(Parte 2 de 9)

O ponto de entrelaçamento move-se ao longo do comprimento do rotor, reduzindo progressivamente o volume do ar e conseqüentemente aumentando a pressão.

A fase final de descarga ocorre quando o espaço entre lóbulo cheio de ar comprimido chega ao pórtico de saída.

Figura 08: Relação entre Ar e rotor do compressor.

2.5- COMPRESSORES TIPO ROOTS

Consiste de dois rotores simétricos em forma de oito, chamados de lóbulos, que giram em direção oposta, transportando o ar de um lado para o outro, sem alteração de volume.

2.6- CRITÉRIOS PARA A ESCOLHA DE COMPRESSORES Os critérios para escolha de compressores envolvem os seguintes itens:

Figura 09: Ciclo de três fases. Figura 10: Rotores em forma de 8 – tipo Roots.

TIPO CONSTRUTIVO • Compressor de embolo com movimento rotativo

• Compressor de êmbolo com movimento linear

• Compressor dinâmico (radial, axial)

LUBRIFICAÇÃO • A seco

• A óleo

• A injeção de óleo

EXECUÇÃO • Monoestágio

• Multiestágio

REFRIGERAÇÃO • A ar

• A água

• Por injeção de óleo

REGULAGEM DE MARCHA EM VAZIO (DESCARGA, FECHAMENTO) • De carga parcial (rotação)

• Intermitente

LOCAL DE MONTAGEM A estação de compressores deve ser montada dentro de um ambiente fechado, com proteção acústica. O ambiente deve ter boa ventilação e o ar sugado deve ser fresco, seco e livre de poeira ou resíduos.

PRESSÃO E VAZÃO A pressão e a vazão estão diretamente relacionadas e atuam sobre a capacidade do equipamento e dos componentes. Isto significa que, para cada equipamento, deve estar disponível o ar comprimido necessário como também a pressão de trabalho necessária. Para obter este resultado, são necessários:

• Suficiente vazão do compressor;

• Correta pressão na rede;

• Tubulação de distribuição corretamente dimensionada em função da vazão, da pressão e da queda de pressão admissível.

RESERVATÓRIO DE AR COMPRIMIDO Este reservatório serve para estabilizar a distribuição de ar comprimido. Elimina as oscilações de pressão na rede distribuidora e, quando ocorre uma elevação momentânea do consumo de ar, é uma garantia de reserva.

A grande superfície do reservatório refrigera o ar suplementar. Assim, parte da umidade é condensada e separa-se do ar no reservatório, saindo pelo dreno. O tamanho do reservatório de ar comprimido depende :

• Do volume fornecido pelo compressor;

• Do consumo de ar; • Da rede distribuidora (volume suplementar);

• Do tipo de regulagem dos compressores;

• Da diferença de pressão admitida na rede.

3- TRATAMENTO DE AR COMPRIMIDO

Na preparação do ar comprimido, uma série de providências deve ser tomada quanto a sua pureza, a presença de partículas estranhas, a água, o óleo, etc.

Serão apresentados assuntos diretamente ligados à qualidade do ar, tais como as diversas formas de filtragem e secagem, bem como todos os componentes dos instrumentos que se prestam a isso.

3.1- IMPUREZAS

Uma preparação adequada do ar comprimido prolonga a vida útil dos elementos pneumáticos. Portanto, a qualidade do ar comprimido é um fator muito importante a ser observado. Quando a rede de condutores de ar comprimido não é drenada (pelo escoamento da água condensada no interior da tubulação) a água pode causar a corrosão na rede metálica, nos elementos pneumáticos e nas máquinas.

O óleo residual proveniente dos compressores pode produzir, junto com o ar comprimido, uma mistura de ar e óleo (mistura gasosa), a qual apresenta perigo de explosão, principalmente quando há temperaturas elevadas (mais de 333k).

Com a instalação de resfriadores, eliminam-se, de uma maneira geral, as partículas estranhas, água e óleo.

3.2- RESFRIADOR

Figura 1: Estrutura de um Compressor.

Figura 12: Estrutura de um Resfriador.

Em muitos casos , o que leva a falhas e avarias nas instalações e nos elementos pneumáticos são as impurezas em formas de partículas de sujeira ou ferrugem que se acumulam nas tubulações.

A separação primária do condensado é feita no separador, após o resfriador. A separação final, filtragem e outros tratamentos secundários do ar comprimido, é executada no local de consumo. Para isso é necessário atentar especialmente para a ocorrência de umidade.

A água (umidade) já penetra na rede pelo próprio ar aspirado pelo compressor. A incidência da umidade depende, em primeira instância, da umidade relativa do ar que, por sua vez, depende da temperatura e condições atmosféricas.

Umidade absoluta é a quantidade de água contida em 1m3 de ar. Quantidade de saturação é a quantidade de água admitida em 1m3 de ar a uma determinada temperatura.

umidade relativa =umidade absoluta . 100%

Nesse caso, a umidade relativa é de 100% (ponto de orvalho). No diagrama do ponto de orvalho, pode-se observar a quantidade de saturação à temperatura correspondente. quantidade de saturação

3.3- SECAGEM POR ABSORÇÃO

A secagem por absorção é um processo puramente químico. O ar comprimido passa sobre uma camada solta de um elemento secador (cloreto de cálcio, cloreto de lítio). A água ou vapor de água que entra em contato com esse elemento combina-se quimicamente com ele e se dilui na forma de combinação elemento secador água.

Esta mistura deve ser removida periodicamente do absorvedor. A operação pode ser manual ou automática.

Com o tempo, o elemento secador é consumido e o secador deve ser reabastecido periodicamente (duas a quatro vezes por ano) conforme o volume de uso. O secador por absorção separa, ao mesmo tempo, vapor e partículas de óleo. Porém, quantidade maiores de óleo influenciam no funcionamento do secador. Por isso, é conveniente antepor um filtro fino ao secador.

(Parte 2 de 9)

Comentários