Miíases

Miíases

(Parte 3 de 3)

Exames laboratoriais;

Exame dermatológico;

Exame oftalmológico (ofatlmiíase);

Em algumas formas graves de pseudomiíases, em que as larvas não são visíveis, tornam-se necessários procedimentos especiais, de acordo com cada caso para o diagnóstico.

Tratamento

Limpeza da ferida; Matar o verme por asfixia;

Se necessário, anestesiar localmente a área;

Retirar as larvas com pinça;

Tratar a ferida com bacteriostático local;

Se necessário, utilizar antibiótico de largo espectro.

Nota: O tratamento deve ser o mais precoce, pois em poucos dias pode estender-se. Quando não tratado a tempo, pode haver necessidade de cirurgia plástica para recompor a área destruída.

Medidas de prevenção

Combate consciente das moscas para evitar desequilíbrios da cadeia alimentar;

Cobrir adequadamente feridas abertas, ulceradas com tecidos necrosados, eczemas infectados; Cuidados com a higiene individual e ambiental

Conclusão

Miíase é uma infecção causada pela presença de larvas de moscas em órgãos e/ou tecidos do homem ou de outros animais vertebrados. Elas se nutrem de tecidos vivos ou mortos do hospedeiro, de suas substâncias corporais líquidas, desenvolvendo-se como parasitas. A localização preferida em humanos é a pele, podendo ocorrer no couro cabeludo, na conjuntiva, na língua, na região vulvar, narinas, etc.

É freqüente a ocorrência de miíase no meio rural em animais de criação, como bovinos, caprinos, suínos etc., e também em animais domésticos, como cães e gatos. Causa danos aos rebanhos e grandes prejuízos econômicos. Podem também ocorrer em seres humanos, normalmente em moradores de rua, pessoas idosas, doentes, debilitadas e com retardo mental. São mais comuns em países do terceiro mundo, como os da América Latina, África, Oriente Médio e Ásia, mas podem ocorrer em países desenvolvidos ou com turistas em viagem a países tropicais. O termo berne é também usado para esta doença.

As principais moscas causadoras dessa infecção em humanos são encontradas com freqüência no Brasil, principalmente nas regiões de clima quente e úmido.

Dependendo da região, existem espécies com características biológicas especificas. A classificação é baseada na biologia da mosca, e é a mais aceita atualmente. A miíase é classificada em obrigatória, facultativa e pseudomiíases.

As obrigatórias são as causadas por larvas de dípteros que, naturalmente, desenvolvem-se sobre ou dentro de vertebrados vivos. Antigamente eram denominadas de biontófagas. São comuns no gado (bicheiras no cordão umbilical de bezerros) e raras no ser humano e, quando ocorrem, são normalmente graves e às vezes mortais, por causar hemorragias ou comprometimento do sistema nervoso central. São provocadas por larvas de Cochliomyia hominivorax (mosca varejeira), que depositam de 20 a 400 ovos nas bordas de arranhões e feridas.

As facultativas são as causadas por larvas que usualmente desenvolvem-se em matéria orgânica em decomposição, mas podem atingir tecidos necrosados em um hospedeiro vivo. Antigamente eram denominadas de necrobiontófagas. Ocorrem comumente em pacientes com lesões necróticas cavitárias, como colesteatomas na orelha média, tumores ou doenças úlcero-granulomatosas nasais (leishmaniose, hanseníase etc.), tumores orais, anais ou vaginais e oftálmicos, assim como lesões da pele.

As pseudomiíases são as ocasionadas por larvas de dípteros ingeridas com alimentos e que passam pelo tubo digestivo, podendo ocasionar distúrbios graves. Anteriormente eram chamadas de acidentais

Calliphoridae ochliomyia, espécie C. hominivorax (popularmente conhecida como mosca varejeira) e Cuterebridae dermatobia, espécie D. hominis (popularmente conhecida como mosca berneira) são as principais moscas causadora de miíase humana. A mosca varejeira é mais abundante nas regiões de clima quente e úmido. A quantidade dessa espécie aumenta nos meses chuvosos e no verão. É encontrada em quase toda América do Sul. Seus ovos são depositados nas aberturas naturais do corpo (narinas, vulva e ânus) ou em alguma descontinuidade da pele (feridas recentes, incisão cirúrgica, etc.). A mosca berneira ocorre desde o México até a Argentina. No Brasil, é vista em todos os Estados, com exceção das áreas secas do nordeste. Preferem áreas úmidas e montanhosas. A mosca adulta fecundada coloca seus ovos em pleno vôo, sob o abdômen de outra mosca, normalmente hematófaga. Quando esta mosca está picando uma pessoa, uma larva se desprende e entra pelo tecido (sadio ou com pequenas lesões), desenvolvendo-se como um furúnculo.

As larvas, uma vez presentes no hospedeiro, causam a chamada miíase furuncular ou dermatobiose, que se caracteriza pela formação de nódulos, com a presença de uma ou mais larvas no interior. O orifício por onde a larva penetrou permanece aberto durante todo o tempo, pois é por meio deste que respira. Assim, é fácil reconhecer uma lesão causada por bernes: um nódulo subcutâneo com um orifício bem visível na superfície do tecido. Essas larvas possuem o corpo recoberto por pequenos espinhos, o que permite sua fixação e movimentação. Esses espinhos provocam um prurido intenso e, em seguida, dor.

As lesões provocadas pela larva podem constituir em porta de entrada para outras complicações, inclusive bacilos do tétano. Caso a larva venha a morrer dentro da cavidade, o orifício de respiração se fecha, causando um nódulo, que pode ou não ser absorvido pelo organismo. Isso também pode ocorrer quando pessoas sem experiência tentam "espremer" o berne. A ocorrência de miíase na boca é rara, podendo manifestar-se em bolsas periodontais, feridas resultantes de extrações dentárias e em diversas localizações dentro da cavidade oral . De acordo com a localização e o tecido envolvido, há diferentes nomenclaturas como: miíase gengival, miíase dental, miíase periodontal e miíase oral . Pacientes acometidos por miíase bucal, em geral, apresentam alguns fatores predisponentes como: higiene bucal deficiente, falta de selamento dos lábios, resistência corporal diminuída, desnutrição, respiração bucal (principalmente durante o sono), etilismo, senilidade, hemiplegia e traumas na área facial. A halitose severa é citada como fator de risco, pois atrai as moscas para deposição das larvas.

O prognóstico está diretamente relacionado com o tempo, local de ocorrência e condições sistêmicas do paciente. Existem diversas opções de tratamento referidas na literatura, como a aplicação de substâncias asfixiantes (como exemplo, éter e formol). As larvas devem ser totalmente removidas para que não se formem nódulos ou abscessos. Dependendo da situação, pode ser necessária anestesia local, seguida de incisão da pele ou mucosa.

Há o método, bastante impregado, a asfixia da larva, que consiste em tampar o orifício com esparadrapo, impedindo a passagem de ar, fazendo com que as larvas procurem sair ficando fixadas nele e na maioria das vezes morrendo.

Para o tratamento de miíase acidental, recomenda-se o emprego de purgativo salino Sal de Glauber e aplicação de um anti-helmíntico, óleo de quenopódio ou tetracloreto de carbono.

A miíase não infesta somente animais, ela também é parasita do homem. Portanto faz-se necessário que sejam realizados alguns métodos de prevenção. Dentre eles é muito importante a higiene individual e ambiental.

Na área de enfermagem faz parte dos cuidados com o paciente, principalmente os mais comprometidos.

Também faz parte da enfermagem preventiva, diretamente ligada a estudos e pesquisa de cada região, observando os meios predispostos a veiculação da mosca, e principalmente levando conhecimento a comunidades e pessoas mais carentes.

Com certeza nesse campo a Enfermagem pode exercer um grande papel.

Cabe a nós, profissionais de Enfermagem, abraçarmos esse campo com muita responsabilidade e determinação!

Bibliografia

NEVES, D. P.; MELO, A. L.; GENARO, O.; LINARDI, P. M. Parasitologia humana. 1 ed.; São Paulo: Editora Atheneu, 2005

PESSOA SB, MARTINS EV. Parasitologia médica. 1 ed.Guanabara- Koogan: Rio de Janeiro. 1988.

http://w http://shw.liliruralvet.fotopages.com/12097707/Larva- Stomoxys.html w.actiradentes.com.br/revista/2009/textos/6RevistaATO-Miiase- 2009.pdf http://www.youtube.com/watch?v=gve-HGJL2Hg http://www.youtube.com/watch?v=nLPkRMilwkg

(Parte 3 de 3)

Comentários