Relatório acidentes ambientais 2008 IBAMA

Relatório acidentes ambientais 2008 IBAMA

(Parte 2 de 14)

Rodovia Outro Embarcação Indústria Ferrovia Plataforma Barragem Terminal, portos, ancouradouros, etc. Armazenamento Duto Posto de combustível Refinaria

Figura 6. Percentual de acidentes registrados nos locais relacionados na legenda em 2008.

Tabela 1. Número de acidentes ambientais registrados por local, em 2008.

Local Número de acidentes

Rodovia 110 Outro 57

Embarcação 42

Indústria 27 Ferrovia 19 Plataforma 15 Barragem 14

Terminal, portos, ancouradouros, etc. 12

Armazenamento 10

Duto 8

Posto de combustível 6 Refinaria 3

3.4. Tipo de produto e classe de risco dos produtos envolvidos nos acidentes ambientais

Acidentes com combustíveis/derivados de petróleo foram as ocorrências mais registradas em 2008, representando um total de 163 registros (Figura 7). Os produtos químicos foram responsáveis por 95 ocorrências em 2008. Efluentes sanitários foram os que apresentaram menores ocorrências relacionadas a acidentes, com 4 registrados pelo IBAMA em 2008.

As classes de risco são representadas por números que são utilizados internacionalmente para identificar o risco do produto que está sendo transportado. Por serem perigosos, eles são classificados de acordo com os tipos de dano que podem provocar. Esses números são estabelecidos pela ONU (Organização das Nações Unidas), e encontram-se dispostos na parte inferior do Rótulo de Risco, de acordo com a Norma ABNT NBR 7500, bem como nos Rótulos de Embalagens ou no documento fiscal (ABIQUIM, 2002). Existem 9 (nove) classes básicas, que podem ser subdivididas ou não, conforme a característica dos produtos.

tipo. Das 12 ocorrências em que não se aplica a classificação dos produtos, 1 foram rompimentos de barragens

Os acidentes sobre os quais não havia informação a respeito do produto envolvido foram classificados como “sem informação”, e o número de ocorrências desse tipo foi bastante expressivo, com 64 acidentes. Acidentes com produtos não classificados de acordo com o Manual da ABIQUIM também representaram um grande número do total das ocorrências, com 47 registros. Esses produtos foram, em sua maioria, produtos químicos, tais como minério, bauxita, detergente e fluido de perfuração. Além dos produtos químicos, os acidentes sem classificação também incluíram efluentes químicos e sanitários, tais como resíduo de curtume e lavagem de minério e esgoto. Produtos sem especificação, com 24 ocorrências, foram basicamente óleos sem informação do

Com relação às classificações dos produtos, os líquidos inflamáveis (classe de risco 3) foram os mais representativos, com 104 ocorrências, destacando-se amplamente frente aos demais (Figura 8). Em seguida, as classes com maior número de ocorrências foram os gases tóxicos (classe de risco 2.3), com 17 acidentes e Substâncias e Artigos Perigosos Diversos (classe de risco 9), com 16 ocorrências. Os Gases (classe de risco 2), Sólidos Inflamáveis, substâncias auto-reagentes e explosivos sólidos insensibilizados (classe de risco 4.1) e Peróxidos orgânicos (classe de risco 5.2) foram as classes de risco menos registradas nos acidentes conhecidos pelo IBAMA com apenas uma ocorrência registrada em cada.

Os dados gerados pelo IBAMA, referentes à líquidos inflamáveis, corroboram com as informações apresentadas, de forma geral, na literatura, pois, tratam-se dos produtos perigosos mais transportados pelo país, e, conseqüentemente a classe de risco mais envolvida nos acidentes. No estado do Mato Grosso, a defesa civil informou que os combustíveis ocuparam o topo do ranking dos produtos perigosos transportados no ano de 2004, sendo que em segundo lugar encontravam-se os agrotóxicos (Verginassi et al., 2007). No Distrito Federal, estudos comprovaram que “líquidos inflamáveis” é a classe mais transportada, totalizando 65,6 % dos produtos perigosos transportados, seguidos pelos gases (23,3%) (Santos, 2006). Observa-se, portanto, uma predominância no transporte de líquidos inflamáveis, dentre os produtos transportados, o que explicaria o maior número de acidentes com essas substâncias.

m e r o de a c i d e n t e s

Figura 7. Número de ocorrência de acidentes por tipos de produto registrados pelo IBAMA no ano de 2008.

do produto e sua respectiva classe

Figura 8. Número de acidentes registrados por classe de risco, pelo IBAMA, em 2008. “Classes variadas” englobaram acidentes envolvendo produtos de mais de uma classe. “Não se aplica” diz respeito aos acidentes em que não se envolvem produtos, a exemplo de rompimentos de barragens de água. “Não classificado” englobam os produtos não classificados como perigosos pela ABIQUIM, tendo como exemplo os acidentes com esgoto, farelo de soja, e outros. “Não especificado” trata dos acidentes em que é informado o produto de forma geral, sem especificar a classe, a exemplo de “óleo combustível”. “Sem informação” foi usado quando não havia informação

Gases

Gases Inflamáveis

Gases não inflamáveis e não tóxicos

Gases tóxicos

Líquidos inflamáveis

Sólidos Inflamáveis, substâncias auto-reagentes e explosivos sólidos insensibilizados

Substâncias sujeitas à combustão espontânea

Peróxidos orgânicos Substâncias Tóxicas

Substâncias Corrosivas

Substâncias e Artigos Perigosos Diversos

Classes variadas

Não se aplica

Não Classificado Não Especificado Sem informação

Combustível/ derivados de petróleo

Efluente químico

Efluente sanitário

Produto químico

Outro Não se aplica

Sem informação

Com relação aos produtos envolvidos (Tabela 2), o maior número de acidentes registrados no ano de 2008 teve como produto o óleo diesel, ficando a amônia em 2º lugar, seguida por petróleo. Pode-se observar uma predominância dos combustíveis nos acidentes.

Tabela 2. Número de acidentes ambientais por produto, em 2008.

Produto Número de ocorrências óleo diesel 58 amônia 16 petróleo 12 óleo 1 gasolina 6 óleo hidráulico 6 GLP 5 óleo combustível 5 óleo lubrificante 5 agrotóxico 4 álcool 4 esgoto 4 minério 4 ácido clorídrico 3 Álcool Etílico Anidro 3 mistura oleosa 3 ácido nítrico 2 ácido sulfúrico 2 álcool hidratado 2 algodão 2 amianto 2 biocombustível 2 fluido de perfuração 2 gás natural 2 óleo diesel, gasolina, álcool 2 óleo diesel, gasolina, álcool 2 resíduo oleoso 2 vinhoto 2

3.5. Tipo de evento ocorrido nos acidentes ambientais

Os comunicados de acidentes ambientais contemplam os tipos de eventos ocorridos, que foram agrupados em: derramamento de líquidos, lançamento de sólidos, explosão/incêndio, vazamento de gases, produtos químicos/embalagens abandonadas, desastre natural e outros. Dentre essas classificações, o “derramamento de líquidos” foi o evento mais registrado no ano analisado, com 214 ocorrências (Figura 9). Tal fato se justifica pela grande participação dos líquidos inflamáveis nos acidentes registrados pelo IBAMA. Com relação aos eventos agrupados em “outros”, as ocorrências mais freqüentes foram rompimento de barragens, manchas órfãs e mortandades de peixes. Analisando os demais eventos, percebe-se a baixa participação destes nos acidentes registrados, quando comparados ao derramamento de líquidos.

m e r o de a c i d e n t e s

Figura 9. Número de acidentes registrados pelo IBAMA, por tipo de evento, em 2008.

3.6. Meio afetado e danos identificados

Os acidentes registrados pelo IBAMA no ano de 2008 afetaram, principalmente, os corpos d’água, resultado de 158 acidentes com danos a esses ecossistemas (Figura 10). Em seguida, o solo, com 104 ocorrências, foi o mais afetado.

ar água solo Figura 10. Número de ocorrências, registradas pelo IBAMA, por meio afetado no ano de 2008.

Derramamento de líquidos

(Parte 2 de 14)

Comentários