Alimentos trangenicos

Alimentos trangenicos

(Parte 1 de 2)

ENTREVISTA AlimentostransgŒnicos

O impasse continua

Foto de ClÆudio Bezerra Melo

BC&D Aleidebiossegurança foi criada em 1995. Passados sete anos, por que, na sua opiniªo, os produtos transgŒnicos ainda nªo estªo sendo comercializados no Brasil?Nessecaso,osenhorpoderiaafirmarquehÆmaisinteresses econômicos eideológicos doque científicos nessa discussªo?

LuizAntônio Eunªotenhodœvidas dequeexistemmuitomaisinteresses relacionados a conflitos de mercado do que de biossegurança, mas Ø importante lembrar queseasalegaçıes científicas nªo tivessem encontrado econasociedade,napercepçªopœblica,aquelesquesªocontraabiotecnologianªoteriamtidosucesso.Ascampanhas contra os organismos geneticamente modificados tiveram Œxito porqueconseguiramconvenceraopiniªo pœblica e, portanto, o consumidor, na ponta, de que os produtos da biotecnologia sªo perigosos. Hoje, o consumidorolhaabiotecnologiacom desconfiançaemedoeenquantoisso nªomudar,qualquercoisaquesediga contraessatecnologia,aspessoastŒm uma tendŒncia a acreditar. HÆ o fato de a engenharia genØtica ser uma ciŒncianova,oquepoderiaassustaras pessoasporseucarÆterinusitado,mas por outro lado, Ø importante lembrar que muitas outras inovaçıes nªo encontraram uma reaçªo tªo forte porque nªo carregam todo esse conflito de interesses por trÆs. Os produtos geradospelabiotecnologiavªosubstituirgradualmenteummercadomuito grandeetradicional,quefuncionahÆ 50anos,queØomercadodeagroquímicos.Eunªoestoufazendonenhuma críticaaosagroquímicosque,indiscuti-

Emjaneirode1995,oBrasildeuum passo à frente na corrida tecnológica, com a regulamentaçªo da lei de biossegurança,umafortealiadadaciŒncia, jÆqueimpıecondiçıesdesegurança para as pesquisas de modificaçªo genØtica.Hoje,passadosseteanos,oque sevŒØumcenÆriodecaosedesinformaçªo.

Para falar sobre o impasse que aindacercaaquestªodostransgŒnicos e que mantØm a sua proibiçªo no Brasil,arevistaBiotecnologia,CiŒncia&Desenvolvimentoentrevistou o chefe-geral da Embrapa Recursos GenØticoseBiotecnologia,umadas39 unidades de pesquisa da Embrapa, situada em Brasília, DF, Luiz Antônio BarretodeCastro,quefoipioneirona implantaçªoeimplementaçªodoPrograma de Biotecnologia da Embrapa, tantonapartedeinfra-estrutura,coma montagemdolaboratóriodeengenharia genØtica, como na formaçªo de equipesespecializadasnessaÆrea.

LuizAntônioØgraduadoemagronomiapelaUniversidadeFederalRural do Rio de Janeiro; tem mestrado em tecnologiadesementespelaUniversidade do Mississipi, EUA; PhD em fisiologiadeplantaspelaUniversidadedaCalifórnia(Davis);epós-doutoramentoembiologiamolecularpela UniversidadedaCalifórnia(LosAngeles). Luiz Antônio tem uma longa experiŒnciacomoprofessorecientista, jÆ prestou vÆrias consultorias no Brasilenoexteriorefoiprofessorna UniversidadeFederalRuraldoRiode Janeiro entre 1965 e 1981. Hoje, acumulaasfunçıesdechefe-geralda Embrapa Recursos GenØticos e BiotecnologiaepresidentedaSociedade Brasileira de Biotecnologia (SBBiotec).

Duranteaentrevista,LuizAntônio falou sobre proibiçªo dos produtos transgŒnicos à agricultura brasileira. Segundoele,essesprodutospossibilitamganhoseconômicossignificativosparaopaíseoseuimpedimento legal nªo tem justificativa, visto que vŒmsendousadoshÆanosnomundo, sem que se tenham registros de prejuízosparaomeioambienteoupara asaœdedapopulaçªo.

Entrevista concedida a Maria Fernanda Diniz Avidos velmente, tiveram uma importância enormeduranteasœltimasdØcadas.Se hoje conseguimos alimentar seis bilhıesdepessoasnomundo,muitose deveaesses produtos. MasatendŒncianaturalØqueassoluçıesbiológicas comecemasubstituirassoluçıesquímicas. E Ø óbvio que isso nªo pode acontecersemreaçªo.Outraquestªo que deve ser destacada Ø que os paísessempreprotegem assuasagriculturas. A agricultura europØia, por exemplo, Ø extremamente incompetente esubsidiada, masainda assim Ø protegida. E,por isso, quando países como Estados Unidos, CanadÆ e ArgentinacomeçamacolocarnaEuropa produtostransgŒnicos,quesªoainda maisbaratos,comcustodeproduçªo mais baixo, como o frango que se alimentademilhoesoja,issoimpıeà agriculturaeuropØiaumproblemadifícil de resolver. Ou seja, os Estados Unidos defendem a agricultura dos transgŒnicos, jÆquetŒminteresseem vender esses produtos, e a Europa defendeaagriculturadosnªotransgŒ- nicos porque quer defender a sua agricultura que estÆ mais atrasada do ponto de vista tecnológico. Na Europa,elesconseguiramconvencerasociedadedequeostransgŒnicospotencialmenteconstituemummalsociale issopassouparaoBrasil.EoBrasil,por suavez,nªoprotegeaagricultura.Isso ØumproblemagraveeestÆimpedindoodesenvolvimentodabiotecnologiaemnosso país hÆquatro anos.

BC&D Essa restriçªo aos organismos geneticamente modificados(OGM s), noseupontodevista, tem causado prejuízos econômicos e ao avanço do conhecimento e da ciŒncia no Brasil?

Luiz Antônio Essa restriçªo aos produtos transgŒnicos tŒm causado prejuízoseconômicosmuitograndes. Eu visitei recentemente a regiªo produtora de soja do Rio Grande do Sul, ondesecultivahÆcercadecincoanos sojatransgŒnica,quevemdaArgentina,elÆelestŒmconseguidoproduzir umatoneladadesojaporumcustode produçªo40a50%maisbaixodoque asojaconvencional.Comisso,osagricultores doRioGrande doSulconse- guiram recuperar Æreas que eles jÆ tinhamabandonadoparaaagricultura porque nªo tinham mecanismos de controledeervasdaninhas.Comasoja toleranteaglifosatoassociadaaoplantio direto, eles conseguiram altos níveis de produçªo por custos muito maisbaixos.Asituaçªodaquelaregiªo meimpressionou detalmaneira,que eureunidadosefotografias epretendo escrever em breve um trabalho sobreisso.OcultivodesojatransgŒnica,queØsabidamenteilegal,naregiªo sulØaprovavivadosprejuízoseconômicos que a proibiçªo aos transgŒnicosvemtrazendo paraoBrasil. AlØm disso, ousodetransgŒnicos temsido trocado por um possível mercado potencial que nªo compensa a diferençadecustodeproduçªo.Asestatísticas mostram que a tonelada de soja nªo transgŒnica que se destina à alimentaçªo humana tem umbônus da ordem de quatro a seis dólares por tonelada, o que nªo significa nada. NinguØm vai deixar de plantar soja transgŒnica para ganhar seis dólares portoneladaamais.Atoneladadesoja custaaproximadamente 180dólares, entªoseisdólaresnªochegaasernem 5% do preço da tonelada de soja, ou seja,nªoØissoqueestimulaosprodutores.Poroutrolado,ofamosomercadodesojaparaaalimentaçªohumana, queseriaumnichoqueoBrasilpoderiaexplorarcomasojanªotransgŒnica, Ø pequeno. Os especialistas estimam que esse nicho nªo Ø mais do que5%dademandamundialdesoja. Ainda assim, eu acho que se esse mercadodesojaconvencionalØinteressanteparaoBrasileconomicamente,euachoquenósdevemosprocurÆ- lo,entretantoasojatransgŒnicailegal estÆ de tal maneira difundida, nªo só no Rio Grande do Sul como no país inteiro, que se alguØm quiser plantar sojaecertificÆ-lacomonªotransgŒnica, ocusto que isso vai ter Ømaior do que se consegue pelo bônus, entªo nªo vale a pena.

BC&D O que falta ser feito para superaresseimpasse?

Luiz Antônio Em primeiro lugar existemproblemasdenaturezalegal. AquestªoestÆparadaporrazıesjudi- ciaishÆquatroanoseagoraseencontranoTribunalRegionalFederaldesde fevereiro.AtØomomento,apenasum dosjuízes,aDra.SeleneAlmeida,deu parecerfavorÆvel.Osoutrosdoisainda nªo chegaram a uma posiçªo. Na minhaopiniªodecidadªo,essasituaçªo Ø inaceitÆvel. A espera jÆ chega a cinco meses. É preciso que esses juízes cheguem a uma sentença, que seja contra ou afavor, mas que aconteça. Ou seja, oentrave legal existe, e esseeunªoseicomoresolver.MashÆ um outro ponto muito importante, e que merece cada vez mais a nossa atençªo, que Ø o esclarecimento da opiniªopœblicasobreostransgŒnicos. O que se estima Ø que de cada dez pessoascontrÆriasatransgŒnicos,sete o sªo por acreditarem que esses alimentos podem fazer mal à saœde, duasporacharemquepodemcausar danosaomeioambienteeaœltimapor razıes filosóficas ou ideológicas etc. Entªo, o que eu acho que deve ser feito de imediato Ø explicar bem a questªo dos alimentos transgŒnicos para o pœblico. É importante que as pessoas saibam que esses alimentos vŒm sendo consumidos hÆ sete anos no mundo sem nenhum registro de danos à saœde humana. Ou seja, os alimentostransgŒnicosnªofazemmais mal do que os convencionais. Quem nªo pode comer soja, tambØm nªo podecomeravariedadetransgŒnicae poraívai.Enquantoissonªoficarclaro paraopœblico,ØmuitopoucoprovÆ- velqueaopiniªopœblicaaceiteesses produtos. É preciso investir maciçamenteemumacampanhadeesclarecimento, mas esse processo envolve custos,eaSociedadedeBiotecnologia nªodispıederecursosparaarcarcom uma contra campanha desse porte. Nósestamosbuscandoformasalternativasdechegaràopiniªopœblicacom informaçıesdealtaqualidadecientífica.

BC&D Quais os principais produtos transgŒnicos comercializadoshojenomundoequecaracterísticasforamintroduzidas?

LuizAntônio Omundohojecultiva cerca de 52 milhıes de hectares de transgŒnicos,ouseja,umaÆreasupe- rior a da agricultura brasileira, principalmente de soja, milho, algodªo e canola.MasvÆriosoutrosprodutosestªoentrandonomercado,comoarroz, tomate,e abóbora, só que em escala aindamenor.Osprimeiros produtos, quejÆsªoamplamentedifundidosna agriculturamundial,alcançamumrendimento de aproximadamente 150 milhıesdetoneladas(sefizermosuma estimativa muito rudimentar de um rendimentodetrŒstoneladasporhectare), ou seja, uma vez e meia toda a produçªo agrícola brasileira. Entªo,Ø óbvioqueseessesprodutosapresentassem algum problema para o meio ambienteouàsaœdehumana,depois de sete anos de cultivo, isso jÆ teria sidoevidenciado.Noentanto,nªohÆ nenhumregistro dequeessesprodutos façam mal. O que se ouve sªo acusaçıes infundadas. Primeiro foi a batatatransgŒnica,depoisaborboleta monarca,e,agora,maisrecentemente apareceu o milho que supostamente estÆ contaminando omilhodoMØxico. Edepois que essas acusaçıes sªo divulgadasnaimprensa,Ømuitodifícil desmentí-las,mesmocomcomprovaçıescientíficas.

BC&D Considerandoamegabiodiversidade brasileira, o senhor acha que o Brasil tem boas chancesdeparticipardacorridatecnológica com os países de primeiro mundo?

Luiz Antônio - Eu acredito que sim. AchoqueabiotecnologiaagrícolaaindaestÆcomeçandoporqueatualmente os transgŒnicos usam um nœmero muito pequeno de genes, sendo a maioriadebactØrias;resistŒnciaainsetos e vírus; e tolerância a herbicidas. HÆ ainda alguns para resistŒncia a fungos, mas ainda Ø uma coisa muito incipiente. Existem alguns casos de sucessocomostransgŒnicosquealteramviasmetabólicasproduzindoplantas de melhor qualidade nutricional, comoØocasodoarrozdourado, que tem um teor mais alto de vitamina A; da canola e da soja, com teor mais baixo de Æcidos graxos saturados, e que,poressarazªo,tŒmumaconseqü- Œncia menos prejudicial ao acœmulo de colesterol no organismo humano.

Mas isso ainda Ø muito pouco. O recentesurgimentodaeragenômicavai possibilitarprogressosrealmentesignificativosparaaagricultura,jÆquevai solucionar osprincipais processos limitantes da produçªo. Genes para resistŒncia à seca e toxidez de alumíniojÆforamencontrados;estªocomeçando aaparecer genes quevªomodificar fotossíntese, fixaçªo de nitrogŒnioetc.AgoraØquechegouahora dasgrandesmudançasnaagricultura mundial com base nos genes que estªo sendo descobertos de forma acelerada pelasnovastØcnicas genômicas.EoBrasil,comasuamegabio- diversidade,temenormespossibilidadesdeidentificaçªodenovosgenes.E como,felizmente,houvemuitoinvestimentonaÆreagenômicanosœltimos anos,oBrasilhojedominamuitobem essaÆrea.

BC&D Como sªo feitos os pedidos de patenteamento de genes nomundoe,particularmente,no Brasil?

LuizAntônio Existem leis mais ou menospermissivas.NoBrasil,Øpossível patentear um processo inovador quetenhaaplicaçªoindustrial,comoo detolerânciaaherbicida,comooglifosato. E esse processo foi introduzido na planta atravØs de uma construçªo feitaporengenhariagenØtica,quefaz comqueaplantanªosejaprejudicada peloherbicida.Éimportantedestacar que no Brasil, somente o processo Ø que pode ser patenteado, e nªo o gene ou a planta, como em outros países, como os EUA, por exemplo, que tŒm uma lei de patentes mais permissiva, que permite o patenteamento de genes, desde que a sua funçªosejadescrita.

BC&D Quais os principais produtos transgŒnicos que vŒm sendo desenvolvidos no Brasil hoje?

Luiz Antônio Hoje estªo sendo produzidas no Brasil principalmente plantaspararesistŒnciaaviroses,como batata,mamªoetomateefeijªoresistente ao mosaico dourado, entre outras. Mas estªo em andamento uma sØrie de outros projetos em cooperaçªo com empresas privadas para obtençªodetransgŒnicoscomtolerância a herbicidas e insetos em soja e algodªo,porexemplo.AEmbrapafezuma cooperaçªo comaMonsantoparaintroduzirgenesdetolerânciaaglifosato em seus cultivares. A Embrapa Ø a dona da genØtica e a Monsanto, da patente do processo de tolerância ao glifosato.Seforautorizadaacomercializaçªo de transgŒnicos, a Embrapa imediatamente vaicolocarnomercado a soja com tolerância a glifosato que,naminhaopiniªo,Øcompetitiva comadaMonsanto.AEmbrapaAlgodªo,situadaemCampinaGrande,tem trabalhosemandamentoparaintroduçªo de genes de resistŒncia a insetos emalgodªo, oquecertamente levarÆ a uma reduçªo drÆstica no uso de inseticidas. Entªo, resumindo, podemos dizer hoje que a Embrapa tem uma boa genØtica e as empresas tŒm osgenes,logoocasamentoentreelas Ø a soluçªo ideal atØ que a Empresa tenha osseus próprios genes epossa desenvolverosprodutostransgŒnicos sozinha.

BC&D HÆumanofoiapresentado ao mundo o primeiro bezerro clonado no Brasil. É possível otimizaraclonagem animal apartir das tØcnicas da transgenia?

Luiz Antônio As tØcnicas de transgenia vŒm sendo utilizadas na Ærea animal com essa intençªo. Nªo sªo exatamenteaquelasutilizadasemplantas. No caso da Vitória, por exemplo, foi utilizada uma tØcnica de transfe-

"A tendŒncia natural Ø que as soluçıes biológicas comecem a substituir as soluçıes químicas. E Ø óbvio que isso nªo pode acontecer sem reaçªo"

"nesse período nós nªo

Biotecnologia CiŒncia & Desenvolvimento - n” 26- maio/junho 2002 7 conseguimos nenhum financiamento para engenharia genØtica por causa da proibiçªo dos produtos transgŒnicos, o que Ø atØ compreensível, pois jÆ que nªo poderemos comercializar os produtos, por que fazer ciŒncia?" rŒncia nuclear, atravØs da retirada do nœcleo de uma cØlula germinativa, substituindo-opelodadoadora,oque possibilitou a obtençªo do clone daquelequeforneceu onœcleo.EnªoØ isso que se faz em plantas. Existem ainda algumas dificuldades para desenvolver a clonagem. Por exemplo, para fazer a Vitória, nós transferimos umnœcleodeumacØlulagerminativa, nósaindanªoconseguimosfazerum cloneapartirdeumacØlulasomÆtica, comofoiocasodaovelhaDolly,onde foi utilizada uma cØlula de glândula mamÆria diferenciada. Nós estamos tentando fazer isso com cØlulas diferenciadas,quetemvantagensporque pode-se cultivar um grande nœmero de cØlulas e, assim, fazer vÆrias tentativasparaconseguirclones.Nocasoda Vitória,foramfeitascercade230transferŒncias atØ chegar a um produto inteiramente sadio. Por outro lado, existemquestıesbiológicasaindanªo totalmenteelucidadasrelativasaoprocessodebiologiadodesenvolvimento dos clones. A Dolly, por exemplo, vem tendo um envelhecimento precoce,nªosesabeoporquŒ.Emsuma, o ideal para a clonagem Ø trabalhar com cØlulas somÆticas porque Øuma garantia absoluta de que aquele produto vai ser efetivamente um clone e pode-se usar um grande nœmero de cØlulas para fazer animais transgŒnicos. Quando se trabalha com cØlulas embrionÆrias, setransfere umnœcleo quejÆtemcargapaternaematerna.É por isso que trabalhar com cØlulas somÆticas Ø o nosso próximo passo. EstamosdesenvolvendotambØmanimais transgŒnicos, que Ø uma outra tØcnica,baseadanatransformaçªode cØlulassomÆticasportØcnicasdebombardeamento, como com as plantas, oupor vetores virais. Para isso, precisamos de uma populaçªo grande de cØlulasporquenemsempreosmØtodos de transformaçªo resultam em produtostransgŒnicosquefuncionem satisfatoriamente. Muitas vezes, tŒm queseeliminaralgunsporqueogene podetersidointroduzidoemlocaisdo genomaquenªosªoadequados,entre outrosmotivos.

(Parte 1 de 2)

Comentários