Educação Ambiental

Educação Ambiental

(Parte 1 de 2)

MEC / 1

SATO, Michèle. Formação em educação ambiental - da escola à comunidade. In COEA/MEC (org.) Panorama da Educação Ambiental no Brasil. Brasília: MEC, março de 2000, 5-13.

Formação em Educação Ambiental – da escola à comunidade

Michèle Sato

1. A Ideologia da Nomenclatura

Para iniciarmos uma discussão sobre a educação d@s1 professor@s acreditamos ser de fundamental importância lembrarmos as tendências ideológicas implícitas em determinadas terminologias. Quando um país aprova uma Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, subdivididos em “Ensino” Fundamental, Médio e Superior, e não “Educação”, pensamos que não há somente um problema de semântica ou interpretação, mas de ideologia2. Quando ensinamos, há sempre alguém que aprende. Enfatizar o ensino em detrimento da aprendizagem parece requerer uma análise um pouco mais profunda. Ao considerarmos o processo educativo não neutro, pensamos estar engajad@s numa luta política, onde divers@s atores e atrizes sociais exercem suas funções e seus campos de poder. Assim, iniciamos nosso trabalho considerando algumas nomenclaturas utilizadas referentes ao trabalho docente.

Não muito antigamente, era comum as pessoas utilizarem a terminologia “Reciclagem de Professor@s” para referência dos cursos oferecidos em diversas áreas do conhecimento. Talvez porque éramos considerad@s “lixo” e tínhamos que ser renovad@s. Depois virou “Treinamento”, porque não tínhamos criatividade, nem critérios, muito menos criticidade. Então éramos adestrados, como animais obedientes que repetem o que os nossos donos “homens3” nos mandam. Algum tempo

1 Acatando a recomendação internacional da Rede de Gênero, utilizaremos a simbologia “@” para evitar a linguagem sexista presente nos textos. 2 FREIRE, Paulo & SHOR, Ira. Medo e ousadia – o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, tradução de Adriana Lopez, 1992, 224 p. 3 Aqui, a conotação masculina é proposital, desde que a humanidade, cega de um olho, testemunhou um domínio masculino muito forte. Na transição para a Pós-Modernidade, foi possível tirar o tapa-olho, e com os dois olhos bem abertos, foi

MEC / 2 depois, falávamos em “Capacitação”, porque @s professor@s eram incapazes, e necessitavam de mais informação. Recentemente, com a inovação da TV Escola e Salto para o Futuro, houve uma desatenção quase total às/aos professor@s pois nossos governantes acreditavam que a antena parabólica poderia suprir as necessidades e “incapacidades” d@s professor@s. Algumas pessoas consideram o magistério “desqualificado”, e devemos, então, iniciar o processo de “Qualificação” do pessoal docente para o trabalho na educação. Também ouvimos sobre a “Formação – inicial e continuada”, porque todos somos deformad@s ou porque não temos forma nenhuma. Forma do quê? Uma figura geométrica serviria? Um professor “quadrado” responderia às indagações?

Nesta perspectiva, talvez nunca tenhamos uma nomenclatura ideal. Mas se aceitarmos que o processo educativo é permanente e deve estar sempre ocorrendo num continuum do tempo e do espaço, deveríamos considerar a “educação continuada”. “Continuada” por não ter fim, e “educação”, porque consideramos as duas vias do processo, do ensinar e do aprender. Mesmo no debate da educação a distância, que privilegia a autonomia e descentralização, há sempre os dois lados, aliás, alguém pode até aprender sem professor@, mas ninguém ensina se não houver alun@.

Situado o contexto inicial, pensamos ser importante perguntarmos por que uma educação continuada com destaque ao ambiente. Como este adjetivo transforma a educação? Ou, como muit@s indagam, há necessidade de uma outra educação? Na realidade, a educação tradicional negligencia muitos valores importantes, não respondendo às demandas naturais e/ou culturais – se é que é possível fragmentar estas duas dimensões. O sentido amplo do ambientalismo requer maior atenção pela educação, tornando verdadeira a frase do Mauro Grün4 - “uma educação que não for ambiental, não poderá ser considerada educação de jeito nenhum”.

O ambientalismo surgiu no Brasil tardiamente, e alguns acreditavam que era um romantismo, um modismo de uma possível enxergar melhor e a partir daí, iniciar a construção de uma sociedade mais solidária, que respeita a diversidade e liberta a condição de identidades plurais. 4 GRÜN, Mauro Ética e Educação Ambiental – a conexão necessária. São Paulo: Papirus, 1996.

MEC / 3 época. No limiar do Terceiro Milênio, todavia, é impossível encontrar uma pessoa que não considere o ambiente de suma importância ao desenvolvimento humano, mesmo que as orientações dos movimentos sociais oscile entre a disparidade e o antagonismo. Percebemos que a estrutura e @s educador@s em EA deste cenário explicita a íntima e mútua conexão entre o ambiente e desenvolvimento, reconhecendo os limites e os conflitos. No contexto hermenêutico, pensamos que é preciso compreender a dimensão da EA, entretanto, nosso espaço e tempo não permitirão uma análise mais profunda. Assim, a proposta deste trabalho será limitada por uma breve análise das experiências em Mato Grosso, locus de nossa vivência, experimentação e paixão pela Educação Ambiental.

2. Formação de Professor@S em Educação Ambiental

O debate sobre a formação de professor@s vem com especial furor nos últimos anos, permitindo perceber que a qualidade da educação realmente ancora-se no processo de educação de professor@s. Aliado a isso, as tendências da EA e a urgência em gerenciar os problemas ambientais, fez com que Mato Grosso centralizasse suas políticas em EA, em diversas esferas institucionais, sejam de cunho formal ou não, rompendo com a bifurcação da prática e teoria e, sobremaneira, resgatando o pensamento humanista na construção de uma sociedade mais justa.

Num esforço pertinente, tentaremos uma sistematização de dados em Mato Grosso, iniciando nossa narrativa pela assinatura de um convênio interinstitucional, cujas instituições tentam implementar a EA no estado. Ao mesmo tempo, respondemos a pergunta “quem oferece a formação?”, para uma futura análise do panorama da EA no cenário nacional. O convênio foi firmado no início de 1996, e tem validade até 2001, podendo ser renovado através de termos aditivos. Suas ações, objetivos e metas concentram-se na EA em todos os níveis, idades e contextos. Somam esforços diversas instituições, ou o Grupo Interinstitucional de EA (GIEA), que coletivamente formam a “Rede Mato-grossense de EA (REMTEA)”:

• Universidade Federal de Mato Grosso / UFMT • Universidade do Estado de Mato Grosso / UNEMAT

• Secretaria de Estado de Educação / SEDUC

MEC / 4

• Programa das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura / UNESCO

• Prefeitura Municipal de Cuiabá / PMC

• Instituto Brasileiro de Meio Ambiente / IBAMA

• Fundação Estadual de Meio Ambiente / FEMA

• Associação Mato-grossense de Municípios / AMM

A transversalidade da EA nestas instituições assegura uma melhor qualidade nas atividades, em função do trabalho coletivo, além de evitar a duplicação das ações, como eventos e comemorações em ocasiões especiais. Além disso, algumas organizações não governamentais (ONG) também nos auxiliam nas atividades, conferindo à Mato Grosso, um destaque pela alta capacidade de articulação. No contexto da formação de professor@s a parceria ocorre através de diversas interfaces – como palestras, cursos, participação em eventos, orientação para os trabalhos de campo, visitações em parques, museus ou horto florestal, além de outras atividades. A troca de informações e materiais também é outro fator que auxilia as atividades no estado. A EA, assim, vai sendo desenhada com contornos regionais firmes, em processo de co-formação, que atravessa departamentos, instituições e áreas do conhecimento, oferecendo um verdadeiro trabalho interdisciplinar.

Embora este trabalho coletivo seja motivo de orgulho do estado, em relação à EA nas escolas, a maioria ainda está limitada nos aspectos conservacionistas, e com ações bastante pontuais. Em 1998, a Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso (SEDUC) elabora e lança a sua proposta de “Política de Educação Ambiental” do estado5. Nesta política, observa-se os diversos projetos de EA, desenvolvidos no estado a partir de 1987, pioneiramente através do projeto “Inajá”, que voltava sua atenção ao laboratório vivencial, garantindo a aprendizagem no meio rural. Somente a partir de 1989, com o projeto “Programa Nossa Natureza” (portaria 6434/89), inicia-se cursos de “Capacitação de Professores”, em níveis de extensão e pós-graduação lato senso.

Em 1992, a Universidade Federal de Mato Grosso amplia seus objetivos abrindo uma área de concentração em “Educação e Meio Ambiente”, no antigo “Programa de Pós- Graduação em Educação Pública”, hoje transformado em

5 MATO GROSSO, SEDUC Política de Educação Ambiental. Cuiabá: SEDUC-MT, 1998, 4 p.

MEC / 5

“Programa Integrado de Educação”. As diversas dissertações e teses defendidas no interior do programa revelam a tendência da EA na formação de professor@s em consonância, também, com a lista de discussão da Associação Nacional de Pós-Graduação em Educação (ANPED), que vem debatendo a criação de um grupo de trabalho para o fortalecimento da EA no cenário nacional através da Internet6.

2.1. Objetivos da política de EA

A formação d@s docentes de qualquer nível, ou modalidade, deve considerar como meta o disposto no art. 2 da LDB7. Ela estipula que a “educação básica tem por finalidade desenvolver o educando, assegurar-lhe formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores”. Este fim, voltado para tod@ e qualquer estudante, seja para evitar discriminações, seja para atender o próprio art. 61 da mesma LDB, é claro a este respeito: “A formação de profissionais da educação, de modo a atender aos objetivos dos diferentes níveis e modalidades de ensino e às características de cada fase de desenvolvimento do educando”. Assim, os objetivos da formação de professor@s em EA deve visar o preparo de um@ docente voltad@ às exigências formativas para tod@ e qualquer professor@, além daquelas relativas à complexidade diferencial da área do conhecimento. Isso quer dizer que @ profissional do magistério deve ter uma qualificação pela qual el@ seja capaz de interagir empaticamente com @s estudantes estabelecendo o exercício do diálogo. “Jamais um professor aligeirado ou motivado apenas pela boa vontade ou por um voluntariado idealista, mas sim um docente que se nutra do geral e também das especificidades que a habilitação como formação sistemática requer” 8.

Ainda no campo desta consideração, os objetivos da formação de professor@s em EA não devem ocorrer por um modismo, pelo “verde pelo verde inconseqüente” e pontual. Essencialmente, esta educação deve ser motivada pela

6 ANPED – Lista de discussão em EA: eapesquisa@bdt.org.br 7 BRASIL, Ministério da Educação Lei de Diretrizes e Bases da

Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. 8 CURY, Jamil Diretrizes Curriculares Nacionais Para Educação de Jovens e Adultos. São Paulo: ECA, 2000.

MEC / 6 paixão, pela sedução do conhecimento, pelo movimento ético de manutenção da vida, no sentido mais amplo que esta palavra possa expressar.

A EA, em níveis de ensino fundamental e médio, é recomendado como tema transversal. No ensino superior, há controvérsias. Segundo as recomendações internacionais9, se existe uma forma de oferecer a formação de estudantes na graduação, o melhor é fazê-lo através de programas, ao invés de disciplinas isoladas no currículo. Neste contexto, a formação inicial de professor@s dos cursos de licenciaturas, devem entrelaçar os conteúdos das ciências naturais e das humanas, fugindo da tradicional compartimentalização dos departamentos de faculdades e institutos. Para a formação continuada, um leque de oportunidades se abre para subsidiar o trabalho docente, mas fundamentalmente, conceitos do ambiente, do desenvolvimento e da educação, propriamente dita, devem embasar qualquer curso de formação de profissional na área de EA, seja em formação inicial ou continuada. Movimentos como a Agenda 21 e a Carta da Terra são informações que não podem deixar de existir na estrutura curricular da EA.

2.2. Sustentabilidade da Educação Ambiental

Em 1998, a SEDUC trabalhava com 6 projetos no estado, sendo 3 propostos pela UFMT. Atualmente, este quadro foi alterado e, lamentavelmente, com o término de projetos por parte da SEDUC, hoje temos somente 3 projetos, frutos da sustentabilidade dessas intervenções, sendo 2 da UFMT. A equipe de EA da SEDUC foi dissolvida, restando apenas uma técnica que hoje participa do grupo de “Ensino Fundamental”. Embora o discurso seja a transversalidade, sabemos que a EA não está sendo prioritária, uma vez que testemunhamos uma política de mudanças de secretários sucessivos no interior da pasta. Todavia, devemos sublinhar que a maioria dos projetos brasileiros falham pela ausência de sustentabilidade, com início, meio e fim bastante definidos. Neste contexto, parece importante ressaltar que, embora os projetos em EA estejam reduzidos pela metade, esta porção representa a continuidade das ações no interior do estado, garantindo uma institucionalização sustentável.

9 SATO, Michèle Educação para o Ambiente Amazônico. São Carlos: Tese de Doutorado, PPG-ERN/UFSCar, 1997, 235 p.

MEC / 7

Pensamos que para a continuidade dos projetos iniciados, há que se pensar novas formas de institucionalização da EA. Uma pergunta prévia deve ser esclarecida quando falamos na institucionalização, ou seja, o que é institucionalizar a EA? Segundo Calvache (1999)10, a institucionalização deve permear 5 grandes aspectos que consigam trazer a sustentabilidade das ações no interior de uma instituição. No caso específico da EA, ela deve atender determinadas perspectivas para auxiliar o seu processo evolutivo:

A) Ciência: O envolvimento com a EA deve trazer a sedução para a formação, para a construção do conhecimento, através da pesquisa e do crescimento (pessoal e coletivo);

B) Intervenção: Não estamos aqui, tratando da “educação para a gestão ambiental (EGA), mas a EA deve existir através da análise de um problema ou situação, buscar ação na reflexão com intencionalidade final (práxis). Todavia, consideramos que a EA não é pertinente somente quando tentamos a solução de problemas, mas ela é contextual, existindo por si mesma;

C) Grupo: Para qualquer plano de formação e institucionalização da EA, devemos recorrer a formação de equipe, através da solidariedade, do reconhecimento da liderança, das estratégias e dos objetivos do grupo, com respeito ético às emoções, conhecimento e campo de poder que se estabelece no interior dos grupos;

D) Instituição: Aqui, não só o aparato tecnológico e de infraestrutura é importante, mas também o apoio administrativo, a incorporação dos resultados da pesquisa nos dados da instituição, os recursos e sustentação dos fluxos organizacionais;

E) Interlocução: Finalmente, a formação de profissionais em

EA requer, também, o reconhecimento da legitimidade do grupo pelos pares acadêmicos (produtividade), ou no caso da formação de professor@s pelo grupo social favorecido.

Assim, há que ser considerado que a EA necessita da formação em pesquisa para uma intervenção, com processos avaliativos de acompanhamento durante todo o percurso.

10 CALVACHE, Salomón Institucionalización de la educación ambiental. In Taller de Investigação y Formación EDAMAZ. Montréal: UQÀM, projecto EDAMAZ, 1999.

(Parte 1 de 2)

Comentários