Uma identidade para a EJA

Uma identidade para a EJA

(Parte 2 de 2)

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Parecer no 1, de 7 de junho de 2000. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, 2000[a].

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 05 de outubro de 1988.

BRASIL. Fundo Nacional de Desenvolvimento do Ensino. Resolução nº 015 de 25 de agosto de 2000. Estabelece critérios e as formas de transferência de recursos financeiros às Secretarias de Educação dos Estados, Distrito Federal e Municípios, 2000[b].

BRASIL. Lei no 9394 de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação para Jovens e Adultos: Ensino Fundamental: Proposta Curricular: Primeiro Segmento [RIBEIRO, V. coord.]. São Paulo: Ação Educativa/ MEC. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Programa de

MAMED, Jr., Walner. Educação de jovens e adultos: discutindo uma identida. Guanicuns. Rev. da FECHA/FEA - Goiás, 01: 159-170, nov. 2004.168

Desenvolvimento Profissional Continuado: Educação de Jovens e Adultos/Parâmetros em Ação. Brasília: A Secretaria, 2002[a].

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos: Segundo Segmento do Ensino Fundamental, v. 01. Brasília: SEF/MEC, 2002[b].

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos: Segundo Segmento do Ensino Fundamental, v. 02. Brasília: SEF/MEC, 2002[c].

CUNHA. Maria Isabel; FERNANDES, Cleoni M. Barbosa. Formação Continuada de Professores Universitários: uma experiência na perspectiva da produção do conhecimento. Revista Educação Brasileira. Brasília, v. 16. n. 32: 189-213, 1994.

DEMO, Pedro. Educação e Qualidade. Campinas: Papirus, 1995. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GOIÂNIA, Secretaria Municipal de Educação. Departamento de Ensino. Proposta Político- Pedagógica para a Educação de Adolescentes, Jovens e Adultos da SME. Goiânia, 2000.

GOIÂNIA, Secretaria Municipal de Educação. Divisão de Educação Fundamental de Adolescentes, Jovens e Adultos. A Construção de uma Proposta Democrático Popular de Educação para Adolescentes Jovens e Adultos da Rede Municipal de Educação de Goiânia, pelos Sujeitos do Processo Educativo. [Documentos da Pesquisa: 05 a 07]. Goiânia, 2002.

GOIÂNIA,. Secretaria Municipal de Educação. Divisão de Educação Fundamental de Adolescentes, Jovens e Adultos. A Construção de uma Proposta Democrático Popular de Educação para Adolescentes Jovens e Adultos da Rede Municipal de Educação de Goiânia, pelos Sujeitos do Processo Educativo. [Documentos da Pesquisa: 01 a 04]. Goiânia, 2001.

GOIÂNIA,. Secretaria Municipal de Educação. Divisão de Educação Fundamental de Adolescentes, Jovens e Adultos. A Construção de uma Proposta Democrático Popular de Educação para Adolescentes Jovens e Adultos da Rede Municipal de Educação de Goiânia, pelos Sujeitos do Processo Educativo. [Documentos da Pesquisa: 08 e 09]. Goiânia, 2003a.

GOIÂNIA,. Secretaria Municipal de Educação. Divisão de Educação Fundamental de Adolescentes, Jovens e Adultos. A Construção de uma Proposta Democrático Popular de Educação para Adolescentes Jovens e Adultos da Rede Municipal de Educação de Goiânia, pelos Sujeitos do Processo Educativo. [Relatório final da pesquisa - Documento 10]. Goiânia, 2004.

GOIÂNIA. Conselho Municipal de Educação (CME). Resolução 003, de 13 de janeiro. Goiânia. 1998.

MAMED, Jr., Walner. Educação de jovens e adultos: discutindo uma identida. Guanicuns. Rev. da FECHA/FEA - Goiás, 01: 159-170, nov. 2004.169

GOIÂNIA. Prefeitura Municipal de Goiânia. Plano Municipal de Educação. Goiânia, 2003b.

GOIÂNIA. Secretaria Municipal de Educação. Setor de Educação de Adolescentes, Jovens e Adultos. Construindo a Proposta Curricular da Educação de Adolescentes, Jovens e Adultos/ Caderno 02. Goiânia, 1997.

GOIÁS. 1989. Constituição do Estado de Goiás. Diário Oficial do Estado de Goiás, Goiânia, 05 de outubro de 1989

GOIÁS. 1998. Lei Complementar no 26, de 1998. Diretrizes e Bases do Sistema Educativo do Estado de Goiás. Diário Oficial do Estado de Goiás, Goiânia, 28 de dezembro de 1998

GRAMSCI, Antônio. Concepção dialética da História. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1995

KLEIMAM, Angela B & SIGNORINI, Inês. O Ensino e a Formação do Professor: alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

LOUREIRO. Walderês Nunes (org). Formação e Profissionalização Docente. Goiânia: UFG, 1999.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E.D.A. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

LÜDKE, Menga. Avaliação Institucional: formação de docentes para o ensino fundamental e médio (as licenciaturas). Cadernos Crub. Brasília, v. 01, n. 04: 05-96, set, 1994.

MACHADO. Maria Margarida. A Política de Formação de Professores que Atuam na Educação de Jovens e Adultos em Goiás na Década de 1990. São Paulo, 2001. Tese (Doutorado) _ Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

MAMEDE JÚNIOR, Walner. Pedagogia Participante Emancipatória: construção para a liberdade. Rev. EAJA: Revelando nossa Lida, História e Arte (Os sujeitos, o Currículo e a Aprendizagem), ano I, n. 03: 29-32, Goiânia: Secretaria Municipal de Educação/DEF-AJA, 2004.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. “Ciência, Técnica e Arte: O Desafio da Pesquisa Social”. In: DESLANDES, Suely Ferreira; NETO, Otávio Cruz; GOMES, Romeu; MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 21ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

PORTO ALEGRE. Secretaria Municipal de Educação. Em busca da unidade perdida – totalidades de conhecimento: um currículo em Educação Popular. 3ª ed. Cadernos Pedagógicos, nº 8. Porto Alegre, RS: Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre, 1997.

MAMED, Jr., Walner. Educação de jovens e adultos: discutindo uma identida. Guanicuns. Rev. da FECHA/FEA - Goiás, 01: 159-170, nov. 2004.170

SCHEIB, L. “A Formação do Professor nas Licenciaturas”. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 7. 1994, Goiânia. Anais do VII ENDIPE. Goiânia, 1994.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

V CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO DE ADULTOS. (V CONFINTEA: 1997: Hamburgo, Alemanha). Declaração de Hamburgo: agenda para o futuro. Brasília: SESI/UNESCO, 1999.

(Parte 2 de 2)

Comentários