Fornecimento de energia eletrica a edificaçoes de uso coletivo-celpe

Fornecimento de energia eletrica a edificaçoes de uso coletivo-celpe

(Parte 3 de 12)

Entrada de Serviço 4.17Os ramais de ligação e de entrada em baixa tensão e a proteção constam da Tabela 01. 4.18A entrada de serviço para as Edificações de Uso Coletivo deve atender as seguintes condições:

Norma Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Uso Coletivo

4.18.1Quando destinada à ligação dos Centros de Distribuição e Medição, deve ser projetada e dimensionada a partir da demanda máxima da edificação (De).

Tabela 01 – Dimensionamento da Entrada de Serviço DIMENSIONAMENTO DA ENTRADA DE SERVIÇOS DE EDIFICAÇÕES DE USO COLETIVO

Condutores de cobre

Ramal de Entrada Subterrâneo ou embutido

Demanda Máxima da

Edificação (De) (kVA) Tensão 380/220 V

Ramal de ligação Aéreo

Seção (mm²) Seção

Duto PVC φφφφ (m)

Duto Aço φφφφ (m)

Corrente Máxima (A)

Disjuntor (A)

Notas: a) No dimensionamento acima foi considerado isolamento e cobertura dos cabos em XLPE 90 °C; b) Os condutores devem ser de dupla isolação, classe de encordoamento 2, tensão nominal 0,6/1kV; c) A demanda máxima da edificação deve ser calculada por método definido nesta norma; d) Em função de características específicas da instalação tais como modo de instalação dos condutores, distância para o quadro de distribuição geral, tipo de isolante dos condutores, temperatura ambiente, etc., outros valores podem ser aceitos desde que justificados no projeto; e) Permite-se a instalação de disjuntor dotados de regulagem de corrente. Os disjuntores a partir de 250 A, possuem relé de sobrecorrente ajustável, na faixa de 0,9<In<1,2. Portanto, para a última faixa da tabela 01 o ajuste recomendado para o relé é 0,9 In; f) As seções dos condutores são as mínimas exigidas. Permite-se uma tolerância, para cada faixa de demanda, de no máximo uma seção acima da indicada na tabela 01, desde que mantido o disjuntor de proteção correspondente à faixa. g) Para fins exclusivos de cálculo de coordenação da proteção, considerar o Fator de Segurança Mínimo (Fr), no dimensionamento da entrada de serviço, conforme a tabela 05.

4.19Caso a potência calculada para o transformador esteja no intervalo entre 112,5 kVA e 225 kVA, a subestação transformadora de distribuição, projetada para atender a edificação deve estar localizada no mesmo lado da via pública no qual está situada a edificação. Caso necessário, deve-se executar uma extensão em média tensão, derivando da rede existente, a fim de atender a esta condição.

4.20Caso a rede de distribuição secundária existente situe-se do mesmo lado da edificação, deve ser projetada área de transformador com um vão de rede de distribuição para cada lado da subestação transformadora, visando atender às condições de segurança e operação da rede de distribuição.

4.21Caso a edificação situe-se no lado da via pública sem rede de distribuição, a subestação transformadora deve ser projetada como exclusiva para a edificação. Quando houver necessidade de estender a rede de distribuição secundária, deve-se proceder conforme item 4.20.

4.22A CELPE se reserva o direito de não efetuar ligação de unidade consumidora localizada em edificação que, quando da realização da vistoria, comprovadamente estiver situada dentro de faixa de servidão de linha de distribuição e/ou linha de transmissão, ou quando detectada a existência de paredes, janelas ou

Norma Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Uso Coletivo sacadas construídas sem obedecer aos afastamentos mínimos de segurança, em relação à rede de distribuição.

Ramal de ligação

4.23Condições Específicas do Ramal de Ligação Aéreo: 4.23.1Não cruzar terreno de terceiros ou passar sobre ou sob área construída; 4.23.2Entrar pela frente do terreno, ficando livre de obstáculos e visível em toda a sua extensão; 4.23.3Ter comprimento máximo de 40 m;

4.23.4Respeitar as legislações municipais, estaduais e federais, especialmente quando atravessar vias públicas ou áreas preservadas;

4.23.5Não ter emendas nem derivações;

4.23.6Quando em baixa tensão, deve ser em cabo de cobre multiplexado, isolado em polietileno reticulado XLPE, fixado através de armação secundária dotada de isolador roldana ou olhal instalado em poste particular, pontalete ou diretamente na fachada da edificação;

4.23.7O ramal de ligação em baixa tensão deve manter as seguintes distâncias mínimas para o solo na pior condição de trabalho: a) 6,0 m em travessias de ferrovias (não eletrificadas ou não eletrificáveis); b) 6,0 m em travessias de rodovias; c) 5,50 m em ruas e avenidas; d) 4,50 m em local de passagem de veículo (entradas particulares); e) 3,50 m em locais de circulação exclusiva de pedestres.

4.23.8O ramal de ligação em média tensão pode ser em cobre nu, alumínio nu ou protegido, conforme o padrão de rede de distribuição local e manter as seguintes distâncias mínimas para o solo na pior condição de trabalho: a) 9,0 m em travessias de ferrovias (não eletrificadas ou não eletrificáveis); b) 8,0 m em travessias de rodovias; c) 6,0 m em ruas e avenidas; d) 6,0 m em locais restritos a veículos; e) 5,50 m em locais exclusivos para pedestre.

4.23.9Quando existirem cercas, portões ou grades metálicas passando sob o ramal, os mesmos devem ser seccionados e aterrados;

4.23.10O ramal deve obedecer às distâncias mínimas para paredes, janelas e sacadas conforme NBR 5434, transcrito para o desenho 06 do ANEXO I.

4.24Condições específicas para o Ramal de Ligação Subterrâneo em Média Tensão:

4.24.1Ser em cabo de cobre unipolar 12/20 kV, seção mínima 50 mm², isolado em EPR. Deve ser dimensionado de acordo com a demanda calculada;

4.24.2Quando radial, ser formado por três condutores com comprimento máximo de 40 m, medidos entre a caixa de inspeção junto ao poste e a 1ª caixa de inspeção dentro da subestação abrigada;

4.24.3Quando em anel, formado por duas descidas espaçadas em pelo menos um vão da rede aérea e devem convergir para única cabine de proteção e manobra. Cada descida deve ser formada por três condutores e ter comprimento máximo de 40 m, medidos entre a caixa de inspeção junto ao poste e a 1ª caixa de inspeção dentro da subestação abrigada;

Norma Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Uso Coletivo

4.24.4Os condutores da descida devem ser protegidos por eletroduto de aço carbono galvanizado, com a respectiva bucha, diâmetro mínimo 100 m (Φ4”), espessura mínima 3,75 m, altura mínima de 6 m em relação ao solo, fixados no poste por fitas de aço inoxidável. A extremidade superior do eletroduto deve ser protegida contra penetração de água, utilizando-se massa de calafetar ou material similar;

4.24.5Ser instalado em banco formado por dois eletrodutos de PVC ou PEAD (Polietileno de Alta Densidade) corrugado com diâmetro mínimo de Φ100 m, profundidade mínima de 800 m. Os condutores do ramal devem ser instalados em um mesmo eletroduto, permanecendo o eletroduto reserva vazio;

4.24.6Não cruzar terreno de terceiros, nem vias públicas:

4.24.7Devem ser construídas base e caixa de inspeção padronizadas para subida em poste, utilizando curva 90 graus curta de Φ100 m (Φ4”). A caixa de inspeção deve ser dotada de tampa em concreto armado com duas alças, conforme desenho 10 do ANEXO I;

4.24.8Ter obrigatoriamente caixas de inspeção, com dimensões mínimas de 1000 m x 1000 m x 1200 m, conforme desenho 10 do ANEXO I, que permitam raios de curvatura dos cabos de no mínimo 10 vezes seu diâmetro externo ou conforme a especificação do fabricante, ter fundo falso com pedra britada, apresentar o nome CELPE em baixo relevo e ser instalada nos seguintes pontos:

a) A uma distância de 500 m, da face do poste de transição da rede aérea para subterrânea; b) Nos pontos onde houver curva de ângulo, em relação à direção do ramal, maior que 45 graus. A distância máxima entre caixas, em trechos retilíneos, deve ser de 25 m.

4.24.9Os cabos devem ter comprimento reserva entre 1 e 2 m, pelo menos, nas caixas localizadas nas extremidades do ramal;

4.24.10Nas edificações em que o ramal de ligação seja instalado de forma aparente, sob o teto do pavimento subsolo, as caixas de inspeção devem ser construídas em chapas metálicas de ferro galvanizado nº 18 USG (mínimo), com dimensões mínimas internas de 600 m x 600 m x 500 m e dotadas de tampas constando o nome CELPE em alto relevo, conforme desenho 09 do ANEXO I;

4.24.11Os condutores do ramal de ligação devem estar protegidos por eletroduto de aço carbono galvanizado, fixados ao teto através de abraçadeiras metálicas, convenientemente instaladas a espaços regulares a fim de manter o eletroduto perfeitamente nivelado em relação ao teto. As extremidades do eletroduto entre duas caixas devem ser fixadas às mesmas através de bucha e arruela de alumínio;

4.24.12As extremidades dos condutores devem ser protegidas por muflas terminais de forma, dimensões e dimensionamento adequados;

4.24.13O suporte de fixação das muflas terminais de 15 kV, no poste, deve ser feito em cruzeta de concreto tipo T de 1200 m, a uma altura mínima de 7 m, conforme desenho 1 do ANEXO I;

Ramal de Entrada e Padrão de Entrada em Baixa Tensão

4.25Quando a edificação for atendida diretamente da rede secundária de baixa tensão, o ramal e o padrão de entrada devem ser instalados pelo interessado obedecendo aos padrões da CELPE. A partir do ponto de entrega, deve ser observado o valor máximo de queda de tensão admissível, conforme NBR 5410.

4.26O ramal de entrada deve ser único e individual para cada edificação, exceto quando ocorrer as condições previstas no item 4.15, podendo ser aéreo, subterrâneo ou embutido em parede, conforme desenhos 02, 03 e 04 do ANEXO I.

4.27Para as edificações que por legislação devem ser atendidas em tensão secundária a partir de transformador instalado na via pública, nas quais o consumidor manifeste o interesse de ser atendido através de ramal de entrada subterrâneo, cabe ao mesmo a construção e manutenção do referido ramal. Especificamente neste caso, o ponto de entrega localiza-se na conexão dos bornes secundários do transformador com o ramal de entrada, conforme desenho 04 do ANEXO I.

Norma Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Uso Coletivo

(Parte 3 de 12)

Comentários