(Parte 1 de 5)

Apostila de J2ME versão 1.0 por Juliano Carniel e Clóvis Teixeira juliano@dainf.cefetpr.br clv@dainf.cefetpr.br

Tutorial J2ME - Juliano Carniel e Clóvis Teixeira Copyright® - 2003

Índice

•Diferença entre MIDP 1.0 e 2.0 – 4 •API's – 5

•Criando projetos, Compilando e Executando – 5

•Obfuscator – 8

•Ciclo de vida de uma MIDlet – 8

•Interface – 9

•TextBox – 13

•Conexões – 18

•SMS via Servidor – 20

•Armazenameto em celulares – 20

•Canvas – 2

•Codigos Exemplos – 23 •ExemploCommandsandTicker – 23

•ExemploListandAlert – 25

•ExemploTextBox – 27

•ExemploForm1 – 29

•ExemploGauge – 31

•ExemploConnectionImage – 34

•ExemploHttpConnection – 37

•ExemploCanvas – 40

•Referências Bibliográficas – 42 •Copyright – 43

Tutorial J2ME - Juliano Carniel e Clóvis Teixeira Copyright® - 2003

1 Apostila de J2ME

- Introdução:

Comecemos com uma pergunta básica porém não menos importante. O que vem a ser esse J2ME? E para que serve?

Java 2 Micro Edition é uma API Java voltada para micro aplicativos que rodam em micro processadores assim como os dos celulares.

Neste Tutorial vamos tratar da Tecnologia J2ME MIDP 1.0 voltada para aplicações gráficas porém não vamos tratar de jogos aqui, embora após a leitura deste, você pode ter um embasamento para começar a desenvolver algo na área. As aplicações criadas usando-se MIDP são chamadas MIDlets (assim como Servlets e Applets).

Usamos os programas: - Wireless Tollkit que é um software gratuito feito pela Sun para simplificar o ciclo de desenvolvimento do J2ME o qual pode ser encontrado em http://wireless.java.sun.com/allsoftware/ (é necessário que você já tenha o j2sdk instalado http://java.sun.com/j2se/1.4.1/download.html), você ainda pode baixar outros emuladores encontrados na mesma pagina do Wireless Toolkit para posteriores testes.

- E o editor GEL que é free, e é um ótimo editor facilitando muito na edição com auto-complete de métodos e muitas outras facilidades que este programa provê, e pode ser encontrado em w.gexperts.com

Caso você já tenha algum outro programa como o Eclipse por exemplo, pode-se usa-lo também fazendo as devidas modificações.

Como já citado trabalhamos com MIDP 1.0, e alguns podem se perguntar por que não a 2.0? Todos celulares existentes hoje, ou a grande maioria, usa a tecnologia 1.0 então ainda não se justifica o uso da versão 2.0, e iremos demonstrar posteriormente algumas diferenças, embora não sejam muitas, e nem gritantes.

Tutorial J2ME - Juliano Carniel e Clóvis Teixeira Copyright® - 2003

- Entendendo J2ME

J2ME é dividido em configurations, profiles e API's opcionais. Para entendermos melhor, pensemos da seguinte maneira, Profiles são mais específicos que configurations, e fazendo analogia a um velho exemplo temos uma abstração sobre o que é um carro e como ele é fabricado (configuration) e como um Ford é fabricado (profile), mais tecnicamente falando profile é baseado em configuration e ainda acima dos profiles estão as API's que na nossa analogia seria um modelo específico da Ford.

Existem dois "configurations", um configuration é o CLDC (Connected, Limited

Device Configuration), que rege as configurações para aparelhos bem pequenos como celulares ou PDA's, o qual fica acima das diretrizes J2ME juntamente com CDC (Connected Device Configuration) o que rege as configurações para aparelhos um pouco maiores, mas mesmo assim pequenos.

Podem haver vários Profiles vamos citar dois aqui os quais são os mais importantes para este estudo, MIDP (Mobile Information Device Profile) e também o PDAP (Personal Digital Assistant Profile) e ambos estão acima do CLDC.

CLDC como já vimos rege as configurações para aparelhos extremamente pequenos, ele foi desenvolvido para dispositivos de 160KB à 512KB com memória valida para Java. Você não leu errado e nem nós trocamos unidades de medidas, a memória está realmente certa, o que nos faz pensar muito em termos de aplicações que podem rodar neles e nos traz de volta a certas programações para DOS no que diz respeito à memória. E falando em memória relevemos também o processamento que é muito fraco,

Tutorial J2ME - Juliano Carniel e Clóvis Teixeira Copyright® - 2003 mas muito mesmo não mais que 10Mhz e isto se tratando de aparelhos tops de linha (até a composição desta materia), o que nos faz analisar melhor códigos e métodos usados, os quais dispendem de muito processamento e uso de memória. E também a conexão lenta, tipicamente de 9.600bps.

MIDP tem as seguintes características: -128kB de memória não-volátil para JAVA.

-32KB de memória volátil para tempo de execução.

-8KB de memória não-volátil de para armazenamento de dados.

-uma tela de pelo menos 96x54 pixels (aqui já cai por terra a propaganda de muitos celulares, os quais dizem ter uma tela ampla de 96x54, o que é o mínimo necessário).

-Capacidade de entrada de dados seja por teclado (do celular), teclado externo ou mesmo Touch-screen. -Possibilidade de enviar e receber dados em conexão.

- Segurança

Uma pergunta freqüentemente feita é: Agora com programas rodando nos celulares não iremos ter problemas de vírus, ou programas maliciosos? A resposta é não, pois o Java não tem acesso a API do celular em si, ou seja, ele não poderá acessar funções especificas do celular como, por exemplo, a agenda telefônica, sendo assim não poderão ser apagados ou modificados seus dados, a não ser que o fabricante lhe disponibilize esta API, como é o caso dos jogos nos celulares, cada fabricante disponibiliza uma API específica para os jogos, podendo assim aproveitar melhor o desempenho do aparelho, porém cai por terra a forte característica de vida do JAVA, a (WORA) "Write Once, Run Anywhere!", apesar de ser mais seguro, perde-se um pouco e funcionalidade. A maquina virtual tem um espaço independente de memória, e não pode acessar

Tutorial J2ME - Juliano Carniel e Clóvis Teixeira Copyright® - 2003 a memória correspondente às aplicações nativas do celular.

Outro ponto importante é que não é permitida a carga de classes definidas pelo usuário, ou seja, o usuário não tem acesso a outras funções que não seja as da VM, o que aumenta a segurança, porém restringe um pouco o desenvolvimento.

- Tecnologias Wireless

Muitas pessoas ainda tem dúvidas sobre as diferentes tecnologias de celulares existentes. Vamos tentar defini-las e diferencia-las em poucas palavras, sendo que este não é o enfoque principal deste Tutorial.

- TDMA: (time division multiple access, ou acesso múltiplo por divisão do tempo), ou seja, ele não diferencia voz e dados então para navegar na internet(dados) você paga o mesmo preço que pagaria por fazer uma ligação de voz. Quem tem algum celular tdma sabe o quão caro e lento é isso. Somente para estabelecer a conexão leva-se 8 segundos e a transferência de dados da-se a 9.600bps.

- CDMA: (code division multiple access, ou acesso múltiplo por divisão de códigos), ou seja, é separado voz de dados, e tanto esta tecnologia quando a gsm são conexão 100% ativa, ou seja, não existe este delay de conexão você requisita uma informação e ela vem diretamente. Além de a taxa de transferência que é maior chegando a 256Kbps usando CDMA 1xRTT, que é o que esta em vigor.

- GSM: (global system for communication, ou sistema global de comunicação), ou seja, tem as mesmas características da tecnologia CDMA, porém opera usando GPRS.

Caso haja maior interesse nas tecnologias de transmissão e na evolução e tudo mais que diz respeito recomendo estes sites http://www.sit.com.br/SeparataTELCO50.htm e http://idgnow.terra.com.br/idgnow/telecom/2002/09/0043 .

–Diferença entre MIDP 1.0 e 2.0

Existem algumas diferenças entre as versões, como todos sabemos a cada versão mais nova é sempre incrementado mais funções. Além desses métodos a mais, e algumas facilidades maiores da 2.0 como classes para jogos, e tratamento de sons, temos a diferença na comunicação de dados que é o mais interessante aqui como, por exemplo, as conexões são feitas através do protocolo http que no caso é inseguro no

Tutorial J2ME - Juliano Carniel e Clóvis Teixeira Copyright® - 2003 envio de informações, já na 2.0 está implementado o https (ssl) conexão com criptografia que já é conhecida de todos.

Aqui listamos os Packages disponíveis para as versões. · java.lang

·java.lang.ref (somente 1.1)

· java.util

· javax.microedition.io

· javax.microedition.lcdui

·javax.microedition.lcdui.game (somente na 2.0)

·javax.microedition.media (somente na 2.0)

·javax.microedition.media.control (somente na 2.0)

· javax.microedition.midlet

· javax.microedition.rms

·javax.microedition.pki (somente na 2.0)

Opcionalmente, fabricantes podem fornecer API's JAVA para acesso a partes especificas de cada aparelho.

Com relação à segurança a MIDP 2.0 traz bastante recursos nessa parte, e já se aproxima mais do J2SE, com Permissions Types, Protection Domains baseados em IP's e PKI's.

- API's

A MIDP 1.0 não possui suporte a ponto flutuante, ou seja, se desejas trabalhar com contas, e valores reais terás que manuseá-los em código mesmo. A versão 1.1 do CLDC já possui suporte a ponto flutuante, porém mesmo com a versão 1.0 você pode baixar programas específicos pra isso como esse programa encontrado em http://home.rochester.r.com/ohommes/MathFP .

Você tem ainda outras restrições como: –Sem user classLoading

–Sem finalização de objetos (finallize() de java.lang.Object)

–Garbage collector existe, porém não executa método automático.

–Sem RMI e sem JINI

–Sem métodos nativos, a não ser os fornecidos pela JVM nativa.

–MultiThreading (sem interrupt(), pause(), resume() e stop())

–Sem thread groups e thread Deamons

- Criando projetos, Compilando e Executando

Bom depois de muita teoria, a qual nos deu um embasamento melhor para sabermos o que estamos fazendo, vamos a uma parte mais prática, e a mais esperada por todos.

O processo de desenvolvimento de MIDlet's é um pouco mais complexo do que de outros programas feitos em JAVA, pois é feito segundo estes passos: · Editar código fonte;

· Compilar;

· Pré-Verificar;

Tutorial J2ME - Juliano Carniel e Clóvis Teixeira Copyright® - 2003

· Empacotar; ·Testar e/ou Instalar;

Depois de tudo instalado corretamente, devemos primeiramente abrir o Wireless ToolKit e criar um Projeto, para isso clique em New Project.

Depois em Project Name defina o nome do seu projeto, e logo abaixo o nome da classe de sua midlet que deve ser igual ao nome do projeto.

Feito isso ele terá criado vários diretórios dentro de path_WTK/apps/Sua_Aplicacao/, para cada aplicação é criado uma árvore de diretórios conforme ilustrado abaixo.

Tutorial J2ME - Juliano Carniel e Clóvis Teixeira Copyright® - 2003

Em seguida abrirá uma tela que contém informações sobre a sua aplicação, aconselho a não mudar o que está lá, pois é por esse arquivo que o celular reconhecerá antes de ser baixado, se ele é apto a rodar ou não seu programa, a única coisa que poderias mudar seria o Vendor Name, o qual você pode colocar o nome de sua empresa, ou o que desejares. Se vocês verificarem a última aba desta tela (aba MIDlets), tem um link para uma figura .png, que é o icone que aparecerá no celular de sua aplicação você pode modificá-lo colocando o nome de uma figura personalizada, apenas lembre-se que a figura deve ficar no devido diretório (path_WTK/apps/Sua_Aplicacao/res), e sempre para qualquer aplicação deve-se por dentro do diretório /res.

Existem dois botões que serão muito utilizados por nos, BUILD, e RUN, os quais

Tutorial J2ME - Juliano Carniel e Clóvis Teixeira Copyright® - 2003 são auto-explicativos. Após a criação do projeto, estamos aptos, e finalmente, a criar nossos códigos.

Obfuscator Como vimos dispositivos celulares possuem memória muito reduzida, e quanto menor sua aplicação for, melhor será para o celular. Para isso usamos o Obfuscator que é usado para diminuir o tamanho dos arquivos eliminando redundância e também para evitar engenharia reversa.

Este programa, renomeia classes, variáveis e métodos para nomes mais compactos, removem classes, métodos não usados e ainda inserem dados ilegais ou questionáveis para confundir Descompiladores.

Para criar um pacote obfuscado você precisa de algum programa Obfuscator, um bom programa, o Retroguard, pode ser encontrado em w.retrologic.com, depois de baixado você deve copiar o arquivo retroguard.jar dentro do diretório bin do wirelessToolkit. (Ex: c:\WTK104\bin)

- Ciclo de Vida de uma MIDlet

O Aplication Manager (AM) de cada dispositivo é quem vai controlar os aplicativos a serem instalados, onde e como serão armazenados e como serão executados. As classes de cada aplicativo estão em um arquivo JAR, o qual vem acompanhado de um descritor JAD, que terá todas as informações as quais já vimos anteriormente.

Assim que a MIDlet é invocada, o AM invoca o método startApp(), o qual coloca a midlet no estado Active. Enquanto ela estiver executando o AM pode pausar ela invocando o método pauseApp() no caso de uma chamada sendo recebida, ou SMS chegando. A aplicação pode pausar a si mesma, bastando invocar notifyPaused(). Assim como a AM pode pausar a aplicação e esta a si mesma, ocorre o mesmo com o DestroyApp() que é invocado pela AM para fechar a aplicação ou até mesmo pode ser fechada através da própria aplicação invocando o notifyDestroyed().

Tutorial J2ME - Juliano Carniel e Clóvis Teixeira Copyright® - 2003

- Interface

As MIDlets devem poder ser executadas em qualquer dispositivo sem alterações, contendo a VM, porém isso torna-se bastante difícil na parte de Interface com usuário, pois dispositivos variam de tamanho de tela, cores, teclados, touch-Screens e outros aspectos.

As aplicações são desenvolvidas com uma certa abstração de tela, pois os comandos e insersão de dados são feitos através dos botões do celular, e isto não sabemos previamente. As aplicações descobrem isto em Runtime e se comportam de maneira apropriada a cada celular. Já no desenvolvimento de jogos a aplicação é bem mais específica, pois o desenvolvedor precisa conhecer o dispositivo previamente para melhor aproveitamento de recursos, como disposição em tela por exemplo.

A tela do dispositivo é representada por uma instância da classe Display, a qual é obtida pelo método getDisplay(), geralmente contida no método startApp(), pois o método getDisplay(), somente fica disponível após o inicio da Aplicação (startApp()). Nessa instancia de Display são inseridos heranças de Displayable.

public void startApp() {

Na tela são mostrados componentes, objetos já instanciados, os quais são chamados pelo método setCurrent() o qual seta o objeto que será mostrado.

O ciclo básico de uma MIDlet pode ser definido por: ·Mostrar um Displayable;

·Esperar por Ação do Usuário;

·Decidir qual Displyable mostrar em seguida;

· Repetir;

As ações do usuário são gerenciadas por comandos (commands), os quais são adicionados a componentes visuais. E também temos as classes Screen e Canvas as quais podemos dividir em duas classes: ·High-level API's que engloba a classe Screen e suas heranças, pois são classificados como objetos de Interface.

(Parte 1 de 5)

Comentários