Apostila - Enfermagem cirurgica

Apostila - Enfermagem cirurgica

(Parte 3 de 3)

Pneumotórax aberto: O Pneumotórax aberto com suas repercussões clínicas de insuficiência respiratória ocorrerá em caso de desconexão do SCDPM, ou se o frasco coletor estiver sem o nível líquido mínimo obrigatório. Também nunca deixe virar ou tombar o frasco coletor. Em caso de ruptura do frasco coletor deve-se fechar a mangueira do SCDPM e rapidamente substituir por outro íntegro. Verificar as conexões de todo o SCDPM de modo a não permitir vazamentos de líquido ou entrada de ar. Não é recomendável perfurar o dreno torácico ou a mangueira do SCDPM para colher secreções. Evitar as adaptações que podem ocorrer quando se utilizam dispositivos de diversos fabricantes.

Precauções médicas: A reexpansão rápida do pulmão colabado deve ser evitada. A evacuação rápida do líquido pleural (pneumotórax, hidrotórax ou hemotórax) poderá provocar mal estar, dor, dispnéia e até edema pulmonar com grave repercussão sistêmica.

Instruções ao paciente: A instrução sobre o funcionamento do SCDPM ao paciente ou aos seus representantes é da responsabilidade da Equipe médica e da enfermagem. As instruções devam incluir noções e cuidados para se obter uma perfeita sifonagem do SCDPM no paciente acamado, na deambulação e no transporte. Orientar que não se deve elevar o frasco coletor acima do nível da cintura, para evitar o refluxo de líquidos do frasco coletor para a cavidade torácica. Orientar como manter a mangueira de drenagem quase esticada, sem formar sinuosidades acentuadas, dobras ou acotovelamentos. Também, deve-se orientar que o paciente não deite em cima da mangueira de drenagem de modo a não obstruí-la. Orientar como se devem evitar movimentos corpóreos bruscos de modo a não tracionar a mangueira de drenagem, o que pode provocar desconexões, deslocamento doloroso ou arrancamento do dreno torácico. Avisar imediatamente ao médico, em caso de desconexão acidental ou sangramento.

Deambulação: O paciente deverá deambular normalmente, caso não haja contra-indicação clínica. Para maior comodidade, o paciente deverá utilizar a alça de transporte.

Transporte do paciente: Não deixar formar curvas acentuadas, dobras ou acotovelamentos na mangueira de drenagem.

Manter sempre o frasco coletor abaixo do nível da cintura, deste modo se evita que o líquido seja aspirado para o interior do tórax do paciente. Na presença de fístula aérea, o dreno não deve ser pinçado durante o transporte em maca ou cadeira de rodas. Não pinçar o dreno torácico ao fazer radiografias, transporte ao centro cirúrgico ou nas ambulâncias.

Exames radiográficos: A radiografia de tórax e a tomografia computadorizada de tórax são indicadas na avaliação do posicionamento do dreno torácico e da efetividade da drenagem pleural.

(Parte 3 de 3)

Comentários