Estatística - trabalho

Estatística - trabalho

(Parte 1 de 2)

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO - UPE

ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO - POLI

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

PROFESSORA: Mônica Barradas

TURMA: AO TURNO: Noite

ALUNOS:

Junho de 2004

Índice

Apresentação 4

Introdução 5

1 – História da Estatística 6

2 – Definição 6

3 – Objetivo 7

4 – Limites 7

5 – Relações 7

6 – Divisão 8

7 – Utilidade 8

8 – Fases do trabalho estatístico 8

8.1 – População 9

8.2 – Amostra 9

8.3 – Variável 10

8.4 – Freqüências 10

8.5 – Medidas de tendência central 11

Análise Final 12

Referências Bibliográficas 13

Apresentação

(...) A finalidade de qualquer pesquisa é descobrir respostas para questões, mediante a aplicação de métodos científicos. Tais métodos são desenvolvidos tendo por objetivo criar uma probabilidade, cada vez mais tendente para a certeza, de as informações obtidas às questões apresentadas serem, além de seguras e imparciais, realmente representativas do mundo real.

Não é verdade, entretanto, que qualquer tentativa de realização uma pesquisa dê resultados satisfatórios, embora os métodos científicos tenham, efetivamente, maiores condições de apresentar resultados mais coerentes, mais próximos da verdade.

Introdução

Este trabalho...

1. História da Estatística

De origem muito antiga, a Estatística teve durante séculos um caráter meramente descritivo e de registro de ocorrências. As primeiras atividades datam de cerca de 2000 a.C. e referem-se a iniciativas como o recenseamento das populações agrícolas chinesas.

Muitos séculos antes da era cristã, utilizava-se a Estatística de modo empírico e quase instintivo, em pesquisas indispensáveis à civilização daqueles distantes milênios. Exemplificando, já as pirâmides do Egito possuem, eternizadas em seus hieróglifos, as mais variadas informações numéricas de trinta séculos antes de Cristo.

O estado incipiente e inato da aplicação estatística se manteve até metade do século XIX, quando se iniciavam estudos e medidas para o seu aperfeiçoamento e sua utilização, como método científico de mensuração e análise de fenômenos sociais.

A evolução da Estatística pode ser dividida, não de modo preciso, em três épocas:

  • a primeira, abrangendo toda a antiguidade, o início da era cristã, a idade média e o primeiro século da idade moderna. É o longo período embrionário, durante o qual a Estatística apenas era aplicada sem qualquer nuança de técnica ou de ciência, como prática decorrente de circunstâncias e ainda de naturais desejos de atender a imperativos do lento desenvolvimento da sociedade humana;

  • a segunda, iniciada no alvorecer do século XVII. As circunstâncias impuseram melhor organização da Estatística, a fim de que se tornasse possível à avaliação dos recursos financeiros e militares da França, bem como de suas correntes de comércio e da situação geral do país;

  • a terceira, com início aproximado em 1850, estendendo-se em progressiva melhoria, até os dias atuais. É a fase do aprimoramento científico da estatística e da ampliação incessante de seu uso a todos os setores da atividade humana. A aplicação útil, correta e inteligente de suas virtualidades lhe vem assegurando lugar de destaque inarredável como colaboração de quase todas as ciências.

Atualmente, a Estatística moderna conta com nomes de vulto que, elaborando fecundos estatísticos, escrevendo monografias metodológicas e fazendo aplicações particulares, têm contribuído para um aperfeiçoamento cada vez maior da metodologia estatística, dentre os quais podemos citar Galton, Pearson e Fisher.

O primeiro criou entre outras teorias a de Regressão, que com a Correlação, desenvolvida por Pearson, constituem um dos pontos mais fecundos nas aplicações da Estatística.

Finalmente, Fisher, partindo da interferência estatística de Pearson, estruturou de forma vigorosa a teoria de Pearson, em particular a teoria das pequenas amostras e da estimativa.

2. Definição

Inúmeras são as definições com que os autores conceituam a Estatística, tendo em vista seus processos, objetivos, aplicações etc.

Podemos citar a definição feita por Wallis: “Estatística é o conjunto de métodos que se destina a possibilitar a tomada de decisões acertadas, face às incertezas”.

O que modernamente se conhece como Ciência Estatística, ou simplesmente Estatística, é um conjunto de técnicas e métodos de pesquisa que, entre outros tópicos, envolve o planejamento do experimento a ser realizado, a coleta qualificada dos dados, a inferência e o processamento e análise das informações.

Grande parte das informações divulgadas pelos meios de comunicação atual provém de pesquisas e estudos estatísticos.

Utilizando hoje os poderosos meios da Informática, a Estatística tem sido fundamental para o desenvolvimento da Economia, da Medicina, da Física, da Psicologia, da Lingüística, etc.

Por meio das análises feitas de dados organizados podemos, em muitos casos, fazer previsões, determinar tendências, auxiliar na tomada de decisões e, portanto, elaborar um planejamento com mais precisão.

3. Objetivo

De acordo com as definições, o objeto da Estatística é, obviamente, a indagação e análise de qualquer fenômeno que possa ser expresso numericamente.

4. Limites

Os campos de aplicação da Estatística são ilimitados, não a podendo dispensar os que cientificamente investigam qualquer fenômeno.

Segundo BULHÕES CARVALHO, os limites de sua metodologia de aplicação podem ser, do seguinte modo, resumidos e ordenados:

  1. reconhecer os fenômenos que constituem objeto da Estatística;

  2. observar os fenômenos considerados como objetos estatísticos, realizando as respectivas observações sistemáticas na massa dos casos;

  3. registrar as observações como verificações estatísticas;

  4. recolher e classificar as observações registradas;

  5. apurar as observações;

  6. formar grupos das observações resultantes da apuração, efetuando, em seguida, as operações numéricas das tabelas;

  7. verificar a uniformidade;

  8. explicar as observações coligidas nos grupos e a sua uniformidade, isto é, descobrir a causalidade nos fenômenos e nas variações de tempo e lugar;

  9. verificar a regularidade, a regra, a normalidade e as leis em que se baseiam os fenômenos observados e a respectiva uniformidade;

  10. expor e publicar as observações registradas, classificadas e agrupadas, assim como os resultados obtidos”.

5. Relações

Evidentes são as afinidades entre a Estatística e as ciências físico-naturais, as ciências exatas e matemáticas e as ciências sociais no sentido mais genérico. Relacionam-se com tão grande número de ciências pelo recíproco auxílio que se prestam.

A geografia lhe fornece a base física, delimita-lhe o âmbito, para as suas pesquisas. A história narra ou relaciona no tempo os fatos, a Estatística os retrata em cada momento; segundo feliz expressão de SCHLÖZER, a Estatística é a História parada, ao contrario desta, que é a Estatística em movimento. As suas ligações com a Sociologia são íntimas, podendo-se atestar que, se ambas não nasceram juntas, a Estatística dela surgiu como indispensável complemento, uma vez que todos os fatos da vida social podem ser regulados por leis, estabelecidos, como regra, graças ao valioso auxílio da Estatística.

A matemática dá o alicerce para os cálculos, aos quais se obriga na aplicação do método. Os especialistas no ensino da Estatística recomendam fortemente o ensino dos métodos estatísticos sem aprofundamentos matemáticos, sobretudo para iniciantes; depois de ensinado o ABC do método, demonstrar matematicamente o significado da aplicação desta ou daquela técnica torna o aprendizado da Estatística mais racional.

6. Divisão

A Estatística divide-se naturalmente em:

  • Estatística metodológica,

  • Estatística aplicada ou descritiva.

A primeira abrange a teoria e técnica, estabelecendo regras para a observação, enumeração, classificação dos fatos sociais, e indicam os processos de cálculo para a elaboração dos resultados estatísticos e subseqüentes análise qualitativa e quantitativa, com o objetivo de conhecer as leis e causas determinantes ou reguladoras; a segunda visa à investigação e a descrição, limitando-se a expor os fatos e aproveitá-los quantitativamente, sem se preocupar com a precisão matemática e apenas tendo em vista resultado aproximado, tornando-se investigadora quando procura determinar o elemento típico dos fatos observados, descritos e expressos em quantidades concretas, o que facilita o conhecimento das causas determinantes dos fenômenos estudados e daí as leis da sua regular manifestação.

7. Utilidade

Constitui atualmente a máxima afirmativa de que qualquer ação de chefia, administração ou comando não pode ser exercida plena ou, pelo menos, satisfatoriamente sem o auxílio da Estatística.

A coisa mais importante acerca da interpretação dos dados estatísticos é saber que eles devem ser interpretados; só habilmente coletados e criticamente interpretados podem ser extremamente úteis.

Infelizmente os maus empregos são tão numerosos quanto os usos válidos da Estatística. Ninguém – administrador, executivo, cientista, ou pesquisador social – deve deixar-se enganar pelas más estatísticas, embora os casos do emprego indevido da Estatística sejam tantos que possam gerar a falsa impressão de que esta ciência é, raras vezes ou nunca, digna de confiança.

Não é somente na esfera da administração pública, mas ainda nas atividades particulares, sobretudo nas de caráter sócio-econômico, que a Estatística é chamada a prestar o seu concurso, como instrumento indispensável, desde que a organização alcance desenvolvimento expressivo.

Convém acentuar não ser ela apenas um método prático para o estudo comparativo de números. Mais transcendentes seus objetivos, serve de base ao progresso das ciências relacionadas com os fenômenos sociais, quer sob o ponto de vista físico ou material, quer no que concerne aos aspectos intelectual e moral.

A Estatística é a base de qualquer organização que tenha em mira o interesse público.

(Parte 1 de 2)

Comentários