Miíases

Miíases

(Parte 1 de 3)

Rio de Janeiro, novembro/ 2009.

Flávia Fidelis Gilmar Soares Guaraci Miranda

Lúcia Ferreira Lúcia Medina Lucimar Santos Verônica Barbosa

Trabalho de aproveitamento do curso de Enfermagem; 3º período;disciplina: Parasitologia Humana; professor: William B. Lopes; turma: EN 321.

Rio de Janeiro, novembro/ 2009.

Introdução

Entende-se por miíase a infestação de vertebrados por larvas de dípteros que, pelo menos durante certo período, se alimentam dos tecidos vivos do hospedeiro, de substâncias corporais liquidas ou do alimento ingerido. Dessa forma, larvas de moscas que completam seu ciclo, ou pelo menos parte do seu desenvolvimento normal dentro ou sobre o corpo de um hospedeiro vertebrado podem ser classificadas como causadoras de miíses.

O termo miíse tem essa etimologia: mye= moscas; ase= doença.

No meio rural e conhecido como “bicheira”.

Do ponto de vista biológico e evolutivo, aquilo que chamamos coletivamente de miíses pode ter sua origem em duas raízes diferentes: miíses furunculares (berne, por exemplo) e a outra, as miíses traumáticas (bicheiras, por exemplo).

Raiz Saprofágica: espécie que normalmente se alimentam de matéria orgânica em decomposição, passaram a ser atraídas por tecido animal em decomposição, como, por exemplo, carcaças de animais. Essas espécies passaram a depositar seus ovos em tecidos necrosados de animais vivos, onde as larvas se alimentavam, produzindo o que agora chamamos miíses secundarias, algumas espécies adquiriram a capacidade de se alimentar de tecidos vivos, produzindo as chamadas miíses primarias. Nesses casos, as larvas não são capazes de penetrar na pele integra, necessitando de uma lesão inicial para iniciar o processo. A Cochiliomya macelaria e a Lucilia sericata, causadores de miíses secundárias (facultativas).

Raiz Sanguinivora: exemplos de larvas predadoras facultativas no terceiro estágio são: Musciva stabulans, Ophyra SP (muscidae), Chrysomya albiceps (calliphoridae). Estas larvas são capazes de perfurar o tegumento de outras larvas e sugar seu conteúdo corpóreo. O passo seguinte seria a larva passar a perfurar a pele de aves e mamíferos para sugar o sangue. A penetração da larva através da pele, indo se alojar no tecido subcutâneo do hospedeiro, tornando-se um parasito obrigatório. São as miíses furunculares, em que não há necessidade de lesão previa do tegumento para o inicio do processo. Como por exemplo, podemos citar a Dermotobia hominis (berne).

Agentes etiológicos

Família calliphoridae

Cochliomya hominivorax Cochilomya macellaria (também conhecida como Callitroga macellaria)

Lucilia

Chrysomia

Família sarcophagidae

Bercea hemorroidalis Oxysarcodexia pattonella

Euroboettcheria

Subfamília cuterebrina

Cuterebra Dermatobia

Principais espécies Cochliomya hominivorax (“mosca varejeira”)

Esta mosca é ainda hoje impropriamente conhecida por sinonímia: Callitroga americana. E popularmente, é conhecida como mosca- varejeira. É a mais importante mosca causadora de miíse primária. Causa miíase traumática grave no homem e animais; Qualquer ferimento pode ser alvo de infecção; Alimenta- se exclusivamente de tecidos vivos; É a mais importante mosca causadora da miíase primária, desde o sul dos EUA até o norte do Chile e Argentina; Mede cerca de 8 m de comprimento; Toda verde, com reflexos azul-metálico em todo o tórax e abdome; Possui três faixas negras longitudinais no tórax.

Larvas

As larvas maduras medem cerca de 15 m de comprimento; As larvas têm cor branca amarelada;

Possuem dois estigmas respiratórios;

As traquéias são bem pigmentadas até o nível do terceiro ou quarto pigmento;

Adultos

Voam até uma distância de 1 milhas em 24 horas; Abundantes em climas quentes e úmidos;

Adultos só copulam uma vez, após cinco dias de nascidos;

Após a cópula ovipõem em aberturas naturais do corpo (narinas, vulva, ânus), ou em feridas recentes, incisões cirúrgicas, etc.

Período de incubação

Põem de 10 a 300 ovos em cada local O período de incubação dos ovos é de 12 a 20 horas

As larvas amadurecem em quatro a oito dias

Enterram-se na terra e transformam-se em pupas

Em oito dias tornam-se adultas

Os adultos alimentam-se de néctar, sucos de frutas, secreções de feridas É encontrada nos EUA, nas Antilhas e em quase toda a América do sul.

Cochilomya macellaria

Também conhecida como Callitroga macellaria. É muito semelhante á espécie anterior, sendo um pouco menor. A oviporação só e feita em feridas necrosadas ou cadáver. Causa miíase traumática secundária

É diferenciada da Cochilomya hominivorax pelas seguintes características:

Em larvas maduras a traquéia tem pigmentação até a metade do primeiro segmento larvar; É encontrada em tecidos necrosados ou cadáveres;

Só ovipõem em feridas necrosadas ou cadáveres;

É pouco freqüente em vários Estados.

Lucilia

Até recentemente aceitavam-se dois gêneros para essas moscas: phaenicia para as do novo mundo e Lucilia, para as do velho mundo. Atualmente só se aceita o gênero Lucilia para identificar as espécies de todas as regiões.

Causa miíase traumática no homem e animais São moscas de tamanho médio;

Possui o corpo todo verde metálico, acobreado, ou com reflexos azuis;

São agentes de miíases necrobiontófagas;

Muito freqüente entre nós.

(Parte 1 de 3)

Comentários