. A PRODUÇÃO DA ESTRUTURA DE EDIFÍCIOS COM CONCRETO ARMADO4
2.1 PRODUÇÃO DAS FÔRMAS E ESCORAMENTO4
2.1.1 Conceituação4
2.1.2 Propriedades ou Requisitos de Desempenho (para atender as funções das fôrmas)5
2.1.3 O Custo da Fôrma no Conjunto do Edifício6
2.1.4 Elementos Constituintes de um Sistema de Fôrmas6
2.1.5 Principais Materiais Utilizados para a Produção de Fôrmas7
2.1.6 O Conceito Estrutural das Fôrmas7
2.1.7 Estudo do SISTEMA CONVENCIONAL de fôrmas de MADEIRA8
2.1.7.1 Características da fôrma de laje9
2.1.7.2 Características da fôrma de viga10
2.1.7.3 Características da fôrma do pilar1
2.1.8 Estudo de SISTEMAS de FÔRMAS RACIONALIZADAS12
2.1.8.1 Objetivos da racionalização do sistema de fôrmas12
2.1.8.2 Recomendações de projeto do edifício para aumentar a racionalização12
2.1.8.3 Ações de racionalização do sistema de fôrmas12
2.1.8.4 Parâmetros para escolha ou projeto do sistema de fôrmas20
2.1.8.5 Considerações sobre a execução das fôrmas20
2.1.8.6 Outros tipos de fôrma20
2.2 A MONTAGEM DA ARMADURA23
2.2.1 Introdução23
2.2.2 A Compra do Aço25
2.2.3 A organização do Aço no Canteiro26
2.2.4 Corte da Armadura27
2.2.5 Preparo da Armadura30
2.2.6 Montagem da Armadura31
2.3.1 Recebimento do Sistema de Fôrmas34
2.3.2 Montagem das Fôrmas dos Pilares34
2.3.3 Controle de Recebimento da Montagem dos Pilares35
2.3.4 Montagem de Fôrmas de Vigas e Lajes35
2.3.5 Controle de Recebimento da Fôrma de Vigas e Lajes36
2.3.6 Procedimentos para a Concretagem dos Pilares36
2.3.7 verificação da Concretagem do Pilar37
2.3.8 colocação das Armaduras nas Fôrmas de Vigas e Lajes37
2.3.9 Verificações para liberação da Armadura de Vigas e Lajes37
2.3.10 Procedimentos para a Concretagem das Vigas e Lajes38
2.3.1 Procedimentos Recomendados para Lançamento do Concreto38
2.3.12 Procedimentos para Desforma39

1 INTRODUÇÃO

Considerando-se as estruturas dos edifícios comumente construídos, pode-se propor uma classificação fundamentada tanto na sua concepção estrutural, como na intensidade de seu emprego e, ainda, a partir dos materiais que constituem a estrutura. Uma proposta de classificação, baseada nestes parâmetros, é apresentada a seguir:

- classificação quanto á concepção estrutural

Quanto á concepção estrutural, ou seja, quanto á forma de transmissão dos esforços, as estruturas podem ser classificadas em:

* reticulada * elementos planos

* outras - cascas; espaciais; pneumáticas; boxes, etc..

As estruturas reticuladas são aquelas em que a transmissão dos esforços ocorre através de elementos isolados tais como lajes, pilares e vigas ou pórticos. Nas estruturas planas a transmissão de esforços faz-se através de um plano de carregamentos, como ‚ o caso dos edifícios constituídos por paredes maciças de concreto armado ou mesmo de alvenaria estrutural.

- classificação quanto á intensidade de emprego

Quanto á freqüência com que são empregadas, as estruturas podem ser classificadas em:

* tradicionais; e * não tradicionais.

As estruturas tradicionais são consideradas como aquelas mais empregadas em um certo local. é o caso, por exemplo, dos edifícios de médio e grande porte, construídos com estrutura de concreto armado moldado no local e dos pequenos edifícios (um e dois pavimentos) construídos com alvenaria resistente.

Pode-se considerar os não tradicionais como sendo aqueles de uso menos freqüente, tais como os edifícios com estrutura de madeira, de aço, de alvenaria estrutural (armada ou não armada) e os de concreto pró-moldados.

- classificação quanto ao materiais constituintes

Considerando-se as construções atualmente existentes no mundo sob a Ética do processo construtivo, pode-se dizer que os materiais comumente empregados na produção das estruturas de edifícios são:

* madeira; * aço;

* alvenaria;

* concreto armado e protendido: pró-moldado e moldado no local.

A madeira, sobretudo pela dificuldade de obtenção e consequentemente pelo seu elevado custo, ‚ um material que vem tendo pouca utilização na construção de estruturas de edifícios, principalmente no Brasil. Além disto, suas deficiências quanto a resistência mecânica e durabilidade, a falta de tradição do usuário, a legislação restritiva quanto á sua utilização (problemas decorrentes do elevado potencial de queima) e a não-política de reflorestamento, também contribuem para o seu reduzido emprego, sendo empregada apenas em edifícios de pequena intensidade de carregamentos (casas térreas ou sobrados).

Existem, porém, estudos que procuram viabilizar a utilização de madeira de reflorestamento como material estrutural; outros que procuram desenvolver as ligações entre peças de madeira para formarem componentes de maiores dimensões, viabilizando a execução de estruturas maiores; outros ainda que procuram desenvolver materiais para serem empregados no tratamento da madeira, seja contra agentes agressivos (umidade, fungos, insetos) seja contra o fogo, a fim de aumentar a sua vida útil. é possível pois, que num futuro próximo, com o avanço dos processos industrializados de construção a utilização desse material seja retomada.

O aço, largamente empregado em países mais desenvolvidos, e com elevado potencial de utilização devido ás suas características mecânicas (elevada resistência á compressão e á tração) também vem sendo pouco utilizado no Brasil para a construção de estruturas de edifícios, principalmente nos de múltiplos pavimentos. Sua utilização vem se concentrando sobretudo na produção da estrutura de edifícios industriais.

Pode-se dizer que existem alguns fatores "responsáveis" pela pequena utilização do aço no Brasil, dentre os quais se destacam:

- custo elevado do aço quando comparado ao do concreto armado; - falta de tradição construtiva e desconhecimento do processo construtivo;

- normalização precária, sendo ainda empregada normalização estrangeira;

- características da mão-de-obra nacional: de baixo custo e pouca qualificação; da já não se necessita de ganho de produtividade, que é uma das grandes vantagens oferecidas pela estrutura de aço; - falta de perfis adequados á construção de edifícios, o que seria essencial para a implantação de um mercado consumidor, no entanto, as indústrias produtoras não assumem o investimento necessário.

Não obstante essas dificuldades, a produção de um edifico em aço apresenta um elevado potencial de racionalização devido ás características intrínsecas ao material, pois:

- toda a estrutura ‚ previamente preparada em uma fábrica ou indústria, ficando apenas a montagem para o canteiro; - para o preparo de cada peça ‚ necessário um detalhamento prévio, e sendo assim, as decisões são necessariamente tomadas durante a elaboração do projeto e não no canteiro durante a execução do edifício; logo, não há decisões de canteiro, os detalhes construtivos vêm previamente definidos; - é possível a modulação de componentes racionalizando-se as atividades de preparo e montagem da estrutura, bem como, possibilita o emprego de outros elementos construtivos modulados (vedações, caixilhos);

Em resumo, a construção com estrutura de aço permite a racionalização do edifício como um todo, porém, como no Brasil não se tem padronização de materiais e componentes, este potencial acaba por não ser significativo frente ás demais dificuldades de produção do edifício.

A alvenaria, por sua vez, foi largamente utilizada no passado como material estrutural para a construção de edifícios com dois e até três pavimentos. No entanto, com o surgimento do concreto armado cedeu lugar ao novo material.

Hoje, a alvenaria ressurge com grandes possibilidades de emprego para a produção de estruturas de edifícios de múltiplos pavimentos, sendo denominada alvenaria estrutural.

E assim como o aço, é um material estreitamente ligado á racionalização do processo de produção, pois além de constituir a estrutura do edifício, constitui ao mesmo tempo a sua vedação vertical, o que proporciona elevada produtividade para a execução do edifício. Além disso, a regularidade superficial dos componentes e a "precisão" construtiva exigida pelo processo possibilitam o emprego de revestimentos de pequena espessura, reduzindo o custo deste subsistema.

Também as instalações podem ser racionalizadas ao se utilizar os componentes vazados de alvenaria (blocos) para a sua passagem, sem a necessidade de quebrar a parede e consequentemente, sem a necessidade de se refazer o serviço.

Por fim, tem-se estruturas executadas com o concreto armado, que desde o seu surgimento ganhou espaço significativo na construção de edifícios, sejam edifícios baixos ou de múltiplos pavimentos. É, sem dúvida, o material estrutural mais utilizado hoje no Brasil, tanto moldado no local, como pré-fabricado.

O estudo da produção de edifícios produzidos com cada um dos materiais anteriormente citados, devido á sua complexidade, demandaria disciplinas específicas. Considerando-se esta publicação como básica e como referencial, será abordada apenas a produção de estruturas executadas com concreto armado moldado no local, devido principalmente á sua extensa e intensa utilização em todo o país.

O concreto armado na forma de elementos pré-fabricados, deverá ser abordado em conjunto com outros processos construtivos, considerados num patamar superior de industrialização.

A produção de edifícios com os demais materiais deverá ser abordada em disciplinas específicas, oferecidas para o curso de Engenharia Civil.

2. A PRODUÇÃO DA ESTRUTURA DE EDIFÍCIOS COM CONCRETO ARMADO

Os edifícios produzidos em concreto armado muitas vezes recebem a denominação de edifícios convencionais ou tradicionais, isto ‚, aqueles produzidos com uma estrutura de pilares, vigas e lajes de concreto armado moldados no local.

A execução de elementos com concreto armado deve seguir um esquema básico de produção que possibilite a obtenção das peças previamente projetadas e com a qualidade especificada. Este esquema‚ apresentado genericamente na figura 2.1, a seguir:

FIGURA 2.1 - Esquema genérico do fluxograma de produção de elementos de concreto armado.

Considerando-se os fundamentos dados pelas disciplinas de Materiais de Construção Civil, sobre o preparo, transporte, lançamento e adensamento do concreto e cura dos componentes, será dada ênfase nos seguintes aspectos: produção das fôrmas; preparo das armaduras; produção geral dos elementos de concreto armado (montagem das fôrmas e armaduras, transporte do concreto e concretagem), considerando-se a tecnologia de produção.

2.1 PRODUÇÃO DAS FÔRMAS E ESCORAMENTO

2.1.1 Conceituação

A fôrma pode ser considerada como o conjunto de componentes cujas funções principais são: - dar forma ao concreto (molde);

5 - conter o concreto fresco e sustentá-lo até que tenha resistência suficiente para se sustentar por si só; - proporcionar á superfície do concreto a textura requerida.

2.1.2 Propriedades ou Requisitos de Desempenho (para atender as funções das fôrmas) a) resistência mecânica á ruptura: significa apresentar resistência suficiente para suportar os esforços provenientes do seu peso próprio, do empuxo do concreto, do adensamento e do tráfego de pessoas e equipamentos; b) resistência a deformação: significa apresentar rigidez suficiente para manter as dimensões e formas previstas no projeto, ou seja, apresentar deformação adequada e controlada; c) estanqueidade: significa evitar a perda de água e de finos de cimento durante a concretagem; d) regularidade geométrica: significa apresentar geometria compatível com as especificações do projeto. Observa-se que a redução de 10% na altura de uma viga interfere muito mais na resistência mecânica do elemento estrutural que uma variação de 10% na resistência do concreto; e) textura superficial adequada: significa apresentar textura superficial compatível com as exigências do projeto, sobretudo nos casos de concreto aparente; f) estabilidade dimensional: significa não alterar as suas dimensões durante o lançamento ou durante a fase de cura, a fim de que os elementos estruturais apresentem dimensões compatíveis com as definidas pelo projeto; g) possibilitar o correto posicionamento da armadura: ou seja, não deve apresentar detalhe de montagem que dificulte ou impeça a colocação da armadura no local especificado pelo projeto; h) baixa aderência ao concreto: a fim de facilitar os procedimentos de desforma, sem danificar a superfície do elemento de concreto; i) proporcionar facilidade para o correto lançamento e adensamento do concreto; j) não influenciar nas características do concreto: os seja, não deve apresentar absorção d'água que comprometa a necessidade de água para a hidratação do cimento do concreto e além disto, o desmoldante, quando utilizado, não dever afetar a superfície do elemento de concreto que está sendo produzido; l) segurança: apresentar rigidez e estabilidade suficientes para não colocar em risco a segurança dos operários e da própria estrutura que está sendo construída; m) economia: este aspecto está diretamente relacionado aos danos provocados durante a desforma, exigindo manutenção ou mesmo reposição de parte das fôrmas; á facilidade de montagem e desforma e ao reaproveitamento que o sistema pode proporcionar.

2.1.3 O Custo da Fôrma no Conjunto do Edifício

Uma fôrma para desempenhar adequadamente as suas funções, apresentará, de modo geral, o seguinte percentual de custo com relação ao edifício:

(Parte 1 de 7)

Comentários