UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

CENTRO DE TECNOLOGIA

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

DISCIPLINA: MECÂNICA DOS SOLOS I

PROFESSORA : AGDA C.T.GUIMARÃES

AULA 1

  1. INTRODUÇÃO AO CURSO

1.1 DEFINIÇÃO E OBJETIVOS DA MECÂNICA DOS SOLOS

DEFINIÇÃO

a mecânica dos solos estuda as características físicas dos solos e as suas propriedades mecânicas (equilíbrio e deformação) quando submetido a acréscimos ou alívio de tensões.

OBJETIVOS

Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado.

1.2 PROBLEMA DA MECÂNICA DOS SOLOS

A própria natureza do solo.

    1. SOLO SOB O PONTO DE VISTA DA ENGENHARIA

Solo é a denominação que se dá a todo material de construção ou mineração da crosta terrestre escavável por meio de pá, picareta, escavadeira, etc, sem necessidade de explosivos.

1.3.1 EMPREGO DO SOLO NA ENGENHARIA CIVIL

 Solo como material de construção: Aterros, Barragens de Terra, Base e Sub-base de Pavimentos, etc.

 Solo como suporte de fundação: Valas, Sapatas, Blocos, Estacas, Tubulões, Subleito, etc.

1.4 ORIGEM E EVOLUÇÃO DA MECÂNICA DOS SOLOS

Os primeiros trabalhos sobre o comportamento dos solos datam do século XVII. COULOMB, 1773, RANKINE, 1856 e DARCY 1856 publicaram importantes trabalho sobre o comportamento dos solos. O acúmulo de insucessos em obras de Engenharia observados no início do século XX como:

  • O escorregamento de solo durante a construção do canal do Panamá, 1913;

  • Rompimento de grandes Barragens de Terra e Recalque em Grandes edifícios, 1913;

  • Escorregamento de Muro de Cais na Suécia, 1914. O Levou em 1922 a publicação pelos suecos de uma nova teoria para o cálculo e Estabilidade de taludes;

  • Deslocamento do Muro de cais e escorregamento de solo na construção do canal de Kiev na Alemanha,1915.

Em 1925 o professor Karl Terzaghi publicou seu primeiro livro de Mecânica dos solos, baseado em estudos realizados em vários países, depois do início dos grandes acidentes.

A mecânica dos solos nasceu em 1925 e foi batizada em 1936 durante a realização do primeiro Congresso Internacional de Mecânica dos Solos.

Em meados de 1938 foi instalado o primeiro Laboratório de Mecânica dos solos em São Paulo. Em novembro de 1938 foi instalado o Laboratório de Solos e Concreto da Inspetoria Nacional de Obras Contra a Seca em Curemas Paraíba.

2. ORIGEM E FORMAÇÃO DOS SOLOS

Os solos são formados pela deterioração das rochas através do intemperismo.

    1. ROCHA

Agregado de um ou mais minerais, que é impossível de escavar manualmente, que necessite de explosivo para o seu desmonte.

2.2 INTEMPERISMO

É o conjunto de processos físicos, químicos e biológicos que ocasionam a desintegração e decomposição das rochas e dos minerais, formando os solos.

2.2.1 INTEMPERISMO FÍSICO

Ou mecânico é o processo de decomposição da rocha sem alteração química dos seus componentes. Os principais agentes são:

- Variação de temperatura;

- Repuxo coloidal;

- Congelamento da água;

- Alívio de pressões;

2.2.2 INTEMPERISMO QUÍMICO

É o processo de decomposição da rocha onde os vários processos químicos alteram solubilizam e depositam os minerais das rochas transformando-a em solo, ou seja, ocorre a alteração química dos seus componentes. Neste caso há modificação na constituição mineralógica da rocha, originando solos com características próprias. Este tipo é mais freqüente em climas quentes e úmidos e, portanto muito comum no Brasil.

Os tipos mais comuns são: Hidrólise; Hidratação; Oxidação e Carbonatação.

HIDRÓLISE

É o mais importante, pois leva a destruição dos silicatos.

HIDRATAÇÃO

Penetração da água nos minerais, através de fissuras. A hidratação ocasiona nos Granitos e Gnaisses a transformação de feldspato em argila.

CARBONATAÇÃO

O carbonato de cálcio em contato com a água carregada de ácido carbônico se transforma em bicarbonato de cálcio.

OXIDAÇÃO

Mudança que sofre um mineral em decorrência da penetração de oxigênio na rocha.

2.2.3 INTEMPERISMO BIOLÓGICO

Ë processo no qual a decomposição da rocha se dá graças a esforços mecânicos produzidos por vegetais através de raízes, escavação de roedores, etc.

      1. INFLUÊNCIA DO INTEMPERISMO NO TIPO DE SOLO

Os vários tipos de intemperismo e a intensidade com que atuam no processo de formação dos solos, dão origem a diferentes tipos de solo.

2.3 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS QUANTO A ORIGEM E FORMAÇÃO

Os solos classificam-se quanto a origem em solos residuais e sedimentares.

2.3.1 SOLOS RESIDUAIS

Solos residuais são os solos que permanecem no local de decomposição rocha que lhes deu origem. Para a sua ocorrência é necessário que a velocidade de remoção do solo seja menor que a velocidade de decomposição da rocha.

A rocha que mantém as características originais, ou seja, a rocha sã é a que ocorre em profundidade. Quanto mais próximo da superfície do terreno, maior é o efeito do intemperismo. Sobre a rocha sã encontra-se a rocha alterada, em geral muito fraturada e permitindo grande fluxo de água através das descontinuidades. A rocha alterada é sobreposta pelo solo residual jovem, ou saprólito, que é um material arenoso. O material mais intemperizado ocorre acima do saprólito e é denominado solo residual maduro, que contém maior percentagem de argila.

      1. SOLOS SEDIMENTARES

Os solos sedimentares ou transportados são aqueles que foram levados de seu local de origem por algum agente de transporte e lá depositados. As características dos solos sedimentares do agente de transporte.

Os agentes de transporte são:

  • Vento (solos eólicos);

  • Água (solos aluvionares);

  • Água dos Oceanos e Mares (Solos Marinhos)

- Água dos Rios (Solos Fluviais)

- Água das Chuvas (Solos Pluviais)

  • Geleiras (Solos Graciais);

  • Gravidade (Solos Coluvionares)

        1. SOLOS EÓLICOS

Transporte pelo vento. Devido ao atrito os grãos dos solos transportados possuem forma arredondada. A ação do vento se restringe ao caso das areias e dos siltes. São exemplos de solos eólicos as DUNAS e os solos LOÉSSICOS.

Dunas – Barreira.

Loéssicos – Vegetais.

        1. SOLOS ALUVIONARES

O agente de transporte é a água, os solos sedimentares. A sus textura depende da velocidade de transporte da água. podem ser classificados como de origem PLUVIAL, FLUVIAL ou DELTAICO.

CARACTERÍSTICAS:

- Grãos de diversos tamanhos;

- Mais grossos que os eólicos;

- Sem coesão.

2.3.2.3 SOLOS GLACIAIS

Formados pelas geleiras. São formados de maneira análoga aos fluviais.

        1. SOLOS COLUVIONARES

Formados pela ação da gravidade. Grande variedade de tamanhos. Dentre os solos podemos destacar o TALUS, que é solo formado pelo deslizamento de solo do topo das encostas.

2.3.2.5 SOLOS ORGÂNICOS

Impregnação do solo por sedimentos orgânicos preexistentes, em geral misturados de restos de animais e vegetais. Cor escura e cheiro forte.

As TURFAS são solos que encorporam florestas soterradas em estado avençado de decomposição. Não se aplicam as teorias da mecânica dos solos.

        1. SOLOS TROPICAIS VERMELHOS

Ou LATERÍTICOS são os solos de evolução pedogênica (sofrem no seu local de formação ou deposição uma série de transformações físico-químicas. Formados por uma alternância de saturação e secagem do solo original, aumentando a concentração de óxido de ferro e alumina na parte superior.

3. TEXTURA E ESTRUTURA DOS SOLOS

3.1 TAMANHO E FORMA DAS PARTÍCULAS

A TEXTURA de um solo, é o tamanho relativo e a distribuição das partículas sólidas que formam. O estudo da textura dos solos é realizado por intermédio do ensaio de granulometria. Pela sua textura os solos podem ser classificados em solos grossos e solos finos.

3.1.1 SOLOS GROSSOS

Solos com   0,074mm e suas partículas tem forma arredondada poliédrica, e angulosa.

Os solos grossos são os PEDREGULHOS e as AREIAS.

      1. SOLOS FINOS

Os solos finos são os SILTES e as ARGILAS. Solo com   0,074mm. Os solos finos são os siltes e as argilas.

A fração granulométrica classificada como ARGILA possui diâmetro inferior a 0,002mm e se caracteriza pela sua plasticidade marcante elevada resistência quando seca.

Segundo a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) os limites das frações de solo pelo tamanho são os da tabela 1:

TABELA 1

FRAÇÃO

LIMITES (ABNT)

Matacão

de 25cm a 1m

Pedra

de 7,6cm a 25cm

Pedregulho

de 4,8mm a 7,6cm

Areia Grossa

de 2,0mm a 4,8mm

Areia média

de 0,42mm a 2,0mm

Areia fina

de 0,05mm a 0,42mm

Silte

de 0,005mm a 0,05mm

Argila

Inferior a 0,005

Tabela 01- Classificação dos solos segundo a ABNT.

    1. COMPORTAMENTO DOS SOLOS

O comportamento dos solos finos é definido pelas forças de atração moleculares e elétricas e pela presença de água.

O comportamento dos solos grossos são governados pelas forças gravitacionais. Os SILTES apesar de serem classificados como finos, o seu comportamento é governado pelas forças gravitacionais (mesmas dos solos grossos).

3.3 COMPOSIÇÃO QUIMICA E MINERALÓGICA DOS SOLOS

Os solos são formados por agregados de um ou mais minerais.

3.3.1 MINERAL

Substância inorgânica e natural, com composição química e estrutura definida. Os minerais encontrados nos solos podem ser primários ou secundários. Os PRIMÁRIOS, são os mesmos da rocha de origem, e os SECUNDÁRIOS são formados quando ocorre a decomposição química.

3.3.2 MINERAIS CONSTITUINTES DOS SOLOS GROSSOS E SILTES

Os solos grossos são constituídos basicamente de SILICATOS apresentam também na sua composição ÓXIDOS, CARBONATOS E SULFATOS.

3.3.2.1 SILICATO

Silicato é um composto salino resultante do óxido silício, são abundantes na natureza e formam os FELDSPATOS, MICAS e QUARTZO e SERPENTINA.

FELDSPATO: São silicatos duplos de AL e de metal alcalino ou alcalino terroso “k”, “Na” ou Ca, sofrem decomposição acentuada pela ação da água carregada de CO2 , produzindo argila branca (CAULIM).

MICA: Ortossilicatos de Al, Mg, K, Na ou Li e raramente Mn e Cr apresenta-se em forma de lâminas flexíveis, e de fácil clivagem. tem-se a muscovita (mica branca e a biotita (mica preta)

QUARTZO: é o mais importante do grupo dos silicatos. Sua composição é SIO2. São identificados macroscopicamente e é o mineral mais abundante na crosta terrestre.(SiO2) sílica cristalina pura, clorita e o talco.

3.3.2.2 ÓXIDOS

Composto de metalóide e oxigênio, não se une com a água. Hematita (Fe2O3), Magnetita (Fe2O4) e Limonita (Fe2O3. H2O).

3.3.2.3 CARBONATOS

Calcita (CaCO3), Dolomita [(CO3)2CaMg]. A calcita é o segundo mineral mais abundante na crosta terrestre ().

3.3.2.4 SULFATOS

(CaSO4.2H2O) e Anidrita (CaSO4)

      1. MINERAIS CONSTITUINTES DOS SOLOS ARGILOSOS

As argilas são constituídas basicamente por silicatos de alumínio hidratados, podendo apresentar silicatos de magnésio, ferro ou outros metais. Os minerais que formam as frações finas pertencem a três grupos: CAULINITA, ILITA e MONTMORILONITA.

3.3.3.1 CAULINITA

São formadas por unidades estruturais de silício e alumínio, que se unem alternadamente, conferindo-lhes uma estrutura rígida. São relativamente estáveis em presença de água.

3.3.3.2 ILITAS

São estruturalmente semelhantes as Montmorilonitas. As substituições isomórficas (não alteram o arranjo dos átomos) que ocorrem tornam ela menos expansiva.

3.3.3.3 MONTMORILONITAS

Unidades estruturais de alumínio entre duas unidades de silício, e entre as unidades existem n moléculas de água. São instáveis em presença de água. Ex: BENTONITA.

A presença de um determinado mineral de argila pode ser determinado por análise TERMODIFERENCIAL, RAIO X, MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA e ETC.

3.3.4 SUPERFÍCIE ESPECIFICA

É a superfície total de um conjunto de partículas dividida pelo seu peso. Quanto mais fino for o solo maior será a sua superfície especifica, o que constituí uma das razões das diferenças entre as propriedades físicas solos finos e dos solos grossos.

A superfície especifica dos argilominerais é:

CAULINITA S = 10m2/s de solo

ILITA S = 80m2/g de solo

MONTMORILONITA S = 800m2/g de solo

4. FASE SÓLIDO ÁGUA E AR

O solo é constituído de uma fase fluida (água e ou ar) e de uma fase sólida. A fase sólida ocupa os vazios deixados pelas partículas sólidas.

    1. FASE SÓLIDA

Caracterizada pelo seu tamanho, forma, distribuição e composição mineralógica dos grãos.

    1. FASE GASOSA

Ar, vapor d’água e carbono combinado. É bem mais compressível que as fases liquida e sólida.

4.3 FASE LIQUIDA

Preenche os vazios dos solos. Pode estar em equilíbrio hidrostático ou fluir sob a ação da gravidade ou de outra forma.

      1. ÁGUA CAPILAR

Se eleva pelos interstícios capilares formados pelas partículas sólidas, devido a

ação das tensões superficiais oriundas a partir da superfície líquida da água.

      1. ÁGUA ADSORVIDA (ADESIDA)

É uma película de água que adere às partícula de solos muito finos devido a ação de forças elétricas desbalanceadas na superfície dos argilo-minerais.

    1. ÁGUA DE CONSTITUIÇÃO

Faz parte da estrutura molecular da parte sólida.

4.5 ÁGUA HIGROSCÓPICA

A água que ainda se encontra no solo seco ao ar livre.

“As água livre, Higroscópica e Capilar podem ser totalmente eliminadas a temperatura práticas de 1000C”.

EXERCÍCIO

1. Calcule a superfície da partícula de areia fina, expressando-se em m2/g. Admita que a massa específica da partícula seja 2,65g/cm3.

Areia Fina: Cubos com 0,1 mm de aresta.

Comentários