As Concepções Pedagógicas na História da Educação Brasileira

As Concepções Pedagógicas na História da Educação Brasileira

(Parte 6 de 7)

Na década de 1970 a visão crítica se empenhou em desmontar os argumentos da concepção pedagógica produtivista, evidenciando a função da escola como aparelho reprodutor das relações sociais de produção. 25

Na década de 1980 emerge como proposta contra-hegemônica a concepção pedagógica histórico-crítica (SAVIANI, 2003 e 2005). Nessa formulação a educação é entendida como mediação no seio da prática social global. A prática social se põe, portanto, como o ponto de partida e o ponto de chegada da prática educativa. Daí decorre um método pedagógico que parte da prática social onde professor e aluno se encontram igualmente inseridos ocupando, porém, posições distintas, condição para que travem uma relação fecunda na compreensão e encaminhamento da solução dos problemas postos pela prática social, cabendo aos momentos intermediários do método identificar as questões suscitadas pela prática social (problematização), dispor os instrumentos teóricos e práticos para a sua compreensão e solução (instrumentação) e viabilizar sua incorporação como elementos integrantes da própria vida dos alunos (catarse).

7. Conclusão Diferentemente da programação do “projeto 20 anos do HISTEDBR” para o primeiro semestre de 2005, que versou sobre o estado da arte da produção do grupo relativamente aos diferentes períodos da história da educação brasileira, a programação deste segundo semestre tem por objeto diferentes temáticas abordadas quanto à sua incidência no desenrolar da história da educação brasileira. Por isto este texto se ateve ao tema “concepções pedagógicas” registrando as referências às fontes compulsadas na medida de sua pertinência às análises efetuadas, sem preocupação em levantar o estado da arte sobre a questão. No entanto, pelas próprias referências, é possível perceber o lugar ocupado pelas concepções pedagógicas nas investigações levadas a efeito pelos pesquisadores do HISTEDBR. Vê-se que estão referidos trabalhos sobre as pedagogias jesuítica, pombalina, lancasteriana, do ensino intuitivo, libertária, libertadora. A impressão que fica, a ser corrigida por um levantamento específico e sistemático a ser ainda realizado, é que são poucos os trabalhos de caráter historiográfico levados a efeito no âmbito do HISTEDBR sobre concepções pedagógicas. Observo, por fim, que a abordagem adotada concentrou-se na perspectiva histórica. Por isso não foram contempladas as contribuições de autores como Selma Garrido Pimenta, José Carlos Libânio, Lílian Anna Wachowicz, João Luiz Gasparin, Suze Scalcon, que têm se dedicado ao estudo de questões didático-pedagógicas.

Referências: ALVES, Márcio Moreira (1968), O Cristo do povo. Rio de Janeiro, Sabiá. AVELAR, Gersolina Antonia de (1978), Renovação educacional católica. São Paulo, Cortez & Moraes. BASTOS, Maria Helena Câmara (1999), “O ensino mútuo no Brasil (1808-1827)”. In: BASTOS,

M.H.C. e FARIA FILHO, L.M. (Orgs.), A escola elementar no século XIX: o método 26 monitorial/mútuo. Passo Fundo: Ediupf, 95-118. BELLO, Ruy de Ayres (1967a), Pequena história da educação, 6ª ed. São Paulo, Editora do Brasil. BELLO, Ruy de Ayres (1967b), Filosofia da educação, 6ª ed. São Paulo, Editora do Brasil. BITTAR, M. e FERREIRA JR., A. (2004), “Pluralidade lingüística, escola de bê-á-bá e teatro jesuítico no Brasil do século XVI”. Educação & Sociedade, Vol. 24, n. 86, Jan./Abr. – 2004, p. 171-195. BOSI, Alfredo, (1992)Dialética da colonização. São Paulo, Companhia das Letras, 1992. BUFFA, Ester (1979), Ideologias em conflito. São Paulo, Cortez & Moraes. CARVALHO, José Sérgio F. (2001), Construtivismo: uma pedagogia esquecida da escola. Porto Alegre: Artmed. CESCA, V. (1996), Fundamentos teológico-filosóficos da Ratio Studiorum. Santa Maria, UFSM, Tese de Doutoramento (Convênio UFSM-UNICAMP). CURY, Carlos Roberto Jamil (1984), Ideologia e educação brasileira: católicos e liberais, 2ª ed. São Paulo, Cortez/Autores Associados. DEWEY, John (1979), Democracia e Educação. Introdução à filosofia da educação. 4ª. Ed. São Paulo: Nacional. DUARTE, Newton [Org.], (2000), Sobre o construtivismo. Campinas, Autores Associados. DUARTE, Newton (2003), Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? Campinas, Autores Associados. DURKHEIM, Émile (1995), A evolução pedagógica. Porto Alegre, Artes Medidas. FACCI, Marilda Gonçalves Dias (2004), Valorização ou esvaziamento do trabalho do professor? Um estudo crítico-comparativo da teoria do professor reflexivo, do construtivismo e da psicologia vigotskiana. Campinas, Autores Associados. FÁVERO, Osmar (1983), Cultura popular, educação popular. Rio de Janeiro, Graal. FERNANDES, Florestan (1960), “Análise e crítica do projeto de lei sobre diretrizes e bases da educação nacional”. In: BARROS, R.S.M. (Org.), Diretrizes e bases da educação. São Paulo, Pioneira, p. 217-306. FRANCA, Leonel (1952), O método pedagógico dos jesuítas. Rio de Janeiro, AGIR. FREIRE, P. (1971), Educação como prática da liberdade. Rio, Paz e Terra. FREIRE, P. (1976), Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra. FRIGOTTO, Gaudêncio (1984), A produtividade da escola improdutiva. São Paulo, Cortez/Autores Associados. GALLO, S. e MORAES, J.D. (2005), “Anarquismo e educação – A educação libertária na Primeira República”. In: STEPHANOU, M. e BASTOS, M.H.C. (Orgs.), Histórias e memórias da educação no Brasil, v. I – Séc. X. Petrópolis, Vozes, p.87-9.

GENTILI, Pablo, (2002), “Três teses sobre a relação trabalho e educação em tempos neoliberais”. In: LOMBARDI, J.C., SAVIANI, D. e SANFELICE, J.L. (Orgs.), Capitalismo, trabalho e educação. Campinas, Autores Associados, p. 45-59. GHIRALDELLI JR., Paulo (1987), Educação e movimento operário. São Paulo, Cortez/Autores Associados. GHIRALDELLI JR., Paulo (1991), Pedagogia e luta de classes no Brasil (1930=1937). Ibitinga, Humanidades. HANSEN, J.A. (2000), “A civilização pela palavra”. In: 500 anos de educação no Brasil, 2ª ed. Belo Horizonte, Autêntica, p.19-41. IPES/GB (Org.), (1969), A educação que nos convém. Rio de Janeiro, APEC. JACOBUCCI, Ary Meirelles (2002), Revolucionou e acabou? Breve etnografia do Ginásio Estadual Vocacional de Americana – GEVA. São Carlos, Compacta. KUENZER, Acácia e MACHADO, Lucília (1984), “A pedagogia tecnicista”. In: MELLO, G.N. (Org.), Escola nova, tecnicismo e educação conpensatória. São Paulo, Loyola, p. 29-52. KUHLMANN Júnior, Moysés (2001), As grandes festas didáticas: a educação brasileira e as exposições internacionais (1862-1922). Bragança Paulista: Editora da Universidade São Francisco. LIMA, Alceu Amoroso [Tristão de Athayde] (1931), Debates pedagógicos. Rio de Janeiro, Schmidt. LIMA, Danilo (1978), Educação, Igreja e ideologia. Rio de Janeiro, Francisco Alves. LOURENÇO FILHO, Manoel Bergström (1967), Introdução ao estudo da escola nova, 9ª ed. São Paulo, Melhoramentos. MACAHUBAS, Barão de, [Abílio César Borges] (1884), A Lei Nova do Ensino Infantil. Bruxellas, Typographia e Lithographia E. Guyot. MANACORDA, Mário Alighiero (1989), História da educação: da Antigüidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez/Autores Associados. MARX, Karl (1968), O capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. MARX, K. (1985), Miséria da filosofia. São Paulo, Global. MATTOS, Luiz Alves de (1958), Primórdios da educação no Brasil. Rio de Janeiro, Aurora. MENEZES, M.C. (1999), Raízes do ensino brasileiro: a herança clássico-medieval. Campinas, UNICAMP, Tese de Doutoramento. MONTEJUNAS, P. R. (1989), “A evolução do ensino da matemática no Brasil”. In: GARCIA, W. E.(Org.), Inovação educacional no Brasil: problemas e perspectivas, 2ª ed. São Paulo, Cortez/Autores Associados, p.150-163. NEVES, Fátima Maria (2003), O método lancasteriano e o projeto de formação disciplinar do povo (São Paulo, 1808-1889). Assis, UNESP, Tese de Doutoramento.

PIAGET, Jean (1983), Teorias da linguagem, teorias da aprendizagem: o debate entre Jean Piaget e Noam Chomsky. São Paulo: Cultrix/Edusp. RAMOS, Marise Nogueira (2001), A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação. São Paulo, Cortez. RAMOS, Marise Nogueira (2003), “É possível uma pedagogia das competências contrahegemônica? Relações entre pedagogia das competências, construtivismo e neopragmatismo”. Revista Trabalho, Educação e Saúde, Vol. 1, n. 1, março de 2003, p. 93-114. REIS FILHO, Casemiro dos (1995), A educação e a ilusão liberal, 2ª ed. Campinas: Autores Associados. RIBEIRO, M. L. S. (1989), “O colégio vocacional “Oswaldo Aranha”de São Paulo”. In: GARCIA, W. E.(Org.), Inovação educacional no Brasil: problemas e perspectivas, 2ª ed. São Paulo, Cortez/Autores Associados, p.132-149. SALM, Cláudio (1980), Escola e trabalho. São Paulo, Brasiliense. SANTOS, Theobaldo Miranda (1945), Noções de história da educação. São Paulo, Nacional.

SAVIANI, Dermeval (1984), “A Filosofia da Educação no Brasil e sua veiculação pela RBEP”, Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, N° 150, maio-agosto de 1984.

SAVIANI, Dermeval (2005), Escola e democracia, 37ª ed. Campinas: Autores Associados. SAVIANI, Dermeval (2003), Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações, 8ª ed. revista e ampliada. Campinas: Autores Associados. SCHELBAUER, Analete Regina (2003), A constituição do método de ensino intuitivo na província de São Paulo (1870-1889). São Paulo, FE-USP, Tese de Doutoramento. SCHELBAUER, Analete Regina (2005), “O método intuitivo e lições de coisas no Brasil do século XIX”. In: STEPHANOU, M. e BASTOS, M.H.C. (Orgs.), Histórias e memórias da educação no Brasil, v. I – Séc. XIX. Petrópolis, Vozes, 2005, p. 132-149. SCHMID, Afonso (1980), Colônia Cecília: romance de uma experiência anarquista, 3ª ed. São Paulo, Brasiliense. SCHMIED-KOWARZIK, W. (1983), Pedagogia dialética: de Aristóteles a Paulo Freire. São Paulo, Brasiliense. SCHULTZ, Theodore W. (1967), O valor econômico da educação. Rio de Janeiro: Zahar. SCHULTZ, Theodore W. (1973), O capital humano. Rio de Janeiro: Zahar. SCOCUGLIA, Afonso Celso (1999), A história das idéias de Paulo Freire e a atual crise de paradigmas, 2ª ed. João Pessoa, Universitária/UFPB. SGARBI, Antonio Donizetti (1997), Igreja, educação e modernidade na década de 30. São Paulo, PUC-SP, Tese de Doutorado. SNYDERS, George (1978), Para onde vão as pedagogias não-diretivas?, 2ª ed. Lisboa: Moraraes.

SOUZA, Maria Inêz Salgado (1981), Os empresários e a educação. Petrópolis, Vozes. SUCHODOLSKI, Bogdan (1978), A pedagogia e as grandes correntes filosóficas, 2ª. ed. Lisboa: Livros Horizonte. TEIXEIRA, Anísio Spínola (1968), Pequena introdução à filosofia da educação: a escola progressiva ou a transformação da escola, 5ª ed. São Paulo: Nacional.

TOBIAS, José Antônio (s/d.), História da educação brasileira. São Paulo, Juriscredi.

VILLELA, Heloisa (1999), “O ensino mútuo na origem da primeira escola normal do Brasil”

VALDEMARIN, Vera Teresa (2004a), Estudando as lições de coisas. Campinas: Autores Associados. VALDEMARIN, Vera Teresa (2004b), “Os sentidos e a experiência: professores, alunos e métodos de ensino”. In: Saviani, D. et alii, O legado educacional do século X no Brasil. Campinas, Autores Associados, p. 163-203. VAN ACKER, Leonardo (1931), “Santo Thomas de Aquino e a Escola Nova”, A Ordem, agosto. In: BASTOS, M.H.C. e FARIA FILHO, L.M. (Orgs.), A escola elementar no século XIX: o método monitorial/mútuo. Passo Fundo: Ediupf, p. 145-176. WARDE, M. J. (1989), “O colégio de aplicação da Universidade de São Paulo”. In: GARCIA, W. E.(Org.), Inovação educacional no Brasil: problemas e perspectivas, 2ª ed. São Paulo, Cortez/Autores Associados, p.101-131. XAVIER, Libânia N. (1999), O Brasil como laboratório: educação e ciências sociais no projeto do Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais. Bragança Paulista, EDUSF. XAVIER, Libânia N. (2002), Para além do campo educacional: um estudo sobre o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. Bragança Paulista, EDUSF.

Concepção pedagógica A expressão “concepções pedagógicas” é correlata de “idéias pedagógicas”. A palavra pedagogia e, mais particularmente, o adjetivo pedagógico têm marcadamente ressonância metodológica denotando o modo de operar, de realizar o ato educativo. Assim, as idéias pedagógicas são as idéias educacionais entendidas, porém, não em si mesmas, mas na forma como se encarnam no movimento real da educação orientando e, mais do que isso, constituindo a própria substância da prática educativa. As concepções educacionais, de modo geral, envolvem três níveis: o nível da filosofia da educação que, sobre a base de uma reflexão radical, rigorosa e de conjunto sobre a problemática educativa, busca explicitar as finalidades, os valores que expressam uma visão geral de homem, mundo e sociedade, com vistas a orientar a compreensão do fenômeno educativo; o nível da teoria da educação, que procura sistematizar os conhecimentos disponíveis sobre os vários aspectos envolvidos na questão educacional que permitam compreender o lugar e o papel da educação na sociedade. Quando a teoria da educação é identificada com a pedagogia, além de compreender o lugar e o papel da educação na sociedade, a teoria da educação se empenha em sistematizar, também, os métodos, processos e procedimentos, visando a dar intencionalidade ao ato educativo de modo a garantir sua eficácia; finalmente, o terceiro nível é o da prática pedagógica, isto é, o modo como é organizado e realizado o ato educativo. Portanto, em termos concisos, podemos entender a expressão “concepções pedagógicas” como as diferentes maneiras pelas quais a educação é compreendida, teorizada e praticada. Na história da educação, de modo geral, e na história da educação brasileira, em particular, produziram-se diferentes concepções pedagógicas, cujas características são apresentadas nos verbetes seguintes.

Concepção pedagógica tradicional A denominação “concepção pedagógica tradicional” ou “pedagogia tradicional” foi introduzida no final do século XIX com o advento do movimento renovador que, para marcar a novidade das propostas que começaram a ser veiculadas, classificaram como “tradicional” a concepção até então dominante. Assim, a expressão “concepção tradicional” subsume correntes pedagógicas que se formularam desde a Antigüidade, tendo em comum uma visão filosófica essencialista de homem e uma visão pedagógica centrada no educador (professor), no adulto, no intelecto, nos conteúdos cognitivos transmitidos pelo professor aos alunos, na disciplina, na memorização. Distinguem-se, no interior dessa concepção, duas vertentes: a religiosa e a leiga.

Concepção pedagógica tradicional religiosa A vertente religiosa da pedagogia tradicional afunda raízes na Idade Média tendo como manifestação filosófica característica as correntes do tomismo e do neotomismo, referência 31 fundamental para a educação católica. A pedagogia desenvolvida pelas escolas de confissão protestante também se insere nessa concepção, ainda que, como um movimento de reforma da Igreja Católica, o protestantismo participa do movimento de laicização, de crítica à hierarquia, de defesa do livre arbítrio que marcou a constituição da ordem burguesa.

metodológicas e avanços sociais a uma “filosofia verdadeiramente católica da vida”

Pedagogia católica A pedagogia católica constitui a manifestação mais vigorosa da concepção pedagógica tradicional no Brasil. Defendendo o primado da família e da igreja sobre o Estado em matéria de educação, advoga o subsídio público às escolas católicas. Os católicos entendem que apenas a Igreja tem condições de educar em sentido próprio. Por isso denominam sua concepção de “pedagogia integral”, uma vez que alia ao âmbito natural o âmbito sobrenatural, integrando três planos ontológicos: o físico (ordem da natureza), o intelectual (ordem das idéias), ambos subordinados ao plano moral e religioso (ordem dos deveres). Mesmo quando se renova incorporando as inovações trazidas pelos avanços da teoria e da prática pedagógicas, a pedagogia católica jamais abre mão da doutrina subordinando todas as novas conquistas, inovações

(Parte 6 de 7)

Comentários