(Parte 1 de 2)

- Isto não é verdade,pois é provado que um raio pode cair várias vezes no mesmo lugar.

- O sistema de proteção contra descargas atmosféricas instalado no prédio do seu vizinho,foi projetado para proteger a edificação do seu vizinho,portando a sua está desprotegida.

✓O Pára-Raios atrai os raios para minha edificação?

- Errado,o sistema de proteção contra descarga atmosférica serve para conduzir a energia gerada por um raio à terra,por um caminho seguro.

✓O Pára-Raios protege meus equipamentos eletrônicos?

- Não,ele não protege os equipamentos eletrônicos.Os equipamentos eletrônicos devem ser protegidos por aterramento e outros dispositivos que tenham esta função.

✓Devo separar o Pára-Raios dos outros aterramentos?

- Não,todos os sistemas de aterramentos,seja de telefonia,de equipamentos eletrônicos , informática, SPDA, tubulações , etc., devem possuir uma ligação equipotencial.

O Procobre - Instituto Brasileiro do Cobre,preocupado com a segurança do ser humano e a qualidade das instalações elétricas,elaborou este folheto que fornece algumas dicas sobre a descarga atmosférica,popularmente conhecida como raio e as prescrições para se projetar e instalar um sistema de proteção.

Desde os primórdios da eletricidade o fenômeno de descarga atmosférica vem sendo estudado.Estes estudos levaram a algumas conclusões.

Em uma descrição simples o raio é um curto-circuito entre a nuvem e a terra.É um fenômeno da natureza imprevisível e aleatório que acontece quando a energia acumulada em uma nuvem atinge um valor crítico e rompe a rigidez dielétrica do ar.

A instalação de um Pára-Raios - tecnicamente chamado de

Proteção Contra Descarga Atmosférica (SPDA) é a prevenção mais adequada para proteger uma edificação e as pessoas que estejam em seu interior.

Para garantir a segurança e eficiência do sistema,o projeto deve ser elaborado sempre seguindo as prescrições da Norma NBR 5419 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

O cobre é o melhor condutor de energia e de participação fundamental na instalação de Pára-Raios (SPDA) para a proteção do seu patrimônio e da sua vida.

Av. Brigadeiro Faria Lima, 2128 conj. 203 - CEP 01451-903 Tel.: 1 3816-6383 São Paulo-SP-Brasil e-mail: unicobr e@pr ocobr ebrasil.org

Conheça mais sobre o cobre: w.procobr ebrasil.org

Para iniciar nossas dicas vamos esclarecer algumas dúvidas que acabaram se tornando crenças populares ao longo dos anos.

NOTAS:as tubulações de gás com proteção catódica não poderão ser vinculadas diretamente. Neste caso deverá ser instalado um DPS tipo centelhador. Recomenda-se que todos os furos realizados na instalação do SPDA sejam bem vedados para evitar infiltrações no futuro. Recomenda-se o uso de porcas, arruelas e parafusos em aço inox e buchas de nylon para aumentar a vida útil do SPDA.

•Os condutores de descidas e anéis intermediários podem ser fixados diretamente na fachada das edificações ou por baixo do reboco.

•Os condutores de descida devem ser distribuídos ao longo do perímetro da edificação, de acordo com o nível de proteção, com preferência para as quinas principais.

•Em edificações acima de 20m de altura, os condutores das descidas e dos anéis intermediários horizontais deverão ter a mesma bitola dos condutores de captação, devido à presença de descargas laterais.

•Para minimizar os danos estéticos nas fachadas e no nível dos terraços, podem ser usados condutores chatos de cobre.

•A malha de aterramento deverá ser com cabo de cobre nu #50mma 0,5m de profundidade no solo, interligando todas as descidas.

•Os eletrodos de aterramento tipo “Copperweld” deverão ser de alta camada (254 microns) não sendo permitidos os eletrodos de baixa camada.

•As conexões enterradas deverão ser preferencialmente com solda exotérmica, porém se forem usados conectores de aperto, deverá ser instalada uma caixa de inspeção de solo para proteção e manutenção do conector.

•Todas as ferragens deverão ser galvanizadas a fogo, sendo portanto proibida a galvanização eletrolítica.

•As equalizações de potenciais deverão ser no mínimo executadas no nível do solo e a cada 20m de altura, onde deverão ser interligadas todas as malhas de aterramento, bem como todas as prumadas metálicas da edificação e a própria estrutura da edificação.

Y - jul/03

No projeto de captores para um SPDA,podemos usar os seguintes métodos:

•Ângulo de proteção (Método Franklin). •Esfera rolante ou fictícia (Modelo eletrogeométrico).

•Condutores em malha de gaiola (Método Faraday).

O Projeto de um SPDA adequado de acordo com a NBR 5419, passa pelas seguintes etapas:

Algumas instalações exigem atenção especial quanto ao seu conteúdo,principalmente instalações com materiais potencialmente inflamáveis (microfibras suspensas e pó de grãos) pois a elevação de temperatura no telhado ou centelhamento entre estruturas pode desencadear um incêndio,com conseqüências desastrosas.

Subsistema de Captação (por cima)

Condutor por cima da platibanda percorrendo todas as periferias dos diferentes níveis horizontais.

Subsistema de Captação (na lateral)

Condutor na lateral externa da platibanda percorrendo todas as periferias horizontais .

Subsistema de Descida

Condutores verticais dispostos preferencialmente nas quinas da edificação e distribuídos pelo perímetro da edificação obedecendo o espaçamento especificado na tabela 2.

Subsistema de Anéis Intermediários Horizontais (captação lateral)

Condutores horizontais,com seção mínima de 35mm,instalados a cada 20m de altura,percorrendo a periferia externa da edificação e interligando as descidas.

Subsistema de Malha de Aterramento

Cabo de cobre nu,com seção mínima de 50mm,circundando a periferia do prédio,distando aproximadamente 1m da edificação,enterrado a 0,5m de profundidade e conectado no mínimo a uma haste “Copperweld”de alta camada para cada descida.Esta conexão deverá ser de preferência com solda exotérmica.

Subsistema de Equalização de Potencial

Interligação de todas as malhas de aterramento e massas metálicas ao Terminal de Aterramento Principal (TAP) ou Ligação Equipotencial Principal (LEP) usando preferencialmente uma caixa de equalização.Esta equalização de potencial deverá ser realizada no subsolo,e a cada 20m de altura para prédios residenciais,coincidir com os anéis intermediários ou a cada andar para prédios comerciais/industriais .

Tipos de edificação

•Edificações de explosivos. Inflamáveis, indústrias químicas, nucleares, laboratórios bioquímicos, fábricas de munição e fogos de artifício, estações de telecomunicações, usinas elétricas, refinarias, indústrias com risco de incêndio, etc.

•Edificações comerciais, bancos, teatros, museus, locais arqueológicos, hospitais, prisões, casas de repouso, escolas, igrejas e áreas esportivas.

•Edifícios residenciais, indústrias, estabelecimentos agropecuários e fazendas com estrutura em madeira.

(Parte 1 de 2)

Comentários